Navegação – Mapa do site
Tempo e temporalidades

De kāla a kṣaṇa ou da recorrência à instantaneidade

Nota sobre a temporalidade no pensamento hindu
From kāla to kṣaṇa or from recurrence to momentariness: note on the temporality in Hindu tlzought
Carlos H. do Carmo Silva
p. 131-178

Resumos

O presente estudo pretende salientar o trânsito das grandes formulações da concepção da temporalidade na tradição hindu: do tempo (kāla) à sua compreensão como instantâneo (kṣaṇa). Num ponto preliminar, salientam-se as condições linguísticas do pensar indo-europeu e a "gramática" sanscrítica a propósito do tempo. Sublinham-se de seguida os enquadramentos rituais e míticos, tanto ligados com a ciclicidade (saṃsāra), como com o imutável e eterno (ānantya). Depois percorrem-se, de forma sintética, os vários "sistemas" filosóficos salientando respectivamente: a concepção metafísica (no Vedānta e Mīmānsā), a recorrência e irrealidade já num plano gnosiológico (no Sāṃkhya e no Yoga), e a formulação psicológica (tanto no Vaiśeṣika, como no Nyāya, além disso presente no Jainismo). Enfim, na última parte, faz-se menção aos principais traços característicos da doutrina budista da instantaneidade (muito característica sobretudo das escolas “subitistas”). Valoriza-se conclusivamente esta instância de um "agora" também como lição da espiritualidade hindu em geral.

Topo da página

Notas do autor

Comunicação ao Colóquio «Tempo e Temporalidades: Concepções e Calendários», org°. Centro de História da Cultura, da Univ. Nova de Lisboa, em Lisboa a 23-24 de Novembro de 2005.

Texto integral

“Kālaṭ pacati bhūtāni kālaḥ saṃharate prajāḥ / kālaḥ supteṣu jāgarti kālo hi duratikramaḥ //”

  • 1 CANDRAKIRTI, Mūla Mādhyamika Kārikā Vṛtti, p. 388, 1.6 ; apud L. SILBURN, Instant et cause. Le disc (...)

(trad: "Tempo que coze os seres, tempo a tudo abraçar / Tempo que os sonolentos vigia, tempo duro de dominar.")1

“ātmalābhānantaravināśi kṣaṇaḥ”

  • 2 VASUBANDHU, Abhidharmakośa, IV, 2-3, (cf. L. SILBURN, ibid., p. 277, que traduz: "L'instant, c'est (...)

(trad: "O próprio ser a perecer no imediato, eis o instante.")2

SINOPSE

1Introdução: As condições linguísticas do pensar indo-europeu e a gramatologia do tempo a partir da tradição sanscrítica.

  1. Narratividade arquetípica do Tempo no ciclo mítico: do rito xivaíta como saṃsāra até à ideal eternidade (ānantya) do real.

  2. Visão metafísica do ser do tempo e sua irrealidade segundo o Vedānta e Mīmānsā.

  3. Recorrência e irrealidade na ordem epistémica do tempo segundo o Sāṃkhya e o Yoga.

  4. Reconhecimento psicológico do tempo e atomismo de duração segundo o Vaiśeṣika, o Nyāya e o Jainismo.

  5. A concepção ilusionista e instantaneísta do tempo segundo as principais escolas do Budismo.

2Nota conclusiva: Não há tempo para haver tempo... mas para viver intemporalmente .

Introdução: As condições linguísticas do pensar indo-europeu e a “gramatologia” do tempo a partir da tradição sanscrítica

“kālātyayāpadiṣṭaḥ kālātītaḥ”

  • 3 Nyāya Sūtra, I, 2, 9; kālātītaḥ, quer significar o carácter "temporal", ou efémero, do estado do de (...)

(trad.: O que se assinala no passar do tempo é o evanescente (temporal)")3

  • 4 Cf. referências em nossos estudos: Carlos H. do C. SILVA, "Dos signos primitivos: Preliminares etio (...)
  • 5 Sobre a expressão como instância "sensível", cf. Calvert WATKINS, How to Kill a Dragon, Aspects of (...)
  • 6 Concepção essencialista do valor da linguagem como sphota, ou modelo de "manifestação" do som primo (...)
  • 7 O sânscrito referido de saṃskṛtā vāc, isto é, como "ajustada palavra", "perfeita voz"... é assim a (...)
  • 8 Cf. P. MEILE, ibid., p. 55: "Sans qu'on puisse... restituer avec certitude des zones anciennes et d (...)

3Na tradição indo-europeia o pensamento forma-se linguisticamente.4 Não tanto pela expressão sensível (já da vyākaraṇa, ou “gramática”...) da mesma, nem pelo seu funcionamento e uso, como hoje também se salienta,5 porém como estrutura que determina o dizível e o pensável, qual 'gramática' perfeita do real e essencial em si mesma.6 É isto que está consignado na tradição do sânscrito (como língua `perfeita')7 e que desde os Vedas ao Vedanta constitui a base discriminante dos vários temas de reflexão enquanto dedutíveis de tal formulismo abrangente.8

  • 9 Cf. ŚAÑKARA, Brahmasūtra I, iii, 28, 4-6: "Tathā prajāpaterapi sraṣṭuḥ sṛṣṭ eḥ pūrvaṃ vaidikāḥ śabd (...)
  • 10 Cf. supra n. 5 e vide ainda M. BIARDEAU, Théorie de la connaissance et philosophie de la parole dan (...)
  • 11 Cf. Jean VARENNE, Cosmogonies Védiques, Milano, Arché, 1982, pp. 53 e segs.: «Structure du mythe». (...)
  • 12 Um kalpa , ou seja "um dia de Brahma", equivale a 1000 grandes yuga, ou "as idades do mundo"... Seg (...)
  • 13 Não é de estranhar que aqui se antecipe esta alusão à "cronologia" dos ciclos temporais, pois a int (...)
  • 14 Entre o devir da linguagem e a linguagem do devir (jagat, ou bhāva-sagara), ou entre a linguagem e (...)

4A palavra eterna (śabda, mesmo Śabda-brahman), sem começo nem fim (tal se refere de Vāk, voz ou primordial vibração segundo a qual todas as coisas são produzidas...),9 que se deixa manifestar segundo os sphota, ou modelos nomeáveis-inteligíveis, como se em formas arquetípicas similares às ideias em Platão, que medeiam do inteligível ao sentido dizível,10 depois flecte-se e equaciona-se em modos já não-divinos assim, outrossim humanos, de falar, para se tornar, enfim, audível e até visível em grafismo.11 Mas esta "quadratura" da palavra, não situa apenas mundos de linguagem, mas uma nomeação de mundos, de níveis de consciência, de grandes ciclos (kalpas)12 e eras (yugas, "idades")13 em que advêm as categorias do diverso entendimento do 'todo' (jagat, "mundo", aliás o que está sendo bhāvanti, bhāva-sagara, "oceano do devir"...) e de entre as quais surge também a de «tempo» (aqui genericamente como kāla).14

  • 15 De facto, na tradição hindu, tal como não se demarca um preferente limite do espaço como lugar, ass (...)
  • 16 Sobretudo entendida como categoria de karman ou "acção" kṛt-. São as principais estruturas «pensant (...)
  • 17 Mais do que os tempos gramaticais de passado, futuro e presente... (como reflectidos por BHARTṚHARI (...)

5Em relação a esse "lógos" – Śabda, "de sempre" (siddha, isto é, "já realizado, já sido, feito de uma vez por todas"),15 o tempo associado à fórmula verbal (factor de acção ou kāraka) e, por conseguinte o que afecta a acção (o movimento e a causalidade como depois se reflectirá),16 representa uma restrição de palavra. Ao 'infinitivo' , ou ao nome intemporal, porque "sem começo nem fim", o tempo advém como diferenciação de que se tem consciência verbal, e a fórmula até mais primitiva que salvaguarda tal distinta possibilidade pensante é a do mantra.17

  • 18 A noção de 'ordem', seja como ṛta e também dhanna, gr. kósmos, lat. ordo, mesmo no equivalente ao c (...)
  • 19 Apesar ulteriormente de exercícios atencionais exactamente nesse holístico sentido – em qual perspe (...)
  • 20 Cf. supra n. 16. A questão deste ritmo pulsátil e instantâneo de tal consciência do tempo é até tem (...)

6A consciente descoberta do tempo não poderia ter derivado ingénua ou espontaneamente da observação de sucessões vitais e regularidades cósmicas constitutivas de uma ordem (ṛta) que se mantenha,18 se não houvesse o reconhecimento de que não seria possível prestar atenção a tudo isso simultaneamente,19 exigindo-se, portanto, uma descontinuidade mental, medidas sucessivas dessa reflexão que constituem não apenas a flexão verbal dos "tempos" do pretérito, do presente, do futuro, etc., mas desse mesmo tempo vibratório mental que por mantra é dito.20

  • 21 Mantras: "...ce sont les formules énigmatiques qui d'abord sont nommées brahman (...) ou encore man (...)
  • 22 Dimensões míticas do tempo que se encontram na sua génese "substancial", cf., entre outros, Stanisl (...)
  • 23 Vide supra n. 20 e cf. Heinrich ZIMMER, «La joie cosmique de Çiva», in: Id., Mythes et symboles dan (...)

7O mantra, como "protector da mente", como estabilidade de certa medida que 'mede' e 'mente', mantém embora assim, quase se diria pela ilusão (qual upāya...)21 de tal rito de nomeação, o que, de outro modo, deixaria escapar o contacto possível com śakti, como potência de conhecimento universal.22 O tempo enquanto tal restrição – de mantra ou "medida mental"– testemunha, pois, esta infinda possibilidade, não apenas dizível mas pensável e vivenciável além de si.23

  • 24 Repare-se que o tempo (lat. tempus < temno... "cindir"...) é como um 'corte', um intervalo ou desco (...)
  • 25 Ākāśa, "espaço" ou éter,<*kas-, "brilhar", "faiscar"... a lembrar a "luz espectral" do raio no greg (...)
  • 26 Já como lokas ou «mundos», de alguma maneira correspondentes com kalpas ou "eras"... É já a narrati (...)
  • 27 Em geral como ṛta, cf. supra n. 17; e, em especial, o caso de brahman, depois como elevada a deidad (...)
  • 28 A dificuldade com a consciência histórica, sempre tardia e rara (cf. Velcheru Narayana RAO, David S (...)

8O tempo como 'corte'24 que rasga a imensidão intemporal do espaço, de ākāśa como a amplitude vibratória de um 'brilhar' pré-cósmico rico de todas as possibilidades,25 vai dar então lugar à narratividade celeste de mundos de mundos e lugares de lugares,26 seja pelo nexo eficaz da palavra ritual indispensável à própria ordem divina universal,27 seja pelo haver toda a oportunidade para se 'contar a história', num narrar repetitivo que caracteriza a perpétua regressão 'ao começo' da arte mítica de fazer tempo.28

I. Narratividade arquetípica do Tempo no ciclo mítico: do rito xivaíta como saṃsāra até à eternidade ideal do real

“Kṛṣṇa: - kālaḥ kalayatām aham”

  • 29 Bhagavadgītā, X, 30. Note-se o jogo da *kal-, "calcular", "contar", donde "tempo-medida" e a simból (...)

(trad.: "[Krishna]: O cálculo (o Tempo) dos cálculos (dos calculadores) Eu sou ...")29

  • 30 Sobretudo como ananta, o "infinito" (cf. John GARRETT, A Classical Dictionary of India, New Delhi, (...)
  • 31 Na teoria das idades e sobretudo nos calendários... cf. H. ZIMMER, "Le temps et l' éternité", in: I (...)
  • 32 Cf. Alain DANIÉLOU, Shîva et Dionysos – La religion de la Nature et de l'Eros, De la préhistoire à (...)
  • 33 No imaginário deste nível de consciência, svapna-sthāno, cf. Māṇdūkya Up., 4, etc. Vide nosso traba (...)
  • 34 A expressão é de Maurice BLANCHOT, L'Entretien infini, Paris, Gallimard, 1969 ; tenha-se também pre (...)
  • 35 Ayus, ou ainda sâncr. ayū-, gr, aiôn, lat. aeuum, e iuvenis..., ou seja, como "idade" (cf. Émile BE (...)

9A nomenclatura do eterno30 e o cômputo terreno do tempo31 virão mais tarde a constituir-se na especulação meditativa e dos darsanas, bem assim na arte dos calendários e até da adivinhação, porém o que informa uma das tónicas da inspiração hindu sobre esta compreensão do tempo é a matriz do seu tratamento narrativo mítico e simbólico desde os Puranas e dos Vedas.32 Entre a contemplação do inefável Eterno e o mero negócio das oportunidades efémeras, o tempo mítico como o do sonho (svapna),33 deixa de ser a restrição exemplar da palavra, para se reproduzir na "conversa infinda”34 como a da própria Vida (aqui também como ayūs…), em ciclos que dilatam uma e outra vez a sua compreensão num alargado respiro.35

  • 36 Cf. Paul MASSON-OURSEL, "Le Saṃsāra Drame de la conscience indienne", in: Forum Philosophicum, I, n (...)
  • 37 Cf. art. «Karman (acte)» in: Encycl. philos. univ., 11-2 (=A. JACOB, (dir), Encyclopédie philosophi (...)
  • 38 Sobre este ideal de mokṣa e nirvāṇa, cf. Yuvraj KRISHNAN, The Doctrine of Karma, Its Origin and Dev (...)

10É interessante que esta noção de uma vida através do ciclo dos renascimentos sem número – o saṃsāra – tenha provindo do sentido pré-ário e xivaíta dos regimes agrícolas e da observação vitalista das culturas mais antigas e da civilização dravidiana36 e só depois na aculturação hindu tenha revestido uma cor até ética ligada com a "acção" e uma justificação, ainda que primeiramente mítica, desse karma.37 Donde o 'ritmo' que há-de exigir, já não o admitir o tempo no seu devir, mas tentar uma libertação (mokṣa e nirvāṇa...) do seu ciclo em ordem ao eterno (ananta).38

  • 39 Cf. Michel HULIN, La face cachée du temps, L'imaginaire de l'au-delà, Paris, Fayard, 1985, pp. 382 (...)
  • 40 Cf. M. HULIN, La face cachée du temps, p. 388 e vide ibid.: "La transmigration n'est pas autre chos (...)

11Como salienta Michel Hulin, em La face cachée du temps, a propósito da convicção da transmigração generalizada segundo a lógica do karman e de uma libertação do mesmo, não existe propriamente um pessimismo fatalista, tendo antes um carácter provisório e pedagógico, numa relatividade de aparente renascer que é sempre ocasião para um absoluto em que não haja morte, nem nascimento, mas de absolvição.39 "Le samsâra se présente comme une illusion naturelle mais, à sa manière, salutaire et nécessaire. On pourrait dire, avec Platon, que la transmigration est une histoire (mythos) que l'âme invente pour elle-même ..."40

  • 41 Trata-se do esquema da «Teogonia» grega na tensão entre 'Dioniso' e 'Apolo'... Cf. Giorgio COLLI, L (...)
  • 42 Cf. supra n. 28. Durgā, a 'Mãe terrível', também Kālī, a "Negra, nocturna...", Bhairavī, a "Terríve (...)
  • 43 Sobre esta mitologia vide ainda K. BHĀRADVĀJ, A philosophical study of. the Concept of Viṣṇu in me (...)
  • 44 Cf. H. ZIMMER, ibid., pp. 14 e segs. Sobre amrita ou "elixir" de não-morte, idêntico ao gr. ambrosí (...)

12Tal como na mitologia grega em que o crónico há-de ser destronado da sua força pulsional ou titânica, substituindo-se-lhe uma perenidade apolínea,41 assim aos deuses que dão nome a essa instância como Kalā, Kālī (a "Negra"), Durgā... a grande Mãe e Noite e Serpente arcaica,42 se substituem Vishnu e Brahman, depois de Varuna e de Indra,43 apurando desse Oceano primordial, um ciclo de vida possível e uma remissão do mesmo para a persistência do imortal (amrita) além de toda a efemeridade ainda que de imensa duração dos dias e noites de Brahman.44

  • 45 Sobre esta figura de Indra, cf. A. DANIÉLOU, Mythes et dieux de l’Inde, ed. cit., pp. 96 et passim.
  • 46 Cf. H. ZIMMER, Mythes et symboles, ed. cit., pp. 11 e segs.; e Jean HERBERT, La Mythologie hindoues (...)
  • 47 Cf. H. ZIMMER, Mythes et symboles, pp. 14-15, a criança que confronta Indra, ri-se vendo um carreir (...)

13Muitos são os mitos em que, dentro desta forma popular, se exprime esta compreensão simbólica do tempo do qual, afinal, se extrai algo de permanente, regredindo do aparente cálculo e equilíbrio como o de um céu estável — tal o de Indra — para a consciência de que a sua pletórica vida e até a sua embriaguês de soma (como elixir da vida)45 por maior que pareça, se deixa render ao ensinamento da sábia criança (um disfarce de Vishnu, segundo a narrativa dos Puranas conhecida pela «Parada das Formigas»),46 que compara as muitas reencarnações de Indra com as agora meras formigas de um carreiro sem fim...47

  • 48 Dança de Shîva, Natarāja, o «Rei da Dança», como tradução do transe... "Voilá le paradoxe de la mây (...)
  • 49 Vide infra n. 105... É o "momento" não discursivo, porém diferencial, de tal concentração anuladora (...)

14Afinal, a renovada lição da linitude e perene recomeço de todas as coisas nesse rio da Vida, regida pela morte, esta lei do tempo em que, como meras bolas de sabão, os seres nada mais são senão o sonho de serem. É ainda a lição de Shîva que como o Senhor dos tempos, cria e destrói, na dança perpétua, no jogo eterno desse tempo sem consistência.48 E esta lição do mito em que até o deus aprende o destino inexorável, nem sequer lhe permite um desejado yoga de absorção no simples e eterno do além do tempo, outrossim a sapiente conformação com o ritmo que lhe obedece, quiçá até o neutralizar.49

  • 50 Cf. supra ns. 43,46... Pretende-se significar a espontaneidade como "raiz" dessa qualidade prakṛiti (...)

15O segredo do mito contém em si 'o germe do sofrimento e o fruto esta sabedoria' e seja em Indra ou noutra identificação, indica-se que o tempo, que é, mesmo quando nada mais é, integra o que seria a 'matéria' (pradhāna, 'qualidades' possíveis...) sofrida (sem sentido ou 'espírito' [puruśa]), ou o que poderia ser uma sabedoria espiritual sem incarnação, justamente no intervalo que unifica 'matéria' (prakṛiti) e 'espírito' (puruśa) na oportunidade da Vida.50

  • 51 Não apenas uma catena aurea num simbólico sentido, mas na correspondência ao que, num plano antropo (...)
  • 52 Cf. supra n. 20.
  • 53 Mito narrado por Heinrich ZIMMER, Maya, der indische Mythos, (1936), Stuttgart, Insel V., 1978, tra (...)

16Este processo recorrente, extraordinariamente subtil como cadeia51 entre vida e morte, vigília e sono..., apresenta-se no carácter vibrátil52 que, não só irá dar origem aos diversos ciclos e medidas do tempo (as yugas, os calendários...), mas que se simboliza, por exemplo, no fundamental mito do «bater das natas do Oceano de leite» na produção cósmica.53

  • 54 Resumimos H. ZIMMER, Maya, ed. cit., pp. 190-206. Vide a simbólica da «teurgia» cósmica no mito da (...)

Diz-se que a grande Serpente cósmica, Shesha, vai servir de correia para fazer rodar num e noutro sentido o eixo que é o Monte Meru. Apoiado sobre uma Tartaruga, que é a base e o próprio Vishnu, começa esse movimento no Oceano de leite, a fim de extrair o elixir da imortalidade, para que os deuses e pretensamente também os demónios adquiram essa superação da morte. Alternando da cabeça ou da cauda da Serpente do infinito, deuses e demónios começam a ver sair do Oceano várias entidades e poderes. Várias teofanias assim decantadas, porém de súbito surge Kalakuta, que é o veneno pior, o argui-demónio e destruidor de tudo, numa figura do tempo que a tudo devora com esse seu incontornável poder. É, então, que os outros deuses recorrem a Brahman e ainda mais alto a Shiva, criador e destruidor, para que ele anule essa Morte cósmica saída do Oceano de leite e que se identifica como tendo sido resultado da perene luta mortal entre os vários deuses... Shiva vai, então, para proteger os deuses e a ordem cósmica, tomar sobre si esse beber o cálice do veneno de Kalakuta, o que lhe valeu ficar com a garganta de um azul-escuro luminoso, como sinal dessa sua vitória sobre o mal e a morte. Na sequência do continuarem a bater as natas surge Dhanvantari, o ancião da longa vida e o próprio amrta. É, então, que perante a sofreguidão de todos deuses e demónios para beberem desse elixir, Vishnu ainda usa do artifício sedutor da feminina Maya, para por momentos distrair os demónios, retirando-lhes tal elixir e só o deixando beber aos deuses."54

  • 55 Cf. art. «kāla», in: Louis FRÉDÉRIC, Diction. de la civilisation indienne, Paris, Robert Laffont, 1 (...)

17Independentemente de um sem-número de peripécias de todo este ciclo mítico, contado também com muitas variantes, não se pode evitar este núcleo fundamental da intriga e que expressa bem o carácter ambíguo do tempo, tanto como porta da imortalidade, por tal paciência de infinda moção, quanto como terrível e perene ciclo da morte devoradora.55

  • 56 Cf. H. ZIMMER, Maya, ed. cit., p. 206: "Il est Mahakāla, «Le Grand Temps», qui englobe toutes les p (...)
  • 57 A līlā de Śiva… Cf. H. ZIMMER, ibid., pp. 146 e segs.: «La danse de Çiva», vide p. 148: "Çiva en ta (...)
  • 58 Cf. ŚAÑKĀRA, Hino a Kālī: 'Yā devī sarvabhūteshu śaktirūpena samsthitā.' [“A deusa que encontra o s (...)

18Afinal, a lição temporal do mito é, como na reinterpretação do ensinamento xivaíta, a da sabedoria de que o domínio do tempo de Shakti é a feminina instância recriadora, porém activa, face à eternidade masculina e passiva de Shîva, como Mahā-kāla, ou o "Grande Tempo".56 E a própria "dança de Shîva" simbólica desta repetição da vida não deixa significativamente de se situar também sobre o corpo do humano esquecimento...,57 ou seja, na ante-metáfora de uma alimentação, um devorar uns após outros todos os filhos, um comer universal. E a deusa de tal plena comida (annā-purnā) é já a feminina expressão do tempo como Kālī, a "Negra", identificando-se com a Morte de tal fome de viver...58

  • 59 Kâlia sua representação tântrica horrível é, entretanto, bem significativa de uma purificação (t (...)

19Kālī, ornada com as mãos e membros sangrentos das suas vítimas, androgínica e negra como a morte, com um colar de crâneos humanos e face horrenda, de língua de fora para lamber o mundo, os dentes terríveis, a figura sinistra, embora de belo corpo... como tão paradoxalmente querida Mãe divina, medianeira além de todos esses males e obstáculos que assim suporta em si...59 Que, matar assim o tempo é forma de o fazer ser...

  • 60 Cf., entre outros, Jean-Louis VIEILLARD-BARON, Le temps, Platon, Hegel, Heidegger, Paris, Vrin, 197 (...)
  • 61 A experiência assim extremada do Tempo, sob a forma desta potência tenebrosa, ou denegadora, é para (...)

20Eis o que, por outra parte desde Parménides e Platão até Hegel e Nietzsche60 sempre foi intuído como o paradoxal morrer de não morrer, seja do eterno ciclo, seja do que, como nunca, se mantém no intemporal do próprio tempo que também ecoa nos místicos...61

  • 62 Sobre este sentido do rito, como "nexo" habitual, temporal..., cf. supra n. 17 e vide J. C. HEESTER (...)
  • 63 A smṛti, da * smṛ-/smar-, 'rememorar' não significa tanto a faculdade da "memória", até como "anamn (...)
  • 64 Cf Atharv.V, XIX, 53 e 54 (vide infra n. seg.) e vide Jean VARENNE, Cosmogonies Védiques, ed. cit., (...)

21Entretanto, o dever do rito (como sacrifício ou yajña...),62 ainda antes de um pensamento que vá cerzindo de 'memória' (ainda na smṛti...)63 a evanescência do existir remontando à heroicidade da palavra e do hino védico, como no célebre passo do Atharvaveda, XIX, 53 e 54, em que se celebra o “carro do tempo” e o seu governo universal.64

"O Tempo gerou o Céu superior e também as várias Terras aqui. Lançados previamente pelo Tempo o passado e o futuro repartem-se (como convém).

  • 65 Cf. Atharv.V, XIX, 53, 5: “kalcó’múṁ dīvam ajanayat / kāla imāḥ pṛthivīr uta, // kālena bhūtam bhav (...)

O Tempo deixou correr a existência: é n'Ele que arde o Sol; n'Ele (vivem) todos os seres; n'Ele é que o olho vê. (...)"65

  • 66 Cf. Wendy Doniger O'FLAHERTY, "Karma and Rebirth in the Vedas and Purāṇas', in: Id., (ed.), Karma a (...)
  • 67 Cf. Mahābhārata, XII, 149, 8-9.

22Ora, mesmo quando mais tarde a casta guerreira ou dos heróis vem substituir este modo predominantemente ritual e sacerdotal de encarar os deuses e o poder do Tempo, no Mahābhārata e na lição do agir (karma),66 não se isenta o tempo dessa influência no sacrifício assim de todos os seres: o Tempo faz a cozedura e como a Morte pode dizer-se que "a conhecido ou estranho, ninguém jamais voltou à vida, tendo uma vez sucumbido ao poder do Tempo.67

2. Visão metafísica do ser do tempo e sua irrealidade segundo o Vedānta e o Mīṃāmsā

“kālaḥ pacati bhūtāni sarvāṇy eva mahātmani, yasmin tu pacyate kālo yas taṁ veda sa vedavit.”

  • 68 Maitrī Upaniṣad, VI, 15. De notar que neste trecho também se chama a atenção para as "duas formas" (...)

(trad: "O tempo coze todos os seres no grande Eu, Quem saiba o tempo em que é cozido, é do Veda sabedor.")68

  • 69 Como se interpreta também do Sāṃkhya, nessa "dança cósmica" em que aparência e verdade são "um"... (...)

