Navegação – Mapa do site
Recensões críticas

Rocha, Clara, A caneta que escreve e a que prescreve. Doença e medicina na literatura portuguesa

Lisboa, Verbo, 2012, 377 pp.
Adelino Cardoso
p. 343-347
Referência(s):

Clara Rocha, A caneta que escreve e a que prescreve. Doença e medicina na literatura portuguesa, Lisboa, Verbo, 2012, 377 pp.

Texto integral

1A caneta que escreve e a que prescreve é uma obra única no panorama da pro­dução literária nacional e que representa um contributo notável para o desen­volvimento de uma promissora área de estudos no espaço lusófono: a medicina narrativa, que visa a aproximação entre a medicina e as humanidades, com impli­cações directas na prática clínica.

2A vasta antologia, que não é nem pretende ser exaustiva, abre com um prefácio de Rui Vilar, que constitui uma reflexão fina e bem documentada sobre a génese desta obra, sobre a plurali­dade de sentidos da doença (física, psíquica, individual, colectiva, real ou metafórica) e sobre a forte presença da medicina na literatura portuguesa: “[…] raros são os autores que compõem o cânone literário português em cuja obra não encontremos textos, passa­gens de textos ou simples referências a temas médicos” (p. 13). Clara Rocha e Teresa Jorge Ferreira, que colaborou na organização do volume, realçam o vín­culo entre “a representação da doença” e “a produção literária” (p. 15).

  • 1 Meirinhos, José, Bibliotheca Manuscripta Petri Hispani. Os manuscritos das obras atribuídas a Pedro (...)

3Ao longo de 365 páginas, alinham-se 129 autores segundo uma ordem crono­lógica, abrindo com Pedro Hispano e fechando com José Luís Peixoto. Os dois excertos selecionados de Pedro Hispano são de uma grande beleza literária e focam duas doenças reconhecidas ao longo de toda a história da medicina (olhos e coração). Apesar dos equívocos e porventura logros que envolvem a atri­buição de A Medicina dos Pobres a Pedro Julião, Papa João XXI, a cujo respeito José Meirinhos é fortemente convin­cente,1 a inserção destes excertos justi­fica-se pela inscrição de Pedro Hispano, enquanto putativo médico e autor de obra médica, na cultura portuguesa. O texto final, de José Luís Peixoto, assume a finitude radical inerente à condição humana, tão cruamente expressa pela morte, que suscita uma atitude ambiva­lente: medo e desejo ao mesmo tempo. A pulsão de morte, que se insinua em diferentes textos da antologia, habita o corpo do poema: “(…) agora, escolho entre a terra, sob as árvores, um lugar bonito, simples, para morrer”.

4A relativa escassez de médicos­-escritores, nove num universo de cento e vinte e nove, sendo que um deles, Manuel Laranjeira, assume o discurso do doente e não do médico, não cons­titui propriamente um problema numa obra que tão exemplarmente evidencia a escrita como modo de acolhimento da dolência, nas múltiplas formas com que afecta a existência humana. De facto, a riqueza deste livro reside em larga medida na grande variedade de registos: conselhos médicos, elogio de figuras médicas (João Semana no texto de Júlio Dinis; Magalhães Coutinho no texto de Bulhão Pato, Francisco Sanches no texto de Jorge Sena), reflexão sobre a doença e seu significado, narrativa da experiência subjectiva da dor, doença, sofrimento, crítica/sátira do médico e sua função, situações específicas da prática hospitalar ou ainda a função curativa da escrita (um outro tipo de caneta, exercida por Antero de Quental e Cesário Verde).

5Os textos medievais, da autoria de Afonso Eanes do Cotom, Fernão Lopes e D. Duarte, cada um à sua maneira, são exemplares. Em tom irónico, Cotom faz o retrato do médico letrado, mas inapto para bem cuidar e tratar “as gentes”.

6O texto de Fernão Lopes, no estilo peculiar do autor, que simultanea­mente descreve acontecimentos e situações e pinta as paixões e virtudes da alma humana, apresenta o fenómeno da peste nas hostes do invasor castelhano por ocasião do cerco de Lisboa, como se essa guerra fosse a réplica de uma outra, misteriosa, mas absolutamente certeira, conduzida pela justiça divina, que quis por meio da peste assinalar bons e maus: a mão invisível do Altíssimo fez uma separa­ção clara entre vulneráveis ao contágio da peste e imunes. Encontramos aqui um selo da eleição divina de Portugal e do seu povo, em contraste com os seus inimigos, ostensivamente castigados: “E era gram maravilha per juizo a nós nom conhecido, que em fervor de tamanha pestelença, neuũ dos fidalgos portu­gueses que i andavom nem prisoneiros, ou doutra qualquer guisa, que neuũ nom morria de trama nem era tocado de tal door” (p. 26). Da cidade passa­mos com D. Duarte ao espaço íntimo da doença mental na forma mais típica do seu tempo: a afecção melancólica. O texto do nosso Rei-Filósofo vale pela descrição e pelo modo da cura, em que a compaixão, no sentido forte de sentir a dor do outro, joga um papel impor­tante: “E estando em tal estado, a mui virtuosa Rainha, minha senhora e madre que Deos haja, de pestelencia se finou, do que eu filhei assi gran sentimento que perdi todo receo: a ela, em sa infir­midade, sempre me cheguei e a servi, sem alguũ empacho, como se tal door nom sentisse. E aquesto foi começo de minha cura, porque sentindo ela, leixei de sentir a mim” (p. 30).

