Navegação – Mapa do site
Recensões críticas

Andrea Fava, Ebook, qualcosa è cambiato: scenari, trasformazioni e sviluppi dei libri digitali

Helder Mendes
p. 285-289
Referência(s):

Andrea Fava, Ebook, qualcosa è cambiato: scenari, trasformazioni e sviluppi dei libri digitali, Bologna, Baskerville, 2011, 229 pp.

Texto integral

1Originalmente tese de mestrado do autor, este texto faz um diagnóstico da edição digital desde os seus primórdios, focando-se no ebook e nas duas tentativas de criação de um mercado, uma em 1999, falhada, e a mais recente em 2010, ao que tudo indica, fazendo fé nas sucessivas estatísticas, bem sucedida. As razões subjacentes quer ao malogro inicial, quer ao êxito presente são trazidas à liça, dando importância ao contexto italiano, mas cujos argumentos são transversalmente válidos; pelo meio, reflecte-se acerca do estatuto do ebook (e sua relação com o impresso) e sobre a posição do editor em todo o cenário. Transversal já não é a constatação feita na introdução à obra, da pena de Peppino Ortoleva, indicando haver, em Itália, abundância de literatura sobre tais temas. Não é o caso entre nós, onde as poucas abordagens são responsabilidade de um parco número de autores e é algo extemporâneo falar de mercado do ebook, não obstante os passos dados nesse sentido, o mais recente (Julho de 2012) sendo o acordo, entre editoras, para adopção de um formato único de ebooks, o eWOOK. Ora, é também pela virtude de poder antecipar trilhos por percorrer no nosso país que julgamos capital o contacto com o presente texto de Fava, que é Project Editor and Digital na UTET, casa pertencente ao grupo De Agostini, conferindo conhecimento in loco dos assuntos tratados no livro que, na sua estrutura, se compõe de cinco capítulos: os dois primeiros tocam o advento do digital e da edição multimédia, primeiro offline e depois online. Segue-se um terceiro, que trata o conceito de crossmedia e analisa os projectos editoriais mais relevantes, pós-bolha dot.com. O quarto capítulo, nuclear, intitulado Ebook 2.0, dá nota dos pontos que definem a segunda encarnação do ebook, bem como do papel que este poderá desempenhar no estímulo do mercado editorial. O quinto e último, que antecede as considerações finais, discute o estatuto e funções do editor. Mas é no prefácio que Fava dá o tom para o resto do texto, ao referir estar em trânsito um processo de inovação e mudança no sector da edição, evidenciando-se que nada será como antes, pois “o que mudou nos últimos anos, ou está a mudar, é o paradigma da leitura” (p. 19), posição sustentada também por personalidades como Chartier e Darnton, que cedo compreenderam vir a passagem dos átomos para os bits alterar o modo como os conteúdos são fruídos. Tal é verdadeiro para o texto, mas estende-se a outras formas de produção cultural, como a música ou o cinema.

2Precisamente, é na música que se dá o gérmen para o que será a edição multimédia: a criação, em 1979, do CD. Embora de curta duração enquanto state of the art, o CD virou do avesso a indústria discográfica e marcou o início de uma era cujos desenvolvimentos oferecem pistas à indústria da edição, sendo o mais óbvio a invasão pelo computador, que conduziu ao nascer da edição digital e à redefinição da produção do próprio livro impresso, tornada dependente da Informática (Fava, não sem algum exagero, considera o desktop publishing uma revolução comparável à de Gutenberg). O multimédia propriamente dito surgirá graças a ulteriores inovações, como a criação de aplicações integradas em sistemas operativos como o Windows95 e capazes de gerir texto, som e imagem. Não foram, no entanto, os editores os primeiros a tomar consciência do potencial destas invenções e sim outros intervenientes, já dotados das novas TIC, e sabendo utilizá-las na circulação de conteúdos, que assumiram a iniciativa e conquistaram quota de mercado aos big players tradicionais. Situação, de resto, não exclusiva do digital: basta recordar que os impressores roubaram o monopólio da circulação de textos aos escribas medievais.