23A altíssima lição do mito era a de que só se liberta do tempo e da sua perene recorrência quem perceba que é o desejo de imortalidade que assim é mortal, e que só abandonando tal desejo, assumindo a morte em coincidência com a radical 'dança de Shîva' , se encontra nela, ou na Vida sem mais, o eterno.69

  • 70 Carácter revelacional (śruti , na acepção de "escuta", ob-audientia... ou seguir por onde se ouve e (...)

24Ao rito de tal dança e ao ciclo da narrativa recontada, antepõe-se agora o caminho de um yoga mental (jñana-yoga) e de uma contemplação que se reabsorva no eterno pela via meditativa de uma gnose (prajña), uma visão. À palavra védica (śruti), ainda glosada nas Upanixadas, advém agora a vidência filosófica (darśana), a libertação espiritual por via de um discernimento.70

  • 71 māyā , de * mā-, "medir", indica depois a grande Mãe ou a Sabedoria eterna de Brahman. Cf. Jean HER (...)

25O tempo que era dito como modificação do eterno aparece agora concebido não neste contraste "exterior" com a eternidade do sem começo nem fim, mas na mesma e interior consciência que o pensa como ilusão. De māyā, como a Grande Mãe e natureza matriz, passa-se para a māyā como ilusão e potência do ilusório de si mesma, num tempo de ilusão que é o ilusionismo de tal consciência temporal.71

  • 72 Vide: Pancadaśī, II, 49... Cf. Olivier LACOMBE, L'Absolu selon le Védânta, Les notions de Brahman e (...)
  • 73 Cf. Brahmasūtraśāñkarabhāṣyam, I, 1, 1, (ed. Grupo Kevala, Brahmasūtra com il commento di Śāñkara, (...)
  • 74 Trata-se da própria via da nesciência, como se chega a referir na mística cristã ocidental (Ruusbro (...)

26Para o dharma desta perene Verdade (satyam, e de sanātana-dharma...) e para as formulações tardias do Vedanta dá-se tal redução idealista do tempo ao eterno de uma consciência absoluta, que, se não se mantivesse em tal identidade, nem sequer poderia discriminar a ilusão do que de diverso nela se re­corta.72 Por outro lado, essa perfeita lucidez intemporal coincide com a raiz eterna do tempo e do próprio ciclo de māyā, já que tal 'ilusão' evanescente tem de ser suportada pela sua mesma 'verdade' de ser ilusória e não se pode confundir com o Brahmān eterno.73 É nesta verdade da ilusão do tempo que está, não só a paradoxal contaminação do tempo pela intemporalidade do mesmo, como também o facto de que a ignorância do Absoluto assim se constitui como metafísica condição da verdade que assimila o esquecido ao sabido, o temporal ao eterno...74

  • 75 Cf., entre outros, Olivier LACOMBE, L'Absolu selon le Védânta, ed. cit., pp. 187 et passim; e vide (...)
  • 76 Vide PLATÃO, Tim., 38a... ainda em Plotino, Espinoza... e sub specie aeternitate... Na tradição ved (...)

27Persiste, entretanto, o irredutível desta oportunidade temporal da manifestação universal a mais do seu Absoluto resolutivo, ou seja, a questão da relação do Absoluto que não da absoluta relação.75 Donde que, mesmo numa visão como se sub specie aeternitatis do tempo como um "agora eterno", uma perfeita imobilidade, seja necessário encontrar no horizonte da "imagem móvel" dessa eternidade o sentido até pedagógico, libertador, para o tempo, seja no abrupto da sua manifestação fulminante, seja no instantâneo da sua consciência.76

  • 77 Segundo a escola "discriminativa" ou o darśaṇa de Vaiśeṣika os átomos que tudo compõem tem a caract (...)
  • 78 Cf. Brahmasūtrabhāṣya, 2, 3, 19. É o paradoxo do finito e do infinito: 'Uma vez que a tradição ates (...)
  • 79 Ainda Brahmasūtrabhāṣya, 2, 3, 19-29. Menos do que átomos em que os mundos e seus habitantes são co (...)

28Mas há aqui um duplo paradoxo: Por um lado, porque o momento mínimo é ainda relativo a uma consciência que assim o determine (no que se encontra um posterior argumento contra a concepção atomista da temporalidade exposta pela escola Vaiśeṣika),77 e, por conseguinte, descobrir-se-ia nesse tempo uma modificação de consciência o que contraria a perfeita imobilidade da mesma em seu absoluto.78 Por outro lado, tal instantaneidade na consciência anularia, em 'identidade', aquilo mesmo de que tal consciência o fosse, donde a forçosa necessidade que, entre o tempo da consciência e o daquilo que é sua intemporal medida, nessa mesma latência fosse reconhecido como momento distinto.79

  • 80 "Através de muitos meses, anos, idades e eras do mundo, do passado e do futuro, a consciência é a m (...)

29Todas estas dificuldades teóricas parecem provir do deslocamento da antiga intuição de que todos os ciclos temporais, embora aparentemente muito diversos em sua duração, correspondem apenas à métrica de um 'dia' , uma instância idêntica de consciência que é sempre a mesma, embora na relatividade das ordens de ser. Trânsito dessa consciência relativista do tempo, para a relativização do tempo face à absolutização de uma divina ou perfeita consciência una.80

  • 81 Uma perfeita via de nesciência cf. supra n. 74. Donde a crítica aos niilistas (nāstika), quando rem (...)
  • 82 GAUḌAPĀDA, em Māṇḍūkya-kārikā, 1, 12, responde que 'o Eu do estado de sono (svapna) não se conhece (...)

30A denegação da origem, tanto como derivação ou devir, quanto como causalidade, bem assim de um termo, ao contrário do que era a intuição budista de que "tudo o que nasce também se desvanece", levou a posição vedantina à ambígua afirmação do carácter instantâneo (no qual não há tal discernimento de fases), mas, ao mesmo tempo, da capacidade de discernir essa identidade eterna do 'agora' (o que conduz a introduzir um ritmo na consciência e até nesta economia de salvação ou libertação da sua ilusão temporal). Porém, se tal mokśa já está dada desde sempre ou é inamovível, a única coisa que assim se revela é a libertação do próprio obstáculo temporal assim denegado, a possibilidade que tal saber negativo, melhor, tal negação do saber equivalha ao estado desperto eterno.81 Mas o que é que distingue entre o sono sem sonhos de uma fusão absolvente e este estado turīya em que se tem consciência da eterna vigília?82

  • 83 Cf. S. DASGUPTA, A History of Indian Philosophy, ed. cit., I, c. 9, p. 374: "The rise of knowledge (...)

31Afinal, a absorção ou assimilação plena deixa este problema "psicológico", antes do mais até que no Mīmānsā se equaciona na linguagem-revelacional, na indução do presente como se um estado de pensamento impossível: de facto quando se diz que isto é, a coincidência entre tal pramāṇa e o presente é o que constitui essa identidade, sem passado, nem futuro.83 Mas o é como ser puro transcende a identidade derivada e mental instantânea e supõe uma presença simultânea de tudo nessa unidade de Brahman.

  • 84 A ordem inclusiva do tempo redu-lo à economia do eterno, mas a consciência disto fica excluída como (...)
  • 85 Cf. SUREŚVARA,Taittirīyopaniṣadbhāsyavārttika, pp. 140-151, apud K. H. POTTER, op. cit., p. 522: "A (...)

32Os momentos não se excluem na série descontínua mas são a ordem inclusiva e unitária em relação à qual a ordem dos pramāṇas é apenas um expediente (upādhi) adjunto.84 Esta espécie de "fingimento" vai lembrar o jogo cósmico, a "mayávica" dança divina, mas também permite intuir que Brahman não determina qualquer acção nem se determina por tais efeitos: coincide indiferenciada e absolutamente com o tempo e, por isso, não é já temporal mas a referida intemporalidade sempre presente.85

  • 86 Cf. Śri Nivāsa, Dīpikā, 5°: “...kāla īśvarasya krīḍāparikaro bhavati/ līlāvibhūtāvīśrvaraḥ kālādhin (...)
  • 87 É toda uma exegese védica que salienta, como nos Gramáticos, a força permissiva (abhyanujña) do tem (...)

33E ainda que se saliente que esta tendência unitária de tal monismo ontológico se deixa tocar pela crescente e mais recente importância da religiosidade monoteísta numa ideologia sistemática que perde até a diferenciação do divino pelos tempos, não se pode deixar de reconhecer que o tempo tende, então, a entender-se como Auxiliar do Senhor no seu jogo criador, lido assim na perspectiva dinâmica e relacional e em ordem a uma glória eterna.86 Porém, quer este Pūrva Mīmānsā, já devocional e místico, quer aquela especulação "teológica" de Uttara Mīmānsā, como forma ulterior e superior de meditação, a questão do tempo fica mais "intemporalmente" perspectivada do que considerada na sua especificidade.87

3. Recorrência e irrealidade na ordem epistémica do tempo segundo o Sāṃkhya e o Yoga

“tārakaṃ sarvaviṣayaṃ sarvathāviṣayam akramaṃ ceti vivekajajñānam”

  • 88 Cf. Yogasūtra, III, 53. (sublinhámos na tradução); ed. cit., e comentário de Alyette Degrâces, p. 4 (...)

(trad.: " que ultrapassa todo o objecto e de todas as maneiras, por assim dizer sem sucessão, eis o conhecimento discriminativo")88

  • 89 Cf. H. ZIMMER, Philosophies of índia, ed. cit., pp. 286 e segs.; Gerald James LARSON, "Introduction (...)
  • 90 Cf. Pañcaviṃśa Brāhmaṇa, XXIV, 1, 2-3. Ver comentário em L. SILBURN, Instant et cause..., pp. 84 e (...)

34Tendo em conta uma prototípica divisão possível do real em três, três mundos ou lokas, na hierarquização inteligível do todo, poder-se-ia, aplicando ao "tempo", distinguir-se entre o plano da evanescência ou mundo impermanente (kshara, "móvel"), o nível absoluto da realidade divina (ananta ou "intemporal", mais propriamente da coincidentia oppositorum entre tempo e intemporalidade...) e o plano intermédio em que o tempo ganha a consistência dos aspectos permanentes do próprio mundo da mudança.89 Entre aqueles extremos de uma "física" e "metafísica" do tempo e esta "mathesis" assim mediadora articula-se, afinal, a tríplice acepção do tempo cíclico e global referido por Prajāpati, como o ano, ora nas suas formas multíplices (virūpa), ora na sua forma mental (rūpa), cognoscível pela palavra ordenada, ora ainda no sem forma (arūpa) do acto único ou do pensamento ilimitado e silencioso.90

  • 91 Supera-se assim a problemática quer da "visão" ou percepção (dṛṣta ou pratyakṣa) do tempo, quer da (...)

35O conhecimento do tempo permite-se, assim, num plano de articulação e relacional, não só manifestando, porventura, que não é mais do que um princípio de ordenação (que não existe sem os actos a organizar), mas também que acaba por denegar a pura imortalidade, já que o conhecimento, ou as medidas da consciência, exigem uma perpétua recorrência, uma circularidade como a do ano entre o centro imóvel e a pura relatividade posicional na sua circunferência.91

  • 92 Cf. Sanat Kumar SEN, "Time in Sāṃkhya-Yoga", in: International Philosophical Quaterly, 8 (1968), pp (...)

36As perspectivas filosóficas que encararam este âmbito médio, mas assim categorial da natureza, em que o próprio tempo, em conjunto com outras instâncias, representa um conhecimento ou uma medida de tal, são essencialmente as do Sāṃkhya e também do Yoga, ou seja, dos "sistemas" da enumeração numa gnose dualista e da religação e realização psicagógica de uma superior integração de Si mesmo.92

  • 93 Vide Anne-Marie ESNOUL, "Introduction" a Les strophes du Sāṃkhya, ed. cit., p. XLIX-L: "A l'origine (...)
  • 94 Cf. Sāṃkhya-pravachana-sūtra, II, 12 (in: N. SIHNA, (trad.), The Samkhya Philosophy, ed. cit., pp. (...)

37Independentemente de uma exposição destes darsanas que aqui não colhe, importa sublinhar o modo como, no Sāṃkhya em particular, se faz apelo à heterogeneidade entre o mundo das formas e a pura consciência, numa dilemática oposição entre o tempo sempre possível de prakṛti, (natura naturans, pró-criativa ou "matéria" assim...) como absolutamente distinto da eternidade não-temporal de Puruṣa, como 'espírito'.93 O tempo podendo considerar-se o efeito desta conjunção (saṁgati ou saṁyoga) de Puruṣa e Prakṛti, ou seja, reflexo especular assim derivado do infindo espaço de possibilidades ou ākāśa.94

  • 95 Cf. Sāṃkhya-kārikā, 12 sobre estas guṇāḥ, ou "linhas" de força, qualidades essenciais: sattva rajas (...)

38Claro que salienta-se nisto a caracterização da manifestação primordial através do "espaço" e deixando-se o tempo como medida relativa das tendências ou qualidades que fazem da sua vibração o processo formativo de todas as coisas. A força centrífuga, decadente ou lenta de tamās, a força de atracção e de equilíbrio que é sattva, centrípeta, e a resultante de tipo gravitacional que é rajas, base de formação da matéria, constituem modelos da própria temporalidade assim determinada.95

  • 96 Cf. Lizelle REYMOND, La vie dans la vie, ed. cit., pp. 100 e segs. Na abordagem mística e tântrica (...)

39Por um lado, tamas é considerada princípio do tempo sequencial e repetitivo como Mahā-kāla, o Grande Tempo, em evanescência assim (comparável na mitologia com Shîva criador e destruidor...); por outro lado, a força "reflexiva" de sattva traz o tempo à consistência do que dura ou perdura (comparável a Vishnu, "conservador" universal); e, enfim, rajas (identificável em Brahman) representa o movimento orbital a perfeita regressão sobre si mesmo.96

40Porém, se se podem revisitar estas predeterminações "metafísicas" do tempo como 'energias procriativas', verdadeiramente onde se salienta o tempo já identificável como métrica da consciência é no nível da inteligência cósmica, qual plano das "verdades eternas" em Deus como se diria num símile de tipo platónico na tradição ocidental.

  • 97 Cf. ῙŚVARAKṚṢṆA, Sāṃkhya-kārikā, 33: '...sāṃprata-kālam bāhyam tri-kālam ābhyantaram karaṇam' – "[O (...)
  • 98 Cf. comentário por Bernard BOUANCHAUD, Les Sāṃkhya-kārikā d'Ῑśvarakṛṣṇa, Palaiseau, éd. Âgamât, 200 (...)

41De facto, a destrinça entre esses planos categoriais da temporalidade repercutem-se na gnose interior do próprio órgão de conhecimento, determinando-o exteriormente pelo exclusivo acesso ao presente, ao imediato, e reservando para o órgão interno a capacidade dos "três tempos", aliás em ligação respectiva com a triádica estrutura deste antar-karaṇam.97 Formado de buddhi, ahaṃkāra e de manas, esta unidade psico-categorial, integra as funções autómatas ao nível desta última instância correlacionai e "mental", centrando de forma inteligente no sentido de um "eu" (ahaṃ), até como expressão já deliberada de uma intencionalidade presente e remetendo para o espírito como virtualidade futura de tal projecção.98 Entre o passado repetitivo e este futuro assim imaginado a evidência presente do eu correlaciona o "exterior" de uma linearidade de tempos sucessivos e esta conjugação interior que assim diversamente medita o tempo unificando-o.

  • 99 Cf. Sāṃkhya-kārikā, 50: kālena mokṣo bhaviṣyatīti... [trad.: "com o tempo obterei a libertação..."]
  • 100 Vide também anotação de Anne-Marie ESNOUL, Les strophes de Sāṃkhya, ed. cit., p. 61.

42Há a convicção ambígua de que tempo, e de que isso constitua um "contentamento" no sentido do progresso temporal em ordem a uma libertação,99 quando pode ser, afinal, aquele inexplicável mero jogo da sorte temporal (um "entretrém") e um intervalo de vida assim interiormente consentido.100

43Isto torna-se bem mais claro no Yoga pelo discernimento meditativo que faz ascender da agitação exterior da mente a essa contemplação desse Eu divino ou Self, em que se enumeram as estruturas estruturantes da própria "ilusão" cósmica.

  • 101 "Acerca do 'tempo inconsútil' (akhanda-kāla) mas, ao mesmo tempo, restritivo da consciência, cf. T. (...)
  • 102 Cf. Jean PAPIN, La voie du Yoga, Yoga Darshana, Les aphorismes de Patañjali (Pâtañjali yogasûtram), (...)

44É neste patamar yôguico que surgem as ditas cinco "coberturas" ou kañkuka,101 – kāla (tempo), niyati (ordem ou necessidade), kalā (medida de sucessão temporal), vidyā (conhecimento discorrido), e rāga (ou desejo, atracção...) – em que o tempo tem uma tal definição espiritual incondicionada, ou apenas determinada enquanto molde da ordem cíclica que explicita a causalidade e a possibilidade de renascimento.102

  • 103 O tema, que ecoa a interpretação até alquímica do yoga, como assinalada desde C. G. Jung e M. Éliad (...)

45E, o que há de mais extraordinário nesta meditação, é o facto de se apurar o tempo como corpo subtil, dir-se-ia mesmo como processo energético alquímico' de uma transmutação possível da existência grosseira e dos ritmos comuns da temporalidade nessa inspiração do ritmo divino. Não apenas uma largueza de métrica, mas a construção de outro 'órgão' para acolher, nesse instrumento de transmigração (que não de mera metensomatose ou de popular reencarnação), dir-se-ia como "corpo de ressurreição", um órgão temporal capaz, por exemplo, de ver todos os tempos, quer no poder de profecia, quer de reminiscência.103

  • 104 Cf. Yoga-s., IV, 33: 'kṣaṇapratiyogī pariṇāmāparāntanirgrāhyaḥ kramaḥ'.
  • 105 Cf. Alyette DEGRÂCES, Les Yogasūtra de Patañjali, Des chemins au fin chemin, Paris, Fayard, 2004, p (...)

46"O processo formado de instantes é captável no fim das transformações",104 ou seja, a aparente continuidade da mudança revela-se por fim dependente de uma série ininterrupta de instantes. A discriminação yôguica é, assim, capaz de reconhecer esse processo temporal "em aparência contínuo, como formado de mutações descontínuas."105

  • 106 Trata-se de um «horizonte temporal» na acepção 'psicagógica', comentada a propósito de Yoga-s., III (...)

47Ao contrário do Vedanta em que, segundo a interpretação de Śāṅkara, não há intervalo entre o conhecimento libertador e a própria libertação, nesta mediação yôguica até se distingue entre o nível de jīvanmukti, isto é, de estado ainda "encarnado" ou corpóreo de tal estado e o nível de videhamukti, ou seja, de "fora do corpo". A dificuldade em admitirem-se tais graus já no plano absoluto parece ainda reflectir-se no que no Budismo será pela negativa a destrinça entre o nirvāṇa e o parinirvāṇa, ou seja, entre a "extinção" e a "extinção definitiva" que aqui entendemos como extinção de si mesma, cessação absoluta. O intervalo aqui, mesmo que assim negado, manifesta essa natureza temporal que no Yoga advém dir-se-ia como latência a ser assim purgada.106

  • 107 Cf. Yoga-s., I, 2: yogaścittavṛttinirodhaḥ.
  • 108 Cf. Yoga-s., II, 50 e vide II, 49 sobre esse momento de "separação-união" (vicchedas) entre śvāsa ( (...)

48E, se o yoga se define justamente como a extinção das "agitações", desses "turbilhões" da mente,107 na prática rítmica da respiração (prāṇāyāmaḥ) já se pratica a variação temporal que, não só anula, mas integra inspiração e expiração por esse mesmo tempo suspensivo e intermédio.108

  • 109 Cf. Yoga-s., IV, 9: 'jātideśakālavyavahitānāmapy ānantaryaṃ smṛ tisaṃkārayor ekarūpatvāt.'

49É aqui que tem particular importância a ligação mnésica, os liames condicionais que não permitem compreender a descontinuidade "instantânea" da vida como uma interrupção da mesma, mas, outrossim, a partir de um tal fundo comum ao longo de várias vidas: pois, "embora separadas pelo nascimento, pelo lugar e pelo tempo, o seu sem-fim (ānantaryaṃ, ou "não-interrupção") vem da unidade da forma da memória e das suas confecções (saṃskāra) activas.”109

  • 110 Cf. Yoga-Vāsiṣṭha, III, 103, 14: 'kalpaṃ kṣaṇī karoty antaḥ kṣaṇaṃ nayati kalpatām manas tad āyatta (...)
  • 111 Cf. Yoga-Vāsiṣṭha, III, 60, 20-21, e III, 121, 18: 'pratibhāsavaśād eva sarvo viparṣivartate kṣaṇaḥ (...)

50Numa palavra, para o Yoga o tempo vem determinado pelos estados da mente e pela possibilidade da sua alteração, seu alargamento ou encurtamento, etc. de acordo com o nível de consciência. "É o mental que faz com que um éon seja interiormente vivido como um instante, e que um instante seja vivido como se durasse um éon."110 De facto, consoante o processo de adensamento dos estados interiores do yogui, assim se pode tornar um nimeṣa, isto é, mínimo "abrir e fechar de olhos", num kalpa, ou seja, o equivalente a uma era ou pleno ciclo da vastíssima duração.111

  • 112 Não só no sentido comparável à posição kantiana, mas como metamorfoses duma imaginação criadora de (...)
  • 113 Cf. VYĀSA, Yoga-bhāṣya, III, 52: '...sa khalvayam kālo vastuśūnyo buddhinirmānaḥ śabda-jñānānupātī (...)

51A posição preferentemente subjectiva do Yoga, particularmente neste idealismo da consciência do tempo como ens imaginarium,112 acaba por definir a duração como construção espiritual (buddhinirmāṇa): "...O tempo desprovido de realidade é uma construção mental; corresponde a um conhecimento baseado em palavras (nominalista), porém parece real às pessoas mundanas de visão extrovertida."113

  • 114 Cf. F. CHENET, Psychogenèse et cosmogonie selon le Yoga-Vāsiṣṭha..., ed. cit., vol. II, pp. 447 e s (...)

52Mas, se na extrema meditação se elimina mesmo esta transiência temporal da consciência, o estado de quase-eternidade assim extaticamente vivido não deixa de fazer eco do "cosmo-poiético" da tradição do Grande Tempo (e de kāla-vāda), como respiro universal.114

4. Reconhecimento psicológico do tempo e atomismo de duração segundo o Nyāya-Vaiśeṣika e o Jainismo

“kalaś ca, so’nantasamayaḥ”

  • 115 Cf. Tattvārthavārtika Sūtra, 5, 38 e 39; (Sarvārthasiddhi, 5, 39 e 40, por Pūjyapāda Deva­nandi , D (...)

(trad.: "O tempo é uma (substância) e consiste num infinito número de instantes")115

  • 116 Cf. Raimundo PANNIKAR, "Time and Sacrifice – The Sacrifice of Time and the Ritual of Modernity", in (...)

53Ora, por muito que o homem aspire ao grande tempo, na imortalidade relativa desses planos angélicos das puras categorias de uma numerologia ao modo do Sāṃkhya, ou de uma aquisição das "asas da alma" numa metamorfose espiritual como no Yoga, nem por isso tal gnose ou mística vivência deixará de "ter os dias contados". E a evidência menos moral desta via, outrossim tântrica e até materialista, mostra que a síntese do pensar ou o yoga espiritualista, esquece o que já, mesmo no drama ético do Bhagavad-Gîta, era a consciência de que a libertação da temporalidade assim kârmica, não se dá por jñāna-yoga, nem sequer bakhti-yoga, mas por karma-yoga.116

  • 117 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, I, § 5 e VII, § 267... Trata-se de diferenciar (viśeṣa) os átomos eternos sob (...)

54O agir concreto em que o universo consiste e em que se tece a vida supõe uma via que não seja de fuga mundi, outrossim de atenção ao que até no seu mínimo possa ser sinal da eternidade sempre possível. É nesta declinação psicológica e sobretudo até fisicalista e lógica que os sistemas de Vaiśeṣika e de Nyāya vão estabelecer o seu ensinamento. E, apesar de haver elementos comuns com o que no Sāṃkhya era também uma teoria da formação e até destes antecedentes do dualismo cósmico na herança paralela de Jainismo e Budismo, especialmente no Vaiśeṣika, como o próprio nome indica – 'discriminação' –, encontra-se uma particular atenção ao tempo como 'realidade' e de natureza atómica.117

  • 118 GAUTAMA, Nyāya sūtra, I, 2, 9: 'kālātyayāpadiṣṭaḥ kālātītaḥ.'
  • 119 Cf. Nyāya sūtra, II, 1, 23. Aliás este sentido sequencial da 'percepção' como se um "olhar" extenso (...)

55Na tradição do Nyāya, ou "sistema lógico" já se chama a atenção para o temporal (kālātīta) como o devir, ou o decurso de um 'sequência' (kālātyayāpadiṣṭah)118 e indica-se o carácter indispensável desta duração no processo de percepção (pratyakṣa).119

  • 120 Cf. Nyāya sūtra, III, 2, 30: 'na smaraṇakālāniyamāt' – "não, não há determinação fixa do tempo na m (...)
  • 121 Cf. Nyāya sūtra, IV, 1, 44 e 45.

56Por outro lado, à objecção da irrecuperabilidade dos estados mentais, dada a sua celeridade, no Nyāya sūtra responde-se com a diversidade dos ritmos da memória em relação a tal métrica psicológica dos tempos.120 Deste modo a causalidade não se concentra no efeito mas supõe a temporalidade virtual que na origem está presente.121

  • 122 Cf. Nyāya sūtra, V, 2, 11 e segs.

57Será este tipo de observações que permite a esta escola de pensamento apresentar a gramática e até a lógica do discurso temporal,122 embora ainda sem indicar propriamente o realismo dos átomos do tempo de que irá falar com pormenor o Vaiśeṣika.

58O irrealismo do Sāṃkhya e do Yoga, distinto do idealismo absoluto de algumas formulações do Vedanta, não deixa de estar, pois, mais distante da concepção realista e corpuscular do tempo no Vaiśeṣika que, afinal, poderia melhor ser acolhida na argumentação do Advaita. É que, entre afirmar que o tempo é ilusório e só o ser-Brahman ser eterno..., e afirmar que o átomo do tempo, o instante é esse mesmo eterno agora, há mais complementaridade do que em relação a durações alternativas.

  • 123 Cf. Bimal Krishna MATILAL, Perception – An Essay on Classical Indian Theories of Knowledge, Oxford, (...)
  • 124 O tempo (kāla) é conjuntamente com os elementos e outras instâncias um dos nove "seres" (dravyas). (...)
  • 125 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, VII, 24, § 284: 'kāraṇe kālaḥ': "pela causa se explica o tempo." Cf. infra n. (...)

