Navegação – Mapa do site
Das leituras e dos leitores - Entre filologia e história

Tipografia Cácima

a propósito dos cadernos e fascículos que aí se imprimiram
Cácima Typography: about the Cadernos and the sheets published there
Patrícia de Jesus Palma
p. 125-140

Resumos

Este artigo pretende dar a conhecer as condições de criação e de produção de um conjunto de textos de vanguarda que viriam a constituir-se como marco para a poesia portuguesa do século XX: a Poesia 61, impressos e editados numa pequena cidade de província, Faro.
Como são aí editados estes e outros folhetos de autores como António Ramos Rosa, E. M. Melo e Castro, Maria Teresa Horta, Casimiro de Brito, Luiza Neto Jorge ou Fiama Hasse Pais Brandão, entre outros? Para responder a essa questão, interrogam-se contextos, autores e obras, mas também editores, tipógrafos e tipografias.

Topo da página

Notas do autor

Este artigo tem como base a dissertação de mestrado da autora, intitulada A Produção Literária Impressa no Algarve durante os Séculos XIX e XX, Lisboa, Universidade Nova de Lisboa, 2008, onde se encontram desenvolvidos aspectos complementares, tais como as biobibliografias dos autores e tipógrafos aqui mencionados. Aproveito para agradecer a amabilidade dos testemunhos de Casimiro de Brito, Manuel Baptista, Teodomiro Neto, Mário Cácima e Maria Rita Cácima. Aos dois últimos agradeço ainda a documentação facultada.

Texto integral

1A Tipografia Cácima, situada em Faro, deu à estampa, entre outros, cinco conhecidos fascículos intitulados Poesia 61, que viriam a constituir-se como marco de um dos importantes caminhos da poesia portuguesa do século XX.

2Como surgem aqui editados estes e outros folhetos de autores como António Ramos Rosa, E. M. Melo e Castro, Maria Teresa Horta, Casimiro de Brito, Luiza Neto Jorge ou Fiama Hasse Pais Brandão, entre tantos outros? É esta questão que tentaremos deslindar, tentando perceber as condições de criação e de produção que se conjugaram nas décadas de 50 e 60 na província, trazendo a lume marcantes textos como os já referidos ou os Cadernos do Meio-Dia e colecções como «A Palavra» ou ainda «Silex».

3Os anos 50 e 60 foram, como sabemos, anos de tensões e de conflitos políticos que, progressivamente, minaram o Estado Novo. No plano internacional, o regime sofreu a pressão da União Indiana sobre Goa, a pressão da Organização das Nações Unidas a respeito das colónias, a crispação com o Brasil e a Argentina, devido às acções desenvolvidas por Humberto Delgado e Henrique Galvão. No plano nacional, sentiu o exacerbar dos oposicionistas com a candidatura de Humberto Delgado às eleições presidenciais de 1958, o qual, embora tivesse saído vencido nas urnas, manteve a sua acção opositora ao regime, tentando estabelecer contactos com outros países no sentido de atrair as atenções para a situação portuguesa. Por outro lado, verificou-se a tomada do navio Santa Maria por Henrique Galvão, com o objectivo de o conduzir a África, onde, libertando parte do território colonizado, constituiria, com os meios adequados, um governo que fizesse frente ao regime. Os planos não são totalmente concretizados, mas a acção serviu para chamar a atenção da comunidade internacional sobre Portugal. Em 13 de Abril de 1961, deu-se uma tentativa de golpe de estado dirigida por Botelho Moniz. Na sequência destes acontecimentos, o regime não hesita em incrementar os meios que evitem situações destabilizadoras.

4Em Março de 1961, iniciaram-se os conflitos em Angola, que se estendem progressivamente às restantes colónias. Salazar resiste e faz desta guerra um instrumento para unir internamente a pátria, através da exploração de sentimentos nacionalistas.

5Em 1965, o regime é mais uma vez abalado pela notícia do assassinato de Humberto Delgado, encontrado em Espanha pela polícia espanhola, acreditando-se que o General tivesse sido atraído a uma emboscada preparada pela PIDE.

6Não obstante, a verdade é que Portugal vivia momentos de franco crescimento económico, o que, sem dúvida, promovia a estabilidade social e acautelava eventuais convulsões internas. A afluência de receitas durante a II Guerra Mundial; a exportação de produtos estratégicos como o volfrâmio; o recebimento de divisas ao abrigo do Plano Marshal a fim de se promover o desenvolvimento, nomeadamente através da produção de energia eléctrica e infra-estruturas de comunicação; o surgimento de novas indústrias como as celuloses, as novas químicas e a metalurgia; a criação de estruturas nas áreas da saúde, educação e justiça, são garantes de condições de estabilidade propícias ao desenvolvimento económico e, por conseguinte à paz social que, embora imposta, é condição sine qua non para a vitalidade do governo.

  • 1 VIEIRA, Joaquim (coord.), «Terra em transe», in Portugal Século XX. Crónica e imagens, vol. VII, (...)

