Navegação – Mapa do site
Das leituras e dos leitores - Entre filologia e história

Contributo para o perfil do público leitor do Real Gabinete Português de Leitura (1837-1847)

Contribution to the profile of the Real Gabinete Português de Leitura reading public (1837-1847)
Fabiano Cataldo de Azevedo
p. 103-124

Resumos

Resultado de uma pesquisa que teve como objetivo identificar os critérios que propiciaram a política de seleção do acervo do Real Gabinete Português de Leitura e a partir desses, estabelecer a Política de Seleção que foi praticada pelo Gabinete. Por uma abordagem exploratório-descritiva e utilizando características do acervo, esse artigo busca delinear a figura do leitor no período de 1837-1847. Identifica algumas classes de leitores e suas leituras.

Topo da página

Texto integral

  • 1 ORTIGÃO, José Duarte Ramalho. Discurso. In: GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA DO RIO DE JANEIRO. 50º An (...)

Esta casa [Gabinete Português de Leitura] mostrará tambem que aquelles que a fundaram não desaprenderam, com a emigração, de amar a gloria litteraria do seu berço, a obra dos seus escriptores, e a heroica sonoridade da sua lingua, flôr do Lacio, dourada pelos reflexos do Mediterraneo, perfumada pelas essencias embalsamadas da Arabia, lingua cantante, espumosa e rubra [...].1

  • 2 Coordenado pela Profª Drª Simone Weitzel, do departamento de Biblioteconomia na Universidade Federa (...)

1Esse artigo é um dos resultados produzidos por uma pesquisa de quatro anos sobre a história da formação do acervo do Real Gabinete Português de Leitura (RGPL), no Rio de Janeiro. A sistematização dos conceitos adveio das discussões no grupo de pesquisa Biblioteconomia, Cultura e Sociedade2, e em conjunto com professores do Pólo de Pesquisa sobre Relações Luso-Brasileiras. A pergunta: “Como nasce um Gabinete de Leitura?” foi o motor que nos levou a principiar a pesquisa. O objeto de investigação foi o RGPL,e o problema de a pesquisa identificar os critérios que propiciaram a política de seleção do acervo da Instituição. O recorte temporal foi os anos de 1837 a 1847 porque através da análise na documentação compulsada, verificamos que se tratava de período chave para formação do acervo.

  • 3 MARTINS, Ana Luiza. Gabinetes de leitura da província de São Paulo: a pluralidade de um espaço esqu (...)
  • 4 FERREIRA, Tania Maria Tavares Bessone da Cruz. Palácios de destinos cruzados: bibliotecas, homens e (...)
  • 5 FERREIRA, 1999, op. cit., p. 103.
  • 6 FERREIRA, 1999, p. 103.
  • 7 SCHAPOCHNIK, Nelson. Os jardins das delícias: gabinetes literários, bibliotecas e figurações da lei (...)

2No que respeita à bibliografia acerca de estudos sobre Gabinetes de Leitura, já nos anos 80, a Dra. Manuela Domingos relatava a escassez de produção em Portugal. No Brasil, o tema tem figurado apenas em capítulos de excelentes monografias. Em Gabinetes de leitura da província de São Paulo: a pluralidade de um espaço esquecido: 1847-1890, a Dra. Ana Luísa Martins3 apresentou importantes contribuições acerca da situação política e social do Rio de Janeiro na época que o RGPL foi fundado, não faltando ao seu estudo breves considerações sobre o acervo. Já em Palácio de destinos cruzados: homens e livros no Rio de Janeiro, 1870-1920, a Dra. Tânia Bessone Ferreira4 tratou em breves linhas da fundação do RGPL e analisou amiúde dados referentes ao Catálogo de 1858, concluindo que “houve ênfase nos cuidados de manutenção do acervo bibliográfico, significativo para médicos, advogados e comerciantes”5. A pesquisadora considerou o Gabinete como um “espaço de sociabilidade” que “teria sido responsável pela intensificação de laços afetivos, políticos e profissionais entre os frequentadores”6. Em sua tese, Os jardins das delícias: gabinetes literários, bibliotecas e figurações da leitura na corte imperial, o Dr. Nelson Schapochnik7 estabeleceu conexões entre os Catálogos da Sociedade Germânica, British Subscription Library, Bibliotheca Fluminense e Gabinete Português de Leitura. Apresentou ainda análise do acervo do RGPL no ano de 1858 e sistematizou várias informações que contribuíram como ponto de partida para a formulação do problema de pesquisa na nossa investigação.

  • 8 Nossa relação com essas fontes antecede – como já dissemos – ao estabelecimento do problema dessa p (...)

3Se tivemos nos trabalhos supracitados um norteador metodológico, a base histórica fundamental foi a grande quantidade de documentação manuscrita do acervo do RGPL. Praticamente inéditas, essas fontes compõem a “Memória do Real Gabinete”, tendo como documentação principal as Actas da Sessão da Directoria do Gabinete Portuguez de Leitura8. A essa documentação somou-se a compilação dos dados do Relatório apresentado à Assembleia da Sociedade do Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro, datado de 10 de setembro de 1837. Ambos os documentos, Atas e Relatório, constituíram a espinha dorsal da pesquisa e foram exaustivamente cotejados com objetivo de entender o processo de formação do acervo mediante os critérios de seleção. Para o estudo da maneira que o acervo evoluiu, e como reflexo da Política de Seleção do Acervo, os catálogos impressos do RGPL também foram essenciais, sobretudo os publicados em 1840, 1844 e 1846.

4Foram inúmeras as considerações e resultados que obtivemos pela investigação empreendida. Nesse artigo, porém, temos o objetivo de apresentar alguns aspectos do perfil do leitor do RGPL. Interessa-nos, sobretudo, sua caracterização. Para delinear a “face” dessas pessoas que utilizaram o acervo, partimos do método clássico aplicado em estudos de bibliotecas particulares, qual seja, pelo acervo identificar características do possuidor. No caso em questão, dadas as circunstâncias em que o RGPL foi fundado, isso é absolutamente possível. Por essa razão, nesse artigo recortamos ainda mais o período tratado para os anos de 1837-1847.

5Ao perquirir passo a passo os relatos nas Atas e nos Relatórios verificamos o cuidado e atenção que o grupo fundador teve ao considerar o tipo de acervo que passariam a adquirir. Além das questões ideológicas e culturais, ao estabelecerem solenemente a 10 de setembro de 1837 o parâmetro magno de aquisição para a língua portuguesa, pensaram no público que passaria a utilizar a coleção, afinal uma coleção só se justifica pelo uso que se fará dela.

6Há um imbricamento entre seleção do acervo e público alvo; demonstrando um conhecimento pouco comum dessa relação, o grupo fundador do RGPL teve extrema atenção nessa seara. José Marcelino da Rocha Cabral – primeiro presidente da Instituição – e seus companheiros e sucessores, no período analisado, foram extremamente modernos e pioneiros no processo de formação de acervo, e em razão disso, não foi por acaso que já no final do século XIX o RGPL era umas das principais coleções do país e se tornou o único modelo de Gabinete de Leitura que progrediu. Através de uma abordagem exploratório-descritiva e utilizando características do acervo, tentaremos nesse artigo delinear a figura do seu leitor. É objetivo, igualmente, deste artigo, dar ciência e despertar interesse para uma documentação pouco consultada na Instituição.

7As palavras do sócio honorário do Gabinete, José Duarte Ramalho Ortigão, pronunciadas no 50.º aniversário da fundação da Instituição e inauguração do monumental prédio sede, em 1887, serviram de marca d’água à redação deste trabalho. Elas refletem a anima da primeira geração daqueles que além de fundadores foram os primeiros leitores.

A fundação e estrutura de funcionamento nos primeiros anos

  • 9 CORREIA, António Augusto Mendes. Discurso. In: TABORDA, Humberto. História do Real Gabinete Portugu (...)