3De qualquer modo, os primeiros produtos multimédia, lançados em suportes como o CD, o DVD ou outros mais efémeros, não cumpriram as expectativas que muitos depositaram, mesmo considerando casos de sucesso como as enciclopédias. O não preenchimento das promessas deveu-se a factores como: a concepção errónea do hipertexto e do hipermédia; a complexidade da edição multimédia; o desfasamento entre o contínuo melhoramento das características dos produtos e a estagnação dos aparelhos leitores, normalmente PC nem sempre facilmente actualizáveis; o facto de qualquer produto multimédia offline ter de ser criado ab ovo (uma nova versão de um produto equivale, lato sensu, a um novo produto); e, não menos importante, o limbo no qual estes conteúdos se situavam, já que nunca se percebeu se um produto multimédia era um bem livreiro ou um bem informático. A edição multimédia, no entanto, sofreria novo ímpeto nos finais do século passado graças à Internet. Em pouco tempo, as editoras, e não só, perceberam que produzir algo como um CD-ROM se tornara obsoleto, tendo os conteúdos tudo a ganhar se fossem publicados na Web, o que traduz a passagem do offline para o online. Assiste-se então à net economy, que terá o seu colapso não muito depois, fruto da bolha dot.com, episódio analisado com detalhe por Fava devido aos seus efeitos, pois se o online sofreu com a bolha, tal não significou o fim dos projectos multimédia, dando-se um reviver do offline, que possuía as vantagens da fisicalidade (ter um valor perceptível pelo comprador), ao invés da Web, insegura e marcada pela desconfiança, passando a ser utilizada mais como meio de comunicação do que como eixo de negócio. É na sequência desta viragem que faz sentido falar do crescimento do fenómeno crossmedia, designando a união, reforçada pelas plataformas digitais, entre meios de comunicação para a “criação e distribuição de conteúdos informativos ou de entretenimento” (p. 103). A aposta no crossmedia é visível na publicação de obras multimédia associadas a outras tradicionais, como por exemplo juntar a um livro ou revista um CD com informação relacionada ou acrescentada. Esta fórmula revelou-se eficaz em canais como os quiosques e levou a uma revitalização da edição, sobretudo quando os jornais diários entraram no jogo, comprando conteúdos aos editores e lançando-os com o jornal a preços convidativos. Em Itália, tal como em Portugal, alguns destes diários construíram autênticos catálogos, por vezes apoiados em campanhas também elas crossmedia utilizando, além dos próprios jornais, cartazes, a rádio, a Internet ou a televisão para publicitar os produtos, acções que “nenhum editor teria podido suportar” (p. 109).

4Também o ebook, surgido de forma consistente em 1999, prometera muito, havendo quem aí visse o futuro da edição. De novo as promessas saíram frustradas. As causas para o falhanço desta tentativa de formação de um mercado são várias: a bolha dot.com refreou o investimento; os e-readers funcionavam num modelo lock in e os formatos eram múltiplos; uma leitura no ecrã pouco ágil; uma frágil gestão dos direitos de autor; um curto catálogo de títulos; o acesso à Internet era possível em alguns dispositivos, bem como a visualização de multimédia, mas com limitações de velocidade e qualidade. Outro problema está na conceptualização do ebook. O ebook foi, e de algum modo ainda é, perspectivado na sua relação com o impresso. “A imitação do livro caracteriza a primeira geração de ebooks” (p. 89) e na realidade Fava peca por defeito. Continua a ser o fantasma do impresso a pairar sobre o grosso dos ebooks, levando autores a defenderem estarmos na fase dos e-cunábulos, por semelhança aos incunábulos e sua imitação dos manuscritos. Mesmo aquelas propriedades tidas por indissociáveis do impresso, caso do cheiro, estão em vias de mimetização digital, e muitos e-readers tinham, e têm, o aspecto de um livro de bolso. Paradoxalmente, a subalternidade do ebook face ao impresso não tem servido para o seu reconhecimento, como prova a atitude do Conselho Europeu, que se recusa a ver no ebook um livro: a declaração 9400/90 dá liberdade aos Estados-membros de aplicar uma taxa reduzida de IVA a vários produtos e serviços, incluindo livros. O ebook não é contemplado, sendo visto como produto informático. É esse desalinho que explica a aplicação, em Portugal, do IVA a 6% ao impresso, e de 23% ao ebook.

