Navegação – Mapa do site
Tempo e temporalidades

Tempo e temporalidades

concepções e calendários
Francisco Caramelo e Maria Leonor Santa Bárbara
p. 12-18

Texto integral

Fecho os olhos por instantes.

Abro os olhos novamente.

Neste abrir e fechar de olhos

já todo o mundo é diferente. (..)

(António Gedeão in Obra Completa)

1Esta relação entre o tempo e o mundo, ontem como hoje, inquietante para o homem, levaram-no a pensá-la, recorrendo às várias linguagens – a poesia, o mito e a religião, a filosofia –, procurando compreender a condição do homem, a sua origem, o seu porvir e o seu destino. Gedeão, neste poema intitulado "Tudo é foi", exprime essa relação extrema entre o tempo e o mundo, que se manifesta no próprio instante e na sua fugacidade.

2Quisemos reflectir sobre o tempo, sobre a temporalidade e sobre a forma como o homem se adapta e os vive na sua relação com o mundo, com o quotidiano e com o devir. Surgiu assim a ideia de organizar um colóquio que tivesse como objecto fundamental o tempo, a sua compreensão, as suas representações, as suas vivências, mas também as temporalidades e as formas históricas e culturais de o estruturar, isto é, os calendários.

3O regresso à antiguidade, pré-clássica e clássica, e às suas concepções sobre o tempo e aos seus calendários, revelava-se fundamental, uma vez que se verifica uma certa continuidade na forma como o tempo e o pensamento histórico foram percepcionados nas religiões monoteístas. A civilização europeia e ocidental, fundada no legado clássico, mas também no do Próximo Oriente antigo, através da matriz cultural judaico-cristã, justificava, por si só, esse interesse pelo Egipto, pela Mesopotâmia, pela Grécia e por Roma. Quisemos, ainda assim, ir mais além, procurando compreender outras concepções mais longínquas, como são os casos da China, da índia e da Meso-América.

4Convidámos vários investigadores e especialistas nestas áreas científicas, gerando um diálogo e um debate frutuosos, ao longo de dois dias. Os textos aqui reunidos têm origem nesse colóquio, intitulado "Tempo e temporalidades – concepções e calendários", o qual decorreu na Faculdade de Ciên­cias Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, nos dias 23 e 24 de Novembro de 2005, organizado no âmbito do Centro de História da Cultura e da sua linha de investigação Estudos da Antiguidade. A abordagem de cada uma das civilizações procurou contemplar duas vertentes complementares, isto é, a abordagem mais conceptual e filosófica do tempo, por um lado, e os seus calendários, por outro. No caso das religiões monoteístas, procurámos privilegiar as permanências e os legados através da História, que, bebidos nessa antiguidade simultaneamente remota e próxima, se revelaram estruturantes da nossa identidade cultural.

5A publicação desses textos torna-se agora uma realidade, encontrando acolhimento no seio da revista Cultura, do Centro de História da Cultura. Quer o colóquio, quer a publicação, pelas temáticas abordadas, enquadram-se perfeitamente numa unidade de investigação e numa revista que têm como problemáticas fundamentais a História das Ideias e a História Cultural e das Mentalidades.

6Por fim, não podemos deixar de agradecer aos vários investigadores que intervieram neste colóquio, que o animaram ao longo dos dois dias e que escreveram estes textos que permanecerão para todos aqueles que tiverem interesse por estes temas. É igualmente de toda a justiça agradecer ao Prof. Doutor João Luís Lisboa, Director do Centro de História da Cultura, que, desde o início, acolheu esta ideia e sempre a apoiou, ao Prof. Doutor Esteves Pereira, Director da revista Cultura e à coordenadora editorial da revista, Prof. Doutora Cristina Montalvão Sarmento, que nos deu a sua prestimosa ajuda na produção deste dossiê.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Francisco Caramelo e Maria Leonor Santa Bárbara, « Tempo e temporalidades », Cultura, Vol. 23 | 2006, 12-18.

Referência eletrónica

Francisco Caramelo e Maria Leonor Santa Bárbara, « Tempo e temporalidades », Cultura [Online], Vol. 23 | 2006, posto online no dia 14 Fevereiro 2014, consultado a 23 Março 2017. URL : http://cultura.revues.org/1278

Topo da página

Autores

Francisco Caramelo

Licenciado em História pela FCSH da UNL. Mestre em História das Civilizações Pré-Clássicas pela FCSH da UNL. Doutor em Civilizações Pré-Clássicas (área da Assiriologia) pela FCSH da UNL. Professor Auxiliar na FCSH da UNL. Tem leccionado sobre História do Médio Oriente Antigo, História das Religiões na Antiguidade e línguas como Hebraico e Acádico. As suas áreas de investigação são História das Religiões e particularmente a linguagem profética. A sua tese de mestrado, publicada, intitula-se A mensagem política de Jeremias na crise de 609-587 a.C.; a sua tese de doutoramento, também publicada, intitula-se A linguagem profética (Mari e Assíria).

Artigos do mesmo autor

Maria Leonor Santa Bárbara

Professora Auxiliar na FCSH/UNL, onde tem leccionado as cadeiras de Grego, Literatura Grega e História das Ideias Pedagógicas, entre outras. Dedica-se ao estudo da Literatura e da Cultura Gregas, com particular incidência no período helenístico e nos aspectos da educação grega. Para além de traduções de alguns epigramas da Antologia Grega, publicados na revista Metacrítica. Revista de Filosofia da Unidade de In­vestigação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade Lusófona, n°. 6, Março de 2005 (http://metacritica.ulusofona.pt), colaborou na tradução de D. Jerónimo Osório, De Gloria, já publicada.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org