7Nos anos 60, os grupos monopolistas, protegidos pelo Estado, apostam em novas indústrias e expandem-se para as colónias com produtos relacionados com o esforço de guerra. Porém, estes grupos recebedores de receitas do próprio Estado vêem essa fatia diminuir gradualmente, devido à canalização de verbas para a guerra colonial. Esta circunstância leva a que o capital industrial se funda com o da banca, criando um verdadeiro monopólio financeiro, libertando-se assim, ainda que parcialmente, da chancelaria do Estado e iniciando-se o diálogo com o mercado internacional, o que ia claramente contra os desígnios oficiais. António Oliveira Salazar terá confidenciado que: «Quero este país pobre, mas independente; não o quero colonizado por capital americano.»1 Este desejo acaba por ser pura utopia, falhada inclusivamente por responsabilidade do próprio que, numa tentativa de criar alianças políticas com outros países que o apoiassem na sua guerra, permite a entrada de capital estrangeiro, quer através de empréstimos a fim de suportar as despesas bélicas, quer através da abertura do mercado português aos grupos internacionais que viam no país uma aposta segura, motivada pelos baixos salários, pelos preços praticados e pela estabilidade social aqui encontrada.

  • 2 Não obstante esta perspectiva optimista do estado financeiro de Portugal, não se pense que toda a (...)

8Estas características constituem também um chamariz para a indústria turística que se começa a desenvolver a partir dos anos 50. Muito particularmente o Algarve torna-se uma zona preferencial na rota dos turistas setentrionais que procuram o Sul da Europa como destino. Outra via de comunicação é criada pela emigração para outros países europeus que continuam a empregar milhares a custos baixos; embora constitua uma baixa na força de produção portuguesa, a emigração significa remessas importantes para o equilíbrio da balança comercial2.

9As palavras seguintes sintetizam bem as tensões vividas na década de 60:

  • 3 VIEIRA, Joaquim (coord.), «Terra em transe», in Portugal Século XX. Crónica e imagens, vol. VII, (...)

Portugal vive na verdade uma série de paradoxos durante os anos 60: o desenvolvimento económico convive com persistentes sinais de subdesenvolvimento e desequilíbrios estruturais; a industrialização, criando mais e melhores empregos, não estanca a emigração; o proteccionismo económico coexiste com a invasão de empresas estrangeiras; apregoa-se o casamento económico com as colónias, mas pratica-se o acto com a Europa; o Governo opta pelo isolamento diplomático ao mesmo tempo que os Portugueses, mercê da emigração, da guerra, da TV, do turismo e das novas tendências juvenis, nunca estiveram tão abertos às influências exteriores.3

10Casimiro de Brito, o principal responsável pela maioria das edições que são dadas à estampa na Cácima, testemunhou-nos, em entrevista, o modo como a sua vida foi resultado e ilustrativa de todas estas circunstâncias. Vejamos: começou a trabalhar numa empresa de transformação e comercialização de frutos secos no interior do Algarve, em São Bartolomeu de Messines. Aqui foi convidado por uma instituição bancária e mudou-se para Portimão. Nos finais dos anos 50, é deslocado para a capital de distrito, Faro. Aí, Casimiro pôde testemunhar a afluência gradual de turistas estrangeiros e portugueses ao Algarve, nomeadamente à praia de Faro, onde vinham passar as chamadas «férias grandes». Em 1967, Casimiro de Brito sentiu na pele o peso do aparelho repressor do regime na sequência do seu Vietname… Em nome da liberdade e, em 1968, foi transferido para a Alemanha, onde abriu uma dependência do banco onde trabalhava, destinado essencialmente aos emigrantes portugueses.

Capa de poemas de solidão imperfeita

Capa de poemas de solidão imperfeita
  • 4 Cfr. PALMA, Patrícia de Jesus, A Produção Literária Impressa no Algarve durante os Séculos XIX e (...)

11Casimiro de Brito não foi só protagonista e testemunha das transformações socioeconómicas que se operavam na província. Foi também produto e criador e promotor de um ambiente cultural muito particular que se vivia em Faro, sobretudo a partir da década de 40 com a publicação da revista Afinidades: revista de cultura luso-francesa, dirigida por Francisco Fernandes Lopes4. Destacou-se como jovem poeta mas também pela sua capacidade de iniciativa, aliando o sonho à acção.

  • 5 Cfr. RAIMUNDO, Hélder F., «Casimiro de Brito e o “Movimento Prisma” em Loulé», al-‘ulyà. Revista (...)

12Segundo Hélder F. Raimundo5, os seus primeiros textos terão sido publicados na página literária «Prisma de Cristal» (16/10/1956-15/02/1959) do jornal A Voz de Loulé, fundada pelo próprio. Pelos mesmos anos, colaborava também na página literária «Arraial», do jornal Correio do Sul. Em ambas publicou poemas, traduziu poetas, escreveu sobre poesia, arte, cinema, filosofia, divulgou outros poetas novos como ele, entrou em polémicas, mergulhou na vida literária coeva.

13O ano de 1958 foi o seu ano de estreia sob a forma de livro: poemas da solidão imperfeita. Saiu do prelo da Tipografia Cácima em 1957, em capa preta, com as letras a branco.

14Consciente de que havia um longo caminho a trilhar, sentiu a necessidade de se aproximar daquele que, apesar de pouco mais velho, era já ao tempo considerado como O Poeta: António Ramos Rosa.