8Decorreu sem desfalecimento o labor dos homens de 1837 e dos que se lhes seguiram na direção do novo instituto. Houve dificuldades, crises, mesmo lutas, mas de tudo triunfaram a dedicação e a pertinácia dos sucessivos dirigentes e colaboradores do Gabinete. Efectuaram-se aquisições preciosas, receberam-se dádivas magníficas, foi-se organizando o catálogo, tomaram-se louváveis iniciativas culturais, filantrópicas e cívicas9.

9A citação acima é extremamente pertinente ao propósito que delimitamos para a abordagem da criação do RGPL. Embora fazendo um recorte na primeira década de sua existência, temos exata noção de como foi primordial a estruturação que o grupo de fundadores delineou para a Instituição. As palavras citadas, escritas cem anos após a fundação do Gabinete, corroboram para esse pensar. De fato, “decorreu sem desfalecimento” ao longo desses 170 anos o trabalho iniciado por José Marcelino da Rocha Cabral e Francisco Eduardo Viana.

  • 10 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas da Sessão da Diretoria. 14 maio 1837.
  • 11 MONTÓRO, Reinaldo Carlos. Noticia histórica do Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro fund (...)
  • 12 DIAS, Carlos Malheiro Dias. Discurso. In: GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA. Sessão commerativa do 347. (...)
  • 13 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 403.
  • 14 CORREIA, op. cit., 1937, p. 197.
  • 15 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 403.

10Na tarde de 14 de maio de 183710, “pessoas das diversas classes da emigração portugueza”11dirigiram-se para o sobrado n. 20 da Rua Direita (hoje Primeiro de Março), casa do advogado português António José Coelho Lousada12. A seção foi presidida pelo conselheiro João Baptista Moreira, na época cônsul geral de Portugal13. Para que isso acontecesse, os maiores esforços para criação da “primeira organização portuguesa no Brasil após a Independência”14foi dos emigrantes José Marcelino Cabral e Eduardo Alves Viana15.

  • 16 Cf. BARROS MARTINS, A. A. de. Esboço histórico do Real Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Jane (...)
  • 17 Cf. OLIVEIRA MARTINS, J. P. Portugal contemporaneo.Lisboa: Livraria Bertrand, 1881. v. 1, p. 4.
  • 18 Cf. BARROS MARTINS, op. cit.,1912, p. 10.
  • 19 OLIVEIRA MARTINS, op. cit., passim.

11Há um contexto que circunda essa fundação e a vinda desses portugueses para o Brasil, sobre a qual cabem aqui simples e breves considerações. Com a morte de D. João VI em março de 182616, a linha sucessória recaía sobre D. Pedro I. Contudo, esse, como imperador do Brasil,não poderia ser rei em Portugal17. Assim, envia sua filha D. Maria da Glória, princesa do Grã-Pará, para assumir o trono. Contudo, seu tio, D. Miguel, empreendeu uma luta para usurpar o trono em seu favor18. De 1826 a 1834,Portugal viveu a denominada Campanhas da Liberdade que separou a sociedade portuguesa19. Foi um período de luta sangrenta e perseguições.

  • 20 DIAS, op. cit., 1927, p. 6.
  • 21 DIAS, op. cit., 1927, p. 10.
  • 22 BARROS MARTINS, A. A. op. cit., 1912, p. 12.
  • 23 MONTÓRO, op. cit., p. 402.
  • 24 MARTINS, op. cit., 1995, p. 35.
  • 25 Loc. cit.

12Assim, “fugidos às perseguições miguelistas, muitos homens que haviam combatido pelos novos princípios da liberdade”20emigraram para o Rio de Janeiro. Nesse grupo estavam José Marcelino da Rocha Cabral e Eduardo Alves Viana. O primeiro era advogado e, o segundo, Carlos Malheiro Dias, chegara ao Brasil com 30 anos21, em 1828. Aqui viera encontrar “António José Coelho Louzada, Alberto Antonio de Moraes Carvalho, Caetano Alberto Soares e outros advogados portugueses de boa nomeada que o haviam precedido na emigração”22. Do segundo, não restam muito detalhes biográficos, sabe-se apenas que era comerciante, estabelecido com casa comercial na Rua do Ouvidor23. Além de sua significativa importância cultural,a cidade do Rio de Janeiro, naqueles primeiros anos da Independência, como na maior parte do Brasil, “não mais cultivava as tradições lusas, e, muito pelo contrário, procurava erradicar a influência metropolitana”24. O ensino da língua francesa crescia, assim como o gosto por seus autores. Em conjunto com outros fatores já discutidos e ainda por apresentar, restam poucas dúvidas de que o critério magno de seleção, isto é, o idioma português, espelhava o desejo dos fundadores do RGPL em reagir pacificamente a uma sociedade “culturalmente rendida à França e, mais que isto, apressada em trocar os arquétipos culturais lusitanos [...]”25. Buscaram não somente criar uma Instituição de caráter associativo, mas também oferecer ao emigrado uma espécie de embaixada cultural lusitana, onde poderiam dispor das publicações em sua língua vernácula.

  • 26 MARTINS, op. cit., 1990, p. 36.

[...] o emigrado luso que aportava no Rio de Janeiro, embora igualmente marcado por ‘francesismos’, ressentia-se do acanhado do meio, e estava em busca de parte de sua identidade pátria. [...] Acrescente-se que para esses homens, familiarizados com o avanço dos centros europeus, eram poucos os recintos de ilustração disponíveis no Rio de Janeiro, e mesmo assim restritos à uma elite que desfrutava dos postos de mando da administração.26

  • 27 Loc. cit.
  • 28 Loc. cit.

13Essas palavras da Dra. Ana Luísa Martins representam um excelente reflexo da “ambiência” da então capital do Império no primeiro quartel do século dezenove. Muitos emigrantes vinham de um Portugal desejoso de implementar a leitura, e no Rio de Janeiro, todavia, encontraram poucos lugares onde poderiam usufruir do que era produzido em seu país. Além disso, “pouco cultivados eram então os literatos portugueses”27e “até mesmo a literatura [brasileira] deixava de ser um reflexo das letras portuguesas [...]”28.

14Tomando como base a situação política e social na capital do Império, o discurso inaugural de José Marcelino da Rocha Cabral se torna claramente compreensível.

  • 29 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório apresentado à Assemblea da Sociedade do (...)

[...] não posso resistir ao enthusiasmo que me inspira a presença da primeira reunião de portuguezes, que tem havido no Imperio em um estabelecimento próprio, por elllescreado, no intuito da sua illustração, da illustração geral e de concorrer para restaurar a glorialitteraria da sua patria!29

15Essas palavras do primeiro presidente do Gabinete corroboram a nossa afirmação de que havia um público-alvo em mente. Além disso, objetivava servi-lo da língua portuguesa e sua literatura que naquela terceira década do século XIX corria o risco de ser obliterada. O Gabinete, então, passaria a constituir um espaço onde esse público poderia sorver a cultura produzida em Portugal. E mais ainda, constituiria memória do país que deixavam por situações políticas contrárias a seus objetivos.

  • 30 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 402.
  • 31 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório... 1837.
  • 32 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas... 1837-1847. 20 nov. 1837.
  • 33 MARTINS, op. cit., 1990, p. 39.
  • 34 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 18 out. 1840.
  • 35 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas... 20 out. 1838, 19 nov. 1838, 3 dez. 1838.
  • 36 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO, op. cit., 17 jun. 1839.
  • 37 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO, op. cit., 25 nov. 1839.
  • 38 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO, op. cit., 25 nov. 1839.
  • 39 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 407.
  • 40 Loc. cit.