59Particularização sensível do tempo, não porque dele haja «percepção», mas porque o percipiente vem determinado pelo seu ser.123 Donde poder afirmar-se que o tempo é mais real do que a fenomenalização sensível, constituindo algo de menos corpóreo mas ainda atómico e objectivo.124 Tal colocação do tempo, no análogo do que na filosofia grega foi a sua integração na "teoria dos incorporais", presta-se, então, a uma indagação quanto às relações causais entre os diversos momentos e nexos temporais. Como fica dito no Vaiśeṣika: "kāraṇe kālaḥ" – "pela causa se explica o tempo".125

  • 126 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, V, 2, § 221: 'dikkālāvakāśaṁ ca kriyāvadvaidharmyāt niṣkriyāṇi': "a direcção, (...)
  • 127 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, II, 2,9, § 88: 'nityeṣvabhāvād anityeṣu bhāvāt kāraṇe kālākhyeti': "por não se (...)
  • 128 O tempo substancial ou como um das dravya ("substância"): terra, água, fogo, vento, éter (ākāśa), t (...)

60Enquanto para o Vedanta não há causalidade real e para o Sāṃkhya a causa coincide com o efeito ou representa o estado virtual de toda a realidade, para o Vaiśeṣika a precedência da causa em relação ao efeito, embora limitada ao mundo condicionado, manifesta o tempo no realismo do seu percurso. Note-se que o tempo em si mesmo mantém-se inactivo,126 mas como quadro da causalidade127 e do movimento, da temporalidade assim realizada nas coisas (dravya-kāla)128 e na ordem mental analítica (cit-kāla...).

  • 129 A propósito de Zenão de Élia e das aporias do continuum...: cf. Jean ZAFIROPULO, Apollon et Dionyso (...)

61No entanto, o que pode parecer contemporâneo no sentido de simultâneo pode resultar apenas do efeito confuso e cumulativo de várias ordens não suficientemente discriminadas dos minima temporais. Donde a necessária atenção aos "átomos" temporais, posto que a noção não deixe de trazer consigo as aporias semelhantes às da filosofia grega quanto ao contínuo e descontínuo.129 De facto, por máxima pequenez ou grandeza o átomo não se entende como algo desse modo quantificado mas enquanto minimum de determinado estado qualificado, isto é, distinto.

  • 130 Cf. VAILABHA, Nyāyalīlāvatī, pp. 311-312, ref. apud Sadananda BHADURI, "Time [in Nyāya-Vaiśeṣika]", (...)
  • 131 Cf. supra n. 81. Tenha-se também em conta a caracterização fenomenológica ocidental destes êxtases (...)

62E curioso que as noções de anterior e posterior, ou "antes" e "depois", não venham nesta concepção ligadas directamente com o tempo mas com o número maior ou menor de revoluções do sol, ou seja, com a constitutiva idade dos seres. A realidade do tempo não é, pois, imediatamente percebida, mas resulta de uma relação que permite causalmente certo efeito (kāryopahita), ou seja, que, ao contrário de um espaço neutro ou intemporal como o de ākāśa sempre em potência (svarūpayogya) e não realizado,130 a realização do tempo se dê como duração determinante, inclusive das estruturas intuitivas do seu reconhecimento. Isto é, o tempo não é uma forma de intuição (ao modo do apriori kantiano), mas um conteúdo informativo e estruturante da própria percepção temporal, nomeadamente dos diversos "êxtases" do passado, presente e futuro.131

  • 132 sthitisthāpaka como salienta Lakshmi KAPANI, La notion de saṃskāra dans l'Inde brahmanique et boudd (...)
  • 133 Cf. Umesh MISHRA, "Kāla in Nyāya-Vaiśeṣika", in: Conception of Matter, Allahabad, 1936, pp. 165-187 (...)
  • 134 A matéria (pudgala) é composta por infindos minúsculos átomos (paramāṇu) e constitui um dos seis co (...)

63Sem dúvida que se dão movimentos (parispanda) no espaço e no tempo, definindo-se assim localizações e durações, no entanto o critério de delimitação desta "física" do tempo tem a ver com a concepção 'elástica'132 implícita na definição relativa do minimum que por anu, ou "átomo" se refere. E é o carácter imperceptível dos minima que mantém como eternos ou não cognoscitivamente (jñānalakṣaṇā)133 condicionados esses mesmos átomos de ser e de tempo. Tais átomos temporais são assim sempre incondicionados e implicam-se em tudo e sempre numa intemporalidade do próprio tempo semelhante à infinitude descoberta do espaço em relação ao lugar, mostrando-se como nesta análise o átomo tanto é esse limite indivisível, como se deixa perspectivar no infinitesimal de 'pontos sem extensão' ou 'sem duração'.134

  • 135 "L'infini totalité temporelle est constituée d'unités réellements distinctes, sinon discontinus, de (...)

64Porém, se as medidas do tempo não deixam de ser temporais podem resolver-se todas estas instâncias num infinito como um continuum de tais momentos ou kṣaṇa, em que não se salvaguardam as diferenças pretéritas ou futuras mas apenas se determina uma seriação de um presente assim reiterado.135 Dito de outra forma: não deixa de constituir perplexidade que a percepção do tempo, temporal ela mesma, não se dê senão no presente e não possa também deslocar-se para uma espécie de visão passada do presente, ou futuro olhar sobre outras localizações dentro dessa omnipresença geral...

  • 136 Cf. Vilas Adinath SANGAVE, Le Jaïnisme, Philosophie et religion de l’Inde, trad. do ingl., Paris, G (...)

65No Jainismo que, de movimento ascético e via heterodoxa de denegação da fonte tradicional se transforma também numa corrente filosófica e de gnóstica discriminação da complexa constituição da 'vida' e do 'não-vivo' que rodeia, também se estabelecem as duas vertentes da temporalidade finita e infinita, ou ainda mensurada e mensurativa... Como se a intuição vitalista e de um universo que pulsa entre jīva e ajīva pudesse representar o tempo construtivo e suspensivo, o ciclo ainda realista de um quadro temporal em que a acção se possa transformar, progredir...136

  • 137 Cf. Pūjyapāda DEVANANDI, Sarvārthasiddhi, 5, 40 (ed. Delhi, Bharatiya, 1989), em comentário ao Tatt (...)

66A heroicidade e a vocação ética desta ascese libertadora encara com realismo o carácter cíclico das idades e de uma temporalidade que, quase se poderia dizer pelo que fica de torpor não-manifesto, de pacífica latência do que a cada momento haja de ser. Atenção, pois, ao que no progresso extenso da vida em suas inumeráveis instâncias é uma outra realidade não-extensiva ou inclusiva, mas nessa mesma ordem exclusiva de infinitos kālāṇus, isto é, "átomos de tempo" ou "momentos".137

  • 138 "It is conditioned by the determinate factors – external and internal within the fourfold range of (...)
  • 139 "In the Jaina Āgama 'samaya' (a duration or measure of time) is described as the time taken by an a (...)
  • 140 Segundo Brahmadeva, o que está em causa é a relatividade do tempo, estabelecida na realidade das su (...)

67Embora o tempo possa ser dito como uma ordem de acompanhamento, uma "causa instrumental", do que acontece, e venha aparentemente determi­nado pelos movimentos que empiricamente lhe dão a base para uma possível medida, não é apenas o convencional de tal cronologia.138 Existe a intuição da sua medida radical, do seu 'número' dir-se-ia diferencial e que constitui a sua dimensão como "átomo" ou "momento": será a do tempo gasto por um tal átomo numa região ou espaço, ou como a duração de todo o universo.139 Todas as diferenças temporais resultando pois, não tanto de diversas realida­des do mesmo, mas de distintas "velocidades" que dêem a tal momento aparentes plurais extensões, numa antecipação do que poderia fazer vislum­brar a teoria da relatividade e as variantes de aceleração.140

  • 141 Cf. ainda H. BATTACHARYA, ibid., p. 536: "It is that any phenomenon which is a paryāya [an effect] (...)

68A destrinça entre este básico tempo-medida permite compreender que, para além da evidência empírica dos diferentes sentidos realistas do passado, presente e futuro, haja uma ordem meditativa e de contemplação, que capta o fim do tempo nesse presente ou nesse termo da presença temporal. Trata-se da consciência assim momentânea do tempo como superação numénica ou até espiritual do mesmo, numa perene duração, constituída por 'grãos de eternidade' , ou por miríades de instantes incomparáveis e não inclusivos como acontece com as outras instâncias espaciais e da vida.141

  • 142 Cf. H. BATTACHARYA, ibid., p. 539.

69De facto, para esta meditação jainista, além dos aspectos impermanentes da ordem ritual e prática do tempo (vyavahāra kāla), que corresponde a samaya, ou "conjunturas" assim determinadas pelos movimentos, pela rotação do sol, etc., há esse paramārtha kāla, ou "tempo transcendental", que é a base latente ou presença reiterada a propósito de cada átomo presente.142 É estranha esta 'presença' latente, esta espécie de 'realidade dormente', que só é consciencializada na sua mesma evanescência, mas que constitui uma persistência sempre possível, como se durée implícita em cada momento que a revela e, entretanto, transcendendo em vida e continuidade tal ocorrência.

  • 143 Cf. H. BATTACHARYA, ibid., p. 537: "Time as a substance is obviously similar to the soul but inasmu (...)
  • 144 Cf. H. ZIMMER, Philosophies of India, ed. cit., pp. 270 e segs.; H. BATTACHARYA, ibid., pp. 536 e s (...)

70Os Jainas chamam-lhe, neste sentido, vartanã, como captação de tal continuidade e aproximam esta presença do tempo, quase se diria "memorial", com a da alma, embora neste caso haja possível consciência e na duração do tempo se reconheça a ausência de reflexibilidade ou consciência.143 De qualquer modo, por amorfa e inactiva que seja essa duração, segundo a qual tudo se passa e em que tudo ganha forma, o mais relevante é o facto do tempo, ao contrário de outras entidades até dimensionais da realidade não se caracterizar como extenso.144

  • 145 A comparação, outrossim, feita no Dravyasaṃgraha, 21; (cp. Tattvārtha Sūtra, 5, 22) remete para um (...)

71É aqui que a herança, ou não, do atomismo também de Vaiśeṣika, vai constituir um critério decisivo para discernir, não apenas o carácter não concomitante da temporalidade, portanto não extensa, mas ainda para reconhecer que a sua infinitude não é, ao menos, como o do inumerável da vida, porém a título de única dimensão instante. O intervalo diferencial, neste caso como pradeśa, ou seja como o espaço delimitado pelo átomo ou unidade última, é o que permite detectar esses instantes indivisíveis (ou kālāṇus), como separados uns dos outros, segundo a imagem das contas de um colar.145

  • 146 Cf. 'teoria das idades' segundo os cálculos dos Jainas: cf. UMĀSVĀTI/ UMĀSVĀMI, Tattvārtha Sūtra (T (...)

72Claro que, numa representação cósmica destes ciclos, encontra-se no Jainismo uma concepção paralela à das yugas, mais propriamente dos kalpas, ou «eons», num ciclo descendente e ascendente que ao longo do ciclo global do tempo o vão repetindo, neste caso, em seis eras em que determinada presença espiritual é regente.146 A geral transmigração que depende deste maior ou menor contágio kârmico justifica complementar esforço de purificação e essa pedagogia gradual ao longo do tempo.

  • 147 Cf. Helmuth Von GLASENAPP, Der Jainismus, trad. Sh. B. Shrotri, Delhi, Motilal Banarsidass, 1999, p (...)
  • 148 Quase como na concepção leibniziana da mónada como dinâmica relação intensiva e substantiva, um "po (...)

73Repare-se, no entanto, que nem se fala de uma continuidade contínua, nem de uma descontinuidade contínua, mas de uma contínua descontinuidade de acordo com essa unidade minimal ou tal pradeśa.147 Por outro lado, deste modo apura-se uma persistência interiorizada, uma duração espiritual do tempo, por muito inorgânico que pareça, quando comparado às instâncias de um dharma que é essencialmente libertação de infindas mónadas espirituais. Os instantes temporais reduzindo-se afinal a um único pradeśa ou "ponto-momento".148

5.A concepção ilusionista e instantaneísta do tempo segundo as principais escolas do Budismo

  • 149 Tattvasaṃgraha (de Kamaśīla), p. 142; cit. apud Louis de la VALLÉ-POUSSIN, "Notes sur le moment ou (...)

“utpādānantaravināśisvabhāvo vastunaḥ kṣaṇaucyate” (trad.: "A natureza da coisa de perecer imediatamente após nascer, eis o que assim é dito instantâ­neo.")149

  • 150 Cf. Jwala PRASAD, "Discussion of the Buddhist Doctrine of Momentariness and Subjective Idealism in (...)

74Em contraponto ao sentido de continuidade ainda realista, se bem que não já corpórea, nem sequer vital, do tempo tal como encarado no atomismo psicológico e sobretudo nesta ascética que reconduz a uma 'fuga' a tempo, encontra-se em geral no Budismo, mas muito particularmente nalgumas Escolas filosóficas do Mahayana, a denegação dessa realidade do tempo e a sua redução a um ilusionismo.150

  • 151 É o Dhammacakkappavattana-sutta, ou «ensinamento da Roda da Lei», cf. Saṃyutta-nikāya in Sacca-saṃy (...)
  • 152 O reconhecimento da transitoriedade de toda a manifestação (qual "pánta rheî" heraclitiana...), dit (...)

75De facto, é consentânea com o que se pode supor ter sido o primeiro ensinamento do Iluminado, Buddha, esta consideração do tempo como um factor constitutivo da dor universal, segundo a 'Primeira Nobre Verdade', no «Sermão de Benares».151 A duhkha provém não apenas do desejo, da 'ânsia' ou 'sede' de algo que é causa de futura infelicidade, mas desde logo na impermanência do próprio desejo, na evanescência de tudo quanto parece ser e logo se esclarece como instantâneo. Aparte o diagnóstico causal segundo o esquema terapêutico desse «Sermão das Quatro Nobres Verdades» (Cattāri Ariyasaccāni), já o simples momento de consciência supõe esse trânsito entre momentos atencionais em devir, que parecem irrecuperáveis em sua instantânea cessação.152

  • 153 Cf. supra n. 34. Vide ainda P. MUS, "La notion de temps réversible dans la mythologie bouddhique" i (...)
  • 154 É a importante via da instantaneidade: kṣaṇika-vāda . Não sendo aqui possível dar conta da evolução (...)

76É certo que para a meditação budista, segundo os primeiros Sutras se refere o passado, o presente e o futuro como determinações da memória que importa fazer cessar, justamente pela consideração do seu carácter não-real e como fixações desiderativas ou imaginárias que encadeiam nas determinações, ou encadeamentos, de todas as confecções (saṃskāra) do mundo de saṃskāra.153 No entanto, as escolas que assim advogam esta consideração extensa como a dos Sarvāstivādin (de sarvam āsti, "tudo é", ou "tudo existe"...) confrontar-se-ão com a complementar leitura de que só o momentâneo é ou se pode considerar, já que a evanescência universal faz considerar cada instante como um puro 'zero', uma vacuidade.154

  • 155 É primeiro uma espécie de "atomismo" de instantes temporais, ou kṣana (ainda na perspectiva dos Sau (...)
  • 156 Cf. Abhidharmasamuccaya, onde se define o tempo como sucessão contínua das causas e dos efeitos, ad (...)

77Paradoxal esta visão do tempo, como assim ausência do mesmo, pela sua excessiva presença instante e anuladora, que contrasta com a noção vedantina do eterno agora, já que se trata de apenas um 'agora' perpetuamente renovado e pulsátil como que a marcar o puro intervalo da evidência intemporal do que parece ser tempo apenas porque na inércia, no desejo ou na constituição duracional.155 Segundo o Abhidharmasamuccaya, o "tempo é a designação para indicar a sucessão contínua de causas e efeitos".156

  • 157 Cf. supra ns. 69 e 74; também infra n. 153 e vide STCHERBATSKY, Buddhist Logic, ed. cit., pp. 79-11 (...)
  • 158 Pura ocasião para reconhecer que "nem é passado, nem futuro"...: cf. Saṃyutta-Nikāya, I, 141: 'na t (...)

78E, apesar da representação psicológica se sobrepor à indagação do crónico pretérito ou futuro, reduzindo-se estes à memória e imaginação formadas a partir do presente, nem por isso a causalidade presente é negada, pois é aqui tomada pela negativa, ou seja, como causa de não-ser, como diagnóstico do que justamente não é: como se se devesse dizer que a mente budista desenha o contorno do tempo pela falta dele e assim reconhece o instante de anulamento, como sendo de libertação, não aquém ou além do ciclo impermanente, outrossim reconhecendo que saṃsāra e nirvāṇa são um e o mesmo.157 A libertação sendo libertação da própria libertação como algo de positivo; donde o sentido absolutamente apofático em relação ao tempo, denegando-o pela própria coincidência com a sua mesma evanescência. O tempo acabando por ser o que é justamente a oportunidade para não ser, ou seja, para a libertação da ilusão de uma qualquer continuidade.158

  • 159 Segundo VASUBANDHU, Cittamātra, cf. Karma-siddhi-prakaraṇa K. V, 27... cit. apud Stefan ANACKER, Se (...)
  • 160 Donde para o Jainismo a evidência de um "eterno retorno", fosse como recorrência natural ou na asce (...)

79Dir-se-ia não um processo de contínua descontinuidade como no atomismo já referido, mas de descontínua continuidade, ou seja, em que a cada momento se haja a intuição, a iluminação de uma pura continuidade possível de consciência que só se mantém justamente como luz anónima, ou seja, se não centrada em nenhuma 'identidade' ou em torno de qualquer sujeito.159 Enquanto para o Jainismo a evidência do tempo era também a de uma ordem de morte em relação à Vida e à alma de ser, para o Budismo a evanescência do tempo é a de uma Vida sem morte mas também sem alma, uma espécie de cósmica denegação de todas as diferenciações...160

  • 161 Cf. André BAREAU, "The Notion of Time in Early Buddhism", in: East and West, 7 (1957), pp. 353-364; (...)
  • 162 Cf. K. H. POTTER, "A Few Early Abhidharma Categories", in: K. H. POTTER et alii, (eds.), Abhidharma (...)
  • 163 Dupla negação, como no Madhyamika... Vide ainda Guy BUGAULT, (trad. e anot.), Stances du milieu par (...)

80A questão é complexa, pois 'se não se podem ter dois pensamentos ao mesmo tempo' (ao contrário do que opinam os Theravadas...),161 se tal simultaneidade é denegada, o que aparentemente serviria de argumento para dar credibilidade a uma causalidade temporal e ao sentido de continuidade duracional do tempo (como, entretanto, defendido pelos Sautrāntika),162 constitui também a razão de exclusão de todo o processo de nexo, negando-se a afirmação e a negação num momento de dupla-negação ou de desarticulação de todo o processo de composição mental.163

  • 164 Cf. M. ÉLIADE, "Time and Eternity in lndian Thought", in: ed- cit., p. 191: "The only hope and path (...)
  • 165 Para esta noção de kṣaṇa, como ponto de nascimento evanescente...cf. Abhidharmakośa, III, 85 e segs (...)

81O que está em causa é uma espécie de 'me-ontologia', cujas consequências em termos das pretensões morais e da libertação espiritual budista se tornam problemáticas. A posição budista como contestação da ordem convencionada supõe-na e sobretudo a crença na causalidade e na lógica de erradicação das consequências temporais do sofrimento.164 Porém, a iluminação como nirvânica pode diluir também estas formas antinómicas e mediativas, afinal do que só na imediatez e no sem tempo tem sentido. Donde o resultante indiferentismo moral e até a denegação do sentido gradual quer pela básica contemporaneidade de tudo (ad modum do "espaço", ākāśa), quer pelo incomparável de cada instante.165

  • 166 "The present moment alone is seized by sensation. Since all external objects are reducible to sense (...)
  • 167 Poderia entender-se aqui o reversível, não apenas como o que retorna (bhāvanā), e possa ser dito re (...)
  • 168 É a chamada escola do subitismo a que já nos referíamos (cf. Carlos H. do C. SILVA, "A «via rápida» (...)
  • 169 Anatta ou não-eu, não identificação... Cf. também Michel HULIN, Le príncipe de l'Ego dans la pensée (...)

82É sobretudo no Mahayana, e em pensadores como Vasubandhu e Nagarjuna, que a impossibilidade de pensar um êxtase do tempo descontínuo se coloca.166 Segundo o «Tratado do Meio», não há presente, nem passado ou futuro, mas apenas tal ilusão de saṃsāra como um fluxo irrecuperável. Porém, é em relação a esta mesma consciência não-fluente, ou por outras palavras, reversível em relação a tal fluir,167 que se dá a iluminação súbita de que este instante cônscio saia da ilusão de um contínuo temporal, isto é, esteja liberto de qualquer liame condicionado. Instante livre, espontaneidade pura, evanescência sem mais, sobretudo sem o 'a mais' de um 'desejo de ser' , tal visão nirvânica do tempo, numa consumição assim, coincide com o niilismo ontológico e a impossibilidade de identificar por sujeito de referência qualquer `história pessoal'.168 A iluminação dá-se nesta mutação para a consciência `anónima' (ou sem 'eu' , anatta), como uma universalidade de cada instante no absoluto fenomenal, por isso suspensivo de toda a dor, de todo o prazer, de todo o pensamento ou de toda a ânsia. Perfeita indiferença segundo essa absoluta instantaneidade.169

  • 170 O problema de tal consciência (vijñana) não se pode aqui discutir, remete-se, por exemplo, para: Pa (...)
  • 171 Cf. supra n. 135 e infra n. 148. Outras perspectivas em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "Trans (...)

83Levanta-se, entretanto e sempre, a dificuldade em reconhecer ou em admitir a consciência disso mesmo em tal perfeito 'estado unitivo' ou de coincidência com tal minimum, com tais fragmentos mínimos de tudo quanto parece ser, e se revela nessa mínima extensão de tempo.170 E porque não num 'agora eterno'? É esta mesma ambiguidade mental que levará à extinção da abordagem intelectiva do tempo, antes por esta paradoxal 'dupla negação', de que nem é eterno nem deveniente, nem existente, nem não-existente, etc., indicando a mutação de consciência que possa ser vivida mas já transcenda os limites do pensamento.171

84Esquema das diversas perspectivas dos darsanas do sistema do pensamento hindu e de outras escolas filosóficas sobre a concepção do tempo (desde a eternidade até à instantaneidade...):

Escolas:

Conheci-

mento/

percepção

Ser/

ontologia

Lógica/

psicologia

Métrica

Formas de

consciência

Vedanta,

advaíta/

Mīmānsā..

Ilusória/

ignorância

Irrealidade

do devir,

só o Ser

(Sat) é

Causalidade

aparente

'Agora'

eterno

intemporal

Contínua

continuidade

Idealismo

absoluto:

Atma‑

-Brahma

Sāṃkhya /

Categorial,

Irrealidade

Causa-

Dualismo

Continuidade

Yoga

recorrência

absoluta e

-efeito devir

eternidade

e descontinui-

do

realidade

de ākāśa e

dade

movimento

relativa do

tempo

tempo dos

siderais

Concentração

e libertação

Vaiśeṣika /

Percepção

Realidade

Causalidade

Atómica,

Desconti‑

Nyāya

pelos efeitos

'substantiva'

e realidade

sucessão

nuidade

da duração,

memória e

imaginação

do tempo,

mas não-

-activa

do passado,

presente e

futuro

infinita e

eterna

descontínua

Jainismo

Vivo e

não-vivo:

o tempo

não-vivo

Realidade

substantiva

mas não-

-espacial

Causa

instrumental

Número,

extensão,

isolamento,

união e

separação

Contínua

descon -

tinuidade

Infindas

mónadas

Budismo

Experiência

da imper-

Fenomenismo

não-

Causalidade

evanescente

Instantâneo,

eterno

Descontínua

con‑

manência,

dor e devir

-substancial

e irrealidade

em

condições

múltiplas e

relativas

agora

tinuidade

Nirvana ou

extinção/

iluminação

Nota conclusiva: Não há tempo para haver tempo... mas para viver in-temporalmente

“svādhikaraṇa samaya prāgabhāvādhikaraṇakṣaṇasambandhittva”

  • 172 Vaibhāṣika Darśana, ed. A. K. Bhattacharya, Calcutta, 1955, p. 102; cf. A. N. BALSLEV, A Study of T (...)

(trad.: "Não se relaciona o momento com o lugar da existência anterior à não-existência desse momento")172

  • 173 Não só a dupla perplexidade do agora de um enigma de sempre, ou do sempre constante do questionamen (...)

85O tempo que parece ter existido para se falar do tempo, e nele se acolherem instâncias várias de uma linguagem que assim o declina ou diferencia nas formas qualificadas, traz consigo a lição de uma "história", um ter acontecido sem que haja bem a confiança na realidade do que poderá ser sempre um sonho...173 Donde o carácter adiáforo, evanescente, pouco crível e menos tenso de uma encenação de desejo na tradição hindu; pelo contrário, reconduzido à temporalidade, o exercício meditativo pode ganhar a gradualidade pedagógica ou o sentido abreviado de um caminho de realização consciente.

  • 174 Pergunta-se M. HULIN, La face cachée du temps..., ed. cit., p. 390 : «Ces deux intuitions majeures, (...)

86Desde a atitude de cálculo dos dias, de kāla até ao instante em que se desvanece aquele hábito mental e fica apenas o fluir de nada disso, qual ksana de abrupto vislumbre de eternidade, vai um ciclo a que uma parte de nós quer continuar a mentir tanto na convicção do desejo ou esperança num tempo maior, numa próxima idade, tal na teoria das yugas, quanto num olhar estabilizado pela eterna visão que dogmatize o eterno além do tempo.174

  • 175 Vide supra Introdução.
  • 176 Tantas vezes, hoje, sucedâneo para outra compreensão do tempo como tal... Ilustre-se essa "fuga par (...)
  • 177 Não se está apenas a evocar o argumento que desde as Upaniśadas (Bṛhad-āraṇyaka Up., III, 9, 26: 'n (...)
  • 178 Não tratámos ao longo desta reflexão sobre a temporalidade na tradição hindu da via especificamente (...)
  • 179 Relembre-se F. PESSOA, "Sobre a Alquimia" em: «0 Estádio gnóstico», in: António Quadros, (org.), F. (...)