5A travessia do deserto do ebook termina em 2010. Uma nova geração de livros electrónicos entra em cena, conquistando uma parcela significativa do mercado e obrigando a reflectir no que mudou para esta tentativa pegar, quando há uma década a sua falência fora estrondosa. As razões voltam a ser de ordem vária. A tecnologia dos e-readers evoluiu consideravelmente, o mesmo se passando com os hábitos de consumo. O lock in foi mitigado, pois os fabricantes de dispositivos, embora mantendo formatos proprietários, abriram-se a outros, como o PDF ou o ePUB, oferecendo ao utilizador maior liberdade de escolha de títulos. O aparecimento dos tablets é também de destacar, ao permitir uma leitura “mais digital e crossmédia” (p. 147) e colocar o mercado em duas direcções activas: a dos e-readers, baseados na tecnologia e-ink e numa superior duração da bateria, e precisamente a dos tablets, menos um objecto que imita o livro e mais um aparelho multifunções. Crucial é, no entanto, a nova forma de encarar o livro por parte dos editores. Em lugar de objecto, cresce a ideia de que o livro é acima de tudo conteúdo. Nesse sentido, interpreta Fava, o ebook não é substituto ou opositor do livro impresso, que terá sempre o seu mercado. É antes um potencial dinamizador da oferta editorial, ampliando-a e permitindo atingir novos targets. A posição de Fava pode aqui parecer contra-intuitiva, mas é bem sustentada e notícias recentes confirmam-no: logo após o lançamento em 2012 do sítio Pottermore, onde se vendem versões ebook e áudio dos livros da saga Harry Potter, deu-se um crescimento nas vendas das versões impressas. Veicular conteúdo em diferentes suportes pode traduzir-se não na canibalização e sim na diversificação da oferta: o mesmo texto pode chegar a mais pessoas se for publicado em impresso, em ebook, se tiver uma versão para telemóvel e para tablet; mesmo que exista uma ou outra sobreposição entre o ebook e o impresso, este terá sempre nichos nos quais aquele dificilmente poderá entrar, casos do fac-símile e do livro de luxo, segmentos que, adianta o autor, estão em franco crescimento (p. 132). Também a teoria da cauda longa vem conferir viabilidade ao ebook: o digital torna rentável e atraente uma oferta ilimitada, mesmo reunindo produtos pouco vendáveis, uma vez que os custos de manutenção, ao contrário do que acontece com livros físicos, são nulos. Porém, o ebook não está isento de problemas. O preço, como se viu a propósito do IVA, é um deles. A grande incógnita é contudo a questão dos direitos de autor, que instrumentos como o DRM ainda não permitem resolver. A Internet abriu uma fractura entre os defensores da propriedade intelectual e os paladinos do livre acesso ao conhecimento e desconhece-se como conciliá-los. O conselho dado por Fava, mesmo admitindo não haver fórmula perfeita, é o do bom senso: requer-se protecção de modo a criar confiança neste mercado, mas essa protecção deve limitar-se ao mínimo, para que o utilizador possa sentir como seu um produto legalmente adquirido (p. 184).

6Importa, por fim, verificar como todas estas mudanças são sentidas do lado profissional. O digital trouxe o ocaso de modelos tradicionais: “o encontro da indústria cultural com a tecnologia exige, talvez pela primeira vez, a superação das barreiras que dividem o universo humanista do científico e tecnológico” (p. 64), pedindo-se agora competências mistas. Mas as funções core permanecerão e não podem ser de forma alguma ameaçadas pelo digital ou pelo surgimento de novos intervenientes como os prosumers que fervilham desde a ascensão da Web 2.0. Essas funções são a selecção e filtragem de conteúdos e a intermediação entre autores e leitores, garantindo a qualidade dos produtos finais. Tais capacidades fazem a diferença, mesmo numa época em que a autopublicação cresce. Fava recorre, aqui, ao exemplo da plataforma da Amazon, a Kindle Direct Publishing, que contém o chamado ebook spam, sendo frequente encontrar textos que são plágios ou até cópias de outros, mudando só a capa, o título e o autor. Tais textos são vendidos na plataforma e, não havendo gatekeeper que separe o trigo do joio, são por vezes adquiridos pelo utilizador. O editor, em suma, faz falta. Por outro lado, o editor deve ser capaz de entender as novas lógicas proporcionadas pelo digital e acima de tudo reconhecer que editar “não é imprimir livros e sim difundir a cultura, ideias, informações e narrativas na forma de livro impresso ou em qualquer outra” (p. 125).

7O livro de Andrea Fava apresenta, portanto, reflexões que urge reter, mormente por todos os que estão ligados ao sector editorial. Refira-se, em remate, que a obra está publicada nas versões impressa e digital, esta última podendo ser descarregada, em PDF, gratuitamente no sítio da editora.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Helder Mendes, « Andrea Fava, Ebook, qualcosa è cambiato: scenari, trasformazioni e sviluppi dei libri digitali », Cultura, Vol. 29 | 2012, 285-289.

Referência eletrónica

Helder Mendes, « Andrea Fava, Ebook, qualcosa è cambiato: scenari, trasformazioni e sviluppi dei libri digitali », Cultura [Online], Vol. 29 | 2012, posto online no dia 13 Novembro 2013, consultado a 29 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/1177

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org