15Em 1958, António Ramos Rosa, após alguns problemas políticos em Lisboa, regressou à província (como muitos outros), à terra-mãe, e começou a dar explicações de francês como forma de sustento. Casimiro procurou-o e inscreveu-se nas explicações. Da «primeira aula» nasceu a relação entre dois poetas que havia de ser duradoura. Pouco depois, Casimiro propôs a António Ramos Rosa a edição dos seus poemas numa colectânea, até aí apenas publicados em jornais e revistas. O Poeta aceitou e Casimiro estreou-se como director de colecções de poesia, publicando, como n.º 1 da colecção «A Palavra», o primeiro livro de António Ramos Rosa, O Grito Claro, saído também dos prelos da Cácima em 1958, e inteiramente custeado por Casimiro de Brito. Pouco depois, resultado da conjugação da vontade juvenil de um e da sabedoria do outro, surgem no mesmo ano os Cadernos do Meio-Dia. Antologia de Poesia, Crítica e Ensaio. Publicaram-seentre Abril de 1958 e Fevereiro de 1960, com coordenação de António Ramos Rosa, Casimiro de Brito, Fernando Moreira Ferreira e Hernâni Lencastre. Não obstante a menção «publicação não periódica», a censura apreendeu o quarto número, saindo o quinto e último número um ano depois, em Fevereiro de 1960. Este último foi enriquecido pela participação do pintor Manuel Baptista que ilustrou a capa, até aí sempre modesta do ponto de vista gráfico.

Capa de O Grito Claro, de António Ramos Rosa

Capa de O Grito Claro, de António Ramos Rosa

Capa de Cadernos do Meio-Dia, n.º 5

Capa de Cadernos do Meio-Dia, n.º 5

16Tratou-se de uma publicação ecléctica, cujo princípio básico era a reunião de «vozes diversas a que apenas a sua dignidade e altitude estética conferirão aquela unidade indispensável (…). A [sua] preocupação será (…) dar especial relevo à “Presença atenta e eficaz da poesia na Consciência, na Cidade, no Cosmos”». Para cumprir este programa, para além dos coordenadores, juntaram-se ao projecto Adolfo Casais Monteiro, José Terra, Egito Gonçalves, António Teixeira Marques (v.), José Bento, HelbertoHelder, Manuel Pacheco, Gaston-Henry Aufrère, Maria Almira Medina, Vítor Matos e Sá, Saúl Dias, Alberto de Lacerda, Fernando Echevarria, José Manuel Simões, João Rui de Sousa, António José Fernandes, Papiniano Carlos, Vasco Miranda, Carlos Alberto Jordão, Manuel Madeira, José Carlos González, Renata Pallottini, Wilson Rocha, Gabriel Celaya, Ángel Crespo, Luísa da Costa, Óscar Lopes, Emiliano da Costa, José Gomes Ferreira, Carlos de Oliveira, João José Cochofel, Raul de Carvalho, Mário Cesariny de Vasconcelos, José Fernandes Fafe, António Carlos, António Vicente Campinas, Afonso Cautela, Carlos Porto, Eduardo Olímpio, António Fernández Molina, Jorge de Sena, Eugénio de Andrade, Alexandre O’Neill, Fernando Vieira, Maria Alberta Meneres, Luís Fernando, E. M. de Melo e Castro, Rui Mendes, Aureliano Lima, Candeias Nunes, Almeida Firmino, Fernando Pessoa Ferreira, Arcádio Pardo, David Mourão-Ferreira, João Rui de Sousa, Fiama Hasse Pais Brandão, Alfredo Margarido, Gastão Cruz, Maria Teresa Horta, Manuel de Castro e Milton de Lima Sousa.

17Entretanto, e principalmente no período das “férias grandes”, passadas em Faro, conhece-se pessoalmente todo um grupo de jovens que há-de fecundar a literatura e as artes plásticas: Casimiro de Brito, Manuel Baptista, Maria Teresa Horta, Gastão Cruz, Maria Alberta Meneres, Luíza Neto Jorge, E. M. Melo e Castro, Fiama Hasse Pais Brandão, Vespeira, entre outros. Encontros, tertúlias, jantares no mítico restaurante «Dois Irmãos», um ex-libris da cidade, segundo Manuel Baptista, que albergava de tudo e onde se reuniam todos. Fervilhava a juventude, a poesia, a resistência.

18Na impossibilidade de dar continuidade aos Cadernos, Casimiro de Brito voltou a congregar energias para publicar os textos destes jovens poetas, dando continuidade às colecções «A Palavra» e «Silex». Tratava de todos os assuntos com a tipografia e chegou mesmo, após a saída do seu emprego de funcionário bancário, a dedicar longas horas noite dentro à composição dos folhetos, na Tipografia Cácima. A ajudá-lo esteve o responsável pelo grafismo, Manuel Baptista. Saem, então, pelas duas colecções:

Colecção «A Palavra»:
N.º 1, 1958, ROSA, António Ramos, O Grito Claro, Faro [Casimiro de Brito].

Colecção «A Palavra»:N.º 1, 1958, ROSA, António Ramos, O Grito Claro, Faro [Casimiro de Brito].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «A Palavra»:
N.º 2, 1959, BRITO, Casimiro, Telegramas, capa de Álvaro Fialho, Faro [ed. de autor].

Colecção «A Palavra»:N.º 2, 1959, BRITO, Casimiro, Telegramas, capa de Álvaro Fialho, Faro [ed. de autor].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «A Palavra»:
N.º 3, 1959, BRANDÃO, Fiama Hasse Pais, O Aquário, capa de Luiza Neto Jorge [ed. de autora e de Casimiro de Brito].

Colecção «A Palavra»:N.º 3, 1959, BRANDÃO, Fiama Hasse Pais, O Aquário, capa de Luiza Neto Jorge [ed. de autora e de Casimiro de Brito].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «A Palavra»:
N.º 4, 1960, JORGE, Luiza Neto, Noite Vertebrada, capa da autora, Faro [ed. de autora].

