Navegação – Mapa do site
Contextos

Mas, afinal, o que é uma biblioteca?

Como se de uma aula de História Moderna se tratasse
António Camões Gouveia
p. 21-28

Texto integral

Primeiro registo – o histórico. O que é uma Biblioteca I. Apontamentos. (para aulas e futuras investigações)

1A importância da leitura, e das suas aprendizagens, e do livro, na sua construção enquanto objecto de saber. O livro como "bem cultural", depois, temporalmente explorado como património, ou por um conjunto de leitores credenciados, normalmente intelectualizados, a quem poderemos chamar "produtores de ideias", ou por um grupo local, "eruditos", ou nacional, "políti­cos" (?), constroem o livro como objecto de valor acumulado, fruto da técni­ca e transporte expresso de pensamento.

2Toda esta constatação é mais flagrante e perceptível, uma vez abando­nado, ou pelo menos acantonado, o livro do copista, raro, precioso e muito re­ligioso e imposto o objecto impresso, percorrendo espaços de línguas diferen­tes, tornando o autor existente mas não conhecível.

3Aperfeiçoadas as técnicas, por novas profissões da cidade, os exímios técnicos e artistas, detentores de saberes próprios, impressores-tipógrafos e gravadores, multiplicado o livro, embaratecido na produção e consequente aquisição, desenvolve-se um comércio pouco suspeitado até aí, o mercado li­vreiro, possivelmente uma das primeiras áreas de comércio cultural desenvol­vidas na história da Europa. Porque tudo isto é Europa, uma Europa muito do centro, articulado com um eixo renano próspero e, sobretudo, necessitando de afirmação de autonomia.

4É importante voltar aos conteúdos. O crescimento dos livros em circulação, e consequente número possível de leitores, obriga a referir que as temáticas religosas se mantêm e predominam. A ideia do livro "muito religioso", escrito por gente da religião para gente da religião e dentro dos cânones da religião, é agora, este agora refere o tempo explosivo da primeira modernidade, o tempo do Renascimento/Reformas, uma necessidade de diferença.
No livro se passam a condensar os saberes críticos que ultrapassam a "relectio" escolástica, numa afirmação do acesso aos textos originais, "nascimento", libertos de comentários e glosas interlineares e marginais, descomplexificados dos saberes de interpretações de vário nível, todas elas proporcionadoras de envolventes cerzimentos de "ideias feitas", como que filtros de acesso ao original. Aceder a esses originais, "re-nascer", implicou, pois que o livro religioso mantivesse a primazia de impressão, divulgação, venda e leitores.

5Mas esse religioso era construído num racional exercício de "livre-exa­me". Fixam-se textos, comparando versões, recusando intromissões de escri­bas anteriores, apontando novas possibilidades de leitura, novas e diferentes linhas e páginas restauradas. Procura fixar-se o complexo conjunto de livros que é a Bíblia (neste sentido a Bíblia não é um exemplo acabado de Biblio­teca?). Intrometem-se autores, mais ou menos teólogos, "humanistas", na árdua tarefa de descortinar historicidade nos textos de "mão divina". Vão mais longe. Tentam rectificar as traduções, o que ali se diz a alguns em latim, pode ser dito, e por vezes de forma mais correcta, a muitos, em linguagem de todos os dias. Revolução que se soma à da imprensa, ou fusão de ideias e práticas de cultura?

6Paralelo aos livros do religioso crescem os de outros poderes, do Prín­cipe e sobre o Príncipe, daqueles que executam ou têm formas próprias de executar, com leis (juristas, "burocratas modernos", ...), com aritmética e álge­bra (mercadores, navegadores, ...), com novos saberes (cartógrafos, astróno­mos, botânicos, anatomistas, ...) ou simplesmente dos que "civilizam", as mais das vezes "cristãmente" (missionários, pregadores, ...), e querem deixar correr os seus sentimentos e gosto de adorar a Deus, ver e criticar os homens, suspi­rar pelo amor das mulheres e observar o mundo (poetas, viajantes, ... mas, também músicos, gravadores, que indelevelmente tão associados estão ao livro!, pintores, ... gente do nascente teatro).

7Livro, livros, muito mais livros; uma circulação que cria novas profis­sões, um mercado, um primeiro mercado de cultura, uma diferença que tem por base a crítica e que resulta em multiplicação.

8Muitos livros. Livros que crescem longe dos "scriptorium", que se coleccionam, que se arrumam, que, fisicamente, conduzem o saber do autor, condensado em escrita impressa até à Biblioteca (a ideia e este percurso estão desde logo expressos no título da feliz síntese de Bouza Álvarez). A Biblioteca como acumulação/colecção não é novidade, tem até o mérito de possibilitar um excurso a propósito das Bibliotecas da Antiguidade, sobretodas, Alexan­dria. Mas a Biblioteca pode ser "não física", pode ser uma colecção de saberes e opiniões que estão contidos em livros que se referem, citam ou "arrumam" em catálogo (aqui nunca será de mais referir a magistral e majestática Bihliotheca Lusitana (1741-1759) de Diogo Barbosa Machado e remeter para o exemplar trabalho sobre a "Biblioteca" de Jorge Cardoso estudada por Maria de Lurdes Correia Fernandes).

9Tudo isto são deias de síntese, com muitas problemáticas a desenvolver e chamadas de atenção aos limites da interpretação.

10Primeira conclusão possível: uma Biblioteca é um conjunto de livros.