16Após a formalização da criação da Instituição, na Rua Direita, n.º20, o Gabinete teve sua primeira sede numa casa alugada à Rua São Pedro, n.º 8330. A primeira sessão com os acionistas ocorreu em 10 de setembro de 183731. Em novembro de 1837,encontra-se a primeira informação a respeito do horário de funcionamento, de segunda a sábado, o Gabinete abria as portas às 10 horas da manhã e fechava às 12 horas, retornava às 16 horas e seguia até às 20 horas. Aos domingos e dias santos funcionava das 16 horas às 20 horas32. Foi um período de grande movimento para a composição do acervo, Martins sugere que o progresso do RGPL pode ser atestado pela publicação do seu primeiro catálogo em 184033. O espaço desse prédio não deveria ser tão pequeno, pois que em 18 de outubro de 1840, uma das salas foi cedida para a Sociedade Portuguesa de Beneficência realizar suas sessões34, mas de certo, não grande o bastante para abrigar o acervo que crescia. Em 1838, possivelmente em razão do volume de livros que aumentava, houve movimentos para alugar outro imóvel; de princípio negociaram o aluguel de uma casa à Rua da Alfândega, n.º 29, contudo o negócio malogrou35. Um ano depois, novas negociações, desta vez para um imóvel localizado à Rua do Ouvidor36, pela ausência de comentários nas Atas, devem ter tido o mesmo resultado da anterior. Em 25 de novembro de 1839, a diretoria autoriza as negociações para alugar uma casa na Rua da Quitanda37 com semelhante insucesso. Em 1841, começam a negociar a compra – e não mais aluguel – de um imóvel na Rua da Alfândega38. O fato é que provavelmente em meados do primeiro semestre de 1842, o RGPL muda para o n.º 55 daquela rua39. Nesse endereço havia funcionado a tipografia do jornal O Despertador, de propriedade de José Marcelino da Rocha Cabral40.

17Carlos Montóro nos fornece mais detalhe acerca desse período:

  • 41 MONTÓRO, 1856 apud TAVARES, op. cit., 1970, pp. 32-33.

[...] em 1843, quando fui pela primeira vez espectador dos trabalhos desta Instituição, estava ela estabelecida à Rua da Quitanda, 55, e já contava avultado número de volumes. [...] Os homens de mais elevada posição na colônia portuguesa, os que possuíam maior fortuna, merecimento, ou graduação científica, rivalizavam para pertencer à sua diretoria. No seio das classes ilustradas da nação brasileira, também era geral o apreço a esta instituição [...].41

  • 42 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 407.
  • 43 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 402.

18O autor chama atenção para o “avultado número de volumes”, assim impelidos pela necessidade de expansão para os livros e para admissão de novos sócios, o Gabinete muda-se em abril de 1850 para o n.º 50 da Rua dos Beneditinos42. De lá até o atual prédio em estilo manuelino da Rua Luís de Camões, inaugurado em 10 de setembro de 1887, a história do Gabinete é composta por fatos que enaltecem ainda mais a capacidade administrativa dos nobres varões43 que o criaram, pois foi do intenso e intensivo trabalho levado a termo nos dez primeiros anos que resultou toda uma linha de ação que pode ser observada nas décadas que se seguiram.

  • 44 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório..., op. cit., p. 9.

19O estabelecimento do horário de funcionamento não implicou em abertura do Gabinete. Ao longo do ano de 1837, e mesmo antes da solene fundação em 14 de maio, a Diretoria empenhou-se em equipar a Instituição, tanto de mobiliário quanto do material bibliográfico, desejava abrir as portas já com acervo disponível aos usuários. Em relatório delibera que “instava que se mandasse subscrever, ao menos, alguns periódicos da Europa, a tempo de poderem estar aqui quando se abrisse o Estabelecimento”44. O quadro abaixo ilustra o fluxo dessa atividade, além de deixar evidentes as prioridades do idioma:

Quadro 1: Orçamento para junho a dezembro de 1837

Emprego

Valor

%

Compra de livros no Rio de Janeiro

600$000

7,5

[Compra de livros] em Portugal e Europa

3,000$000

37,5

[Compra de livros] no Rio de Janeiro p. livros estrangeiros

300$000

3,75

[Compra de livros] na Europa [para livros estrangeiros]

1,700$000

21,25

Estantes

600$000

7,5

Mobília

400$000

5,0

Estatutos e impressão

240$000

3,0

Timbre, Apolise e Sello

220$000

2,75

Extraordinarios

100$000

1,25

Saldo que servira pª occorrer ás despezas ordinarias

840$000

10,5

Soma

8,000$000

100

Fonte: GPL. Actas..., 4 jul. 1837

20Por esse orçamento é possível constatar que 70% da verba, ou seja, 5,600$000 foram destinados à compra de livros. De acordo com outros detalhes que virão a seguir, “livros estrangeiros” significavam livros em outros idiomas e não simplesmente editados em outros países. Para esses foram destinados 25% do total da verba. Para os livros em português ou traduzidos a verba foi maior, isto é, 45%, o que denota a aplicação dos critérios de seleção para a formação do acervo que no mês seguinte formalizariam.

  • 45 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, p. 5.
  • 46 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, p. 15.
  • 47 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, loc. cit.
  • 48 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, loc. cit.

21Somente em 22 de janeiro de 1838, porém, foi deliberada a abertura do Gabinete, mas só para acionistas. Não foi localizada, contudo, nenhuma menção à data de abertura para subscritores. A leitura dos livros e periódicos do Gabinete – como era lugar-comum em seus congêneres – foi franqueada a ambos perante o pagamento de quantia que variava. De acordo com os Estatutos do Gabinete de 1841, o acionista poderia requerer a ação por si ou ser apresentado por outro. Era condição sine qua non ser português e deveria pagar a quantia de “3$000 rs. por semestre, nos mezes de Janeiro e Julho de cada anno”45. Já os subscritores poderiam ser “pessoas de um e outro sexo, e de qualquer nacionalidade”. Para ser admitido necessitava ser proposto por um acionista e aprovado pela Diretoria e poderiam subscrever “por três, seis, ou doze mezes, pagando no 1.º caso 4$000rs, no 2.º 7$000 e no 3.º 12$000rs adiantados”46. Ambos deveriam “sêr bem morigerado e de occupação honesta”47e estava facultado o acesso aos livros da biblioteca e a leitura de periódicos. Note-se que o valor pago pelo acionista é inferior ao do subscritor, contudo o primeiro tinha o dever de “tomar e possuir uma ou mais acções, pagando seu valor como a Directoria determinar”48 – ainda segundo o mesmo Estatuto.

22É inquestionável que o Gabinete surgiu como uma associação para reunir portugueses – na figura desses acionistas e subscritores – e representou um espaço de sociabilidade importante para esse grupo. Não pode, contudo, deixar de ser considerado que para as primeiras gerações que o freqüentaram e administraram o objetivo primordial era sua função como uma biblioteca portuguesa na corte do Rio de Janeiro.

Em busca do perfil do público-leitor do GPL

23Não obstante o estabelecimento das classes dos freqüentadores em acionistas e subscritores, pairam algumas questões: Qual o perfil dos leitores do Gabinete Português de Leitura no Rio de Janeiro entre os anos de 1837 a 1847? O que liam? Liam em casa e/ou na própria Instituição? Que tipo de usuários eram essas pessoas? Buscavam leitura de formação e/ou leitura de fruição e lazer? Quais foram os livros mais lidos?

24Essas são algumas das várias inquirições que nos fizemos ao longo dessa pesquisa, porém, para poucas delas encontramos resposta. A imagem do plácido leitor estampado no selo do Gabinete (Ilustração 1) encanta e aguça a curiosidade. Nela, velado pelo busto de Camões, ele lê confortavelmente um livro apoiado num porta-livro de madeira, sob uma mesa guarnecida de luz, penas para as possíveis notas e ao fundo uma estante com alguns volumes. O leitor representado é jovem, veste-se de forma elegante, pousa delicadamente uma das mãos sobre o livro e a outra sobre a perna direita – solenemente lê. Para nós, ele é a representação de uma geração de acionistas e subscritores que passaram pelo RGPL e contribuíram sobremaneira para seu crescimento.

Ilustração 1. Timbre para as apólices. Seu desenho foi oferecido gratuitamente ao Gabinete por M. Bollanger em 14 de junho de 1837.

25Pela leitura e análise das Atas e Relatórios do RGPL que tivemos oportunidade de compulsar, identificamos quatro fases que caracterizam a seleção do acervo, a saber:

Quadro 2: Fases de seleção

Fase de seleção

Período

1.ª

1837-1847

2.ª

1847-1874

3.ª

1874-1887

4.ª

1887-1937

Fonte: GPL. Atas... 1837-1937

  • 49 Cf. GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório. Rio de Janeiro, Typographia Perseve (...)