Colecção «A Palavra»:N.º 4, 1960, JORGE, Luiza Neto, Noite Vertebrada, capa da autora, Faro [ed. de autora].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «A Palavra»:
N.º 5, 1962, BRITO, Casimiro de (trad.), Poemas Orientais, capa de João Reis, Faro [ed. de autor].

Colecção «A Palavra»:N.º 5, 1962, BRITO, Casimiro de (trad.), Poemas Orientais, capa de João Reis, Faro [ed. de autor].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «A Palavra»:
N.º 6, 1964, NUNES, Candeias, O Tempo e os Sinais, Faro, [ed. de autor].

Colecção «A Palavra»:N.º 6, 1964, NUNES, Candeias, O Tempo e os Sinais, Faro, [ed. de autor].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «A Palavra»:
N.º 7, 1968, HONORATO, Ilídia, Políptico do Amor, Faro, [ed. de autora].

Colecção «A Palavra»:N.º 7, 1968, HONORATO, Ilídia, Políptico do Amor, Faro, [ed. de autora].

Capa da colecção «A Palavra».

7 Colecção «A Palavra»:
N.º 8, 1967, BRITO, Casimiro de, Vietname… Em nome da liberdade, Faro [ed. de autor].

7 Colecção «A Palavra»:N.º 8, 1967, BRITO, Casimiro de, Vietname… Em nome da liberdade, Faro [ed. de autor].

Capa da colecção «A Palavra».

Colecção «Silex»:
N.º 1, 1958, Casimiro de Brito, Sete Poemas Rebeldes e Carta a Pablo Picasso, Faro [ed. de autor].

Colecção «Silex»:N.º 1, 1958, Casimiro de Brito, Sete Poemas Rebeldes e Carta a Pablo Picasso, Faro [ed. de autor].

Capa da colecção «Silex».

Colecção «Silex»:
N.º 2, 1960, HORTA, Maria Teresa, Espelho Inicial, capa de Manuel Baptista, Faro [ed. de autora].

Colecção «Silex»:N.º 2, 1960, HORTA, Maria Teresa, Espelho Inicial, capa de Manuel Baptista, Faro [ed. de autora].

Capa da colecção «Silex».

Colecção «Silex»:
N.º 3, 1960, CAUTELA, Afonso, O nariz. Diário II, Faro [ed. de autor].

Colecção «Silex»:N.º 3, 1960, CAUTELA, Afonso, O nariz. Diário II, Faro [ed. de autor].

Capa da colecção «Silex».

  • 6 CRUZ, Gastão, “A poesia de 60”, in A Poesia Portuguesa Hoje, 2.ª ed., cor. eaum., Lisboa, Relógi (...)

19Como lemos, nenhuma destas colecções tem publicações de 1961. Este ano foi preenchido pelos cinco fascículos intitulados Poesia 61, da autoria de Fiama Hasse Pais Brandão, Casimiro de Brito, Gastão Cruz, Maria Teresa Horta, Luiza Neto Jorge e capa de Manuel Baptista, tratando-se, na perspectiva do próprio Casimiro, de uma espécie de confluência, não obstante a diversidade. Gastão Cruz considerou esta experiência poética como a “exploração das virtualidades da palavra – em particular do nome como imagem ou metáfora – destacando-a progressivamente no discurso ou na página”6.

Capa dos fascículos de Poesia 61.

Capa dos fascículos de Poesia 61.

Fonte: colecção particular de Artur Anselmo.

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Morfismos

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Canto adolescente

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

A noite percutiva

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Tatuagem

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.

Quarta dimensão

Fonte: colecção particular de Artur Anselmo.

Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.

Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.

Entre o Som e o Sul

Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.

Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.

Escassez

Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.

Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.

Intervalo

20A par das duas colecções, do grupo de jovens publicaram também, sob a forma de edição de autor e impressos na Cácima, E. M. Melo e Castro, Entre o Som e o Sul, capa de Manuel Baptista, 1960; Manuela Imar, Intervalo, capa de Hernâni Taveira e fotografia de Carlos Garcês, 1962; Gastão Cruz, Escassez, capa de Manuel Baptista, 1967.

21Devemos sublinhar o papel da Tipografia Cácima como actor indispensável à materialização deste movimento, que recebeu o grupo de novos poetas. Casimiro de Brito, em entrevista cedida, lembrou como Armelim Mendes Cácima foi generoso e decisivo para a concretização de um projecto para o qual não existia execução financeira: “quanto ao dinheiro não há problema, pagas metade e o restante é pago através de algumas horas aqui na tipografia”, declarou-lhe o tipógrafo. Foi assim que se tornou a oficina eleita destes autores, onde tranquilamente puderam decidir, discutir, acompanhar e até mesmo participar, com as suas próprias mãos, na composição da sua obra, vendo-a nascer e ganhar forma comercialmente.

22Paralelamente a este grupo, outros poetas publicavam aqui os seus textos, de índole poética muito diversa: Emiliano da Costa, Cândido Guerreiro, António Aleixo, António do Nascimento, Joaquim Magalhães, Alberto Marques da Silva, António Vicente Campinas, António António, Orlando Bica e António Fernandes Rodrigues.

  • 7 O “Grupo de Teatro do Círculo Cultural do Algarve” foi fundado por José de Campos Coroa e ensaiad (...)

23Faro viveu neste período mais um intenso momento intelectual, suportado por uma época de alguma estabilidade económica (estávamos no período pós-guerra), que permitiu o recrudescer do número de produções impressas por estes anos. A actividade cultural levada a cabo na cidade por diversos agentes, nomeadamente pelo Círculo Cultural do Algarve que fundou em 1958 o Grupo de Teatro7, visava reagir a um contexto ideológico desfavorável, que de vários quadrantes começara a dar sinais de fragilidades, reunindo vozes, divulgando-as, fazendo emergir ideias, pensadores, cultura.