7A narrativa na primeira pessoa, inau­gurada por D. Duarte, na qual se inscre­vem os textos de Antero de Quental, Ângelo de Lima, Manuel Laranjeira, José Régio, Mário Dionísio, José Cardoso Pires, Maria Gabriela Llansol, Fernando Assis Pacheco e Marcello Duarte Mathias, alcança uma intensidade afectiva muito comovente. A carta de Manuel Laranjeira a Unamuno é um dos textos mais mar­cantes desta Antologia, no qual se faz o diagnóstico do trágico contágio suici­dário de um povo em estado de morte antecipada: “tenho a impressão intole­rável e louca de que em Portugal todos trazemos os olhos vestidos de luto por nós mesmos” (p. 152).

8Saúde e doença são fenómenos humanos totais, que afectam a per­cepção de si, a relação com o outro e a tonalidade do mundo envolvente, como bem diz Álvaro de Campos: “Tenho uma grande constipação, / E toda a gente sabe como as grandes constipações / Alteram todo o sistema do universo” (p. 165). Mas é no corpo que, mais comumente, sentimos o mal da doença. Em diferen­tes registos, a antologia apresenta-nos descrições impressionantes do estado de degradação do corpo. Veja-se o estilo realista com que Camões, em várias estrofes de Os Lusíadas, pinta o quadro da “doença crua e feia” por força da qual a carne “Apodrecia com fétido e bruto cheiro” (p. 59). António Nobre lança um olhar atento sobre a morte anunciada da “pobre tísica” e sofrimento da mãe: “Ó pobre Mãe, que tanto a amas, / Cautela!” (p. 142). Raul Brandão faz o retrato de Guerra Junqueiro, “reduzido a pele, osso e espírito” (138). Mário Cláudio descreve o estado agonizante de Amadeo de Sousa Cardoso: “Amadeo flutuava entre o pavor e a vontade que, na iminência da cessação de suas faculdades, ia também ela capitulando um pouco” (315). Com melancólica lucidez, Teixeira de Pascoaes fala do envelhecimento como o Outono da vida, uma doença “da minha alma que desfalece” (p. 154). Herberto Helder fala da perturbação íntima causada por doença estigmatizante.

9A doença fragiliza e apela ao cuidado, que é uma dimensão do acto médico, mas envolve igualmente a comunidade sob formas diversas: fami­liares, próximos ou voluntários. Vitorino Nemésio, Branquinho da Fonseca e Luísa Dacosta descrevem figuras de cui­dadores. Alberto Pimenta faz o retrato impiedoso do reverso do cuidador na figura do filho-da-puta que vive da des­graça alheia: “Nada atrai mais o filho­-da-puta, nada o consola tanto como o relato da doença ou da crise que assola os outros” (p. 293).

10A relação médico-doente ins­pira uma reflexão densa de Teolinda Gersão, sobre a potência da linguagem e a dificuldade da escuta. O dis­curso tecnicista no qual tantas vezes o médico se refugia é objecto da crí­tica de Gonçalo M. Tavares e de Maria Judite de Carvalho, que evidencia a fragilidade agravada (“encontrei-me de caras com a morte”) do doente após lhe ser comunicada “uma verdade pomposa, carregada de palavras difí­ceis, muito técnicas” (p. 239).

11A crítica do médico incompetente e, mais radicalmente, da inutilidade da própria arte médica é um tópico recorrente, que alimenta o verbo de Gil Vicente, Bocage, Eça de Queiroz, Nuno Bragança e Bernardo Santareno, que encena com grande acutilância o con­traste entre a linguagem esotérica e a ineficácia terapêutica. Por seu lado, o elogio de figuras médicas exemplares é empreendido por Júlio Dinis, que enal­tece o proverbial João Semana, Bulhão Pato, que evoca Magalhães Coutinho, e Jorge de Sena, que homenageia Francisco Sanches.