26Essas “fases” na realidade refletem outra variação, isto é, do público-leitor do Gabinete. Por exemplo, se num primeiro momento a seleção e aquisição de obras e a assinatura de periódicos em língua francesa não gerava problemas, em outro momento isso aconteceu, como ilustrado num relatório de 1861. Nele o relator, além de confirmar a primazia do romance como predileção entre os leitores, afirma que havia um pequeno número de acionistas que os procuravam na língua original, e diante da dificuldade de aquisição de obras traduzidas para o português, a diretoria deliberou que o correspondente na Europa passasse a comprar obras em espanhol para atender aos demais leitores49.

  • 50 BARROS MARTINS, A. A. de. Esboço histórico do Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro.Rio d (...)

27Outro fator de mudança no perfil do público leitor foi a expansão das classes dos subscritores à medida que a Instituição foi se sedimentando, prova disso é que já nos idos de 1842 “era honra no commercio pertencer-se ao Gabinete”50. Perquirindo as informações cotejadas nos Relatórios e Atas, verificamos que a Diretoria estava atenta ao perfil dos usuários do acervo que foi mudando com o passar dos decênios, pois

  • 51 MONTORO, op. cit., 1880, p. 409.

[...] as successivas emigrações de Portugal desde 1842, haviam trazido para o Rio de Janeiro moços com applicação á nova litteratura, que desejavam a reforma das collecções da Bibliotheca e mais alargamento do circulo de influencias que até então haviam gerido a instituição.51

  • 52 DIAS, Carlos Malheiro Dias. Discurso. In: GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA. Sessão commerativa do 347. (...)

28A primeira fase de público-leitor é representada justamente por portugueses liberais, egressos das academias de Direito e Medicina, sobretudo de Coimbra. Carlos Malheiro Dias, em discurso proferido na sessão comemorativa do 347.º aniversário da morte de Camões, afirmou que “destacava-se, entre os muitos emigrados que os navios à vela transportavam para o Rio de Janeiro, um grupo de antigos escolares de Coimbra, bacharéis em Direito, homens das Leis [...]”52.

  • 53 MARTINS, op. cit., 1990, p. 43.

29Assim, para compreendermos o perfil do público do Gabinete nesses primeiros anos, é imperioso voltarmos o olhar a Portugal a fim de analisar qual formação que esses emigrantes tinham em seu país de origem. Afinal, foram esses portugueses “comprometidos com suas lutas íntimas de oposição aos privilégios, buscando a liberdade, e pregando a igualdade e a fraternidade”53, os primeiros leitores da Instituição.

30Entender o estofo cultural e acadêmico desse grupo de emigrantes é importante para desfazer uma imagem obnubilada por alguns equívocos. Ainda está amalgamada no “inconsciente coletivo” do brasileiro – sobretudo – uma representação do português inculto que veio para o Brasil para integrar as lavras comerciais e, posteriormente, substituir mão-de-obra escrava. Não desconsideramos que tenha havido esse fluxo, contudo, com base na literatura observamos que houve também outro tipo de emigrante.

  • 54 RIBEIRO, Maria Manuela Tavares. Livros e leituras no século XIX. Revista de História das Idéias, Co (...)
  • 55 RIBEIRO, loc. cit.
  • 56 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 192.

31Em Portugal desde o início do século XIX já havia iniciativas para a dinamização da leitura e fixação do público leitor. Nessa seara, “a par dos textos originais proliferam as traduções de obras estrangeiras” e com o objetivo de conquistar o leitor “organizam-se colecções literárias”54. Devido ao valor dos livros, a leitura pública foi “incentivada com a criação dos gabinetes de leitura, e posteriormente com o aparecimento das bibliotecas públicas e a instituição das bibliotecas populares”55. E ainda, somando-se às ações governamentais, os acadêmicos de Coimbra participaram de um processo cujo objetivo era que o “gosto da leitura se tornasse extensível a um público mais alargado”56.

  • 57 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 192.

32Dessa maneira, em solo conimbricense, o movimento em prol da leitura foi grande e o apoio dos jovens acadêmicos foi fundamental. Em 1821 surge a Sociedade Tradutora e Encarregada do Melhoramento da Arte de Imprimir e de Encadernar, formada por Francisco Luís Gouveia Pimenta, Leonel Tavares Cabral, Joaquim Alves Maria Sinval (bacharéis em direito), Inácio António da Fonseca Benevides, Joaquim José Fernandes (bacharéis em medicina) e João Aleixo Pais (bacharel em cânones). Ribeiro conclui que, “mesmo não tendo concretizado estes objectivos, o apoio destes jovens da Universidade de Coimbra ao movimento da leitura foi significativo”57.

33Ainda a despeito da influência que traziam consigo, Guedes afirma que:

  • 58 GUEDES, Fernando. O livro e a leitura em Portugal: subsídios para a sua história, séculos XVIII-XIX(...)

só a popularidade dos gabinetes de leitura em Portugal pode explicar, parece-nos, que aqueles dois portugueses [Francisco Eduardo Alves Viana e José Marcelino da Rocha Cabral] tenham escolhido aquela designação para a novel instituição.58

34Na literatura consultada foram raros os textos encontrados que tratassem de modo sistemático o fluxo e características dos emigrantes das décadas de 1830 e 1840. Por isso, o artigo Ler, escrever e contar na emigração oitocentista do Dr. Jorge Fernandes Alves, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, nos serviu de panacéia, porque fornece alguns detalhes a respeito desse assunto. Segundo o autor:

  • 59 ALVES, Jorge Fernandes. Ler, escrever e contar na emigração oitocentista. Revista de História das I (...)

[...] no movimento migratório que anualmente saía de Portugal, particularmente no distrito do Porto (aquele cujas características aprofundei), é possível detectar entre 1836 e 1880, várias especialidades profissionais que só se compreendem com um apreciável nível de alfabetização, ou mesmo formação mais elevada. Desde logo os profissionais ligados ao comércio, para quem não bastavam as primeiras letras, exigindo-se-lhes a escrita comercial com os formalismos inerentes a exigirem pelo menos habilitação prática adquirida em estabelecimentos comerciais [...]. Mas os cirurgiões da Escola Médico-Cirúrgica do Porto, que (tal como os de Lisboa) em Portugal eram preteridos nas nomeações face aos médicos da Universidade de Coimbra, tendo portanto na emigração para o Brasil uma importante saída de profissional.59

35Essas palavras contribuem para endossar o perfil desses portugueses que chegaram aos portos brasileiros. Como se observa, vinham munidos de uma formação acurada e, como vimos, influenciados do clima cultural que Portugal com esforço tentava dinamizar. O autor ainda apresenta outro tipo de emigrado: médicos formados no Porto. E, além desse, o comerciante que possuía uma formação além das primeiras letras.

  • 60 ALVES, op. cit., 1999, p. 294.

36Continuando seu artigo, o professor José Fernandes expõe que alguns dos jovens que emigravam vinham sem profissão. Porém, possuíam uma “formação escolar que muitas vezes ultrapassava as competências primárias do saber ler, escrever e contar” e quando chegavam aqui – tomados de ambições literárias – se “dedicavam ao jornalismo ou às belas-letras, particularmente a poesia”60.

  • 61 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 401.

37Anos antes, em estudo pioneiro sobre a história do Gabinete, Montóro informa que “não foram só trabalhadores do Minho e da Beira que acudiram ao novo estado”61, isto é, ao Rio de Janeiro nos anos 30 do século dezenove. O mesmo autor conclui sua ponderação descrevendo que:

  • 62 MONTÓRO, loc. cit.