A escolha da Tipografia Cácima: um acaso ou a herdeira de um percurso de vanguarda?

24Armelim Mendes da Assunção Cácima (Loulé, 03/11/1891 – Faro, 09/03/1977) foi o fundador da tipografia, a qual começou a laborar em 1924, sob a designação Tipografia Artes Gráficas. Tratou-se de uma sociedade com Cândido Valério, cuja duração não terá passado de seis anos de trabalho conjunto. Em 1930, a oficina, cuja primeira instalação foi no Largo Baleizão, 17, 1.º, foi transferida para a Praça Ferreira d’Almeida, n.os 22 e 23, alterando nessa mesma data a designação para Tipografia Cácima.

25Em 1960, o proprietário constituiu a empresa intitulada Armelim Mendes Cácima, Lda., sob a forma jurídica de uma sociedade por quotas, equitativamente distribuídas pelos sócios, o filho, Carlos dos Santos Cácima, e o genro, José Francisco. De acordo com o testemunho do neto, Mário Carlos Trigo Cácima, a constituição da empresa terá decorrido unicamente da necessidade de salvaguardar a herança dos filhos, uma vez que estava casado em segundas núpcias, pelo que, na prática, os novos sócios só o eram oficialmente, sem qualquer tipo de intervenção no negócio, até porque nenhum dos filhos seguiu o ofício do pai.

26Em 1971, Armelim Cácima afastou-se da sua oficina por motivos de doença e alugou a tipografia a alguns dos funcionários, nomeadamente a João Santos e a Joaquim Gonçalves Reis. Para além destes, continuaram aqui a trabalhar Bartolomeu Urbano Dias, Joaquim Guerreiro e João Casaca Mendinhos. Nas mãos dos arrendatários, a oficina foi deslocada para a Rua Conselheiro Bívar, onde permaneceu até ao seu fecho.

27A nova gerência não conseguiu manter a oficina durante muito tempo e, na segunda metade da década de 70, fechou definitivamente as portas. O parque foi então vendido à Tipografia Vargas, de Faro, que actualmente apenas conserva a guilhotina. Todas as outras máquinas foram trocadas aquando de novas aquisições. Oficialmente, a empresa ainda existe, estando a decorrer o processo para o seu encerramento.

28No que diz respeito à produção desta oficina, não nos enganemos, assentava maioritariamente nos típicos trabalhos comerciais: guias, facturas, recibos, envelopes, cartões… Segundo Casimiro de Brito, para o tipógrafo “publicar livros não era negócio para a tipografia, daí que fosse de facto uma questão de boa vontade”. Manuel Baptista lembra do oficial a sua postura moldada pelos anos de trabalho e define-o com uma imagem que, de resto, muito foi utilizada nas décadas que agora vimos tratando: “via-o ali, sempre agarrado às máquinas, corcunda. Era um rato, um autêntico rato do trabalho.”

29Mas quem foi, afinal, este tipógrafo que não se incomodava com a presença dos jovens e disponibilizou a sua oficina para lá comporem, imprimirem e encadernarem os seus textos, nada do agrado da censura?

30Armelim Mendes da Assunção Cácima, instruído com a 4.ª classe, começou como aprendiz de tipógrafo na Tipografia Folha de Loulé aos treze anos. Ainda na primeira década do século XX, deslocou-se para Tavira, para a Tipografia Burocrática (1882-1912), propriedade de José Maria dos Santos, tendo-a dirigido até ao seu encerramento. Nesta data, a oficina e a propriedade do jornal que aí se imprimia (O Heraldo. Antigo Jornal d’Annuncios) foram comprados por Carlos Augusto Lyster Franco e por João Pedro de Sousa e o parque tipográfico instalado na Rua 1.º de Dezembro, n.os 21, 23 e 27, onde tinha funcionado o extinto Teatro 1.º de Dezembro. Armelim Cácima acompanhou a oficina e foi ele quem a instalou e dirigiu até 1915, agora sob a designação Tipografia Democrática (1912-1917?).

31No início dos anos 20, regressou a Tavira, onde foi co-proprietário da Tipografia Democrática (1908-1923), numa sociedade por quotas partilhada com António Germano Lopes, e foi administrador do jornal A Folha Tavirense, que aí se imprimiu. Em 1924, já se encontrava novamente em Faro, fundando, como vimos, a Tipografia Artes Gráficas, cujo parque adquiriu a Carlos Augusto Lyster Franco, da antiga Tipografia Democrática.

32Armelim Cácima pertenceu à “terceira geração” de tipógrafos algarvios da época moderna. Nascido no final do século XIX, iniciou a sua actividade já no século XX. A antecedê-lo, e ainda vivos no período em que Armelim Cácima começou o ofício, estiveram Jaime Quirino Chaves e Francisco Soares Ferreira Lisboa, os primeiros tipógrafos profissionais que o Algarve conheceu e os mestres em quase todos os concelhos da região, tendo inaugurado a arte tipográfica em muitos deles. Armelim Cácima foi aprendiz dos aprendizes daqueles dois oficiais.