87De qualquer modo enquanto assim se fizer o jogo das possíveis perspectivas do pensável e assim até ritualizável da ordem do tempo não se compreenderá, quiçá longe destes modos indo-europeus e sempre de pensamento linguisticamente determinante,175 outra realização que 'toque' o tempo para um diverso 'redil' e explore o que nem é devir, nem fixo, nem temporal, nem eterno, nem sequer momento ou instantâneo,176 mas sem nome.177 Essa outra possibilidade de ir por onde ainda nem pensável, e no não nomeado, estará, afinal, bem mais próximo do que na tradição oriental corresponda a uma via tântrica xivaíta,178 de poder ou de realização, até da que no ocidente por 'alquímica' se disse.179

  • 180 Não na fácil dilucidação deste paradoxo à luz do 'criacionismo' temporal de Santo AGOSTINHO, Confes (...)
  • 181 Afinal, um saber (também "saborear") 'outro' do tempo, num alimento, assimilação, quer na literalid (...)

88Trata-se de reconhecer que, além ou aquém das formas qualificadas de entendimento genérico, conceptual ou até mítico narrativo e pessoal, há o instinto, a vontade e a sinergia de que o que se diz o "tempo" é já o confuso, diverso e variável resultado quer tardo quer incerto. O que fica neste "antes" do tempo,180 que é mesmo um intervalo da outra maneira global de o pensar, dá azo para se "comer" e viver, para se "respirar" e até ritmar a vida de exercício que des-temporalize e anule aquelas mesmas formas de se entreter o pensar no rosário dos dias, ou a intuição, na infantil hipnose do instante.181

89Fique, então, este oriental perfume sem nome, este respiro sem medida certa, este desnarrar tal meditação do tempo até à serenidade da hora...

Topo da página

Bibliografia

BALSLEV, Anindita Niyogi, A Study of Time in Indian Philosophy, New Delhi, Munshiram Manoharlal, 1999.

CHETANANANDA, Swami, The Open Moment, Reflections on the Spiritual Life, Portland, Rudra Pr., 1995.

COOMARASWAMY, Ananda K., Time and Eternity, Ascona, Artibus Asiae Publ., 1947; trad. franc., Le temps et l'éternité,Paris, Dervy, 1976, (caps. I e II)

ÉLIADE, Mircea, «Le temps et l'éternité dans la pensée indienne», (in: Eranos 20- 1951), reed. in: Id., Images et symboles, Paris, Gallimard, 1979, pp. 73-119.

HANH, Thich Nhat, La plénitude de l'instant, trad. do ingl., Paris, Dangles, 1994.

HULIN, Michel, La face cachée du temps, L'imaginaire de l'au-delà, Paris, Fayard, 1985.

MIMAKI, Katsumi, La réfutation bouddhique de la permanence des choses (Sthirasiddhidūṣaṇaṇ) et La preuve de la momentanéité des choses (Kṣaṇabhaṅgasiddhi), («Publ. De l'Institut de Civil. Indienne», 41), Paris, Inst. Civ. Indienne, 1976.

PRAJNANPAD, Svami, L'éternel présent, Paris, Accarias/ L'Originel, 2002. PRASAD, Hari Shankar, (ed.), Essays on Time in Buddhism, Delhi, Sri Satguru Publ., 1991.

Id., (ed.), Time in Indian Philosophy, A Collection of Essays, Delhi, Sri Sat­guru Publ., 1992.

SILBURN, Lilian, Instant et cause, Le discontinu dans la philosophie de l'Inde, Paris, Vrin, 1955.

ZIMMER, Heinrich, Myths ans Symbols in Indian Art and Civilization, ed. Joseph Campbell, N. Y., The Bollingen S., 1946 e reed.

Topo da página

Notas

1 CANDRAKIRTI, Mūla Mādhyamika Kārikā Vṛtti, p. 388, 1.6 ; apud L. SILBURN, Instant et cause. Le discontinu dans la pensée philosophique de l'Inde, Paris, Vrin, 1955, p. 140. Num sentido muito literal e explorando etimologias e ressonâncias apontar-se-ia para a glosa: "Cálculo (um tempo, ou um recontar horas...) que passa (pelo fogo, que coze...) os que brotam (que provêm ou são tais), cálculo que conflagra (abraça ou estrangula, rodeia...e destrói apurando) a tudo que brota (ou vive); cálculo que aos sopesados (de sono) já acorda (vigilante), cálculo que é difícil (duro) de ultrapassar (ou ter poder sobre)." Relacione-se com o timbre "alimentar" deste modo de pensar: cf. Charles MALAMOUD, Cuire le monde, Rite et pensée dans l'Inde ancienne, Paris, La Découverte, 1989, pp. 35 e segs.: «Cuire le monde».

2 VASUBANDHU, Abhidharmakośa, IV, 2-3, (cf. L. SILBURN, ibid., p. 277, que traduz: "L'instant, c'est l'acquisition de la nature propre périssant immédiatement.").

3 Nyāya Sūtra, I, 2, 9; kālātītaḥ, quer significar o carácter "temporal", ou efémero, do estado do devir do tempo, cf. Leonardo V. ARENA, (ed. e coment.), Il Nyāya Sūtra di Gautama, Roma, Āśram Vidyā, 1994, pp. 103-104.

4 Cf. referências em nossos estudos: Carlos H. do C. SILVA, "Dos signos primitivos: Preliminares etiológicos para uma reflexão sobre a essência da linguagem", in: Análise, I- 2 (1984), pp.21-78; [Id., (Continuação), in: Análise, II -1, (1985)], pp.189-275; e Id., "Da indiferenciação do dizer ao autómaton do falar – Os limites da Linguagem em Wittgenstein", in: Rev. Port. de Filosofia, XLV, 2 (1989), pp. 247-284. Vide Colin RENFREW, Archeology and Language, The Puzzle of Indo-European Origins, London, Jonathan Cape, 1987; também Steven MITHEN, The Prehistory of the Mind, A Search for the origins of art, religion and science, London, Thames & Hudson, 1996, pp. 140 e segs.

5 Sobre a expressão como instância "sensível", cf. Calvert WATKINS, How to Kill a Dragon, Aspects of Indo-European Poetics, Oxford, Oxf. Univ. Pr., 1995, pp. 109 e segs.: «Vedic India and the art of the Word»; e produto de re-flexão (vichhāra) de acordo com a performance da pragmática linguística (na Escola de Oxford), cf. J. L. AUSTIN, How to do Things with Words, (1955), London/ Oxford/ N.Y., Oxford Univ. Pr., 1962, pp. 32 e segs.; John R. SEARLE, Speech Acts, An Essay in the Philosophy of Language, Cambridge, Cambr. Univ. Pr., 19691, 1999 reed., pp. 72 e segs.: «Reference as a speech act».

6 Concepção essencialista do valor da linguagem como sphota, ou modelo de "manifestação" do som primordial... como Daivi Vāk, ou "Voz divina". Cf. Madeleine BIARDEAU, Théorie de la connaissance et philosophie de la parole dans le brahmanisme classique, Paris/ La Haye, Mouton, 1964, pp. 364 e segs.; e vide Harold G. COWARD, The Sphoṭa Theory of Language, A Philosophical Analysis, Delhi, Motilal Banarsidass Publ., 19801, 1997. cf. infra ns. 8 e 10.

7 O sânscrito referido de saṃskṛtā vāc, isto é, como "ajustada palavra", "perfeita voz"... é assim a língua confeccionada, 'cozinhada' (de acordo com saṃskṛtā, "confecção") para a acção. Cf. Pierre-Sylvain FILLIOZAT, Le sanskrit, Paris, PUF, 1992, p. 35 e segs.; cf. também: Vasundhara FILLIOZAT, Éléments de grammaire sanskrite, Gīrvāṇa-bhāṣā La langue des dieux, Palaiseau, Âgamât ed., 1998, p. 5; e vide P. MEILE, «Le sanskrit», in: Louis RENOU e Jean FILLIOZAT, L'Inde classique, Manuel des études indiennes, Paris, Maisonneuve, 1985, t. I, §§ 71 e segs., pp. 54 e segs.

8 Cf. P. MEILE, ibid., p. 55: "Sans qu'on puisse... restituer avec certitude des zones anciennes et des zones récentes d'après des critères linguistiques – l'enchevêtrement des formules, les interrelations d'emprunt rendent cette tentative difficile..." 'Formulismo' este que remete para estruturas primitivas como, por outra parte, salienta Marcel JOUSSE, L'anthropologie du geste, 3 ts., Paris, Gallimard, 1974-75, sobretudo, t. I, pp. 327 e segs.: «Le formulisme».

9 Cf. ŚAÑKARA, Brahmasūtra I, iii, 28, 4-6: "Tathā prajāpaterapi sraṣṭuḥ sṛṣṭ eḥ pūrvaṃ vaidikāḥ śabdā manasi prādurbabhūvuh, paścāttadanugatānarthānsasarjeti gamyate." (Trad.: "Assim, antes da criação, as palavras védicas (de sabedoria) tornaram-se sonantes no manas de Prajāpati e, então, ele criou as coisas correspondentes a estas palavras sagradas." De notar o carácter demiúrgico desta instância assim nomeadora de todas as coisas... tanto comparável na tradição bíblica (cf. Gn 1,3...: hebr. dabar, "palavra" de Deus, e debarim "as coisas", como 'palavras criadas' ...; também Gn 2, 19-20...) e cabalística (cf., por exemplo, Marc-Alain OUAKNIN, Concerto pour quatre consonnes sans voyelles, Au-dela du príncipe d'identité, Paris, Payot, 1998, pp. 75 e segs.), quanto na herança tibetana: cf. André PADOUX, L'énergie de la parole, Cosmogonies de la parole tantrique, Paris, Fata Morgana, 1994, sobretudo pp. 51 e segs.: «nâda: la résonance» Vide n. seguinte.

10 Cf. supra n. 5 e vide ainda M. BIARDEAU, Théorie de la connaissance et philosophie de la parole dans le brahmanisme classique, ed. cit., pp. 360: «...ce signe verbal comme quelque chose qui existe, non seulement à part de sa signification, mais à part des sons qui l'énoncent, autrement dit de poser l'existence d'une entité verbale par elle-même inaudible mais manifestée par les sons concrets: le sphoṭa.» Posição de Bhartrhari, como de Śankara..., que não deixa de ter analogia com PLATÃO, Crat. 393d e segs., na tese acerca das "essências" da linguagem. Cf. Antonia SOULEZ, La grammaire philosophique chez Platon, Paris, PUF, 1991, pp. 56 et passim; Monique CANTO, "Le semeion dans le Cratyle", in: Rev. de Philos. Ancienne, V, n.° 1 (1987), pp. 9-25...; lembre-se ainda: Gérard GENETTE, Mimologiques, Voyage en Cratylie, Paris, Seuil, 1976, pp. 18 e segs.

11 Cf. Jean VARENNE, Cosmogonies Védiques, Milano, Arché, 1982, pp. 53 e segs.: «Structure du mythe». Vide também referência à quadratura da palavra: Do plano "divino" (1) inaudível e não redutível sequer a fórmulas, senão num plano meta-linguístico, segue-se a palavra essencial (2) (śabda, ou "sílaba" fundamental), que depois se articula na gramática das formas articuladas (3), discursivas da língua, e, enfim, no plano "sensível" (audível) da palavra fonética (4). Entre a interior e directa linguagem da essência e esta linguagem exterior da gramática e fonética, há, pois, o plano intermédio da linguagem mental e das formas intelectivas ditas por sphoṭa. Cf. John GRIMES, An Advaita Vedanta Perspective on Language, Delhi, Sri Satguru Publ., 1991, pp. 35 e segs. e vide referências em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "Du signe et des problèmes de signification chez les racines du langage pensant de l'Inde" (Communic. aux "Jornadas de Filosofia Indiana" org. CHAM- Centro de História de Além-Mar/ Fac. de C. Sociais e Humanas – Univ. Nova de Lisboa, à Lisbonne, le 26 et 27 avril de 2005.) (a publicar); e cf. supra n. 5.

12 Um kalpa , ou seja "um dia de Brahma", equivale a 1000 grandes yuga, ou "as idades do mundo"... Segundo alguns cálculos da matemática hindu, cada uma dessas grandes idades (mahāyuga) constitutivas da vida de Brahman, dura 4.320.000 anos humanos!... Cf. Michel ANGOT, L’Inde classique, Paris, Belles Lettres, 2001, p. 106. Veja-se sobretudo a reflexão de Michel HULIN, "Décadence et renouvellement: La doctrine des âges du monde dans l'hindouisme", in: Eranos- Jahrbuch 1985, Frankfurt-a.-M., Insel V., 1987, pp. 177-208, sobretudo pp. 179 e segs. Cf. n. seguinte e n. 29.

13 Não é de estranhar que aqui se antecipe esta alusão à "cronologia" dos ciclos temporais, pois a intuição presente nestas "idades do mundo" (como ainda diria F. W. J. von SCHELLING, Die Weltalter. Fragmente. In der Urfassungen von 1811 und 1813, München Jubiläumsdruck, 1979...) e numa tradição tão característica depois das concepções morais que se associam à transmigração e à causa (karman), é a de que tal nomenclatura corresponde ainda à gramática relativa, à métrica da dimensão dizível e agora até numerável. Segundo Alain DANIELOU, La fantaisie des dieux et l'aventure humaine, Nature et Destin du monde dans la tradition shivaïte, Monaco, Du Rocher, 1985 e reed. 1996, pp. 13 e segs.: «La théorie des cycles – La durée de l'univers», distinguem-se além das «idades» ou yugas (Kṛta de "criação" ou de "ouro"; Dvāpara, a "segunda"; Tretā "terceira"; e Kali "literalmente de "conflito", "luta", não directamente confundível com Kālī, deusa do "Tempo" ou da Morte"), as "eras" ou "os dias e noites de Brahman", etc. Algumas referências: A vida de Brahman (ou do universo) é dividida em 1000 ciclos, chamados Maha-Yugas (Grande Ano ou Idade), correspondendo ao ciclo de precessão dos equinócios (c. 25.000 anos?!). A Maha-Yuga em que o humano aparece em cerca de 71 ciclos de 14 Manvantaras. O Manvantara é o ciclo de um Manu e após cada "dia" cósmico advém o Pralaya ou a noite e o sono do desaparecimento universal. Segundo os Purânas a duração do universo é de 34 biliões e 560 milhões de anos. A Mahâ-Yuga, dura 4.320.000 anos... Independentemente da análise destes números, também em larga medida sujeitos a uma outra combinatória simbólica, e que fica documentada no Lingā Purāna, 1, 4, 37-40 etc., importa, isso sim, salientar a relatividade da duração das idades de acordo com a sua aceleração e encurtamento no declínio em ordem à Kali-Yuga. Vide A. DANIÉLOU, ibid., pp. 16-18; e cf. Mircea ÉLIADE, Images et symboles, essais sur le symbolisme magico-religieux, Paris, Gallimard, 1952, pp. 77 e segs.: «Mythes indiens du temps»; cf. também Gaston GEORGEL, Les Quatre Âges de l'Humanité, Exposé de la Doctrine Traditionnelle des Cycles cosmiques, Milano, Archè, 1976.

14 Entre o devir da linguagem e a linguagem do devir (jagat, ou bhāva-sagara), ou entre a linguagem e o real, está esta vida, dita pelo tempo quer como yuga, (cf. infra n. 33), quer como "medida" enquanto tal devir, duração ou processo... (cf. Gaston BACHELARD, La dialectique de la durée, Paris, PUF, 1950, reed. 1989, pp. 112 e segs.). A palavra sanscrítica kāla que alguns fazem derivar de kalaya- ,"conduzir", poderia remeter ao "começo" ou à manhã em que se levam os rebanhos, um início, como marca. Proviria de *kal-, ou *kel-, com a acepção de levar ou tornar com frequência, donde o lat. celeber, celebrare...e o gr. klónos, como "agitação", "turbilhão", o que sempre adensa o sentido de "uma e outra vez" (hal), no alem. Halt, ponto de "paragem", de reversão ou do que assim se "mantém". Enfim, kāla, pode ainda indicar qual esse "tempo", ou seja, significar um calcular a "ocasião" (gr. kér, também kairós (?); lat. calendae; etc.) como a "hora"... Cf. S. Monier MONIER-WILLIAMS , A Sanskrit-English Dictionary, 278, sub nom.; R. L. TURNER, A Comparative Dictionary of the Indo-Aryan Languages, I, 157, sub nom.; Calvert WATKINS, The American Heritage Dictionary of Indo-European Roots, sub nom.; etc.

15 De facto, na tradição hindu, tal como não se demarca um preferente limite do espaço como lugar, assim também o tempo resulta numa tendencial evanescência 'entrópica' (como diz Michel ANGOT, L'Inde classique, ed. cit., pp. 105 e segs.: «Une conception entropique du temps»); porém, a sua estabilização eterna vem, antes do mais, dada pela possibilidade do infinitivo verbal. Siddhi, ou siddhā-, aponta justamente para essa plenitude de realização. Cf. N. STCHOUPAK, L. NITTI e L. RENOU, Diction. sanskrit-français, sub nom.

16 Sobretudo entendida como categoria de karman ou "acção" kṛt-. São as principais estruturas «pensantes» da Gramática de PANINI, Aṣṭādhyāyī; cf. Louis RENOU, Grammaire sanscrite, Paris, Maisonneuve, 19682; Id., «La théorie des temps du verbe d'après les grammairiens sanskrits» (in: Journal Asiatique, 248 (1960), pp. 305-337), reed. in: Nalini BALBIR e Georges-Jean PINAULT, (eds.), Louis Renou – Choix d'études indiennes, Paris, École franç. d'Extrême-Orient, 1997, t. I, pp. 373-405 e vide ainda Émile BENVENISTE, Origines de la formation des noms en indo-européen, Paris, Maisonneuve, 1984, pp. 129 e segs.: «De quelques formes d'infinitifs».

17 Mais do que os tempos gramaticais de passado, futuro e presente... (como reflectidos por BHARTṚHARI, Vākyapadīya, III, 9, 62 referido apud Satya VRAT, "The Concept of Time According to Bhartṛhari", (in: Annals of Bhandarkar Oriental Research Institute, 39 (1959), pp. 68-78); reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 221-231, – tais as afectações de Śakti, que projectam de modo multiforme a única "palavra" de Śabdabrahman), impõe-se a verbalidade de uma acção assim completa, como, afinal, no som primordial absoluto. Cf. Arthur AVALON, La Doctrine du Mantra, La Guirlande des Lettres, Varnamālā, trad. do ingl., Paris, Éd. Orientales, 1979, pp. 7 et passim.

18 A noção de 'ordem', seja como ṛta e também dhanna, gr. kósmos, lat. ordo, mesmo no equivalente ao chinês tao –do, ao hebr. torah, etc., não resulta da "percepção" elementar, mas é já um "quadro" (Gestalt ou Bild...) de configuração do diverso sensível. Cf. já em ANAXIMANDRO DE MILETO, frag. 1B : '...katà tó khreón;...katà tèn toû khrónou táxin' , in: D.-K. (= H. DIELS e W. KRANZ, Die Fragmente der Vorsokratiker, Dublin/Zürich, Weidmann, 196612), t. I, p. 89. Sobre esta noção védica de ṛta cf. M. ANGOT, L'Inde classique, ed. cit., pp. 121-122..., também Frits STAAL, Jouer avec le feu, Pratique et théorie du rituel védique, (Public. de l'Institut de Civilis. Indienne, n.° 57), Paris, Collège de France, 1990; e vide o habitual "ilusionismo" hindu quanto à percepção empírica, bem assim a teoria das disposições mentais ou pramāṇas, cf. várias posições em Bimal Krishna MATILAL, Perception, An Essay on Classical Indian Theory of Knowledge, Oxford, Clarendon Pr., 1986, pp. 21 e segs. e 223 e segs.

19 Apesar ulteriormente de exercícios atencionais exactamente nesse holístico sentido – em qual perspectiva de "dados imediatos do conhecimento" (Maine de Biran, Bergson...) –, tal o caso do vipassana na tradição budista. Cf. referências em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "O Problema da Atenção no Vipassana", (Comun. ao "Colóquio: A Mente, a Religião e a Ciência", promovido pelo Projecto de Investigação «A Filosofia e as Grandes Religiões do Mundo...», Centro de Filosofia da Fac. de Letras de Lisboa), in: Carlos João CORREIA, (Coord.), A Mente, a Religião e a Ciência, (Actas do Colóquio), Lisboa, Centro de Filosofia da Univ.de Lisboa, 2003, pp. 29-61.

20 Cf. supra n. 16. A questão deste ritmo pulsátil e instantâneo de tal consciência do tempo é até tematizada na perspectiva do spanda ("vibração") e duma linhagem tântrica desta antiquíssima compreensão vibratória da consciência e da realidade... Cf. sobretudo Lilian SILBURN, (ed. e trad.), Spandakārikā, Stances sur la vibration de Vasugupta et leurs gloses, (Publ. de l'Institut de Civlis. Indienne, n.° 58), Paris, De Boccard, 1990; também Jaideva SINGH, (ed.), Spanda-Kārikās, The Divine Creative Pulsation, Delhi, Motilal Banarsidass, 1980 e reed. 2000; e cf. ainda Thérèse BROSSE, La 'Conscience-Énergie' structure de l'homme et de l'univers, Sisteron, Présence, 1984, pp. 193 e segs.: «Les expressions rythmiques de la 'Conscience-Énergie' ...». Na tradição filosófica ocidental cf., entre outros, Pierre SAUVANET, Le rythme et la raison, II – Rythmanalyses, Paris, Kimé, 2000.

21 Mantras: "...ce sont les formules énigmatiques qui d'abord sont nommées brahman (...) ou encore mantra quand cês formules sorti- belles et bien rythmées. Par ailleurs, sa prétension est d'être une parole d'au-delà du langage, une parole originelle (...)." (Nichel ANGOT, L'Inde classique, ed. cit., p. 118) A importância do 'estratagema', ou upāya, como "fingimento" útil à descoberta: cf. referências em nossos estudos: Carlos H. do C. SILVA, "O virtual literário como poética da realidade – Meditação a partir da lição do fingimento pessoano", (Confer, no Ciclo de Confers. «Olhares Luso-Brasileiros sobre Literatura», Centro de Literat. e Cultura Portuguesa e Brasileira, U.C.P. (18.05.2000)), in: José M. Silva ROSA, (org.), Olhares Luso-Brasileiros sobre Literatura, (Ciclo de Conferências), Lisboa, C.L.C.P.B/ Univ. Católica Ed., 2002, pp. 111-133 ; Id., "O fingimento da Religião – Do tremendo fascínio à sua crítica como memorial do divino", (Comun. ao Colóquio «Pensar a Religião», VI Jornadas de Estudos Filosóficos, org°. pelo Centro de Estudos Filosóficos do Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais, da Univ. dos Açores em Ponta Delgada, S. Miguel, a 25 de Maio de 2000), in: Arquipélago (Rev. da Univ. dos Açores, Ponta Delgada), Série Filosofia, (no prelo).

22 Dimensões míticas do tempo que se encontram na sua génese "substancial", cf., entre outros, Stanislaw SCHAYER, Contributions to the Problem of Time in Indian Philosophy, Kraków, 1938, pp. 4 e segs.: «The Philosophy of Time-Substance»; M. ÉL1ADE, "Time and Eternity in Indian Thought", in: Man and Time, («Eranos Yearbook») London, Routledge, 1958, pp. 173-200; H. ZIMMER, Mythes et synzboles dans l'art et la civilisation de l'Inde, ed. Joseph Campbell, trad. L. Renou, Paris, Payot, 1951, etc.

23 Vide supra n. 20 e cf. Heinrich ZIMMER, «La joie cosmique de Çiva», in: Id., Mythes et symboles dans l'art et la civilisation de l'Inde, ed. cit., p. 136: "De même, man- (apparenté à «mental») signifie «penser, avoir dans l’esprit», mantra est donc «un instrument pour évoquer ou produire quelque chose dans nos esprits» (...)." São também conexões ou nexos de momentos rituais, muitas vezes traduzidos pela ligação verbal sandhyā, cf. L. RENOU, «Les connexions entre le rituel et la grammaire en sanskrit», (in: Journal Asiatique, 233 (1941-1942), pp. 105-165), reed. in: N. BALBIR e G.-J. PINAULT (eds.), op. cit., t. I, pp. 311-371

24 Repare-se que o tempo (lat. tempus < temno... "cindir"...) é como um 'corte', um intervalo ou descontinuidade da durée (cf. H. BERGSON, La pensée et le mouvant, Essais et conférences, in: «Oeuvres», ed. du Centenaire, Paris, PUF, 19632, p. 1392; e Id., Essai sur les données immédiates de la conscience, in: Ibid., p. 128: «Le temps dont on parle en astronomie est un nombre (...) et la nature des unités de ce nombre ne saurait être spécifiée dans les calculs: on peut donc les supposer aussi petites qu'on voudra (...).») Lembre-se a ligação com o gr. khrónos, mas ainda a salientar mesmo na valência etimológica diversa no sânscr. kāla <*kal-, com a acepção de "calcular", "contar", sequencializar... dando sentido des-contínuo a essa extensão antes uniforme ou a esse "espaço" contínuo. Cf. supra n. 13.

25 Ākāśa, "espaço" ou éter,<*kas-, "brilhar", "faiscar"... a lembrar a "luz espectral" do raio no grego keraunós (HERACL., frag. 64B, in: D.-K., t. I, p. 165), abrindo para o vasto como no vislumbre do sacro Lugar: cf. referências em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "O lugar do divino vislumbre – Santuário e relação do Sagrado e do Profano", (Comun. ao Congresso de Fátima), in: O Presente do Homem, o Futuro de Deus – O lugar dos Santuários na relação com o Sagrado – Actas do Congresso de Fátima (10-12 Out° de 2003), Fátima, ed. Santuário de Fátima, 2004, pp. 99-201. P. DEUSSEN em Sechzig Upanishad's des. Vedas, 1907, p. 208, relembra o paralelo entre este raio do "intemporal" na natureza e o instantâneo da iluminação na alma... cf. Maitrī-Up., VII, 11, 5... até no eco evangélico: Mt 6, 22.

26 Já como lokas ou «mundos», de alguma maneira correspondentes com kalpas ou "eras"... É já a narrativa mítica cósmica. Cf. infra n. 27 e vide Hans BLUMENBERG, Arbeit am Mythos, Frankfurt-a.-M., Suhrkamp V., 1979, pp. 430 e segs.; G. DUMÉZIL, Les dieux souverains des Indo-Européens, Paris, Gallimard, 1977, pp. 56 e segs.; e Paul RICOEUR, Temps et récit, t. III: Le temps raconté, Paris, Seuil, 1985; e vide ainda Bernard DEFORGE, Le commencement est un dieu – Un itinéraire mythologique, Paris, Belles Lettres, 1990, pp. 59 e segs.