[...] entre os emigrantes houve homens como os illustres jurisconsultos José Marcelino da Rocha Cabral, Antonio José Coelho Lousada, Francisco Freire de Carvalho, Tiburcio Caetano Craveiro, Caetano Alberto Soares, Bernardo Ribeiro de Carvalho, Adolpho Manoel Victorino da Costa e outros não menos honrados e distinctos, que reuniam ás virtudes civicas a vastidão do saber, as largas aspirações do espirito e fé robusta no progresso.62

  • 63 Desse grupo houve quem assistisse e incentivasse anos mais tarde a fundação da Caixa de Socorros D. (...)

38Como se nota, o autor elencou vários nomes do rol dos fundadores do RGPL e fez absoluta questão em ressaltar as qualidades intelectuais destes, como se observa em todo seu discurso. A citação ainda é válida porque reforça a idéia de outras classes que afluíram na emigração63.

  • 64 ALVES, op. cit., 1999, p. 296.
  • 65 Cf. ALVES, loc. cit.

39Na análise sobre os emigrantes vindos do norte de Portugal, Alves acredita que essa emigração “incluía um componente relativamente importante de ‘letrados’ cujas qualificações seriam consideradas supérfluas numa sociedade rural e rotineira”64. Não obstante, essa mesma sociedade pregava que o imigrante deveria ter preparação escolar antes da vinda para o Brasil65 para facilitar a absorção no mercado de trabalho.

  • 66 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, p. 6.
  • 67 SCHAPOCHNIK, op. cit., 1999, p. 106.
  • 68 ALVES, op. cit., 1999, p. 301.

40A diretoria do Gabinete não descurou da necessidade do público que afluiria ao acervo. Fato revelado pelas palavras impressas no Relatório de 1837: “tractamos de reunir, quanto possivel, elementos de instrucção geral, tendo, comtudo, particularmente em vista as classes de leitores, que provavelmente há de concorrer ao Gabinete”66. A esse respeito, Shapochinik, ao considerar que, “para satisfazer as necessidades mais imediatas desses leitores, provavelmente constituído por estudantes e comerciantes em ascensão, foram adquiridas obras contemporâneas”67, ilustra com outros elementos os leitores potenciais da Instituição e a atenção do grupo fundador em atendê-los. Para Alves, essa atenção da diretoria é um reflexo do “grande esforço dos emigrantes portugueses no Brasil em busca da ilustração própria e alheia”68; essa característica certamente contribuiu para que anos depois o Gabinete fosse um dos motores para a fundação do Liceu Literário Português. Como vimos, havia entre as falanges de emigrantesmuitos jovens e não faltou atenção à formação desses também. Por essas considerações apresentadas, é imprescindível que fique patente que não ousamos afirmar que o público do Gabinete era formado essencialmente de letrados. Contudo, os dados colhidos nos catálogos levam-nos a acreditar que representavam maioria.

41Por uma breve análise nos catálogos do Gabinete observamos assinaturas de periódicos portugueses e ingleses cujo assunto era o comércio e a indústria. Houve ainda uma preocupação com obras de referência, sobretudo dicionários. Como será mais detalhado adiante, há presença maciça de romances entres os títulos mais avultados no acervo. Esses dados nos levam a confirmar que José Marcelino da Rocha Cabral, João Joaquim Pestana e José de Almeida e Silva, responsáveis pela seleção do acervo, tinham em foco o público que utilizava o acervo tanto em suas necessidades profissionais, no caso dos periódicos e outras obras técnicas, quanto para o lazer, referindo-nos aos romances.

  • 69 Op. cit., 22 jan. 1838.
  • 70 Op. cit., 21maio 1838.
  • 71 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Livro do Copiador, 18 nov. 1839.

42Os relatos nas Atas nos revelaram que os leitores do RGPL – que num primeiro momento foi composto apenas por acionistas – estavam muito interessados na leitura de periódicos, sobretudo comerciais, de várias praças do Império e da Europa. Os exemplos são inúmeros, todavia, podem-se citar alguns que consideramos representativos, no que refere à formação e os interesses dos usuários do RGPL. Em 22 de Janeiro de 1838, o tesoureiro foi autorizado a assinar “hum jornal Commercial em cada huã das principais Provincias do Imperio”69. Em maio do mesmo ano, tendo em vista a problemas com a importação de algumas folhas de Lisboa, o acionista António Ferreira Brandão ofereceu para uso do Gabinete “o Periódico Nacional de que [era] assignante”70até que a situação se normalizasse. Contudo, não eram só títulos comerciais e políticos. Em 18 de novembro de 1839 a diretoria encaminhou uma carta ao agente em Lisboa, Thomas José Pereira Lima; nela, dentre outros assuntos, foi enfatizado o desejo de assinar o ArchivoTheatral, e cobrava os seis primeiros números do Universo Pittoresco, pois só haviam recebido o número 771.

  • 72 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 20 nov. 1837.

43A procura por notícias era muito grande entre os leitores do Gabinete. O Tesoureiro Luís Miguel Afonso declarou na Sessão da Diretoria que os acionistas que ficaram sabendo da chegada de periódicos de Lisboa e da Inglaterra “mostravão grande desejo de ler essas folhas”72. Outro exemplo, a cópia de uma carta transcrita no Livro do Copiador destinada a Thomas José Pereira Lima, agente do Gabinete em Lisboa, revela aspectos desse público:

  • 73 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Livro do Copiador,18 nov. 1839, grifo nosso.

[...] enquanto a falta de periodicos pelos navios estrangeiros que os não trouxerão bem se vio que alguma coiza sobrenatural teria dado occasião a esta falta, porem a Directoria espera que Vsª alem de Corretor dos despachos em quem confiou se previna pelo meio que mais bem se lhe prorcionar afim de lhe não escapar occasião alguma taes remessas, e ainda quando hajão de sahir este porto, duas ou mais embarcações no mesmo dia, repetir em todas as remessas de periodicos, para evitar a esta administração o desgosto de dar satisfações a tantos concorrentes que no acto da chegada de navios procurão as noticias recebendo grande descontentamto quando as não alcanção, e toda a despezaextraordinaria q neste objecto fizer a Directoria lhe leva a em conta.73

44É factível supor que dentre esses que esperavam ansiosos, estavam os leitores das folhas comerciais e literárias. Enquanto os primeiros buscavam as notícias atualizadas no âmbito comercial para seus negócios aqui e fora, os últimos queriam informações sobre os últimos impressos vindas à luz nas tipografias européias.

45Outro dado que confirma a ilustração do público que concorria ao Gabinete é o grande número de livros em francês. Parece um indicador, numa época em que o número de analfabetos tanto no Brasil quanto em Portugal era considerável, o fato de assinarem periódicos ingleses e franceses; tal facto revela que os leitores eram indivíduos pertencentes a uma plêiade que teve educação acadêmica, ou ex alunos de liceus.

46A exemplo dos doutores Tânia Bessone e Nelson Schapochinik, que compilaram dados referentes ao idioma e assunto no Catálogo do Real Gabinete de 1858, tomamos como universo de análise a edição de 1844. O escrutínio dessa publicação revelou o seguinte panorama:

Quadro 3: Relação de idioma com números de publicação

Idioma

N.º

Português

1474

Francês

1234

Inglês

77

Fonte: GPL. Catalogo.... 1844.

Quadro 4: Relação de assuntos mais representativos e número de títulos

Assunto

N.º

Novellas

421

Litteratura

312

Historia

296

Poesia

181

Politica

109

Theologia e Culto

98

Medicina

68

Viagens

67

Direito

61

Theatro

61

Commercio

41

Fonte: GPL. Catalogo.... 1844.

  • 74 SCHAPOCHNIK, op. cit., 1999, p. 122.

47Embora o século XIX ainda estivesse sob a influência da língua francesa, acreditamos que a escolha por esse idioma refletia as características dos usuários, para os quais não era barreira. Além, é claro, “das deficiências do mercado editorial luso-brasileiro e a preocupação em cobrir um amplo espectro de temas impunham, necessariamente, a aquisição de obras editadas em outro idioma”74. No que tange à relação assunto/idioma notamos – não sem curiosidade – que as Novellas eram compostas de 406 obras em língua portuguesa e doze em língua francesa. Já em Litteraturaprevalecia o francês, com 157 obras, e o português, com 126. A primazia da língua dos Lusíadas também era vista na História, com 191 itens e no verbo de Voltaire, com 98.