33Quando Armelim Cácima se deslocou para Tavira, para a reputada Tipografia Burocrática, foi, creio, para substituir precisamente Jaime Quirino Chaves que a havia instalado e dirigido e estava de saída para Olhão, onde foi dirigir a Tipografia Democrática (1888-1921), do seu amigo Gustavo Adolfo Manuel Cabrita. Não terá sido um desafio fácil para Armelim Cácima; Jaime Quirino Chaves era conhecido em toda a província pelo esmero do seu trabalho. Tornou-se no único caso em que a imprensa regional coeva, quando publicitava a edição de uma obra saída dos prelos da Tipografia Burocrática, fazia-o acompanhando o anúncio de felicitações ao chefe da oficina. Esta foi mesmo um dos centros de produção literária no final do século XIX. Aqui imprimiram os seus textos Ataíde Oliveira, Cândido Guerreiro, João Lúcio, Salazar Moscoso, Joaquim Rodrigues Davim, António Lobo de Almada Negreiros, para apenas referir alguns.

34Pelas colunas d’ O Heraldo («Antigo Jornal d’Annuncios»), chegavam textos, muitos inéditos, de Raul Proença, Manuel Teixeira Gomes, Joaquim Ribeiro de Carvalho, Maria Veleda, José Ribeiro de Castanho, Bernardo de Passos e Bernardo de Passos Júnior, Jaime Cunha, entre outros.

35Na época em que Armelim Cácima a dirigiu, eram colaboradores do jornal O Heraldo («Antigo Jornal d’Annuncios») e alguns frequentadores da oficina Carlos Augusto Lyster Franco, Ludovico de Meneses, Joaquim Rodrigues Davim, Salazar Bartolomeu Moscoso, Bernardo de Passos e Joaquim Ribeiro de Carvalho. É, portanto, aqui que Armelim Cácima vive a transição para a República e contacta com alguns dos mais fervorosos defensores do novo regime político, quer a nível regional (Carlos Lyster Franco, por exemplo), quer a nível nacional (Joaquim Ribeiro de Carvalho). É aqui que aprende com José Maria dos Santos a arte da isenção como forma de garante da sobrevivência comercial. Mas é também nesta oficina que Armelim Cácima contacta com escritores, redactores, poetas, historiadores, advogados, professores com a elite intelectual da província.

  • 8 Cfr. SILVEIRA, Pedro da, O que Soubemos logo em 1909 do Futurismo, separata da Revista da Bibliot (...)

36É sob a sua direcção tipográfica que, a 1 de Agosto de 1909, O Heraldo publica como artigo de fundo o texto intitulado “O Futurismo”, assinado por [Joaquim] Ribeiro de Carvalho. Conheciam-se apenas sobre este assunto duas publicações em Portugal, datadas de 1909, a de Xavier de Carvalho, no Jornal de Notícias (Porto, 26/02), e a de Luís-Francisco Bicudo, no Diário dos Açores (05/08)8. Esta última foi, durante muito tempo, considerada a primeira publicação sobre o novo movimento literário: O Heraldo antecedeu-a quatro dias, não existindo entre os dois textos qualquer relação no que se refere à autoria.

  • 9 FRANCO, Carlos Lyster, “Futurismo”, O Heraldo, n.º 367, 04/02/1917.

37Em Faro, montando e dirigindo a Tipografia Democrática, ao serviço do escritor e pintor Carlos Augusto Lyster Franco e do advogado João Pedro de Sousa, directores do novo Heraldo(«Bi-Semanário Republicano Democrático»), Armelim Cácima foi testemunha dos grandes entusiasmos ideológicos, protagonizados pelos dois directores a favor da República; presenciou por várias vezes o peso da censura sobre o jornal que compunha e imprimia e continuou fazendo parte de um ambiente cujas preocupações políticas e estéticas eram constantes. Ali presenciou a chegada dos mais novos, a quem Carlos Lyster Franco acolhia nas páginas do seu jornal, na sua oficina e no seu ateliê de pintura que ficava no primeiro andar. Foi afinal aqui que, em 1917, se publicaram textos futuristas “de vários adeptos de tal escola”9, nomeadamente de Fernando Pessoa, Almada Negreiros e de Mário de Sá-Carneiro. Também do Algarve partiu a direcção da revista que pontificou este movimento, Portugal Futurista, dirigida por Carlos Porfírio, algarvio e amigo de longa data de Lyster Franco.

38De regresso a Faro, em 1924, Armelim Cácima comprou o parque tipográfico, que desde muito novo conhecera, a Lyster Franco, assumindo, por sua conta, os destinos da oficina. Nos primeiros anos editou alguns textos; em livro apenas o de José Júlio Rodrigues, Silhuetas e Visões; depois os anos tornaram-se economicamente difíceis e a necessidade de manter o negócio não era compatível com aventuras editoriais.

39Chegado aos anos 50, com melhorias económicas assinaláveis, Armelim Cácima tem cerca de 60 anos. Está cansado e moldado pelo trabalho: «parecia o espírito das máquinas, um seu prolongamento, como se lá estivesse sempre, vinte e quatro sobre vinte quatro horas», declarou Casimiro de Brito. Mas esta perenidade de que nos fala o poeta não se aplicou somente ao aspecto material; Armelim Cácima soube, como noutros tempos já presenciara, receber os novos, dar-lhes guarida e espaço. Casimiro e Manuel Baptista lembram a sua bondade e disponibilidade: “gostava de ter os jovens por ali, abriu-lhes as portas, mas não se metia.” Não se intrometia: conhecia bem os mecanismos que lhe permitiam manter a porta aberta. De resto, foi ainda visitado pela Censura algumas vezes, ora por ocasião dos Cadernos do Meio-Dia, ora por ocasião do Vietname… em nome da liberdade.