27 Em geral como ṛta, cf. supra n. 17; e, em especial, o caso de brahman, depois como elevada a deidade suprema Brahman cf. H. ZIMMER, Philosophies of India, ed. Joseph Campbell, Princeton, Princeton Univ. Pr., 1969 e reed., pp. 74 e segs.: «Brahman»; vide p. 75: "as a translation of Brahman... «the holy power»... a circumscription of the term that fits very well...", donde Ibid., p. 79: "Brahman, then, the highest, deepest, final, transcendental power inhabiting the visible...".

28 A dificuldade com a consciência histórica, sempre tardia e rara (cf. Velcheru Narayana RAO, David SHULMAN e Sanjay SUBRAHMANYAM, Textures du temps, Écrire l'histoire en Inde, trad. do ingl., Paris, Seuil, 2004...), face ao primordial 'contar estórias' num tempo original... Cf. Mircéa ÉLIADE, «Le temps peu être maitrisé», in: Id., Aspects du mythe, Paris, Gallimard, 1963, pp. 95 e segs., sobretudo pp. 107 e segs. em que salienta o carácter regressivo (ujâna sâdhana) no Hatha-yoga para 'sair do Tempo' ... Vide também Id. Le sacré et le profane, Paris, Gallimard, 1965, pp. 70 e segs.: «Régénération par le retour au Temps originel»; Id., Le mythe de l'éternel retour, Archétypes et répétition, Paris, Gallimard, 1949 e reed., pp. 81 e segs.: «La régénération du temps» e vide ainda «Symbolisme et Histoire», in: Id., lmages et symboles, ed. cit., pp. 199 e segs.

29 Bhagavadgītā, X, 30. Note-se o jogo da *kal-, "calcular", "contar", donde "tempo-medida" e a simbólica do seu significado radical como "devorar", tal a Morte... Afirma-se também que, por isso, "Eu sou o infindo tempo" ('Aham evākṣayaḥ) kālo...') (Bhagavadgītā, X, 33).

30 Sobretudo como ananta, o "infinito" (cf. John GARRETT, A Classical Dictionary of India, New Delhi, Rupa & Co., 1994, sub nom.), também śesha, "resíduo", "o ilimitado", como a serpente de mil cabeças do eterno, ainda como nitya, "eterno" ou nitya-līlā, "jogo eterno". Quanto àquela representação mítica de śesha como śesha-nāga, ou "serpente eterna", vide Subodh KAPOOR, (ed.), Encyclopaedic Dictionary of Hinduism, New Delhi, Cosmo Publ., 2000, sub nom. Cf. K. BHĀRADVĀJ, A philosophical study of the Concept of Viṣṇu in the Purāṇas, New Delhi, Pitambar Publ. Co., 1981, pp. 44 e segs.; e vide infra n. 52.

31 Na teoria das idades e sobretudo nos calendários... cf. H. ZIMMER, "Le temps et l' éternité", in: Id., Mythes et symboles dans l'art et la civilisation de l'Inde, ed. cit., pp. 18 e segs. (as yugas), ainda na adivinhação e astrologia (cf. por exemplo The Sûrya Siddhânta – A text-book of Hindu Astronomy, Delhi, Motilal Banarsidass, 1997, c. III, pp. 108 e segs.) e vide também L. RENOU e J. FILLIOZAT, L'Inde classique, Manuel des études indiennes, ed. cit., t. pp. 720 e segs.: «Notions de chronologie»; e supra n. 11.

32 Cf. Alain DANIÉLOU, Shîva et Dionysos – La religion de la Nature et de l'Eros, De la préhistoire à l'avenir, Paris, Fayard, 1979, pp. 53 e segs.; Id., Mythes et dieux, Le polythéisme hindou, Paris, Flammarion, 1992, pp. 113 e segs.

33 No imaginário deste nível de consciência, svapna-sthāno, cf. Māṇdūkya Up., 4, etc. Vide nosso trabalho sobre o imaginário: Carlos H. do C. SILVA, "O Imaginário na Filosofia – Da imagem intermédia ao imaginário especulativo – ou do pensar por interposta «pessoa»", in: Alberto Filipe ARAÚJO e Fernando Paulo BAPTISTA, (Coord.), Variações sobre o Imaginário, Domínios, Teorizações, Práticas hermenêuticas, Lisboa, Instituto Piaget, 2003, pp. 287-336.

34 A expressão é de Maurice BLANCHOT, L'Entretien infini, Paris, Gallimard, 1969 ; tenha-se também presente o eco da meditação de Gilles DELEUZE, Différence et répétition, Paris, PUF, 1968, pp. 337 e segs.

35 Ayus, ou ainda sâncr. ayū-, gr, aiôn, lat. aeuum, e iuvenis..., ou seja, como "idade" (cf. Émile BENVENISTE, "Les expressions indo-européennes de l'eternité", in: Bulletin de la société linguistique, XXXVIII-1, n.° 112 (1937), pp. 103-112; e A.J. FESTUGIÈRE, "Le sens philosophique du mot aión", in: La parola del Passato, Riv. di Studi Classici, XI (1949), pp. 172­-189...). Cf. supra n. 13.

36 Cf. Paul MASSON-OURSEL, "Le Saṃsāra Drame de la conscience indienne", in: Forum Philosophicum, I, n.° 3 (1929), pp. 323-334, vide p. 326: «...le saṃsāra est, en principe, une notion étrangère à la transmigration. (...) C'est lorsqu'elle vint à coïncider avec la conception du karman, que l'idée de saṃsāra prit une portée eschatologique.»; também como sa­lienta M. HULIN, «L'au-delà du Veda et des Upanishad", in: Id., La face cachée du temps, ed. cit., pp. 349 e segs. a propósito de saṃsāra, «circulação universal», só depois em relação com karman, na lógica da transmigração: cf. Brihad-āranyaka-upaniśad, III, 9,28, etc. Vide Raimundo PANNIKAR, "Time and History in the Tradition of India: Kāla and" Karma", in: L. GASLET et alii, Culture and Time, Paris, UNESCO, 1976, pp. 63-88; e vide n. seguinte.

37 Cf. art. «Karman (acte)» in: Encycl. philos. univ., 11-2 (=A. JACOB, (dir), Encyclopédie philosophique universelle, vol. II, Sylvain AUROUX (dir.), Les notions philosophiques, Dictionnaire, t. 2, (Pensées asiatiques), Paris, PUF, 1990), pp. 2845-2848. Cf. Wendy Doniger O'FLAHERTY, "Karma and Rebirth in the Vedas and Purāṇas", in: Id., (ed.), Karma and Rebirth in Classical Indian Traditions, Delhi, Motilal Banarsidass, 19831, 1999, pp. 3-37; Karl H. POTTER, "The Karma Theory and Its Interpretations in Some Indian Philosophical Systems", in: Ibid., pp. 241-267; vide supra n. 15 e infra n. 63.

38 Sobre este ideal de mokṣa e nirvāṇa, cf. Yuvraj KRISHNAN, The Doctrine of Karma, Its Origin and Development in Brāhmaṇical, Buddhist and Jaina Traditions, Delhi, Motilal Banarsidass, 1997, pp. 207 e segs.: « Karma and the Evolution of the Ideal of Mokṣa e Nirvāṇa», e pp. 391 et passim. Sobre o "eterno" cf. também supra n. 28 e vide P. MASSON-OURSEL,"L'idée d' infini dans 1'Inde et en Chine", in: Semaine de Synthèse, (1954), pp. 17-29. Cf. também René GUÉNON, «Compte-rendu de A. K. COOMARASWAMY, Time and Eternity», in : Id., Études sur l'hindouisme, Paris, ed. Traditionnelles, reed. 1979, pp. 208-210, vide p. 209: "Le temps… par cette continuité qui constitue la durée, il contraste avec l'éternité, qui est au contraire l'«instant» intemporel et sans durée, (...)."

39 Cf. Michel HULIN, La face cachée du temps, L'imaginaire de l'au-delà, Paris, Fayard, 1985, pp. 382 e segs.: «Transmigration et destin». Sobretudo de salientar o contraste entre uma via de «reparação» ou de karma-yoga (p. 385 e seg.), isto é, de anulamento da roda de nascimentos pelas acções meritórias que eliminem os males kârmicos; e a via do Vedânta e do Budismo, que se poderia dizer de um jñana-yoga que liberta por "despersonalização" e uma consciência assim imune às ilusões da própria vida activa. (cf. Ibid., pp. 386-387).

40 Cf. M. HULIN, La face cachée du temps, p. 388 e vide ibid.: "La transmigration n'est pas autre chose que le sentiment d'éternité à la fois conservé et perverti parce que projeté dans une forme d'expérience temporelle qui lui fait violence." Porém reconhece também que "La transmigration n'en joue pas moins le rôle d'un mythe salvateur parce qu'elle maintient ouverte en permanence la dimension de l'avenir et donne à l'âme tout le temps qu'il lui faut pour comprendre que l'extase est son état naturel et ne se réduit pas à quelque brève et aléatoire remontée vers l'intemporel." (Ibid., sublinhámos).

41 Trata-se do esquema da «Teogonia» grega na tensão entre 'Dioniso' e 'Apolo'... Cf. Giorgio COLLI, La Sapienza Greca, Milano, Adelphi, 1977, t. I, pp. 30 e segs. Cf. HESItODO, Theog., vs. 453 e segs. sobre Krónos / Khrónos... Cf. interpretação psicanalítica em Paul DIEL, Le symbolisme dans la mythologie grecque, Paris, Payot, 1966, pp. 114 e segs. e vide Pierre GRIMAL, Diction. de la mythologie grecque et romaine, sub nom.: «Cronos». Ainda Pierre VIDAL-NACQUET, «Temps des dieux et temps des hommes», (in: Rev. de l'histoire des religions, janv.-mars (1960), pp. 55-80), reed. in: Jean-Pierre VERNANT e P. VIDAL-NAQUET, La Grèce ancienne, 2. L'espace et le temps, Paris, Senil, 1981, pp. 135 e segs., sobretudo pp. 140 e segs.

42 Cf. supra n. 28. Durgā, a 'Mãe terrível', também Kālī, a "Negra, nocturna...", Bhairavī, a "Terrível"...: cf. John DOWSON, A Classical Dictionary, London, Routledge, 1972, sub nom.; John GARRETT, A Classical Dictionary of India, ed. cit., sub nom.; H. de WILMAN-GRABOWSKA, "Brahmanic Mythology", in: J. HACKIN, Clement HUART, Raymonde LINOSSIER, ..., Asiatic Mythology, New Delhi/ Madras, Asian Educ. Services, 1994, pp. 100 e segs., sobretudo pp. 122 e segs.; Robert SAILLEY, Les déesses de l'Inde, Paris, Cerf, 1999, pp. 48 e segs.; também referências em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "A Mulher do Oriente e a Mãe Ocidental – Traços exóticos do simbolismo do 'feminino' e 'novas origens' da espiritualidade mariana", in: Rev. de Espiritualidade, XIII, n.° 51, Julho/ Setembro (2005), pp. 179-216.

43 Sobre esta mitologia vide ainda K. BHĀRADVĀJ, A philosophical study of. the Concept of Viṣṇu in me Purāṇas, New Delhi, Pitambar Publ. Co., 1981, pp. 84 e segs.: «The Nature of Viṣṇu»; e Alain DANIÉLOU, Mythes et dieux de l'Inde, Le polythéisme hindou, Paris, Flammarion, 1992, pp. 185 e segs. Cf. René GUÉNON, Introduction générale à l'étude des doctrines hindoues, Paris, ed. de la Maisnie, reed. 1987, p. 202: "Chacun des «aspects divins» est regardé comme doué d'une puissance ou énergie propre, qui est appelée shakti (…)"; vide ainda H. ZIMMER, Mythes et symboles..., ed. cit., p. 29: «Les deux grands dieux, Vishnu et Çiva, instruisent les auditeurs humains du mythe en enseignant Indra, le roi des Olympiens. L'Enfant Merveilleux, qui résout les énigmes et déverse la sagesse de ses lèvres puériles, est une figure archétypale (...).»

44 Cf. H. ZIMMER, ibid., pp. 14 e segs. Sobre amrita ou "elixir" de não-morte, idêntico ao gr. ambrosía, e identificado ao soma ritual indo-ário, cf. Stanislaw SCHAYER, Contributions to the Problem of Time in Indian Philosophy, ed. cit., p. 6: "Beyond the created Time lies the infinite, unlimited and indivisible substance of immortality, the amṛita. It permeates the upper part of the Cosmos, but apart from that, being homogeneous and without limits, it reaches beyond the cupola of the world into the sphere of the acosmic Absolute. It is identical with the true essence of the Supreme Being, with that condition which existed before the act of sṛṣṭi [creation]. And this very substance of eternity is also identified with Time in some later texts. (...) He is Eternity, Unlimited Life without dying."; vide n. seguinte.

45 Sobre esta figura de Indra, cf. A. DANIÉLOU, Mythes et dieux de l’Inde, ed. cit., pp. 96 et passim.

46 Cf. H. ZIMMER, Mythes et symboles, ed. cit., pp. 11 e segs.; e Jean HERBERT, La Mythologie hindoueson message, Paris, Albin Michel, reed. 1980, pp. 267 et passim.

47 Cf. H. ZIMMER, Mythes et symboles, pp. 14-15, a criança que confronta Indra, ri-se vendo um carreiro de formigas, e a partir desse colar de vidas exprime ao deus uma profunda sabedoria: "...«Eu vi as formigas, ó Indra, que passavam em longa marcha. Cada uma delas foi, um dia, Indra. Como tu mesmo, cada uma delas, em virtude dos seus actos piedosos, se eleva um dia à ordem do rei dos deuses. Porém, agora, através de muitos renascimentos, cada uma voltou a ser formiga. Esta parada é a armada dos Indras anteriores. (...) A vida no ciclo dos renascimentos sem número assemelha-se à imagem que se vê em sonho...»."

48 Dança de Shîva, Natarāja, o «Rei da Dança», como tradução do transe... "Voilá le paradoxe de la mâyâ: l'univers de nos personnalités sont aussi réels (mais non pas plus réels) que les apparitions phénoménales de ces profils mâle et femelle qui émergent de la figure centrale et que celle-ci ne connait point. Brahman et Mâyâ coexistent." (H. ZIMMER, Mythes et symboles, p. 145) e vide infra n. 55. Vide Alain PORTE, (trad.), Shiva, Le Seigneur du Sommeil (Hymne du Xe siècle), Paris, Sources, 1981.

49 Vide infra n. 105... É o "momento" não discursivo, porém diferencial, de tal concentração anuladora da sucessão temporal: cf.Yogasūtra III, 51: 'kṣaṇatatkramayoḥ saṃyamād vivekajaṃ jrianam'; e vide Mircea ÉLIADE, "Time and Eternity in Indian Thought", in: Várs. Auts., Man and Time, (Eranos Yearbooks), London/ N.Y., 1958, pp. 173-200, pp. 195-196: «Techniques of escape from time»: "Yoga practice begins by organizing this chaos, by «cosmifying» it. Little by little prāṇāyāma, the rhythmization of breathing, forms the yogi into a cosmos: breathing is no longer arythmic, thought is no longer dispersed, the circulation of the psychomental forces is no longer anarchic. But in the working on the respiration, the yogi works directly on lived time."

50 Cf. supra ns. 43,46... Pretende-se significar a espontaneidade como "raiz" dessa qualidade prakṛiti em conjunção com puruśa: "And these two eternal co-ordinate principles are in eternal conjunction with each other. But conjunction as such does not set Prakṛiti in movement. Creation is caused by Rāga or Passion. (...)" (Nandalal SIHNA, «Preface», in: Id. (ed.), The Sâmkhya Philosophy, New Delhi, Munshiram Manoharlal Publ., 1979 reed.., p. ix).

51 Não apenas uma catena aurea num simbólico sentido, mas na correspondência ao que, num plano antropológico e psicagógico será dito no Sāṃkhya pelo antaḥkaraṇaṃ, ou "órgão interno" permanente, que mantém unidos a 'mente' (manās), o 'eu' (ahaṃkāra) e a 'consciência de si' (buddhī)...: cf. Sāṃkhyakārikāḥ, 33 e 35 (in: Anne-Marie ESNOUL, (trad.), Les Strophes de Sāṃkhya (Sāṃkhya kārikāḥ) avec le commentaire de Gauḍapāda, Paris, Belles-Lettres, 1964, pp. 46-48).

52 Cf. supra n. 20.

53 Mito narrado por Heinrich ZIMMER, Maya, der indische Mythos, (1936), Stuttgart, Insel V., 1978, trad. franc. parcelar por M. Hulin, Maya ou le rêve cosmique dans la mythologie hindoue, Paris, Fayard, 1987, pp. 187 e segs.: «Le barattage de l'Océan de Lait». Cf. Ananda K. COOMARASWAMY e Sister NIVEDITA, Myths of the Hindus and the Buddhists, N.Y., Dover, reed. 1967, pp. 314 e segs.: «The Churning of the Ocean».

54 Resumimos H. ZIMMER, Maya, ed. cit., pp. 190-206. Vide a simbólica da «teurgia» cósmica no mito da « criação», (cf. Anne-Marie ESNOUL, "La naissance du monde dans l'Inde", in: Várs.. Auts., La naissance du monde, («Sources orientales», 1), Paris, Seuil, 1959, pp. 331 e segs.); também a importância do leite como "veículo" universal da Vida, bem assim o símbolo do negativo, ou do mal, como Kalakuta, à letra, "a ponta extrema", ou o "culminar" (kuta) da "morte" (kāla), isto é, do "eu" que constitui esse veneno mortal... (ZIMMER, ibid., pp. 210 e seg.).

55 Cf. art. «kāla», in: Louis FRÉDÉRIC, Diction. de la civilisation indienne, Paris, Robert Laffont, 1987, p. 581: "...le «Noir» qui symbolise le Temps. Cette divinité terrible, Seigneur de la Création et de la Destruction, est assimilé, dans les Veda, à la Mort (Yama). (...) Il symbolise le Temps qui «avale» les fidèles laïcs pour les faire renaître..." Compare-se com Krónos/ também Khrónos, devorador dos seus filhos, segundo o mito grego... vide supra n. 39. Sobre a "ambiguidade" deste nascer de novo, cf. Carlos H. do C. SILVA, "Renascer para uma Vida Nova ou do tempo do Lógos", in: Rev. Práxis, 1, n.° 2, (2004), pp. 79-142.

56 Cf. H. ZIMMER, Maya, ed. cit., p. 206: "Il est Mahakāla, «Le Grand Temps», qui englobe toutes les parties du temps qui surgissent successivement avec leur grouillement de formes pour s'engloutir à nouveau en lui, car il est l'immuable éternité. Et, sous sa forme de Mahakāla, il commande au temps (kāla) qui fait tout éclore et qui engloutit tout. Il est donc aussi celui qui, en triomphant de la Mort (Yama-antaka), met fin à son règne." Cf. também Id., «La joie cosmique de Çiva», in: ed. cit., pp. 135 e 160.

57 A līlā de Śiva… Cf. H. ZIMMER, ibid., pp. 146 e segs.: «La danse de Çiva», vide p. 148: "Çiva en tant que Danseur Cosmique est l'incarnation de la manifestation de l'énergie éternelle dans ses «cinq activités» (pañca-kriyā): 1) Création (srishti), le déversement ou déploiement; 2) Maintien (sthiti), la durée; 3) Destruction (samhāra), le reploiement ou réabsorption; 4) Fait d'être caché (tirobhāva), l'enveloppement de 1’être Vrai derrière les masques et les voiles des manifestations, l'écart, le jeu de la māyā; 5) Faveur (anugraha), l'acceptation du croyant (...)."

58 Cf. ŚAÑKĀRA, Hino a Kālī: 'Yā devī sarvabhūteshu śaktirūpena samsthitā.' [“A deusa que encontra o seu ser (morada) em todos os seres pereciveis."], cit. apud H. ZIMMER, ibid., p. 201: «La déesse». É anna-pūrnā ou "cheia de alimento", pois simboliza o Tempo que tudo dá à luz e tudo destrói.

59 Kâlia sua representação tântrica horrível é, entretanto, bem significativa de uma purificação (temporal): "...la Dame Noire du Monde – Elle est entièrement noire. En guise de guirlande de fieurs, elle porte une couronne de têtes tranchées qui brimbalent de sa nuque à ses genoux. Dans l'une de ses mains droitres elle porte l'épée, symbole de l'extermination physique et de la décision spirituelle; cette épée transperce l’erreur et l'ignorance, l'écran de la conscience individuelle. L'autre main droite tient un emblème insolite, les ciseaux qui tranchent le fil de la vie. Dans ses mains gauches elle a la coupe qui donne l'abondance de nourriture et le lotus, symbole de l'éternelle procréation." (H. ZIMMER, ibid., p. 203). Vide ainda K. BHĀRADVĀJ, A philosophical study of the Concept of Viṣṇu in the Purāṇas, ed. cit., pp. 133 e segs.: «The Māyā of Viṣṇu».

60 Cf., entre outros, Jean-Louis VIEILLARD-BARON, Le temps, Platon, Hegel, Heidegger, Paris, Vrin, 1978; e vide Arthur O. LOVEJOY, The Great Chain of Being, A Study of History of an Idea, Cambridge (Mass.), Harvard Univ. Pr., 1964 e reed. Vide também Ananda K. COOMARASWAMY, Le temps et l'éternité, Paris, Dervy, 1976, sobretudo pp. 90 e segs.

61 A experiência assim extremada do Tempo, sob a forma desta potência tenebrosa, ou denegadora, é paradoxal, na medida em que é a experiência de tal imortalidade através da morte, um morrer de amor, ou dessa mesma imortalidade... Na expressão de H. ZIMMER, ibid., p. 203: 'tot vor Unsterblichkeit...' , como ecoaria ainda do NIETZSCHE, de Also sprach Zarathustra... Vide também Stª. TERESA DE JESUS, na assunção mística do paradoxo de "morrer de não-morrer"... Cf. "Muero porque no muero" em «Poesias», 2, (in: EFREN DE LA MADRE DE DIOS e Otger STEGGINK, (eds.), S. T. de J., Obras Completas, Madrid, B.A.C., 1986, p. 654). Cf. ainda em Schopenhauer: M. HULIN, "Schopenhauer et la mort-renaissance", in: Roger-Pol DROIT, (dir.), Présences de Schopenhauer, Paris, B. Grasset, 1989, pp. 110-123.

62 Sobre este sentido do rito, como "nexo" habitual, temporal..., cf. supra n. 17 e vide J. C. HEESTERMAN, The Broken World of Sacrifice, An Essay in Ancient Indian Ritual, Chicago/ London, Univ. of Chicago Pr., 1993, pp. 9 e segs. Também o tempo na relação sacrificial: cf. R. PANIKKAR, "Time and Sacrifice – The Sacrifice of Time and the Ritual of Modernity", in: J. T. FRASER, N. LAWRENCE e D. PARK, (eds.), The Study of Time III, (Proceedings of the Third Conf. of the Intern. Society for the Study of Time), N.Y./ Heidelberg/ Berlin, Springer V., 1978, pp. 683-727.

63 A smṛti, da * smṛ-/smar-, 'rememorar' não significa tanto a faculdade da "memória", até como "anamnese" ou reminiscência, porém enquanto um "mentar" e, mais do que isso, uma latência do conhecido, mesmo que pré-mental (embora assim consciente) e que constitui um lastro psíquico até colectivo. Vide a sua 'definição' no Yogasūtra, I, 11: "anubhūtaviṣayāsaṃpramoṣaḥ smṛtiḥ" [trad.: "a experiência de um ser que não se retira, eis a memória"] Ganha, por isso, a acepção de Tradição lembrada da cultura oral e também escrita que dá continuidade à Revelação (śruti). Porém, aqui importa sublinhar o carácter temporal de tal habitual persistência, ou seja de tal "memória": cf. Carl-A. KELLER,"Le rôle de la mémoire dans les traditions mystiques de l'Inde", in: Philippe BORGEAUD, (ed.), La mémoire des religions, Genève, Labor et Fides, 1988, pp. 115-134, vide ainda Sarasvati CHENNAKESAVAN, The Concept of Mind in Indian Philosophy, Bombay/ Calcutta/ New Delhi, Asia Publ. House, 1960, pp. 71-76; Jadunath SINHA, Indian Psychology, Delhi/ Varanasi/ Patna..., Motilal Banarsidass, 1966 e reed., vol. I, pp. 376 e segs.: «Memory and Imagination».

64 Cf Atharv.V, XIX, 53 e 54 (vide infra n. seg.) e vide Jean VARENNE, Cosmogonies Védiques, ed. cit., pp. 238 e segs.

65 Cf. Atharv.V, XIX, 53, 5: “kalcó’múṁ dīvam ajanayat / kāla imāḥ pṛthivīr uta, // kālena bhūtam bhavyaṁ / ceṣitaṁ ha vi tiṣṭhate. /// kālo bhūmim asṛjata / kāle tapati sūryaḥ, // kāle ha viśvā bhūtāni /// kāle cakṣur vi paśyati.”

66 Cf. Wendy Doniger O'FLAHERTY, "Karma and Rebirth in the Vedas and Purāṇas', in: Id., (ed.), Karma and Rebirth in Classical Indian Traditions, Delhi, Motilal Banarsidass, 1983 e reed. 1999, pp. 23 e segs. Vide também Herman W. TULL, The Vedic Origins of Karma, Cosmos as Man in Ancient Indian Myth and Ritual, Delhi, Sri Satguru Publ., 1989, pp. 21 e segs.; e Y. KRISHNAN, The Doctrine of Karma, ed. cit., pp. 29 e segs. e pp. 91 e segs.: «Karma in the Epics – the Rāmāyaṇa and the Mahābhārata».

67 Cf. Mahābhārata, XII, 149, 8-9.

68 Maitrī Upaniṣad, VI, 15. De notar que neste trecho também se chama a atenção para as "duas formas" de Brahman assim amadurecida ("cozida" pelo tempo kāla) e a que prioritária ao Sol da manifestação é akāla, "intemporal". Donde que o próprio Sol possa ser reverenciado (reconhecido) como o tempo: `kālasaṁjñam ādityam...' (Ibid., VI, 16).