48Em âmbito português, Rebelo conclui que:

  • 75 REBELO, Carlos Alberto. As instituições de leitura. In: ____. A difusão da leitura pública: as bibl (...)

[...] apesar dos objectivos sociais que algumas destas instituições [Gabinetes de Leitura] assumiam, os gabinetes eram considerados como instituições de leitura destinadas essencialmente à burguesia, pelo que dificilmente poderiam servir um público mais humilde que, embora ávido de leitura, não possuía o estatuto nem os recursos necessários para nele se poder integrar.75

  • 76 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 195.
  • 77 RIBEIRO, loc. cit.
  • 78 Cf. RIBEIRO, op. cit., 1999.

49Ainda na ambiência lusitana, Ribeiro afirma que “o aluguer tornava-se apesar de tudo bem mais acessível do que a aquisição de uma obra”76e destaca que, mesmo assim, “nem todos os sectores sociais podiam pagar a assinatura mensal de um gabinete de leitura”77. Já no que respeita ao público leitor, a autora afirma que era restrito a uma pequena burguesia composta de intelectuais, políticos e outros letrados78.

50Carlos Montóro nos fornece um pouco mais detalhes, até porque foi testemunha da época relatada. Ao tratar da década de 40 do século XIX, ele conta que:

  • 79 MONTORO, 1856 apud TAVARES, op. cit., 1977, pp. 32-33.

[...] No seio das classes ilustradas da nação brasileira, também era geral o apreço a esta instituição, e bastará apontar entre os vultos ilustres que a protegeram, o grande estadista, Ministro da Justiça na Regência de Araújo Lima, Bernardo Pereira Vasconcelos. Não era raro ver subir aquele que era alma de muitas situações políticas, as escadas, para ele tão difíceis, do estabelecimento, vir consultar as suas colecções e praticar com os empregados, dos progressos da instituição, que prezava como sua.79

  • 80 Cf. SCHAPOCHNIK, 1999, p. 108.

51A memória de Montóro ainda revela que não só o português, pelos idos dos anos 40, aumentava a freqüentação no Gabinete, mas também o brasileiro. E estes, como vimos, pertenceriam à categoria de subscritor. Observa-se que além de um status quo e das possibilidades simbólicas de pertencer a esse ícone da cultura lusitana, certamente que havia o interesse pelas obras que já lotavam as estantes do GPL80.

  • 81 BARROS MARTINS, op. cit., 1901, 1913.
  • 82 Cf. TABORDA, op. cit., 1937.
  • 83 Cf. TAVARES, op. cit., 1977.
  • 84 MARTINS, op. cit., 1999.
  • 85 MARTINS, op. cit., p. 288.
  • 86 MARTINS, loc. cit.

52Houve ainda um público que passou despercebido por Barros Martins81, Taborda82 e Tavares83: as mulheres. Ana Luisa Martins84, ao tratar dos Gabinetes de Leitura em São Paulo, tece alguns comentários a respeito do público leitor feminino dessa instituição, mas, sobretudo do Gabinete de Leitura de Sorocaba. A autora paulista verificou que, “embora sócia do Gabinete e leitora em potencial, a participação da mulher naquela instituição se dava, sobretudo no âmbito social, organizando soirées85, e ainda considera que “a retirada dos livros fosse por iniciativa das senhoras dos sócios, na sua maioria de tradicionais famílias sorocabanas”86. No caso ressaltado, ocorrem dois tipos de leitoras: a sócia e a esposa do sócio, uma com sua participação na instituição e a outra como a possível motivadora pela locação do livro.

  • 87 A chamada Casa Bonnardel foi o primeiro gabinete fundado em Portugal entre os anos de 1814-1815. O (...)
  • 88 ESTEVES, 1984, p. 234, grifo nosso.

53Rosa Esteves – em seu estudo pioneiro –, ao analisar o catálogo de Mlle. Férin e de Pedro Bonnardel87, conjectura que “de um modo geral [...] o aluguer de livros terá servido pequenos/médios funcionários, e/ou suas mulheres e filhas88.

  • 89 DOMINGOS, Manuela D. O público dos Gabinetes de Leitura. In: Estudos de sociologia da cultura: livr (...)
  • 90 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 195.

54Manuela Domingos, tanto com base nas análises propostas por Esteves quanto no estudo da iconografia da época, considera que houve um provável público feminino que alugava os livros. A mesma autoria sugere que, se poucos homens sabiam ler, muito menos as mulheres89. Ribeiro conclui – com base nos anúncios de jornais portugueses – que haveria um publico leitor feminino90.

55Enfim, o fato é que alguns autores consideraram as mulheres como leitoras dos Gabinetes, contudo faltou-lhes a ditosa ventura de encontrar nomes. Em nossa investigação fomos privilegiados por esses pormenores.

56Na reconstrução do público leitor do RGPL dos primeiros anos de sua fundação, localizamos nas atas dos anos 30 a presença feminina. Se no caso acima há detalhes que favoreceram a autora a chegar a suas conclusões, os dados que compulsamos só nos permitem apresentá-los sem ousar inferências.

  • 91 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 29 jul. 1839.

57A primeira menção ao caso está relatada na Ata de 29 de Julho de 1839: “O Senhor ClaudioJoze da Silva propôs pª Subscriptora a Senhora D. Carolina de Noronha Torrezão, e não se havendo ainda deliberado, se o secço feminino deveria ser admitido, ficou nesta parte por decidir a proposta”91.

58Essa proposta deve ter reverberado entre os presentes, uma vez que não havia precedente – a crer pelo conteúdo das Atas pesquisado. Contudo, como um aspecto revelador da disposição da diretoria, não houve pronta recusa, antes decidiram ponderar em conjunto com o Conselho Deliberativo. Perscrutamos as atas do conselho, mas não houve menção ànova postulação.

  • 92 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 15 ago. 1839.
  • 93 Até o momento que finalizamos essa pesquisa não havíamos encontrado detalhes biográficos sobre ambo (...)
  • 94 Cf. AUGUSTI, Valéria. Literatura prescritiva, público leitor e práticas de leitura em bibliotecas d (...)

59Quatorze dias depois, a 15 de Agosto, a diretoria coloca a questão em votação: “Pondo-se em deliberação se poderão ser admittidas a Subscrever no Gabinete, pessoas do Secço feminino, depois de algumas observacoes venceu-se que sim, por unanimidade92. Assim D. Carolina de Noronha Torrezão93 tornou-se a primeira mulher subscritora do RGPL. Pela análise dos discursos contidos nas Atas notamos que a expressão “por unanimidade” só era usada pelos relatores quando a questão em votação tinha uma conotação muito séria e digna de maior apreciação. A proposta apresentada à Diretoria merece atenção igualmente porque esta senhora poderia ter acesso aos livros através de outros subscritores ou acionistas – pois “nada nos garante que estes não emprestassem os livros dali retirados”94. Entretanto a sra. Noronha Torrezão preferiu ela mesma ser responsável por seus empréstimos, tornando-se subscritora.

  • 95 Cf. GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841.
  • 96 Cf. GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Catalogo... 1844.

60Por essas informações e outras subseqüentes que colhemos, não há como saber se esta senhora freqüentou o Gabinete como leitora ou se ocasionalmente alugava os livros de seu interesse. Não constam ainda nas Atas outros nomes de mulheres que foram propostas como subscritoras. Todavia, quase que por serendipidade localizamos cinco listas – que seguem como nosso objeto de pesquisa em outro projeto – que arrolam livros emprestados. Essas listagens foram compiladas pelo “Guarda da Biblioteca”, funcionário responsável por um trabalho administrativo no âmbito acervo95. Este funcionário atendia aos consulentes, localizava os livros nas estantes e recebia os formulários de pedidos. Segundo as normas de uso da biblioteca impressas no Catálogo de 1844, o sócio ou acionista desejoso de locar uma obra deveria preencher um formulário. É possível que essas listagens tenham sido compostas com base nesse formulário que deveria ficar no Gabinete até o retorno da obra96.