40Armelim Mendes da Assunção Cácima constituiu portanto o elo entre três marcantes oficinas tipográficas algarvias (única do ponto de vista do parque tipográfico) – a Burocrática (Tavira), a Democrática (Faro) e a Cácima (Faro) –, onde foram impressos os textos que desenharam dois importantes movimentos de vanguarda do século XX: o Futurismo e a Poesia 61. No primeiro, o acaso o fez testemunha; no segundo, a sua experiência e o seu espírito determinaram-lhe o berço.

Topo da página

Bibliografia

BRITO, Casimiro de, “Um pouco de Pré-história”, Relâmpago, n.º 18, Lisboa, Fundação Luís Miguel Nava, 2006.

COROA, Emílio Campos, O Teatro Amador em Faro. 1845-1964, 119 anos de teatro amador, Faro, Grupo de Teatro do Círculo Cultural do Algarve, 1964.

CRUZ, Gastão, “A poesia de 60”, in A Poesia Portuguesa Hoje, 2.ª ed., cor. eaum., Lisboa, Relógio d’Água, Set./1999, pp. 197-217.

FERNANDES DA SILVEIRA, Jorge, Portugal Maio de Poesia 1961, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1986.

MATTOSO, José (dir.), “A lenta agonia do Salazarismo”, in O Estado Novo (1926-1974), coordenação de Fernando Rosas, com a colaboração de Fernando Martins, Luciano do Amaral e Maria Fernanda Rollo, vol. II, Lisboa, Editorial Estampa, 1994, pp. 503-543.

MOREIRA, António, “A crise: do «terramoto Delgado» ao golpe de Beja”, in António Reis (coord.), Portugal Contemporâneo (1958-1974), Lisboa, Publicações Alfa, S.A., 1989, pp. 21-36.

NETO, Teodomiro, “Do Pentateuco ao Grito Claro”, Anais do Município de Faro, vols. XXXI e XXXII, Faro, Câmara Municipal de Faro, 2003, pp. 78-105.

NOGUEIRA, Alberto Franco, O Estado Novo. 1933-1974, com prefácio de Marcelo Rebelo de Sousa, Porto, Livraria Civilização Editora, 2002.

NOGUEIRA, Alberto Franco, Salazar. O Ataque (1945-1958), vol. IV, Coimbra, Atlântida Editora, 1980.

NOGUEIRA, Alberto Franco, Salazar. A Resistência (1958-1964), vol. V, Minho, Editora Civilização, 2000.

OLIVEIRA, César, “Ascensão e consolidação do Estado Novo. A aparente quietude dos anos 50”, in António Reis (coord.), Portugal Contemporâneo (1926-1958), vol. IV, Lisboa, Publicações Alfa, S.A., 1991, pp. 75-80.

PALMA, Patrícia de Jesus, A Produção Literária Impressa no Algarve durante os Séculos XIX e XX, dissertação de mestrado, Lisboa, FCSH, 2008.

RAIMUNDO, Hélder F., «Casimiro de Brito e o “Movimento Prisma” em Loulé», al-‘ulyà. Revista Arquivo Municipal de Loulé, Loulé, Câmara Municipal, n.º 11, 2006, pp. 245-253.

ROCHA, Clara, Revistas Literárias do Século XX em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985.

SANTOS, Américo Ramos dos, “Abertura e bloqueamento da economia portuguesa”, in António Reis (coord.), Portugal Contemporâneo (1958-1974), Lisboa, Publicações Alfa, S.A., 1989, pp. 109-150.

VIEIRA, Joaquim (coord.), “Terra em transe” e “O capitalismo sem complexos”, in Portugal Século XX: Crónica e Imagens, vol. VII, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998.

SILVEIRA, Pedro da, O que Soubemos logo em 1909 do Futurismo, separata da Revista da Biblioteca Nacional, n.º 1, 1981, pp. 90-103.

Topo da página

Notas

1 VIEIRA, Joaquim (coord.), «Terra em transe», in Portugal Século XX. Crónica e imagens, vol. VII, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 23.

2 Não obstante esta perspectiva optimista do estado financeiro de Portugal, não se pense que toda a população usufruía das consequências destas condições. Franco Nogueira sublinha o desfasamento: «Na província, e em particular nas zonas rurais, são ainda grandes as faltas, e é ainda atrasado o ambiente da vida social. Poderá talvez afirmar-se que alguns dos grandes investimentos públicos não produziram todos os benefícios socioeconómicos que seria lícito esperar (…)». NOGUEIRA, Franco, O Estado Novo. 1933-1974, prefaciado por Marcelo Rebelo de Sousa, Porto, Livraria Civilização Editora, p. 408.

3 VIEIRA, Joaquim (coord.), «Terra em transe», in Portugal Século XX. Crónica e imagens, vol. VII, Lisboa, Círculo de Leitores, 1998, p. 23.

4 Cfr. PALMA, Patrícia de Jesus, A Produção Literária Impressa no Algarve durante os Séculos XIX e XX, Lisboa, FCSH, 2008, dissertação de mestrado, pp. 194-198.

5 Cfr. RAIMUNDO, Hélder F., «Casimiro de Brito e o “Movimento Prisma” em Loulé», al-‘ulyà. Revista Arquivo Municipal de Loulé, Loulé, Câmara Municipal, n.º 11, 2006, pp. 245-253.

6 CRUZ, Gastão, “A poesia de 60”, in A Poesia Portuguesa Hoje, 2.ª ed., cor. eaum., Lisboa, Relógio d’Água, Set./1999, p. 207.