69 Como se interpreta também do Sāṃkhya, nessa "dança cósmica" em que aparência e verdade são "um"... Cf. Sāṃkhya kārikāḥ, 65, 66, (in: A.-M. ESNOUL, (trad.), Les Strophes de Sāṃkhya, ed. cit., pp. 74 e seg.); e vide Lizelle REYMOND, La vie dans la vie, Pratique de la philosophie du sâmkhya d'après l’enseignement de Shrî Anirvân, Paris, Albin Michel, reed. 1984, pp. 189 e segs. Afinal como na constatação ihuninativa do budismo, de que saṃsāra e nirvāṇa são o "mesmo"... Cf. NAGARJUNA, Mūlamādhyamakakārika) Traité du Milieu, XXIV, §§ 8-9..., com comentários por Tsongkhapa Losang Drakpa e Choné Drakpa Chédrub, trad. do tibet., Paris, Seuil, 1995, pp. 219 e segs.; cf. Jean-Marc VIVENZA, Nâgârjuna et la doctrine de la vacuité, Paris, Albin Michel, 2001, pp. 52: «la réalité est atteinte par l'Éveil, et l’ignorance perçue par les êtres encore plongés sous le joug des apparences. II n'y a donc pas véritablement d'opposition entre nirvâna et samsâra (...).» Vide também Laṅkāvatāra Sūtra, II, 7, (ed. e trad. Daisetz Teitaro SUZUKI, The Lankavatara Sutra, A Mahayana Text, London, Routledge, 19321, reed. 1973, p. 38).

70 Carácter revelacional (śruti , na acepção de "escuta", ob-audientia... ou seguir por onde se ouve e assim se indica de forma inspirada...) deste saber "eterno". Cf. René GUÉNON, Introduction générale à l’étude des doctrines hindoues, ed. cit., pp. 159 e segs.: «La perpétuité du Vêda»...; ainda Id., L'homme et son devenir selon le Vêdânta, Paris, ed. Traditionnelles, 1981, pp.13 e segs. e ainda Guy BUGAULT, L'lnde pense-t-elle?, Paris, PUF, 1994, pp. 91 e segs.: «Mythe et discours: la maya».

71 māyā , de * mā-, "medir", indica depois a grande Mãe ou a Sabedoria eterna de Brahman. Cf. Jean HERBERT e Jean VARENNE, Vocabulaire de l’hindouisme, Paris, Dervy, 1985, sub nom. Vide art. «Māyā», in: Encycl philos. univ., 11-2, pp. 2860-2861, remetendo também para L. RENOU, "Les origines de la notion de māyā dans la spéculation indienne", reed. in: Id., L’Inde fondamentale, Paris, Hermann, 1978, pp. 133-140. Só mais tarde, mercê ainda da reflexão, passa a constituir o referencial "negativo", da ignorância (avidyā), ilusão, morte, desvanecimento...: poder da aparência. Cf. H. ZIMMER, Maya, ed. cit., p. 324: "La grande Maya qui préside au cours du monde: le sérieux impitoyable de la lutte entre le divin et le démoniaque se révèle aux regards du sage comme un jeu, un spectacle que le Dieu se donne à lui-même."

72 Vide: Pancadaśī, II, 49... Cf. Olivier LACOMBE, L'Absolu selon le Védânta, Les notions de Brahman et d'Atman dans les systèmes de Çankara et Râmânoudja, Paris, P. Geuthner, 1966, pp. 325-326: «le Temps – kāla – est une réalité objective et substantielle... transcende la nature et ses trois guṇa, est éternel, omniprésent, se différencie selon le passé, le présent et l'avenir...", e vide Anindita Niyogi BALSLEV, A Study of Time in Indian Philosophy, New Delhi, Munshiram Manoharlal Publ., 1999, pp. 69 e segs.: «Being as timeless in Advaita Vedānta», ou seja, do «tempo» como nitya vastu, «eterno e ilimitado...». Cf. infra n. 81.

73 Cf. Brahmasūtraśāñkarabhāṣyam, I, 1, 1, (ed. Grupo Kevala, Brahmasūtra com il commento di Śāñkara, Roma, Āśram Vidyā, 2000, vol. I, pp. 5 e segs.) Sobre este sentido ilusionista de māyā, cf. O. LACOMBE, "L'illusion cosmique et les thèmes apparentés dans la philosophie indienne», in: Id., Indianité, Paris, Belles Lettres, 1979, pp. 85-100. Vide n. seguinte.

74 Trata-se da própria via da nesciência, como se chega a referir na mística cristã ocidental (Ruusbroec, Nicolau de Cusa...), neste caso, como de sábia ignorância ou de avidyā, tal se documenta no Vedanta. Cf. Brahmasūtraśāñkarabhāṣyam, I, 1, 1 e segs. Vide ainda a importância de tal sobre-imposição, adhyāropa ou adhyāsa, como "fingimento" (cf. supra n. 20) e estudo de Michel HULIN, Qu'est-ce que l'ignorance métaphysique (dans la pensée hindoue)? – Śarikara, Paris, Vrin, 1994, pp. 7 e segs., vide p. 10: "L'avidyā est donc originellement conçue comme une puissance de sommeil et d'aveuglement ..." O momento de consciência de tal ilusão é já de si uma pre-iluminação, donde depois (já no Budismo) se concluir pela "identidade" única – simul – de saṃsāra e nirvāṇa... cf. supra n. 67.

75 Cf., entre outros, Olivier LACOMBE, L'Absolu selon le Védânta, ed. cit., pp. 187 et passim; e vide Sara GRANT, Śaṅkarācārya's Concept of Relation, Delhi, Motilal Banarsidass, 1999, pp. 158 e segs.

76 Vide PLATÃO, Tim., 38a... ainda em Plotino, Espinoza... e sub specie aeternitate... Na tradição vedantina a equação Ātman-Brahmān também não dá espaço para um tempo, ritual que seja, senão de reconversão à unidade. Cf. Michel HULIN, Śaṅkara et la non-dualité, Paris, Bayard, 2001, pp. 87 e segs.: «Illusion et délivrance»; vide: "Segue-se que em todo o lugar nas Upanixadas a noção de um brahman ligando-se às tarefas da criação, de manutenção e de dissolução do universo está presente apenas com o fim de fortalecer na alma do discípulo a convicção da sua identidade com brahman, e não de afirmar a realidade do processo cosmogónico." (ŚAṄKARA, em comentário a Bṛhadāraṇyakopaniṣad , II, 1, 20, trad. apud M. HULIN, op. cit., p. 103).

77 Segundo a escola "discriminativa" ou o darśaṇa de Vaiśeṣika os átomos que tudo compõem tem a característica de serem eternos (viśeṣa): donde a problemática, pré-budista (segundo Surendranath DASGUPTA, History of Indian Philosophy, Cambridge, Cambr. Univ. Pr., reed. 1969, vol. I, c. 8, pp. 282 e segs.) de uma tal consciência também circunstanciada, ao invés da concepção resultante da absolutização da mesma no Vedānta. O argumento de ŚAṄKARA no Brahmasūtrabhāṣya, 2.2, 11-17, vai no sentido de que por mínimos tais "átomos" temporais não podem ser pensados como eternos, ou seja, que há em relação a eles uma modificação de consciência reveladora da sua aparência... O Tempo que preside a todas essas medidas é sem modificação o eterno Ātman.

78 Cf. Brahmasūtrabhāṣya, 2, 3, 19. É o paradoxo do finito e do infinito: 'Uma vez que a tradição atesta que o supremo Eu é infinito... qual, então, o motivo para a questão da dimensão do Eu individuado?' De algum modo reconhece-se que "the characteristic of the traditional solution of the space-time problem is that reality is both in and out of space, both in and out of time." (como refere Wilbur URBAN, The Intelligible World, p. 270, cit. apud COOMARSWAMY, "Time and Eternity in Hinduism and Buddhism" vide n. seg.).

79 Ainda Brahmasūtrabhāṣya, 2, 3, 19-29. Menos do que átomos em que os mundos e seus habitantes são colocados, há o Brahma imperecível (satyam) que é o verdadeiro e último átomo, o Eu absoluto... Cf. A. K. COOMARSWAMY, "Time and Eternity in Hinduism and Buddhism", in: Id., Time and Eternity, Ascona, Artibus Asiae Publ., 1947, pp. 151.; S. DASGUPTA, History of lndian Philosophy, I, c. 10, pp. 445 e segs.: "The nature of the world-appearance, phenomena".

80 "Através de muitos meses, anos, idades e eras do mundo, do passado e do futuro, a consciência é a mesma, nem nasce, nem declina (como o sol); é auto-reveladora." (Sri VIDYARANYA SWAMI, Pañcadaśī, I, 7).

81 Uma perfeita via de nesciência cf. supra n. 74. Donde a crítica aos niilistas (nāstika), quando rememoram a pretensa evanescência de todas as coisas, já que, se "ils posent l'instantanéité de toutes choses, se doivent d'étendre cette supposition au sujet percevant lui-même, mais une telle extension est illégitime «parce qu'il y a remémoration», c'est-à-dire résurgence de l'expérience originelle." (Brahmasūtrabhāṣya, 2, 2, 25, e vide M. HULIN, Śaṇkara et la non-dualité, ed. cit., p. 198.

82 GAUḌAPĀDA, em Māṇḍūkya-kārikā, 1, 12, responde que 'o Eu do estado de sono (svapna) não se conhece a si próprio nem outrem, nem a verdade nem a não-verdade, enquanto turīya é um ver tudo e sempre', uma omniconsciência. É o estado iluminativo e absolvente sequer do "tempo" de tal ilusória 'consciência', já que tudo se absolutiza em Brahman: cf. Taittirīya – Up., II, 1, 1: 'satyaṁ jñānam anantam brahma...' – "conhecimento de Brahman como a verdade e o infinito"...

83 Cf. S. DASGUPTA, A History of Indian Philosophy, ed. cit., I, c. 9, p. 374: "The rise of knowledge is never perceived by us to be dependent on any objective fact, for all objective facts are dependent on it for its revelation or illumination. (...) As soon as knowledge is produced, objects are revealed to us; there is no intermediate link between the rise of knowledge and the revelation of objects on which depends for producing its action of revealing or illuminating them." E, se não há tal intermediação, também a consideração do tempo é "eternalista" – um presente "genérico" de tudo o que se mantém... Cf. L. RENOU e J. FILLIOZAT, L'Inde classique, t. II, p. 15: "Trois substances sont éternelles, le temps, l'espace, les atomes (...) la Mīmāṃsā reconnait l’importance du concept de genre (jāti) opposé au concept d'individu. Chez elle le «genre» est éternel (...)."

84 A ordem inclusiva do tempo redu-lo à economia do eterno, mas a consciência disto fica excluída como um momento não simultâneo e, dir-se-ia, acidental. "Since the idea of being and the idea of a pramāṇa are not simultaneous, there are not connected (as qualified and qualifier). There is a difference of time as past, present, and future on the basis of the time of connection with the pramāṇa, but this connection is not a true qualifier of being, but an extrinsic adjunct (upādhi)." (resumindo Brahmasiddhi, III, 36, apud Karl H. POTTER, (ed.), Encyclopaedia of Indian Philosophers, Advaita Vedânta up to Śaṃicara and His Pupils, Princeton, New Jersey, 1981, p. 397) Cf. supra n. 70.

85 Cf. SUREŚVARA,Taittirīyopaniṣadbhāsyavārttika, pp. 140-151, apud K. H. POTTER, op. cit., p. 522: "Again, since Brahman is not in time it is not the case that Brahman created the world in the past or will create in the future — but Brahman, being the cause of time, cannot be limited by time. Anyway, Brahman is not involved in any action, so cannot create in any time — past, present, or future."

86 Cf. Śri Nivāsa, Dīpikā, 5°: “...kāla īśvarasya krīḍāparikaro bhavati/ līlāvibhūtāvīśrvaraḥ kālādhina eva kāryaṃ karoti...” — "O Tempo é auxiliar do Senhor no seu jogo criador... em que produz tudo segundo as medidas do tempo..." (cit. apud Olivier LACOMBE, L'Absolu selou le Védânta, La notion de Brahman et d'Atman dans les systèmes de Çankara et Râmânoudja, Paris, P. Geuthner, 1966, p. 326).

87 É toda uma exegese védica que salienta, como nos Gramáticos, a força permissiva (abhyanujña) do tempo na imagem do 'grande rio que corre' ... e também a capacidade (in-temporal) de reter (pratibandha) o momento. Até "percepção" do tempo reconduzida à memória de si, como presença sempre possível desse pronome de identidade última. Cf. ŚABARA, Mīmāṃsāsūtrabhāṣya, ed. E. Frauwallner, in: Materialien zur ãltesten Erkenntnislehre der Karmamīmaṃsā, Wien, Österreichische Akademie der Wissenschaften, 1968, p. 56. 'O presente é diverso do antes visto. Há algo por detrás disso a que a palavra "Eu" se aplica... Consideramos a experiência de reconhecimento, que vai para além da palavra, por isso compreendemos o significado de: «percebemos ontem, lembramo-nos agora.» No entanto, compreendemos que existimos ontem e hoje. (...)" Cf. John A. TABER, "The Mīmāṃsã theory of self-recognition", in: Philosophy East and West, 40 (1990), pp. 35-57. Vide supra ns. 83-84.

88 Cf. Yogasūtra, III, 53. (sublinhámos na tradução); ed. cit., e comentário de Alyette Degrâces, p. 405: "et parce qu'elle [l'expérience de la connaissance-discrimination] est corrélée avec l'instant, «elle saisit selon toutes les conditions le tout grandi au seul instant».[Vyāsa-yogasūtra-bhāṣya,III, 53] C'est pourquoi elle est sans succession (akrama)."

89 Cf. H. ZIMMER, Philosophies of índia, ed. cit., pp. 286 e segs.; Gerald James LARSON, "Introduction the Philosophy of Sāṃkhya", in: Id. e Ram Shankar BHATTACHARYA, (eds.), Sāṃkhya – A Dualist Tradition in Indian Philosophy, («Encyclopedia of Indian Philosophies», IV), Princeton, Princeton Univ. Pr., 1987, pp. 51 e segs.; e vide naquela interpretação 'cósmica' de um tempo espacializado em absoluto, ainda: Indukala JHAVERI, "Concept of Kāla e Ākāśa in the Sāṃkhya-Yoga System", in: Journal of Oriental Institute (Baroda), 5, (1955), pp. 417-419; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 527-530.

90 Cf. Pañcaviṃśa Brāhmaṇa, XXIV, 1, 2-3. Ver comentário em L. SILBURN, Instant et cause..., pp. 84 e segs.

91 Supera-se assim a problemática quer da "visão" ou percepção (dṛṣta ou pratyakṣa) do tempo, quer da sua inferência indirecta (anumāna), e admitindo-se a sua consciência como recorte negativo (vijñāna) de tudo o que é finito. No Sāṃkhya, o tempo acaba assim por ser um constructo mental relativo às possíveis modificações de ākāśa. Sāṃkhya-pravachana-sūtra, II, 12. Porém, já aqui se encontra a "circularidade" da eternidade do tempo e da sua não-eternidade no relativo da sua mesma concepção distinta da ordem fixa ou intemporal das categorias ou tattvas. Cf. infra n. 94.

92 Cf. Sanat Kumar SEN, "Time in Sāṃkhya-Yoga", in: International Philosophical Quaterly, 8 (1968), pp. 406-426; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 505-525; Gerald James LARSON e Ram Shankar BHATTACHARYA, (eds.), Sāṃkhya – A Dualist Tradition in Indian Philosophy, (in: Karl POTTER, (dir.), «Encyclopedia of Indian Philosophies», vol. IV), Princeton, Princeton Univ. Pr., 1987. Cf. Bernard BOUANCHAUD, Les Sāṃkhya-kārikā d'Iśvarakṛṣṇa, Palaiseau, éd. Āgamāt, 2002, pp. 35-36: "Plus nous percevons, mieux nous pouvons gérer, anticiper les obstacles. Le Sāṃkhya, le Yoga et toute la Tradition n'ont d'autre propos que de faire reculer notre méconnaissance, avidyā, afin de réduire la souffrance, le Sāṃkhya utilisant de préférence l'effort de distinction, le Yoga, l'expérience directe."

93 Vide Anne-Marie ESNOUL, "Introduction" a Les strophes du Sāṃkhya, ed. cit., p. XLIX-L: "A l'origine prakṛti signifiait seulement production et, nous l'avons vu, s'employait au pluriel. Peu à peu ...on associera l'Esprit, le mâle improductif (...) La réponse que le Sāṃkhya donne à l'union de ces deux termes égaux est une réponse finaliste qui met la Nature au service de chague Esprit particulier, pour la délivrance, le «bénéfice» de celui-ci. (...) Quel est l'objectif de l'Esprit? Prendre conscience de son autonomie foncière, se détacher, s'isoler à jamais (...)".

94 Cf. Sāṃkhya-pravachana-sūtra, II, 12 (in: N. SIHNA, (trad.), The Samkhya Philosophy, ed. cit., pp. 245-246). Referência em Harisatya BHATTACHARYA, "The Theory of Time in Jaina Philosophy", in: Hari Shankar PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, A Collection of Essays, Delhi, Sri Satguru Publ. 1992, p. 531: "In the Sāṃkhya-sūtra, the absolute reality of time is categorically denied and it is stated that our ideas of «Direction» (Dik) and Time (Kāla) are derived from (that of) Space (Ākāśa)»" "Time consists in our subjective conventions as 'It was', 'It will be' and is no real substance" (Ibid., pp. 531-532).

95 Cf. Sāṃkhya-kārikā, 12 sobre estas guṇāḥ, ou "linhas" de força, qualidades essenciais: sattva rajas tamās. De alguma maneira as três qualidades do não-manifesto de prakṛti reflectem "temporalmente" os ritmos que relacionam (sem relacionar) o Absoluto de puruṣaḥ e a Natureza prakṛti, salientando que "le temps, en effet, ne se présente à l'intérieur du système que comme un ordre dans l'évolution ou l'involution." (A.-M. ESNOUL, "Introduction", in: ed. cit., p. LIV) E esta ordem revela-se na "distinção" entre: a Natureza produtora e não-produzida (mūlaprakṛtir avikṛtir), os tattvas produzidos e produtores (os sete grandes princípios); os resultados produzidos e não-produtores (Manas e as quinze manifestações sensíveis); e o Espirito que nem é produzido nem produtor (na prakṛtir na vikṛtiḥ puruṣaḥ) Cf. Sāṃkhya-kārikā, 3; vide o evidente paralelo com a análise da phýsis em Escoto ERÍGENA, De divisione naturae, I, 1 e segs. na combinatória de uma ordem criadora e de criação... Cf. referências em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "O pensamento da diferença no «De divisione naturae» de Escoto Eriúgena", in: Didaskalia (Rev. Fac. de Teologia da U.C.P.), III, 2 (1973), pp. 247-304.

96 Cf. Lizelle REYMOND, La vie dans la vie, ed. cit., pp. 100 e segs. Na abordagem mística e tântrica deste ensinamento do Sāṃkhya pretende-se um anulamento do tempo da Natureza, ou melhor dizendo, um perfeito acerto com o seu ritmo "cósmico" o que anularia o ciclo regressivo e sem fim: "Dans les Tantras, une méthode est indiquée pour réaliser la valeur zéro du temps. Techniquement, cette valeur est appelée bindu. (...) Ce bindu, plus subtil que l'atome, et le Brahman, plus vaste que ce qui est vaste, sont identiques. Tous les deux sont le Vide. Le temps se meut entre les deux. Entre les deux, la manifestation est enroulée sur elle-même comme le serpent qui représente la force innée (Shakti)." Repare-se como esta remissão « mítica» para a Serpente primordial encontra também eco na gnose ocidental, em GOETHE («Conto da Serpente Verde», vide ed. e estudo de R. STEINER, Le serpent vert..., trad. do alem., Genève, éd. Anthroposophiques Romandes, reed. 1970), em F. PESSOA («O Caminho da Serpente» in: Obra Poética e em Prosa, ed. António Quadros, vol. III, 2- Prosa, Porto, Lello, 1986, pp. 515 e segs.; id., in: Yvette CENTENO, F.P. e a Filosofia Hermética, (Fragmentos do espólio), Lisboa, Presença, 1985, pp. 30 e segs.: «The Way of the Serpent»...), etc. Vide, neste contexto tântrico: Sir John WOODROFFE, The Serpent Power, being the Ṣaṭ-cakra-nirūpaṇa and Pādukā-pañcaka, Madras, Ganesh & Co., 1973.

97 Cf. ῙŚVARAKṚṢṆA, Sāṃkhya-kārikā, 33: '...sāṃprata-kālam bāhyam tri-kālam ābhyantaram karaṇam' – "[O órgão interno – antar-karaṇam], no exterior apenas actua no presente (tempo conjunto: sāṃprata-kālam), enquanto no interior funciona em três tempos (tri-kālam)."

98 Cf. comentário por Bernard BOUANCHAUD, Les Sāṃkhya-kārikā d'Ῑśvarakṛṣṇa, Palaiseau, éd. Âgamât, 2002, pp. 112-113: "Le mental, manas, établit ces connexions à un niveau d'automatisme, l'ego, ahaṃkāra, donne Ia forme et l'Intelligence, buddhi, fait la synthèse. Mais comme l'organe interne fonctionne dans les trois temps, du fait de l'imprégnation du passé, si l'ego, ahaṃkāra, a envie de quelque chose, il pousse l'Intelligence, buddhi, a court-circuiter l'ensemble pour aller chercher directement l'objet convoité."

99 Cf. Sāṃkhya-kārikā, 50: kālena mokṣo bhaviṣyatīti... [trad.: "com o tempo obterei a libertação..."]

100 Vide também anotação de Anne-Marie ESNOUL, Les strophes de Sāṃkhya, ed. cit., p. 61.

101 "Acerca do 'tempo inconsútil' (akhanda-kāla) mas, ao mesmo tempo, restritivo da consciência, cf. T. M. P. MAHADEVAN, Time and timeless, («Miller Lectures», 1953), Madras, Upanishad Vihar, 1953, in ed. cit., p. 601: "In Saiva Siddhanta, kāla (time) is one of the five kañcukas (constrictors) which envelop the soul and make it one of the evolutes known as purusha-tattva. Kala (time), along with niyati (destiny or necessity), and kala (particle, meaning the principie of finitude), are produced from asuddha-maya through the functioning of the power of Sadasiva; (...)." Compare-se com Stº. AGOSTINHO, Conf. XI, 14, 17: "praesens autem si simper esset praesens nec in praeteritum transiret, non iam esset tempus, sed aeternitas."

102 Cf. Jean PAPIN, La voie du Yoga, Yoga Darshana, Les aphorismes de Patañjali (Pâtañjali yogasûtram), Paris, Dervy, 1984, pp. 108 e segs.

103 O tema, que ecoa a interpretação até alquímica do yoga, como assinalada desde C. G. Jung e M. Éliade... (cf. infra ns. 115 e 117), está já atestado na teoria categoria) do Sāṃkhya -k, 39-42...,e sob esta forma de "corpo de ressurreição" foi estudada por M. HULIN, "Corps de transmigration et corps de résurrection", in: Eranos-Jahrbuch 52, (1983); e cf. também François CHENET, "Vie et mort dans le Yoga-Vâshista", in: Revue d'Histoire des Religions, 201, 2 (1984), pp. 139-170.

104 Cf. Yoga-s., IV, 33: 'kṣaṇapratiyogī pariṇāmāparāntanirgrāhyaḥ kramaḥ'.

105 Cf. Alyette DEGRÂCES, Les Yogasūtra de Patañjali, Des chemins au fin chemin, Paris, Fayard, 2004, p. 492: "Le processus (krama) en apparence continu est formé de changements discontinus et successifs. Il constitue ainsi le support d'un groupe d'instants. L'instant comme unité de discontinuité se nomme kṣaṇa."

106 Trata-se de um «horizonte temporal» na acepção 'psicagógica', comentada a propósito de Yoga-s., III, 52, por A. DEGRÂCES, Les Yogasūtra de Patañjali, ed. cit., p. 401: "Le temps condensé dont il est question avec l'instant devient un horizon de mesure et de connaissance. (…) Cet «horizon temporel» [expression de I. Prigogine e I. Stengers] dépasse la simple mesure du mouvement des saṃskāra. Il fait surgir une dernière étape avant la restitution de l'autonomie du puruṣa ou l'état absolu (kaivalya): l'inscription dans une continuité immédiate par extrême condensation. Par cela est abolie toute chronologie au profit d'un rassemblement des choses, un rassemblement, si l'on peut dire, structuré et condensé en un point, l'instant (kṣaṇa), qui assure une ultime liaison entre les mesures temporelles et le hors-mesure." Porém, é necessário ter em conta que o tempo sob a forma de impressões residuais se mantém enquanto não for purgada a memória (como se diria ao modo de S. JOÃO DA CRUZ, Subida del Monte Carmelo, III, 1-15... ; e cf. Robert KFOURI Saint Jean de la Croix et la mystique hindoue, Paris, Les Deux Océans, 1996, pp. 28 e segs.): cf. Yoga-s., IV, 9: 'jāti deśa kāla vyavahitānām apyānantaryaṃ smṛti saṃskārayor eka rūpatvāt' [trad. "embora não separados no nascimento, no espaço e no tempo, a não-interrupção do seu constructo vem das impressões próprias da memória."]

107 Cf. Yoga-s., I, 2: yogaścittavṛttinirodhaḥ.

108 Cf. Yoga-s., II, 50 e vide II, 49 sobre esse momento de "separação-união" (vicchedas) entre śvāsa ("inspiração") e praśvāsa ("expiração") e vide Yoga-s., III, 52, sobre o controle dos momentos nessa aparente e mesma continuidade. Segundo o Haṭhayoga-pradīpikā, IV, 16-17, aliás em consonância com o ensinamento tantra (Kālacakra Tantra, cit. apud M. ÉLIADE, "Time and Eternity in Indian Thought", in: ed. cit., p. 120) o prāṇāyāma permite também ao yogui integrar-se à vontade nos diversos ritmos do tempo vivido, e tal ritmo de "respiro" unifica (no canal central de suṣumnā) as polarizações energéticas (os canais de iḍa e de piṅgala) da vida e do tempo: "O Sol e a Lua são factores do tempo que é formado do dia e da noite. Suṣumnā devora o tempo. Isto é considerado como um segredo." [Haṭhayoga prad., IV, 17; trad. apud Tara MICHAËL, Haṭhayoga-pradīpikā, Un traité de Haṭhayoga, Paris, Fayard, 1974, p. 238].