12O hospital tornou-se uma institui­ção basilar de saúde, havendo a regis­tar um número significativo de autores cujo texto versa a realidade hospita­lar: Sophia de Mello Breyner Andresen evoca o hospital como o lugar de uma “dor absurda e desmedida”; Ruben A. relata a experiência de atendimento nas urgências de um hospital, de um modo distanciado e indiferente; A. M. Pires Cabral descreve uma cena degradante na urgência hospitalar; Maria Velho da Costa denuncia a objectivação da “Doida” no hospital; Mário Sá-Carneiro apresenta o quarto do hospital como lugar de desconfortável isolamento; Maria Ondina Braga aponta o quoti­diano triste de uma doente internada desde a infância numa leprosaria. Hospitalidade significa acolhimento do outro e, efectivamente, estar no hos­pital é não estar em casa, como bem referem Sebastão da Gama e David Morão-Ferreira, o primeiro evocando o conforto da visita ao doente internado no hospital e o segundo, o calor inte­rior da consoada em casa quando se está hospitalizado. Irene Lisboa evoca o lento voltar a si e à comunicação da parte da paciente operada; Manuel António Pina reflecte sobre o interna­mento, experiência de si e do outro; José Agostinho Baptista e Adília Lopes descrevem o estado de abandono e de impotência na enfermaria: “agora jazo / incompleta” (p. 356). Do lado médico, António Lobo Antunes aponta a dificul­dade de bem exercer ao nível profissio­nal e humano a psiquiatria no espaço da urgência hospitalar e interroga-se sobre “como resistir de dentro, quase sem ajuda, à inércia ineficaz e mole da psiquiatria institucional” (p321).

13O significado da doença, física ou psíquica, é abordado em tons diversos por Camilo Pessanha, Bernardo Soares, Virgílio Ferreira, Agustina Bessa Luís, Mário Henrique Leiria, João de Melo, J. Sousa Braga e Al Berto, que vê na sida um “corpo a encher-se de mágoa”.

14Vários outros tópicos são abor­dados nesta antologia: saúde pública (Camilo Castelo Branco), erro médico (Almeida Faria), medicina moderna ver­sus medicina popular (Aquilino Ribeiro, Manuel da Fonseca, João Aguiar), a motivação do jovem médico na escolha da sua profissão (Augusto Abelaira).

15No que respeita ao exercício da arte, o texto de Fernando Namora é particularmente relevante. O médico­-escritor narra a prova de fogo a que se viu submetido pelo “povo granítico” de Monsanto, que o recebeu com indisfar­çável hostilidade, mas cuja confiança Namora ganhou ao mostrar o seu pró­prio valor num parto difícil, que “a coma­dre” não conseguiu levar a bom termo. Num outro plano, merece destaque a reflexão e o testemunho de Miguel Torga relativamente à intimidade entre medi­cina e literatura: “A caneta que escreve e a que prescreve revezam-se harmonio­samente na mesma mão” (p. 201).

16A escrita tem uma função terapêu­tica, bem patente no texto de Cesário Verde, que, no final de um poema no qual exprime a dor de viver da “pobre engo­madeira”, “tísica”, “Pobre esqueleto branco entre as nevadas roupas!”, num tom ambi­valente entre o distante e o compassivo, remata: “estou melhor” (p. 122). Saúl Dias assume a alegria do poeta doente, que persiste em escrever; Marcelo D. Mathias refere o significado da companhia do seu diário na doença; Vasco Graça Moura atribui à arte poética a função de acolher o coração doente: a arte do poeta existe para que “alguém” “faça do interior do poema a sua casa” (p. 318).

17O médico-poeta João Luís Guimarães introduz a leitura, que completa o acto de escrita, na sala de operações, pela voz da paciente, assumindo o lado subversivo do gesto e, num tom irónico, aguardando punição: “ser chamado à direcção” ou “a expulsão” (p. 361). Possa, de facto, a lite­ratura contribuir para a subversão da prá­tica médica, no domínio da relação e dos valores!

Topo da página

Notas

1 Meirinhos, José, Bibliotheca Manuscripta Petri Hispani. Os manuscritos das obras atribuídas a Pedro Hispano. Lisboa: F. C. Gulbenkian, 2011, pp. XXIV-XXVII.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Adelino Cardoso, « Rocha, Clara, A caneta que escreve e a que prescreve. Doença e medicina na literatura portuguesa », Cultura, Vol. 32 | 2013, 343-347.

Referência eletrónica

Adelino Cardoso, « Rocha, Clara, A caneta que escreve e a que prescreve. Doença e medicina na literatura portuguesa », Cultura [Online], Vol. 32 | 2013, posto online no dia 18 Maio 2015, consultado a 25 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2124

Topo da página

Autor

Adelino Cardoso

Centro de História da Cultura, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org