7 O “Grupo de Teatro do Círculo Cultural do Algarve” foi fundado por José de Campos Coroa e ensaiado por este, por Joaquim Magalhães e por Emílio Campos Coroa. O grupo de amadores era praticamente todo ele constituído por antigos alunos da Escola Industrial de Faro ou do Liceu, contando-se entre eles professores, médicos, engenheiros, estudantes, empregados de escritório, empregados comerciais, donas de casa. Em sete anos (1958-1964) este grupo, premiado várias vezes, levou à cena Gil Vicente, Shakespeare, Calderon de la Barca, Molière, António Ferreira, Tchecov, Fernando Pessoa, Bernardo Santareno, entre muitos outros. Promoveram recitais de poesia, incluindo Emiliano da Costa, Teixeira de Pascoaes, Fernando Pessoa, José Gomes Ferreira e António Ramos Rosa. Para o leitor interessado na história deste grupo, recomenda-se a leitura de COROA, Emílio Campos, O Teatro Amador em Faro. 1845--1964, 119 anos de teatro amador, Faro, Grupo de Teatro do Círculo Cultural do Algarve, 1964.

8 Cfr. SILVEIRA, Pedro da, O que Soubemos logo em 1909 do Futurismo, separata da Revista da Biblioteca Nacional, n.º 1, 1981, pp. 90-103.

9 FRANCO, Carlos Lyster, “Futurismo”, O Heraldo, n.º 367, 04/02/1917.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Capa de poemas de solidão imperfeita
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 56k
Título Capa de O Grito Claro, de António Ramos Rosa
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 40k
Título Capa de Cadernos do Meio-Dia, n.º 5
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 80k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 1, 1958, ROSA, António Ramos, O Grito Claro, Faro [Casimiro de Brito].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 2, 1959, BRITO, Casimiro, Telegramas, capa de Álvaro Fialho, Faro [ed. de autor].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 3, 1959, BRANDÃO, Fiama Hasse Pais, O Aquário, capa de Luiza Neto Jorge [ed. de autora e de Casimiro de Brito].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 4, 1960, JORGE, Luiza Neto, Noite Vertebrada, capa da autora, Faro [ed. de autora].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 5, 1962, BRITO, Casimiro de (trad.), Poemas Orientais, capa de João Reis, Faro [ed. de autor].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 6, 1964, NUNES, Candeias, O Tempo e os Sinais, Faro, [ed. de autor].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Colecção «A Palavra»:N.º 7, 1968, HONORATO, Ilídia, Políptico do Amor, Faro, [ed. de autora].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Título 7 Colecção «A Palavra»:N.º 8, 1967, BRITO, Casimiro de, Vietname… Em nome da liberdade, Faro [ed. de autor].
Legenda Capa da colecção «A Palavra».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-11.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Colecção «Silex»:N.º 1, 1958, Casimiro de Brito, Sete Poemas Rebeldes e Carta a Pablo Picasso, Faro [ed. de autor].
Legenda Capa da colecção «Silex».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-12.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Colecção «Silex»:N.º 2, 1960, HORTA, Maria Teresa, Espelho Inicial, capa de Manuel Baptista, Faro [ed. de autora].
Legenda Capa da colecção «Silex».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-13.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Título Colecção «Silex»:N.º 3, 1960, CAUTELA, Afonso, O nariz. Diário II, Faro [ed. de autor].
Legenda Capa da colecção «Silex».
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-14.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Capa dos fascículos de Poesia 61.
Créditos Fonte: colecção particular de Artur Anselmo.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-15.jpg
Ficheiros image/jpeg, 56k
Título Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.
Legenda Morfismos
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-16.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.
Legenda Canto adolescente
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-17.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.
Legenda A noite percutiva
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-18.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.
Legenda Tatuagem
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-19.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título Capas dos cinco fascículos de Poesia 61.
Legenda Quarta dimensão
Créditos Fonte: colecção particular de Artur Anselmo.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-20.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.
Legenda Entre o Som e o Sul
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-21.jpg
Ficheiros image/jpeg, 52k
Título Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.
Legenda Escassez
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-22.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Título Capas de Entre o Som e o Sul, Intervalo e Escassez.
Legenda Intervalo
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/203/img-23.jpg
Ficheiros image/jpeg, 41k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Patrícia de Jesus Palma, « Tipografia Cácima », Cultura, Vol. 28 | 2011, 125-140.

Referência eletrónica

Patrícia de Jesus Palma, « Tipografia Cácima », Cultura [Online], Vol. 28 | 2011, posto online no dia 23 Abril 2013, consultado a 28 Abril 2017. URL : http://cultura.revues.org/203 ; DOI : 10.4000/cultura.203

Topo da página

Autor

Patrícia de Jesus Palma

É doutoranda no curso de Estudos Portugueses – História do Livro e Crítica Textual, da FCSH-UNL, realizando a sua investigação em torno da formação da cultura literária em espaço periférico (Algarve: 1820-1920). O projecto é apoiado pela FCT e é desenvolvido no âmbito do grupo de investigação «Livro e Leitura» do Centro de História da Cultura.
Patrícia de Jesus Palma is doing a PhD in Portuguese Studies, with a speciality in History of the Book and Textual Criticism, at the FCSH-UNL. Her research project is on the building of the literary culture in a periphery (Algarve: 1820-1920). The project has a FCT scholarship and is pursued within the research group “Books and Reading”, at the CHC UNL.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org