109 Cf. Yoga-s., IV, 9: 'jātideśakālavyavahitānāmapy ānantaryaṃ smṛ tisaṃkārayor ekarūpatvāt.'

110 Cf. Yoga-Vāsiṣṭha, III, 103, 14: 'kalpaṃ kṣaṇī karoty antaḥ kṣaṇaṃ nayati kalpatām manas tad āyattam ato deśakālakramaṃ viduḥ.'

111 Cf. Yoga-Vāsiṣṭha, III, 60, 20-21, e III, 121, 18: 'pratibhāsavaśād eva sarvo viparṣivartate kṣaṇaḥ kalpatvam āyāti kalpaś ca bhavani kṣaṇaḥ' A máxima concentração num tal "piscar de olhos", in ictu trepidantis aspectus (S. AGOSTINHO, Conf., VII, 17, 23, que se tem aproximado de PLOTINO, En. VI, 7, 31, 1. 8: 'eide dè hoîon plegeîsa...). Sobre este blicken, como salientaria ainda a fenomenologia heideggeriana do "ver" (tal ainda em Merleau-Ponty, etc.), volte-se ainda a tal abrir e fechar de olhos (in ictu oculi) como instantaneidade, ou melhor, oportunidade exacta, segundo A. K. COOMARASWAMY, Le temps et l'éternité, ed. cit., p. 34, sob a designação nimeṣa , uma "mirada", um "relance"... e como khana ou īkshana "instante" para o budismo. Vide infra n. 115.

112 Não só no sentido comparável à posição kantiana, mas como metamorfoses duma imaginação criadora de plurais mundos de espaço-tempo, de variadas constituições de um real não forçosamente totalisante das mesmas... Cf. J. FILLIOZAT, "Temps et espace dans le monde indien", in: Revue de Synthèse, 55-56 (1969), p. 294, apud François CHENET, Psychogenèse et cosmogonie selon le Yoga-Vāsiṣṭha – «Le monde est dans l'âme», («Public. de l'Institut de Civilisation Indienne», fasc. 67), Paris, De Boccard, 1999, vol. II, pp. 397.

113 Cf. VYĀSA, Yoga-bhāṣya, III, 52: '...sa khalvayam kālo vastuśūnyo buddhinirmānaḥ śabda-jñānānupātī laukikānāṃ vyutthitadarśanānāṃ vasturūpa ivāvabhāsate...'.

114 Cf. F. CHENET, Psychogenèse et cosmogonie selon le Yoga-Vāsiṣṭha..., ed. cit., vol. II, pp. 447 e segs.

115 Cf. Tattvārthavārtika Sūtra, 5, 38 e 39; (Sarvārthasiddhi, 5, 39 e 40, por Pūjyapāda Deva­nandi , Delhi, Bharatiya Jnanapitha, 1989), ed. cit., pp. 143-144.)

116 Cf. Raimundo PANNIKAR, "Time and Sacrifice – The Sacrifice of Time and the Ritual of Modernity", in: J. FRAZER, (ed.), The Study of Time, vol. III, N.Y., Springer V., 1978, pp. 683-727; vide pp. 701-704, sobre os três modos de 'superar' o tempo: "Jñānamārga, Bhaktimārga e Karmamārga". Ao valorizar-se esta última via da acção, trata-se da solução "practicista" avant-la-lettre, já que não se pode compreender teoricamente o tempo, ao menos que haja um saber vivê-lo... Na meditação efectiva anula-se, dir-se-ia em quietude, o tempo transitivo. Cf. Yoga-Vāsiṣṭha, III, 60, 26cd: 'dhyānaprakṣīṇacittasya na dināni na rātrayaḥ' [trad.: "para a consciência parada em meditação não há dia nem noite"]

117 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, I, § 5 e VII, § 267... Trata-se de diferenciar (viśeṣa) os átomos eternos sob a aparência dos compostos temporais...; e, embora se reconheça tais átomos como "tempos" substanciais, o tempo é um (indivisível). Cf. Karl H. POTTER, (ed.), Indian Metaphysics and Epistemology: The Tradition of Nyāya-Vaiśeṣika up to Gaṅgeśa, Delhi, Motilal Banarsidass, 1977, pp. 79 et passim.

118 GAUTAMA, Nyāya sūtra, I, 2, 9: 'kālātyayāpadiṣṭaḥ kālātītaḥ.'

119 Cf. Nyāya sūtra, II, 1, 23. Aliás este sentido sequencial da 'percepção' como se um "olhar" extenso, articula-se em paralelo com a defesa dos modos temporais da verbalidade 'linguística', do passado, presente e futuro, como reais instâncias do tempo. Vide ibid., II, 1, 39...

120 Cf. Nyāya sūtra, III, 2, 30: 'na smaraṇakālāniyamāt' – "não, não há determinação fixa do tempo na memória".

121 Cf. Nyāya sūtra, IV, 1, 44 e 45.

122 Cf. Nyāya sūtra, V, 2, 11 e segs.

123 Cf. Bimal Krishna MATILAL, Perception – An Essay on Classical Indian Theories of Knowledge, Oxford, Clarendon Pr., pp. 281 e seg.; cf. Sadananda BHADURI, "Time [in Nyāya-Vaiśeṣika]", in: Studies in Nyāya-Vaiśeṣika Metaphysics, Poona, Bhanarkar Oriental Research Institute, 1975, pp. 183-213; reed in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, pp. 423-456, vide pp. 450-451: "...perception itself being an event (kārya) must have a temporal locus, which can be only in the present. For the time in which an event occurs is said to be present in relation to that event. It follows that there could be no perception if there were no present time." E cf. A. N. BALSLEV, A Study of. Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 39 e segs.: «Is time perceived or inferred? – a debate amongst the Indian realists».

124 O tempo (kāla) é conjuntamente com os elementos e outras instâncias um dos nove "seres" (dravyas). Cf. KANĀDA, Vaiśeṣika-sūtra, I, 1, 5: 'pṛthivyāpastejo vāyurākāśaṃ kālo digātmā mana iti dravyāṇi'. (sublinhámos).

125 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, VII, 24, § 284: 'kāraṇe kālaḥ': "pela causa se explica o tempo." Cf. infra n. 113. Sobre a teoria dos asómata da filosofia estóica, referência, entre outras, em SEXTUS, Adv. Math. X, 218, (in: ARNIM (ed.), Stoicorum Veterum Fragmenta, II, § 331); vide Émile BRÉHIER, La théorie des incorporels dans l'ancien stoïcisme, Paris, Vrin, reed. 1970, pp. 18 e segs.; vide infra n. 144.

126 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, V, 2, § 221: 'dikkālāvakāśaṁ ca kriyāvadvaidharmyāt niṣkriyāṇi': "a direcção, o tempo e o éter opõem-se à acção e, portanto, não são dinâmicos."

127 Cf. Vaiśeṣika-sūtra, II, 2,9, § 88: 'nityeṣvabhāvād anityeṣu bhāvāt kāraṇe kālākhyeti': "por não serem entidades eternas e sendo (antes) das não eternas, o tempo é termo (técnico) da causa". Isto quer dizer o carácter meramente instrumental de tal temporalidade.

128 O tempo substancial ou como um das dravya ("substância"): terra, água, fogo, vento, éter (ākāśa), tempo (kāla), direcção (ou espaço) (diś), a alma (o "eu" pessoal) (ātman) e o "espírito" mental (manas). Mas, ao contrário das outras "substâncias" o tempo mantém-se passivo. Cf. B. FADDEGON, "Space and Time [in the Vaiśeṣika System]", in: The Vaiśeṣika System, Wiesbaden, 1969, pp. 208-221; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 465-478, vide p. 466: "Space, time, and also ether are inactive, because of their difference from that which possesses activity."

129 A propósito de Zenão de Élia e das aporias do continuum...: cf. Jean ZAFIROPULO, Apollon et Dionysos, Un essai sur la notion d'impermanence, Paris, Belles Lettres, 1961, pp. 139 e segs.; Rafael FERBER, Zenons Paradoxien der Bewegung und die Struktur von Raum, und Zeit, («Zetemata», 76), München, C.H. Beck V., 1981 e Maurice CAVEING, Zénon d'Élée, Prolégomènes aux doctrines du continu, Étude historique et critique des Fragments et Témoignages, Paris, Vrin, 1982, e vide também Theo Gerard SINNIGE, Matter and Infinity in the Presocratic Schools and Plato, Assen, Van Gorcum, 1971, pp. 85 e segs. Ainda, em contexto análogo, conclui K. H. POTTER, "Introduction to the Philosophy of Nyāya-Vaiśeṣika", in: Id., (ed.), Encyclopedia of Indian Philosophies — Indian Metaphysics and Epistemology: The Tradition of Nyāya-Vaiśeṣika up to Gañgeśa, Delhi, Motilal Banarsidass, 1977, reed. 1995, p. 93: "Thus, space and time are continua of relations potentially available to relate any objects "anywhere" and "anywhen"." Esta espécie de estruturas virtuais ou 'apriorísticas' numa antecipação kantiana levantam similar dificuldade à deste Autor (cf., por exemplo: Abdelkader BACHTA, L'espace et le temps chez Newton et chez Kant, Essai d'explication de l'idéalisme kantien à partir de Newton, Paris/ Budapest/ Torino, L'Harmattan, 2002, pp. 185 e segs.) já que tudo se pode conhecer segundo estas formas, mas as mesmas não são conhecidas enquanto em tal intencionalidade...

130 Cf. VAILABHA, Nyāyalīlāvatī, pp. 311-312, ref. apud Sadananda BHADURI, "Time [in Nyāya-Vaiśeṣika]", in: Studies in Nyāya-Vaiśeṣika Metaphysics, Poona, Bhandarkar Oriental Research Institute, 1975, p. 192.

131 Cf. supra n. 81. Tenha-se também em conta a caracterização fenomenológica ocidental destes êxtases temporais, vide E. HUSSERL, Vorlesungen zur Phänomenologie des inneren Zeitbewusstseins, in: Id., Zur Phänomenologie des inneren Zeitbewusstseins (1893-1917), («Husserliana», t. X), Haag, M. Nijhoff, 1966, pp. 27 e segs.

132 sthitisthāpaka como salienta Lakshmi KAPANI, La notion de saṃskāra dans l'Inde brahmanique et bouddhique, («Publ. de l’Institut de Civilisation Indienne», fasc. 59, 1), Paris, De Boccard, 1992, t, I, p. 297: "Or, sans parler des fluides, des phénomènes comme ceux de la vitesse acquise (vega), de l'élasticité (sthitisthāpaka), rétablissent une certaine liaison et continuité dans un ordre qui est d'abord conçu comme celui de la différence."

133 Cf. Umesh MISHRA, "Kāla in Nyāya-Vaiśeṣika", in: Conception of Matter, Allahabad, 1936, pp. 165-187, reed. in: Hari Shankar PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, («Sri Garib Das Oriental Series», n°. 111), Delhi, Sri Satguru Publ., 1992, pp. 487-499.

134 A matéria (pudgala) é composta por infindos minúsculos átomos (paramāṇu) e constitui um dos seis componentes fundamentais do real, entre os quais também se enumera o tempo (kāla), como o que torna possível a mudança. Cf. H. ZIMMER, Philosophies of India, ed. cit., pp. 270 e segs., vide também O. LACOMBE, in: L. RENOU e J. FILLIOZAT, L'Inde classique, ed. cit., t. II, pp. 646 e segs.

135 "L'infini totalité temporelle est constituée d'unités réellements distinctes, sinon discontinus, de «minima» de durée, les «instants» (samaya) ou «atomes temporels» (kālāṇu)..." (O. LACOMBE, ibid., p. 647) e esse instante presente é definido como 'o tempo requerido por um átomo para se delocar de um ponto para outro'. (Ibid.) Cf. H. BHATTACHARYA, "The Theory of Time in Jaina Philosophy", in: H. S. PRASAD, op. cit., pp. 532-533.

136 Cf. Vilas Adinath SANGAVE, Le Jaïnisme, Philosophie et religion de l’Inde, trad. do ingl., Paris, Guy Trédaniel, 1999, pp. 38 e segs.: «Les substances vivantes (jīva)»; cf. ainda H. ZIMMER, Philosophies of índia, ed. cit., p. 265: «...Each life-monad was to pass, in a series of precisely eighty-four thousands births, through the whole gamut of the varieties of being (...).» – tratando-se ainda do kālachakra, ou da "roda do tempo" de que falam os Budistas, na acepção do inexorável ciclo do 'eterno retorno do mesmo' ... Cf. referências em Arvind SHARMA, "The Notion of Cyclical Time in Hinduism", in: Contributions to Asian Studies, 5 (1974), pp. 26-35; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in lndian Philosophy, ed. cit., pp. 203-212.

137 Cf. Pūjyapāda DEVANANDI, Sarvārthasiddhi, 5, 40 (ed. Delhi, Bharatiya, 1989), em comentário ao Tattvārtha Sūtra, 5.39: 'so'nantasamayaḥ'["num sem fim de momentos"]. "As funções do tempo são o tornar-se, o mudar, o movimento e sequência segundo o antes e o depois" (cf. ainda Tattvārtha Sūtra, 5, 22: 'vartanā pariṇāmaḥ kriyā paratvā-paratve ca kālasya'), no que lembraria a definição aristotélica do tempo como número do movimento e ainda o sentido distensivo do tempo como duração...

138 "It is conditioned by the determinate factors – external and internal within the fourfold range of the dravya (the material factor), the kṣetra (the spatial location), the kāla (the temporal reference) and the bhāva (the intrinsic fature), governing the context of the causal occurrence concerned." (Y. J. PADMARAJIAH, A Comparative Study of the Jaina Theories of Reality and Knowledge, Delhi, Motilal Banarsidass, 19631 e reed., p. 202) Vide n. seguinte.

139 "In the Jaina Āgama 'samaya' (a duration or measure of time) is described as the time taken by an atom in crossing over a pradeśa of ākāśa, and that the same Āgama elsewhere talks of the crossing of the whole universe in the course of one samaya. What does this show? This show that time is no reality; it is more or less a convention." (H. BATTACHARYA, "The Theory of Time in Jaina Philosophy", in: ed. cit., pp. 532-533).

140 Segundo Brahmadeva, o que está em causa é a relatividade do tempo, estabelecida na realidade das suas diversas velocidades. "Time is real notwithstanding the different results effected by differences in speed." (H. BATTACHARYA, ibid., p. 533); vide também relação de tal "relatividade" com a doutrina de syādvāda, ou das sete formas de predicação que se traduzem num ensinamento do talvez, com particular acuidade em todo o sistema jaina: cf. Y. J. PADMARAJIAH, A Comparative Study of the Jaina Theories of Reality and Knowledge, ed. cit., pp. 334 e segs.

141 Cf. ainda H. BATTACHARYA, ibid., p. 536: "It is that any phenomenon which is a paryāya [an effect] always refers to a dravya which underlies it and out of which it arises and into which it disappears. Samaya thus proves kāla, the noumenal time."

142 Cf. H. BATTACHARYA, ibid., p. 539.

143 Cf. H. BATTACHARYA, ibid., p. 537: "Time as a substance is obviously similar to the soul but inasmuch as it is essentially unconscious, it is distinct from the soul and similar to the other ajīvas. Time is amūrta or formless (...)." O carácter transcendental da 'forma' temporal (como que a antecipar Kant...) tem de seu este ser passivo ou dormente, como qual alma que em nós dormisse (assim amorfa...) para dar "lugar" ao que parece decorrer... Entre as substâncias corpóreas e as vidas espirituais (jīva), o tempo aparece, pois, como uma substância incorpórea, porém não-espiritual. É o tempo-medida, de que fala o Tattvārtha Sūtra, 5, 22 (supracit.) Cf. O. LACOMBE, in: L. RENOU e J. FILLIOZAT, L'Inde classique, ed. cit., t. II, p. 647.

144 Cf. H. ZIMMER, Philosophies of India, ed. cit., pp. 270 e segs.; H. BATTACHARYA, ibid., pp. 536 e segs. Donde, ainda neste caso, o paralelo com as realidades "incorporais", como na doutrina dos Estóicos, explorando um "terceiro mundo" entre o das realidades extensas corpóreas e das formas inteligíveis, qual instância da extensão imaginária ou também de uma mathesis espacio-temporal, linguística, etc. Cf. Émile BRÉHIER, La théorie des incorporels dans l'ancien stoïcisme, ed. cit. supra; e vide J. M. RIST, Stoic Philosophy, Cambridge/ N. Y..., Cambridge Univ. Pr., reed. 1990, pp. 273 e segs.: «Three Stoic Views of Time».

145 A comparação, outrossim, feita no Dravyasaṃgraha, 21; (cp. Tattvārtha Sūtra, 5, 22) remete para um monte de pedras preciosas, que nem por assim se amontoarem deixam de ser, cada uma, aquilo que é: do mesmo modo, cada região do universo tem uma unidade (de medida) de tempo diferente de outra... Donde que kāla seja um dravya infinito, e o instante temporal, ou kālānu, se apresente como descontínuo ou independente. Cf. N. SHÂNTÂ, La voie jaina, Histoire, spiritualité, vie des ascètes pèlerines de l'Inde, Paris, O.E.I.L., 1985, pp. 227-228.

146 Cf. 'teoria das idades' segundo os cálculos dos Jainas: cf. UMĀSVĀTI/ UMĀSVĀMI, Tattvārtha Sūtra (That Which Is), trad. e com. de Nathmal Tatia, N.Y., HarperCollins Publ., 1994, pp. 271 e segs.: «[Appendix two] Measurement of Time». É também interessante a destrinça desde a ínfima partícula temporal (tal "átomo" instante) e a primeira unidade métrica do tempo: o momento (samaya), entendida como "o período em que tal átomo se pode percorrer a si mesmo da forma mais lenta". Muitos samaya, produzem um āvalikā, este em número de 1.677.216 constitui um mūhūrta, ou seja, 48 minutos. Trinta mūhūrta produzem um ahorātra (um dia e noite), 15 ahorātra fazem meio-mês: pakṣa; 2 pakṣa fazem um mês (māsa), 2 māsa fazem uma estação (ṛtu), 3 ṛtu equivalem a um semestre (ayana); 2 ayana igual a um saṁvastara (ano). 8.400.000 anos são um pūrvāñga e 8.400.000 destes períodos cósmicos equivalem a um pūrva (=8.400.0002). Há ainda medidas imensas e extensíssimas, etc. Cf. Kalpa Sūtra, V, (in: H. JACOBI, (trad.), Jaina Sûtras, (F. Max MOLLER (ed.), «The Sacred Books of the East»), Delhi, Low Price Publ., t. I, p. 262...). Vide Helmuth Von GLASENAPP, Der Jainismus, Eine Indische Erlösungsreligion, Berlin, 1925, pp. 160 e segs.

147 Cf. Helmuth Von GLASENAPP, Der Jainismus, trad. Sh. B. Shrotri, Delhi, Motilal Banarsidass, 1999, pp. 180 e seg.; vide n. seguinte.

148 Quase como na concepção leibniziana da mónada como dinâmica relação intensiva e substantiva, um "ponto" instante ou pradeśa "is that portion of space which is obstructed by one ultimate unit or atom of matter. Ākāśa or space is infinite and hence its pradeśa are 'infinite"', – porém, ao arrepio, da "unidade" de cada mónada, a "matéria" jīva, integra inumeráveis pradeśa, numa organicidade de "tudo em tudo"... Cf. H. BHATTACHARYA, "The Theory of Time in Jaina Philosophy", in: ed. cit., pp. 537-538 e vide Y. J. PADMARAJIAH, A Comparative Study, of the Jaina Theories of Reality and Knowledge, ed. cit., p. 283: "Thus the Jaina view of ākāśa is that it is an objective real having infinite parts or pradeśas (space-points) which signify its anekānta... Lastly the soul or ātman, an individual centre of experience among an infinity of similar centres in the realm of consciousness, is the subjectivistic instante of manifoldness in Jainism. (...) There are at least two considerations which indicate the manifoldness of ātman: First, an ātman, like the Leibnizian entelechy, mirrors the entire universe within itself as a unique centre of experience (...). Secondly, ātman, as conceived by the Jaina thinkers, is the exact antithesis of the Advaitic Brahman. (...) the Jaina notion of ātman is that of an infinitely diversified centre of experience"

149 Tattvasaṃgraha (de Kamaśīla), p. 142; cit. apud Louis de la VALLÉ-POUSSIN, "Notes sur le moment ou ksana des bouddhistes", in: (Notes Bouddhiques, 19 e 20), Bulletin de l'Académie de Belgique, (1931), pp. 6-7. Cf. também: VASUBANDHU, Abhidharmakośa, IV, 14. Vide também Stefan ANACKER, Seven Works of Vasubandu, ed. cit. infra, e vide pp. 58 e segs.

150 Cf. Jwala PRASAD, "Discussion of the Buddhist Doctrine of Momentariness and Subjective Idealism in the Nyāya-sūtras", in: Journal of Royal Asiatic Society, (1930), pp. 31-39; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 547-555; cf. também: Th. STCHERBATSKY, Buddhist Logic (1930), reed. N.Y., Dover, 1962, pp. 79-118; A. K. COOMARASWAMY, Le temps et l'éternité, ed. cit., pp. 35 e segs.; M. ÉLIADE, "Time and Eternity in Indian Thought", in: ed. cit., pp. 190 e segs.: «The Philosophy of Time in Buddhism»; Lilian SILBURN, Instant et cause..., ed. cit., pp. 189 e segs.; Anindita Niyogi BALSLEV, A Study of Time in Indian Philosophy, ed cit., pp. 80 e segs.

151 É o Dhammacakkappavattana-sutta, ou «ensinamento da Roda da Lei», cf. Saṃyutta-nikāya in Sacca-saṃyutta, II, 1 (cf. também trad. em T. W. Rhys DAVIDS, (ed.), Dialogues of Buddha, (in: «Sacred Books of the Buddhists»), London, Pali Text Soc./ Routledge, 1977, vol. III; e L. SILBURN, (ed.), Aux Sources du Bouddhisme, Paris, Fayard, 1997, pp. 37 e segs. E para reconstituição deste budismo primitivo, cf. Walpola RAHULA, L'enseignement du Bouddha, d'après les textes les plus anciens, trad. do ingl., Paris, Seuil, 1961, e Rewata DHAMMA, The First Discourse of the Buddha, Boston, Wisdom Publ., 1997, pp. 40 e segs.

152 O reconhecimento da transitoriedade de toda a manifestação (qual "pánta rheî" heraclitiana...), dito em pali por anicca, a "evanescência" ou efemeridade (cf. ainda NARADA, Abhidammattha Sangaha, c. 3, § 73 (ed. e trad. A Manual of Abhidhamma, Kandy/ Sri Lanka, Buddhist Publ. Soc., 1975, pp. 187 e segs.), liga-se desde o budismo pre-canónico a uma experiência moral do tempo e sobretudo do seu diagnóstico em termos de desejo (ânsia) e ignorância... Cf. L. SILBURN, Instant et cause, ed. cit., pp, 165 e segs.; Satkari MOOKERJEE, The Buddhist Doctrine of Universal Flux, Calcutta, Univ. Pr., 1935, pp. 6 e segs. e vide, entre outros, Carol S. ANDERSON, Pain and its Ending, The Four Noble Truths in the Theravāda Buddhist Canon, Richmond, Curzon Pr., 1999, pp. 1 e segs.

153 Cf. supra n. 34. Vide ainda P. MUS, "La notion de temps réversible dans la mythologie bouddhique" in: Annuaire de l'École pratique des Hautes-Études, XIX-XX, (1939), pp. 5-38, vide p. 22: "La description du saṃsāra est, en effet, une révélation propre au bouddhismze, au même titre que celle de Salut, qu'elle conditionne. Voir le cercle de l'erreur, en toute vérité, et lui échapper, c'est un seul et même fait." E sobre a noção de "agregado" assim confeccionado (saṃskāra), cf. Lakshmi KAPANI, La notion de saṃskāra, («Publ. de l'Institut de Civilis. Indienne», 59), Paris, De Boccard, 1992, t. I, pp. 169 e segs., até como «poder» de memória (smṛti), de reter ou recapitular os vários "momentos"... (Ibid., p. 294).

154 É a importante via da instantaneidade: kṣaṇika-vāda . Não sendo aqui possível dar conta da evolução desta doutrina e seu contraste segundo as várias Escolas ulteriores, remete-se para Lilian SILBURN, Instant et cause, ed. cit., pp. 275 e segs. Aliás, como reconhece Th. STCHERBATSKY, "Le temps (kāla), (in: La théorie de la connaissance et la logique chez les bouddhistes tardifs, Paris, P. Geuthner, 1926, pp. 12-39; vide p. 30; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, p. 459), quando faz notar que "l'exposé systématique de cette théorie de l'instantanéité de l'existence ne nous est point parvenu dans la littérature bouddhique en sanscrit." De facto, o subitismo e o niilismo de Nagarjuna e de outros pensadores budistas tardios, de língua tibetana, representam já um desenvolvimento da primitiva noção realista do(s) instante(s) segundo os Sarvāstivādin do Hīnayāna. Vide n. seguinte.

155 É primeiro uma espécie de "atomismo" de instantes temporais, ou kṣana (ainda na perspectiva dos Sautrāntika, e sobretudo de Vaibhāṣika), entretanto destituídos de realismo, já que correspondem ao que se irá considerar a impossível identificação de tais instantes de consciência: donde surgir essa paradoxal 'instância' do não-temporal, como até a eternidade de tal não-tempo, ainda que referido por "roda do tempo eterno" ou intemporalidade dos três tempos. Segundo Lakshmi KAPANI, La notion de saṃskāra..., ed. cit., p. 297, as impressões recebidas (vāsanā) e sobretudo as "lembranças" implícitas (bhāvānā) prolongam a «representação» do tempo: "Quant aux vāsanā, elles impliquent la persistance d'un vécu qu'on croyait évanoui, et la bhāvānā son retour éventuel. Les vāsanā signifient une certaine rémanence, sinon permanence du temps écoulé. La bhāvānā signifie davantage: la réversibilité de l'irreparabile tempus, du moins jusqu’à un certain point, c'est-à-dire sur le mode de la représentation." Cf. n. seguinte e vide P. MUS, cit. n. 158.

156 Cf. Abhidharmasamuccaya, onde se define o tempo como sucessão contínua das causas e dos efeitos, admitindo trikāla, ou seja, os três êxtases temporais (passado, presente e futuro). Cf. G. N. JHA, "Examination of the 'Traikālyavāda' – Things Continuing to Exist During Three Points of Time", (1939), cit. reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 383-408. Vide ainda Philippe CORNU, Diction. encyclopédique du Bouddhisme, Paris, Seuil, 2001, sub nom. Apesar de no Canon pali não ser saliente a atenção ao tempo, em fontes tardias especifica-se uma sua métrica "minimal", juatamente a partir do instante (sânscr. kṣana; pali khana): tal ápice (instante, também accharā) é comparado a um piscar de olhos, um estalar os dedos...; então, dez instantes formam um "momento" (aqui dito khana), depois compostos por seu turno formando outras divisões até da hora, etc. Cf. J. FILLIOZAT, in: L'Inde classique, ed. cit., t. II, p. 527.