61Esses documentos de “prestação de contas” permitem uma série de abordagens e análises quanto às leituras e interesses dos sócios. Nesse artigo, vamos nos ater apenas à presença de mulheres na Relação das obras fora do Gabinete com recibos dos SnrsSocios e Subscriptores na occasião do Balanço, composta por Manoel Pereira de Carvalho, em julho, 1845. Essa é a listagem mais completa, pois além de apresentar o nome da pessoa que retirou o livro indica o título – estes de forma abreviada ou como eram conhecidos popularmente. Por ela soubemos que Raquel Maria Cordeiro alugou o best-seller da época, Corina, da Mme. deStaël-Holstein; já D. Maria Luísa de Portugal preferiu outro sucesso de então, As aventuras de Estevão Gonçalves, de La Sage; Nina Rosa T. dos Santos retirou o 5.º e o 6.º volumes do Cours de LittératureFrançaise, de Villemain; D. Carolina SergioVelloso tomou em empréstimo O Fantasma Branco. A preferência de Camille Trinocq foi pela Geographia Universal, de AdrienBalbi e Rita Clara de Araújo, Condessa de Sarapuí, locou o famoso romance daqueles dias, Nossa Sra. de Pariz, de Victor Hugo.

62A lista Obras que se acham fora com bilhetes, feita por Francisco de Paula Cunha, em abril de 1842, só relaciona nomes dos sócios e o número de tombo das obras. Nela localizamos as senhoras Ana Joaquina de Oliveira e Silva e Raquel Maria Cardoso dos Santos.

63Os títulos lidos por essas subscritoras confirmam o perfil do período, ou seja, romances, no caso traduzidos da língua francesa. Contudo, contrariando um pouco o tipo de leitura “prevista” para esse tipo de público, há dois livros técnicos, um de geografia e outro de literatura, este na língua original.

64Diante do exposto nas linhas acima podemos propor o seguinte quadro ilustrando o público do GPL:

Quadro 4: Público do GPL, 1837-1847*

1837-1840

1840-1847

Médicos

Médicos

Advogados

Advogados

Comerciantes

Comerciantes

Professores

Estudantes

Intelectuais

Fonte: o autor.

65*É imprescindível esclarecer que os dados apresentados nesse quadro não são em absoluto conclusivos; merecem um estudo ainda mais acurado. Sua apresentação, contudo, tem o objetivo de submeter a apreciação e considerações de outros pesquisadores mais abalizados no tema.

  • 97 BARROS MARTINS, op. cit., 1901, p. 26.
  • 98 GERSON, Brasil. História das Ruas do Rio.5.ª ed., rev. ampl. Rio de Janeiro: Lacerda, 2000, p. 78.
  • 99 Loc. cit.

66Barros Martins conta que a partir de 1842 quando o RGPL já estava na Rua da Quitanda n.º 55 “a mocidade começou a dar-se ao estudo das lettras [...]”97. A mudança deve ter contribuído para o aumento dos freqüentadores. Nesta rua,na primeira metade do século XIX, funcionou o Hotel Horácio, “preferido dos artistas de teatro vindos de Lisboa”98, e no mesmo ano que o Gabinete, foi o primeiro endereço dos Irmãos Laemmert, recém chegados da Europa99. Na Rua da Quitanda ainda esteve situada a British Subscription Library.

  • 100 FERREIRA, 1999, p. 103.

67As informações fornecidas por Barros Martins abrem processo para uma nova fase do RGPL no que tange aos seus freqüentadores. Aos poucos a Instituição foi se firmando como espaço de sociabilidade, além de “responsável pela intensificação de laços afetivos, políticos e profissionais entre seus freqüentadores”100. Sua coleção estendeu-se a outros consulentes ávidos e desejosos do que se produzia de novo tanto no país, como principalmente em solo europeu. Lá encontravam periódicos das principais praças da Europa e da América Latina e livros recém lançados aqui e além mar; o perfil do acervo nesse período é moderno e aos poucos adere ao perfil enciclopedista. Os selecionadores do Gabinete acompanharam as demandas de um público leitor que mudava e agregava-se àquele inicial, mas isso será discutido em outra pesquisa.

À guisa de conclusão

68Pela pesquisa empreendida podemos identificar que o perfil dos leitores estava estritamente ligado aos interesses que a colônia no Rio de Janeiro tinha em relação ao letramento em expansão na Europa. Conforme foi verificado na análise procedida junto ao catálogo de 1844, o perfil de suas leituras no âmbito bibliográfico volta-se para a leitura de romances. Na leitura de periódicos buscavam, sobretudo, os comerciais, das praças de Lisboa e Porto, sem, contudo, perderem de vista o mercado interno. A presença de mulheres representou uma grande surpresa, pois não localizamos informações semelhantes a respeito de outros Gabinetes do período.

  • 101 SCHAPOCHNIK, op. cit., 1999, p. 114.

69A elaboração de uma política de seleção do acervo, aliada ao interesse e características do leitor, foi determinante para a evolução da coleção. Sem dúvida, a atenção da diretoria do Gabinete Português de Leitura nesse assunto foi gratulada ao correr dos decênios quando a pequena biblioteca nascida na Rua Direita, n.º 20 se transformou por antonomásia na Biblioteca Portuguesa do Brasil e em metáfora de um verdadeiro “Palácio do Livro”101.

Topo da página

Notas

1 ORTIGÃO, José Duarte Ramalho. Discurso. In: GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA DO RIO DE JANEIRO. 50º Anniversario: 1887. Rio de Janeiro: Typ. Italia, Curvello d’Avila & C., 1888, p. 20.

2 Coordenado pela Profª Drª Simone Weitzel, do departamento de Biblioteconomia na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

3 MARTINS, Ana Luiza. Gabinetes de leitura da província de São Paulo: a pluralidade de um espaço esquecido: 1847-1890. 1990. 370f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

4 FERREIRA, Tania Maria Tavares Bessone da Cruz. Palácios de destinos cruzados: bibliotecas, homens e livros no Rio de Janeiro, 1870-1920.1994. 313f. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1994.

5 FERREIRA, 1999, op. cit., p. 103.

6 FERREIRA, 1999, p. 103.

7 SCHAPOCHNIK, Nelson. Os jardins das delícias: gabinetes literários, bibliotecas e figurações da leitura na corte imperial.1999. 270f. Tese (Doutorado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

8 Nossa relação com essas fontes antecede – como já dissemos – ao estabelecimento do problema dessa pesquisa. Como parte das atividades do estágio curricular, realizamos a leitura e indexação desses documentos. No total foram indexadas 1806 Atas do período de 1837 a 1937. Durante esse processo, ativemo-nos aos seguintes assuntos: formação do acervo; planejamento para a construção do prédio na Rua Luís da Camões e fatos históricos relacionados ao Gabinete Português de Leitura.

9 CORREIA, António Augusto Mendes. Discurso. In: TABORDA, Humberto. História do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro: primeiro centenário, 1837-1937. [Rio de Janeiro: Real Gabinete Português de Leitura, 1937], p. 197.

10 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas da Sessão da Diretoria. 14 maio 1837.

11 MONTÓRO, Reinaldo Carlos. Noticia histórica do Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro fundado em 1837. In: CAMÕES, Luiz. Os Lusíadas. Lisboa: Na Officina de Castro Irmão, 1880, p. 402.

12 DIAS, Carlos Malheiro Dias. Discurso. In: GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA. Sessão commerativa do 347.º Anniversario da Morte de Camões e do 90.º Anniversario da Fundação do Gabinete. Rio de Janeiro, 1927, p. 8.

13 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 403.

14 CORREIA, op. cit., 1937, p. 197.

15 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 403.

16 Cf. BARROS MARTINS, A. A. de. Esboço histórico do Real Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro: 1837 a 1912. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, 1913, p. 9.