157 Cf. supra ns. 69 e 74; também infra n. 153 e vide STCHERBATSKY, Buddhist Logic, ed. cit., pp. 79-118. Como já fazia notar Louis de la VALLÉE-POUSSIN, "Documents d'Abhidharma: la controverse du temps", in : Mélanges chinois bouddhiques, 5, (1937), pp. 7-158, cf. p. 148; reed. in : H. S. PRASAD, Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 147-306, vide p. 288: "La destruction n’a pas de cause: La destruction immédiate s'ensuit logiquement du principe: «La destruction n'a pas de cause», ākasmiko bhāvānāṃ vināśaḥ (...). On nous dit que ce principe est le bien propre du Sautrāntika, et le Sarvāstivādin, en effet, dit que la destruction a une cause. Mais cette cause est une cause intime, constitutionnelle, contemporaine à la naissance: c'est un des «caractères» (lakṣana) du conditionné; la cause de la destruction est la naissance même."

158 Pura ocasião para reconhecer que "nem é passado, nem futuro"...: cf. Saṃyutta-Nikāya, I, 141: 'na tassa paccha na purattam atthi'. Por outro lado, aponta-se para tal presente suspensão da irreversibilidade temporal, não tanto num "eterno agora" absolutizante, mas na permanente reversibilidade do mesmo. Cf. Viṣuddhi Magga, 411...; vide Paul MUS, "La notion de temps réversible dans la mythologie bouddhique", ed. cit., pp. 5 e segs. e vide L. SILBURN, Instant et cause..., p. 409: «Le présent parfaitement coupé de ses attaches au passé et à l'avenir est ainsi ce qui permet d'accéder au non construit exempt de durée, et les saints qui ont transcendé la construction du temps (kappātīta) «touchent le nirvāṇa» ('phusanti dhīrā nibbāna?', Dhammapada, 23)"

159 Segundo VASUBANDHU, Cittamātra, cf. Karma-siddhi-prakaraṇa K. V, 27... cit. apud Stefan ANACKER, Seven Works of Vasubandhu, The Buddhist Psychological Doctor, Delhi, Motilal Banaridass, 19841, reed. 2005, pp. 29 e segs., a pura descontinuidade de consciência é impossível, ou seja, embora 'cada momento' possa determinar novo estado, não há possibilidade "simultânea" em relação a vários ("To speak of the existence of the past and future is nonsense to him, since the past is that which no longer exists and the future is what does not exist yet." (ANACKER, ibid., p. 86)), pelo que, – ao contrário da tese jainista de uma diferenciação "atómica" e infinita da consciência (jiva) – , o que aqui se encontra é a continuidade, muito embora nirvânica da ilusão de vários momentos distintos de consciência. A impossibilidade de tal 'sincronicidade' no comparativo de vários tempos, conduz NĀGĀRJUNA, Madhyamakakārikā, c. 19 «Análise do tempo», § 5, a interrogar: "Não se apreende um tempo variável, e uma vez que um tempo invariável não pode ser apreendido, como se designará um tempo não-apreendido?", denegando em absoluto a existência de tal tempo. Resume-se equivalentemente esta posição no tema nominalista ou meramente "memorial" do "pseudo-eu", na bem conhecida tese de an-atta. Vide infra n. 169 e L. SILBURN, Instant et cause..., pp. 347 e segs.: «Objections faites à la théorie de la discontinuité».

160 Donde para o Jainismo a evidência de um "eterno retorno", fosse como recorrência natural ou na ascese dos Tirtankaras e assim vencedores da natureza, ainda que abstencionista ou purificadora da acção, cf. N. SHÂNTÂ, La voie jaina..., ed. cit., pp. 244 e segs.; enquanto para os budistas importa reconhecer a ilusão do próprio dharma enquanto "duração" temporal..., mas agir desse mesmo modo. Cf. Karl H. POTTER, "The Buddhist Way of Liberation", in: K. H. POTTER et alii, (eds.), Abhidharma Buddhism to 150 A.D., (in: «Encyclopedia of Indian Philosophies», Delhi, Motilal Banarsidass, 1998, pp. 59 e segs.; vide também ANACKER, op. cit., p. 90 e segs.

161 Cf. André BAREAU, "The Notion of Time in Early Buddhism", in: East and West, 7 (1957), pp. 353-364; p. 358; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 1-12; vide p. 6: "The Theravadin added other arguments to their rejection... If things past were to exist, they declared, then past passions, hatreds, and errors would exist in the Arahant and would continue to afflict him as they did in the past; and this is incompatible with his nature of Arahant." Vide também Ven. Nyanaponika THERA, «The Problem of Time», in: Bhiffhu BODHI, (ed.), Id., Abhidhamma Studies, Buddhist Explorations of Consciousness and Time, Kandy/ Sri Lanka, Buddhist Publ. Soc., 1965 e reed. 1998, pp. 93 e segs.: «Time and Consciousness»; vide também Katsumi MIMAKI, La réfutation bouddhique de la permanence des choses (Sthirasiddhidūṣaṇa), et la preuve de la momentanéité des choses (Kṣaṇabhaṅgasiddhi), Paris, Inst. de Civilisation Indienne, 1976, pp. 46 e segs. Cf. ainda Colette COX, "On the possibility of a nonexistent object of consciousness: Sarvāstivādin and Dāṛtāntika theories", in: Journal of the International Association of Buddhist Studies, 11-1 (1988), pp. 70 e segs. e Lakshmi KAPANI, La notion de saṃskāra..., ed. cit., t. I, pp. 297 e segs.

162 Cf. K. H. POTTER, "A Few Early Abhidharma Categories", in: K. H. POTTER et alii, (eds.), Abhidharma Buddhism to 150 A.D., ed. cit., p. 132. Ainda Cf. André BAREAU, "The Notion of Time in Early Buddhism", in: East and West, 7 (1957), pp. 353-364; p. 359...; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 1-12; vide p. 7...; e quanto à argumentação dos e contra os Sautrāntika, cf. L. SILBURN, Instant et cause..., pp. 374 e segs.

163 Dupla negação, como no Madhyamika... Vide ainda Guy BUGAULT, (trad. e anot.), Stances du milieu par excellence (Madhyamaka-kārikās) de Nāgārjuna, ed. cit., pp. : «Introduction», pp. 18 e segs. Vide ainda Guy BUGAULT, La notion de «Prajñā» ou de sapience selon les perspectives du «Mahāyāna», Part de la connaissance et de l'inconnaissance dans l'anagogie bouddhique, Paris, éd. de Boccard, 1968, pp. 201 e segs. Cf. supra n. 159 e infra n. 177.

164 Cf. M. ÉLIADE, "Time and Eternity in lndian Thought", in: ed- cit., p. 191: "The only hope and path of salvation is the Buddha, who has revealed the Dharma ...and disclosed the road to Nirvāna. Indefatigably he repeats the central theme of his message: all that is contingent is unreal; but he never forgets to add: "this is not I" (na me so attā). For he, the Buddha, is identical with Dharma... atemporal, timeless (ākaliko, as the Aṅguttara-Nikāya, puts it, IV, 359-406)." Afinal, o que manifesta a vocação «moral» do Budismo, quer ao arrepio da metafísica brahmânica, quer mesmo do teor científico de outros darśanas e até do Jainismo... Cf. Genjun H. SASAKI, Linguistic Approach to Buddhist Thought, Delhi, Motilal Banarsidass, 19861, p. 106: "Just as momentariness is difficult to grasp, so it is difficult for the meritorious mind to arise and remain static. This classification refers to Buddhist morality or practice, because momentariness is considered only in relation to the meritorious mind. The ethical stress is to utilize the moment in the practice of good deeds."

165 Para esta noção de kṣaṇa, como ponto de nascimento evanescente...cf. Abhidharmakośa, III, 85 e segs. vide ainda L. SILBURN, Instant et cause..., pp. 277 e segs.; ainda Th. STCHERBATSKY, "Vasubandhu on the Fundamental Principle of the Sarvāstivāda School", in: The Central Conception of Buddhism and the Meaning of the Word «Dharma», London, Royal Asiatique Society, 1923, pp. 76-91; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 113-128; Th. STCHERBATSKY, Buddhist Logic, reed. cit., vol. I, pp. 79-118: "The Theory of Instantaneous Being". Sobre a problemática da analogia com ākāśa, cf. Cf. André BAREAU, "The Notion of Time in Early Buddhism", in: East and West, 7 (1957), pp. 353-364; p. 362; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, ed. cit., pp. 1-12; vide p. 10; e Stanislaw SCHAYER, Contributions to the Problem of Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 18 e segs.

166 "The present moment alone is seized by sensation. Since all external objects are reducible to sense-data, and the corresponding sensations are always confined to a single moment, it becomes clear that all objects, as far as they affect us, are momentary existences. The duration of the object beyond the moment of sensation cannot be warranted by sensation itself, it is an extension of that sensation, a construction of our imagination." (Th. STCHERBATSKY, Buddhist Logic, ed. cit., vol. I, p. 87). Dimensão perceptiva (única) de tal duração, impensável como real, que conduz portanto à tese da não-existência do tempo. Trata-se, além disso, de um pensar, ou consciência, que não dura, senão pela presença do que assim se dá a pensar: "Si la pensée connait, ce n'est pas parte qu'elle dure, mais parte que la marque (nimitta, la marque de l'objet) se trouve [placée] dans la pensée." (como observa L. de la VALLÉE-POUSSIN, "Documents d'Abhidharma", in: ed. cit., p. 298). Ainda sobre tal «sensacionismo » no Mahāyāna, cf. a noção de "concomitant awareness" como avinābhāva concomitante ou invariável caitasika, isto é, estado de consciente atenção desde as categorias de Vasubandhu até ao radicalismo da escola de Nagarjuna (cf. K. H. POTTER, "Introduction" a Id. (ed.), Buddhist Philosophy, («Encyclopedia of Indian Philosophies», vol. VIII), ed. cit., pp. 62 e segs.

167 Poderia entender-se aqui o reversível, não apenas como o que retorna (bhāvanā), e possa ser dito retroactivo na ordem gnosiológica como 're-memoração' no ciclo inverso do tempo, mas como o que representasse qual extraordinária força de fazer com que o que foi não tenha sido. O que segundo Lakhsmi KAPANI, La notion de saṃskāra..., ed. cit., t. I, p. 297 estaria implícito na noção de bhāvanā: "...la réversibilité de l'irreparabile tempus, du moins jusqu’à un certain point...". Sobre este problema da reversibilidade do tempo, que aqui não se pode desenvolver, e atendendo mormente à tradição budista, cf. Paul MUS, "La notion de temps réversible dans la mythologie bouddhique", in: Annuaire de l'École pratique des Hautes-Études, XIX-XX, (1939), pp. 5-38.

168 É a chamada escola do subitismo a que já nos referíamos (cf. Carlos H. do C. SILVA, "A «via rápida» de auto-realização numa óptica transpessoal – Exemplo da experiência mística de Teresa de Lisieux", in: Várs. Auts., A vivência do Sagrado, Lisboa, Huguin, 1998, pp. 65-99; e Id., "O Problema da Atenção no Vipassana", in: Carlos João CORREIA, (Coord.), A Mente, a Religião e a Ciência, (Actas do Colóquio), Lisboa, Centro de Filosofia da Univ. de Lisboa, 2003, pp. 29-61.) O sentido niilista da habitual "leitura" do nirvāṇa foi sublinhado por Roger-Pol DROIT, Le culte du néant, Les philosophies et le Bouddha, Paris, Seuil, 1997, pp. 91 e segs.: «Le néant des bouddhistes». Pode reconhecer-se certa convergência da filosofia de Jean-Paul SARTRE desde La transcendance de l'Ego, (1934), Paris, Vrin, 1965 e reed. 2003, e o néant de uma "consciência" não-egóica...: vide Steven W. LAYCOCK, Nothingness and Emptiness, A Buddhist Engagement with the Ontology of Jean-Paul Sartre, Albany, State Univ. of N.Y. Pr., 2001, pp. 107 e segs. e vários contributos em François CHENET, (dir.), Nirvāṇa, Paris, Cahier de l'Herne, 1993.

169 Anatta ou não-eu, não identificação... Cf. também Michel HULIN, Le príncipe de l'Ego dans la pensée indienne classique, La notion d'ahaṃkāra, («Publ. de l'Institut de Civil. Indienne», 44), Paris, Collège de France, 1978, pp. 43,51 e segs.

170 O problema de tal consciência (vijñana) não se pode aqui discutir, remete-se, por exemplo, para: Paul WILLIAMS, The Reflexive Nature of Awareness, A Tibetan Madhyamaka Defense, Richmond, Curzon Pr., 1998, pp. 19 e segs.; Stefan ANACKER, Seven Works of Vasubandhu, ed. cit., pp. 87-89 et passim. Cf. Gerhard SEEL, "Dépassement de soi ou repôs en soi?", in: Ruedi IMBACH, Alain de LIBERA, Michel HULIN,..., Le dépassement de soi dans la pensée philosophique, («Actes du colloque 19-20 oct. 1990...»), Neuchâtel, Lá Baconnière, 1994, pp. 107-123.

171 Cf. supra n. 135 e infra n. 148. Outras perspectivas em nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "Trans-disciplinarité et mutation de conscience" (Comun. ao 1." Congrès Mondial de la Transdisciplinarité, Arrábida, Nov. 1994), in: Várs. Auts., Transdisciplinarity/ Transdisciplinarité – Ist World Congress at Arrabida, [Actas], Lisboa, Huguin, 1999, pp. 181-192.

172 Vaibhāṣika Darśana, ed. A. K. Bhattacharya, Calcutta, 1955, p. 102; cf. A. N. BALSLEV, A Study of Time in Indian Philosophy, ed. cit., p. 82.

173 Não só a dupla perplexidade do agora de um enigma de sempre, ou do sempre constante do questionamento, mesmo perante a real evanescência do problema... – ainda quando conjugado entre Descartes e Tchuang-Tseu, a propósito do estar acordado ou a sonhar, «se era Tchuang-Tseu a sonhar a borboleta, ou se seria esta a sonhá-lo?»... –; do que se trata é da narratividade capaz de inventar a tempo o laço possível e mais como mito (cf. supra n. 72 e vide TCHUANG-TSEU, «Obras», c. II; trad. e ed., in: Philosophes taoïstes, Paris, «Pléiade»/ Gallimard, 1980, p. 104) do que a título histórico: Cf. V. N. RAO, D. SHULMAN, e S. SUBRAHMANYAM, Textures du temps – Écrire l'histoire en Inde, ed. cit., pp. 29 e segs. Sobre a perplexidade lúdica ou de permutação na tradição chinesa, cf. François JULLIEN, Du «temps», Éléments d'une philosophie du vivre, Paris, Grasset, 2001, pp. 95 e segs.: «Vivre au présent?».

174 Pergunta-se M. HULIN, La face cachée du temps..., ed. cit., p. 390 : «Ces deux intuitions majeures, celle de l'indestructibilité essentielle du sujet fini et celle de l'importance infinie de la vie présente et de ses actes, se rejoindront-elles un jour? La dimension d'infini de l'existence mesurée en dizaines d'années pourra-t-elle être enfin ressentie comme telle?...»

175 Vide supra Introdução.

176 Tantas vezes, hoje, sucedâneo para outra compreensão do tempo como tal... Ilustre-se essa "fuga para o momento (favorável)", por exemplo em: Swami CHETANANANDA, The Open Moment, Reflections on the Spiritual Life, Portland, Rudra Pr., 1995; e vide também Thich Nath HAHN, Peace is Every Step, The Path of Mindfullness in Everyday Life, N.Y., Bantam B., 1990, trad. franc.: «La sérénité de l'instant, Paix et joie à chaque pas», St. Jean-de-Braye, Dangles, 1990; Id., Touching Peace, Practicing the Art of Mindfull Living, BerkeIey, Parallax Pr., 1992, trad. franc., «La plenitude de l'instant, Vivre en pleine conscience», St. Jean-de-Braye, Dangles, 1994; e J. KRISHNAMURTI e David BOHM, The Ending of Time, London, V. Gollancz, 1991.

177 Não se está apenas a evocar o argumento que desde as Upaniśadas (Bṛhad-āraṇyaka Up., III, 9, 26: 'na iti. na ity ātmā...'; vide também GAUḌAPĀDA, Kārikā III, 26 à Māṇdūkya-Up., etc.) e sobretudo a Madhyamika e à tese da 'dupla negação', constitui uma exaustão lógica (neti, neti... "nem isto, nem aquilo"...) e uma suspensão do pensar; outrossim a manter diferencialmente um ainda nem sequer assim dito. Como em NAGARJUNA, (Mūlamādhyamakakārika) Traité du Milieu, VII, §§ 31-32..., com comentários por Tsongkhapa Losang Drakpa e Choné Drakpa Chédrub, ed. cit., pp. 92 e segs.; cf. Jean-Marc VIVENZA, Nâgârjuna et la doctrine de la vacuité, ed. cit., pp. 51 e segs. Vide também ABHINAVAGUPTA, em Iśvarapratyabhijñā-kārikā, 2.1.2: 'nanu ca kramikatvameva kriyãyãh svartiparii, kramaca kãla kalanãhine cinmayc bhagavati nãsti, iti katham asya sā bhavet.' [trad.: "A sequência (krama ) é natureza própria da actividade (kriyā), mas no Senhor desprovido de tempo (kāla) não há sequência, e assim não há actividade n'Ele."]. Há, pois, uma superior in-actividade, um "ócio" ou uma 'liberdade' (também Gelassenheit...) que lembra o paralelo dos Místicos do Reno do Ocidente medieval, ou mesmo de uma beguina como HADEWIJCH DE ANVERS, Carta XVII, referindo esse "lugar em que o amor vagueia, livremente"... (ed. e trad. Paul-Marie Bernard, Paris, Sarment, 2002, pp. 163-172, vide p. 169), também em RUUSBROEC, Vanden Blinckenden Steen, (in: «Werken», ed. L. Reypens e M. Schurmans, t. III, Tielt, Lanoo, 1947, p. 35), etc.

178 Não tratámos ao longo desta reflexão sobre a temporalidade na tradição hindu da via especificamente tântrica, a qual só por si exigiria um tratamento bem mais complexo, não só tendo em conta antiquíssimas origens pré-árias (cf. Alain DANIÉLOU, Shîva et Dyonisos, ed. cit., pp. 26 e segs.; Id., "Relations entre les cultures dravidiennes et negro-africaines" (1978), in: Id., La Civilisation des différences, Pondichéry, Kailash éd., 2003, pp. 151-165), como também o carácter híbrido que nas Escolas de Cachemira estará na fusão de elementos tradicionais e até já aculturados à tradição hindu, com influências tanto budistas tibetanas e sobretudo de correntes xamânicas e magistas. Vide, entre outros, Kanti Chandra PANDEY, An Outline of History of Śaiva Philosophy, Delhi/ Varanasi/ Patna..., Motilal Banarsidass, 1986, pp. 18 e segs.; também Kamalakar MISHRA, Kashmir Śaivism, The Central Philosophy of Tantrism, Portland, Rudra Pr., 1993, pp. 133 e segs. ; também nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "Algumas notas sobre Shivaísmo e tradição médica – ou esparsas provocações à vida", Conf. orgª. Pastor Dimas de Almeida, Carcavelos (15.02.2003) (a publicar). Apenas será de deixar a alusão aos kālavadin, ou aos que seguem a "via do tempo", cuja remota origem (cf. T. STCHERBATSKY,"Le temps (Kāla)", in: H. S. PRASAD, (ed.), Essays on Time in Buddhism, p. 443) pode até fazer pensar em paralelos com o zurvanismo da Pérsia antiga... (cf. J. SCHEFTELOWITZ, Die Zeit als Shicksalsgottheit in der Indischen und lranischen Religion (Kāla und Zruvan), Stuttgart, Kohlhammer V., 1929; reed. in: H. S. PRASAD, (ed.), Time in Indian Philosophy, ed. cit., pp. 233-291; também referência em Jean VARENNE, Cosmogonies Védiques, ed. cit., p. 155 e seg.), e às formas de manutenção dos ritos a Mahā-kāla, como se sabe, nos sacrifícios xivaítas que hão-de perdurar também como símile de uma metamorfose e produção ou interior anulamento do tempo, seja pelo "estreito e directo caminho" de suṣumna (o "canal", nādi, central que liga todos os cakra, ou "centros" sutis...), seja pela produção respiratória de tummo (tib. gtumo, "calor" ou fogo interior...) e, então, de uma real dilatação da vida (ayus, como no gr. aión e também thymós...), como já na corrente do yoga budista de Naropa... Cf. nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "Da invenção do tempo ou do tummo pre-liminar, a pretexto do Yoga de Naropa" (Comum. ao Colóquio Internacional: «Cultura tibetana: Um novo Paradigma?», org°. Carlos João Correia e Paulo Borges, na Fac. de Letras de Lisboa, em 28 de Abril de 2005 (a publicar)).

179 Relembre-se F. PESSOA, "Sobre a Alquimia" em: «0 Estádio gnóstico», in: António Quadros, (org.), F.P., Obra Poética e em Prosa, vol. III, Prosa 2, Porto, Lello, 1986, pp. 426 e segs.; também Y. K. CENTENO, Fernando Pessoa e a Filosofia Hermética – Fragmentos do espólio, Lisboa, ed. Presença, 1985, pp. 17 e segs.: «O Caminho da Serpente»; e vide também M. ÉLIADE,"L'Alchimie asiatique", in: Id., Le Mythe de l'alchimie..., Paris, L'Herne, 1978, reed. 1990, pp. 39 e segs. vide sobretudo pp. 80 e segs. Cf. ainda Carl Gustav JUNG, Psychologie und Alchemie, Zürich, Rascher V., 1951...

180 Não na fácil dilucidação deste paradoxo à luz do 'criacionismo' temporal de Santo AGOSTINHO, Confes., XI, 10, 12: "quid faciebat deus, antequam faceret caelum et terram?"..., e respondendo em XI, 13, 15: "si autem ante caelum et terram nullum erat tempus, cur quaeritur, quid tunc faciebas? Non enim erat tunc, ubi non erat tempus."; – nem sequer de uma anterioridade "transcendental" ao modo de uma interpretação crítica do próprio Kant (cf. nosso estudo: Carlos H. do C. SILVA, "A anterioridade textual em Kant", Comun. ao Colóquio 250º Aniv. do nasc. de I. Kant, organizada pelo Instituto Alemão de Lisboa, em 14-16 Novembro de 1973; inédita), – mas no eco do enigmático Tempo anterior à criação, na tradição de Zurvan: cf., ZAEHNER, Zurvan, a Zoroastrian dilemma, Oxford, Oxf. Univ. Pr., 1955...; ainda Henry CORBIN, Temps cyclique et gnose ismaélienne, Paris, Berg, 1982, pp. 9 e segs.

181 Afinal, um saber (também "saborear") 'outro' do tempo, num alimento, assimilação, quer na literalidade química da comida (ānna), quer na "alquimia" do sopro e respiração anímica (prāṇāyāmaḥ cf. Mircea ÉLIADE, Le yoga, immortalité et liberté, Paris, Payot, 1954, pp. 273 e segs.: «Le yoga et l'alchimie»...), quer ainda e sobretudo por formas neutralizantes da discursividade mental, preservando as "puras impressões" (vāsana) numa vontade (icchā) assim discernida... Cf. Yogasūtra I, 2: 'yogaścitta vṛtti nirodhaḥ'... Ou, como se indica no Śiva-yoga, em que o bhakta (o 'inebriado', 'impregnado'..., qual «bacante», ou nesse outro "estado bákico"...) declara: "Esquecimento, lembrança, gnose salvífica, alimento... – nada me importa. Śiva-yoga é estar unido ao Ser primordial!" (cit. apud Carl –A. KELLER, "Le rôle de la mémoire dans le traditions mystiques de l'Inde", in: Philippe BORGEAUD, (ed.), La mémoire des religions, Genève, Labor et Fides, 1988, p. 132).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Carlos H. do Carmo Silva, « De kāla a kṣaṇa ou da recorrência à instantaneidade », Cultura, Vol. 23 | 2006, 131-178.

Referência eletrónica

Carlos H. do Carmo Silva, « De kāla a kṣaṇa ou da recorrência à instantaneidade », Cultura [Online], Vol. 23 | 2006, posto online no dia 27 Fevereiro 2014, consultado a 17 Outubro 2017. URL : http://cultura.revues.org/1368 ; DOI : 10.4000/cultura.1368

Topo da página

Autor

Carlos H. do Carmo Silva

Universidade Católica Portuguesa
Natural de Lisboa, fez os seus estudos na Faculdade de Letras de Lisboa onde se formou em Filosofia e onde foi Assistente, com regência de disciplinas na área da Lógica, Filosofia da Linguagem, Ontologia e Filosofia Antiga. A partir de 1984 está como docente em tempo integral no Departamento de Filosofia da Fac. de Ciências Humanas da Univ. Católica Portuguesa – Lisboa, onde se encarrega de várias disciplinas entre as quais Filos. do Conhecimento, Filos. Antiga e Ontologia, desenvolvendo investigação nas áreas de Filos. da Consciência, Filos. da Religião e dos Símbolos, bem assim no estudo da Experiência espiritual e Mística. Deu outras colaborações no âmbito da U.C.P., à Fac. de Direito, e sobretudo à Fac. de Teologia, quer na génese e desenvolvimento do, então, Departamento de Filosofia desta Faculdade, quer noutro labor científico e no Conselho da Revista Didaskalia, ao qual pertenceu. Até 2004, colaborou também esporadicamente noutras instituições superiores de ensino, de que se salienta o Departamento de Pedagogia e Educação da Univ. de Évora., com cursos sobre Filos. Oriental, Pensamento Mítico, etc. Para além de variadíssimas orientações de Seminários, Cursos de Mestrado e outros, participações em Colóquios, Congressos, etc., tem numerosas publicações (cerca de duas centenas de trabalhos), quer em livros, quer em Revistas da especialidade e naqueles âmbitos referidos. Actualmente está como docente em dedicação exclusiva como Professor Associado da área científica de Filosofia da Fac. de Ciências Humanas da U.C.P.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo CHAM - Centro de Humanidades
  • Revues.org