17 Cf. OLIVEIRA MARTINS, J. P. Portugal contemporaneo.Lisboa: Livraria Bertrand, 1881. v. 1, p. 4.

18 Cf. BARROS MARTINS, op. cit.,1912, p. 10.

19 OLIVEIRA MARTINS, op. cit., passim.

20 DIAS, op. cit., 1927, p. 6.

21 DIAS, op. cit., 1927, p. 10.

22 BARROS MARTINS, A. A. op. cit., 1912, p. 12.

23 MONTÓRO, op. cit., p. 402.

24 MARTINS, op. cit., 1995, p. 35.

25 Loc. cit.

26 MARTINS, op. cit., 1990, p. 36.

27 Loc. cit.

28 Loc. cit.

29 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório apresentado à Assemblea da Sociedade do Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro, em sessão extraordinária de 10 de setembro de 1837, a primeira celebrada no local do estabelecimento [...]. Rio de Janeiro: Imprensa Americana de I. P. da Costa, 1837, pp. 10-11.

30 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 402.

31 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório... 1837.

32 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas... 1837-1847. 20 nov. 1837.

33 MARTINS, op. cit., 1990, p. 39.

34 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 18 out. 1840.

35 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas... 20 out. 1838, 19 nov. 1838, 3 dez. 1838.

36 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO, op. cit., 17 jun. 1839.

37 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO, op. cit., 25 nov. 1839.

38 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO, op. cit., 25 nov. 1839.

39 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 407.

40 Loc. cit.

41 MONTÓRO, 1856 apud TAVARES, op. cit., 1970, pp. 32-33.

42 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 407.

43 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 402.

44 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório..., op. cit., p. 9.

45 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, p. 5.

46 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, p. 15.

47 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, loc. cit.

48 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, loc. cit.

49 Cf. GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Relatório. Rio de Janeiro, Typographia Perseverença, 1874, p. 7.

50 BARROS MARTINS, A. A. de. Esboço histórico do Gabinete Portuguez de Leitura no Rio de Janeiro.Rio de Janeiro: Typ. Do “Jornal do Commercio” de Rodrigues & C., 1901, p. 26.

51 MONTORO, op. cit., 1880, p. 409.

52 DIAS, Carlos Malheiro Dias. Discurso. In: GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA. Sessão commerativa do 347.º Anniversario da Morte de Camões e do 90.º Anniversario da Fundação do Gabinete. Rio de Janeiro, 1927, p. 6.

53 MARTINS, op. cit., 1990, p. 43.

54 RIBEIRO, Maria Manuela Tavares. Livros e leituras no século XIX. Revista de História das Idéias, Coimbra, v. 20, 1999, p. 191.

55 RIBEIRO, loc. cit.

56 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 192.

57 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 192.

58 GUEDES, Fernando. O livro e a leitura em Portugal: subsídios para a sua história, séculos XVIII-XIX. Lisboa; São Paulo: Verbo, 1987, p. 171.

59 ALVES, Jorge Fernandes. Ler, escrever e contar na emigração oitocentista. Revista de História das Idéias,Coimbra, v. 20, 1999, p. 294, grifo nosso.

60 ALVES, op. cit., 1999, p. 294.

61 MONTÓRO, op. cit., 1880, p. 401.

62 MONTÓRO, loc. cit.

63 Desse grupo houve quem assistisse e incentivasse anos mais tarde a fundação da Caixa de Socorros D. Pedro V e do Liceu Literário Português.

64 ALVES, op. cit., 1999, p. 296.

65 Cf. ALVES, loc. cit.

66 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841, p. 6.

67 SCHAPOCHNIK, op. cit., 1999, p. 106.

68 ALVES, op. cit., 1999, p. 301.

69 Op. cit., 22 jan. 1838.

70 Op. cit., 21maio 1838.

71 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Livro do Copiador, 18 nov. 1839.

72 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 20 nov. 1837.

73 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Livro do Copiador,18 nov. 1839, grifo nosso.

74 SCHAPOCHNIK, op. cit., 1999, p. 122.

75 REBELO, Carlos Alberto. As instituições de leitura. In: ____. A difusão da leitura pública: as bibliotecas populares, 1870-1910. Porto: Campo das Letras, 2002, p. 78.

76 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 195.

77 RIBEIRO, loc. cit.

78 Cf. RIBEIRO, op. cit., 1999.

79 MONTORO, 1856 apud TAVARES, op. cit., 1977, pp. 32-33.

80 Cf. SCHAPOCHNIK, 1999, p. 108.

81 BARROS MARTINS, op. cit., 1901, 1913.

82 Cf. TABORDA, op. cit., 1937.

83 Cf. TAVARES, op. cit., 1977.

84 MARTINS, op. cit., 1999.

85 MARTINS, op. cit., p. 288.

86 MARTINS, loc. cit.

87 A chamada Casa Bonnardel foi o primeiro gabinete fundado em Portugal entre os anos de 1814-1815. O Cabinet de lecture de la Librairie Belge et Française “terá tido a sua origem, em 1839, na Rua Nova do Carmo, por Mademoiselle Férin.” ESTEVES, Rosa. Gabinetes de Leitura em Portugal no séc. XIX : 1815-1853. Rev. da Universidade de Aveiro, v. I, 1984, p. 224, grifo nosso.

88 ESTEVES, 1984, p. 234, grifo nosso.

89 DOMINGOS, Manuela D. O público dos Gabinetes de Leitura. In: Estudos de sociologia da cultura: livros e leitures do século XIX.Lisboa: Instituto Porturguês de Ensino à Distância: Centro de Estudos de História e Cultura Portuguesa, 1985. (Colecção Temas de Cultura Portuguesa, n.º 10), p. 170.

90 RIBEIRO, op. cit., 1999, p. 195.

91 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 29 jul. 1839.

92 GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Actas ... 15 ago. 1839.

93 Até o momento que finalizamos essa pesquisa não havíamos encontrado detalhes biográficos sobre ambos, acionista proponente e subscritora.

94 Cf. AUGUSTI, Valéria. Literatura prescritiva, público leitor e práticas de leitura em bibliotecas do Rio de Janeiro do século XIX. Leitura, teoria & prática, Campinas, n. 32, p. 16, dez. 1998.

95 Cf. GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Estatutos... 1841.

96 Cf. GABINETE PORTUGUEZ DE LEITURA NO RIO DE JANEIRO. Catalogo... 1844.

97 BARROS MARTINS, op. cit., 1901, p. 26.

98 GERSON, Brasil. História das Ruas do Rio.5.ª ed., rev. ampl. Rio de Janeiro: Lacerda, 2000, p. 78.

99 Loc. cit.

100 FERREIRA, 1999, p. 103.

101 SCHAPOCHNIK, op. cit., 1999, p. 114.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda Ilustração 1. Timbre para as apólices. Seu desenho foi oferecido gratuitamente ao Gabinete por M. Bollanger em 14 de junho de 1837.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/189/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 184k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Fabiano Cataldo de Azevedo, « Contributo para o perfil do público leitor do Real Gabinete Português de Leitura (1837-1847) », Cultura, Vol. 28 | 2011, 103-124.

Referência eletrónica

Fabiano Cataldo de Azevedo, « Contributo para o perfil do público leitor do Real Gabinete Português de Leitura (1837-1847) », Cultura [Online], Vol. 28 | 2011, posto online no dia 18 Abril 2013, consultado a 17 Agosto 2017. URL : http://cultura.revues.org/189 ; DOI : 10.4000/cultura.189

Topo da página

Autor

Fabiano Cataldo de Azevedo

Bibliotecário. Bolseiro do Real Gabinete Português de Leitura e membro do Pólo de Pesquisa sobre Relações Luso-Brasileiras, onde desenvolve investigação acerca da formação do acervo da Instituição no século XIX. Investigador do grupo Biblioteconomia, Cultura e Sociedade, na Universidade Federal do estado do Rio de Janeiro.
Librarian. Scholarship holder of the Real Gabinete Português de Leitura and member of the Research group on Portuguese and Brazilian relations where he studies the formation of le RPB catalogue in the 19th century. Researcher of the group on bibliotheconomy, Culture and Society at the Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org