Primeiro registo – o histórico-documental. O que é uma Biblioteca 2. Fichas de excertos de antologia. (passagens a comentar ou a citar)

11[uma biblioteca de poetas lusitanos]

12Diogo Bernardes (1530-1605). O Lima (1596).

13Carta XXX. A Gaspar de Sousa sobrinho do mesmo Dom Cristovão de Moura.

“(…).

Naõ morri nunca por juntar tisouro,

Nunca pretendi mais que defenderme

Da graã fome, e do frio de que mouro,

Se vejo, como espero responderme

De maneira, que possa a mais quieto

Co as Musas em ocio recolherme:

De juntar os bons versos vos prometto

Dos Poetas insignes Lusitanos

Aprovados por Febo, em seu decreto."

14(ed. Marques Braga. Lisboa: Sá da Costa, 1946, vol.II, p.323)

15[as matérias/"géneros" dos livros de uma biblioteca]

16Francisco Rodrigues Lobo (1580-1622). Corte na Aldeia (1619). Diálogo I

“(…).

Cada um diga a sua opinião nos livros que mais lhe contentam e das razões que tem para os aprovar; e, deste modo, ou afeiçoados ou convenci­dos, saberemos os que são de maior gosto e utilidade. (...).

E, não tratando dos Livros Divinos, nem dos necessários, dos de re­creação nos podeis dizer quais e por que razões vos contentam. (...).

Sou particularmente afeiçoado a livros de história verdadeira, e, mais que às outras, às do Reino em que vivo e da terra onde nasci. ( ...).

E havendo um homem de ler o que não é, ou o que sai tão caldeado e tão batido da forja dos autores que mudado traz o metal, a cor e a natureza, estou melhor com os livros de cavalarias e histórias fingidas, que, se não são verdadeiros, não os vendem por esses; e são tão bem inventados que levam após si os olhos e os desejos dos que os lêem. (...).

Poesia levantada sobre os bons conceitos e versos. (...).

Como exceptuastes Livros Divinos, nesse número devem estar os dos poetas que mereceram este nome. (...).

O melhor modo de escrever são os diálogos escritos em prosa, com fi­guras introduzidas que disputem e tratem matérias proveitosas, políticas, en­graçadas e cheias de galantaria, sendo a primeira figura da obra o autor dela; e esse que vá guiando e introduzindo as mais, que sejam apropriadas àquelas matérias de que hão-de tratar entre si.(...).

Porque a mim me parece que à escritura se deve o melhor lugar, e que antes merecia a prática por se parecer com ela."

17(ed. José Adriano de Carvalho. Lisboa: Editorial Presença, 1992, p.60, 61, 64, 65, 66).

18[as grandes secções de urna Biblioteca Lusitana]

19Francisco Manuel de Melo (1608-1666). Cartas Familiares (1664). Ao Dr. Manuel Temido da Fonseca, Vigairo Geral do Arcebispado de Lisboa (1650).

“(…).

Levado deste pensamento, procurei por mimesmo, e despois persuadi a alguas pessoas doutas, publicássemos no Biblioteca Lusitana dos Autores Modernos, novamente estimulado da falta que padecemos nesta parte. (...)

Nas ciências divinas e humanas (...). A Filosofia (...). Na Retórica e letras humanas (...). A Latinidade (...). Nas Matemáticas (...). Na Medicina (...). Logo passando aos Políticos (...). Não terá a História dos portugueses agora aquela antiga queixa de que se aplicavam menos a escrevê-la que a me­recê-la. (...). As Apologias (...). A Teologia (...). O Moral (...). Não menos a Música (...). As ciências políticas (...). Nos Cânones sagrados (...)."

20(ed. Maria da Conceição Morais Sarmento. Lisboa; I.N.-C.M., 1981,

21p.412-422).

22[o poder e a organização dos livros, o louvor ambivalente da grandeza] Diogo Barbosa Machado (1682-1772). Bibliotheca Lusitana (1741­-1759).

23(Prólogo) (1741).

“(…).”

Com mysteriosa disposiçaõ da Providencia esperou a Bibliotheca Lusitana ideada hà mais de hum Seculo pelo laborioso disvelo de varoens eruditos o feliz Reynado de V. Magestade para sahir ao theatro do Mundo.

Verà reduzido a hum Sucinto Mappa a elegante facundia dos Oradores, a suave afluencia dos Poetas, a armonia sem dissonancia dos Musicos, e a explicação das fabulas nos Mythologicos; aos Interpretes Sagrados correndo o veo ao Sanctuario das Escrituras; aos Theologos decifrando os mysterios dos divinos Attributos; aos Jurisconsultos penetrando as dificuldades dos Cano­nes Ecclesiasticos, e das Leys lmperiaes; aos Historiadores referindo os Su­cessos das idades passadas; aos Chronologos computando o tempo por Lus­tros, e Olympiadas, aos Astronomos compassando o movimento dos Ceos, e observando os aspectos dos Planetas; aos Anatomicos examinando a organi­zação dos corpos, e os Medicos descubrindo saudaveis remedios para conser­vaçaõ da vida."

24(Lisboa Occidental: na Oficina de Antonio Isidoro da Fonseca, 1741, t.I, s/p.)

25[a biblioteca espaço de língua e de memória]

26Memorias de Literatura Portugueza, publicadas pela Academia Real das Sciencias de Lisboa (1792).

27Prologo (1792).

“(…).

Saõ por conseguinte a Lingua, e a Historia Portugueza, consideradas em todos os possiveis aspectos, e relações, os dous objectos que constituem, o que a Academia quiz entender por Litteratura Portugueza; objectos naõ só entre si análogos, mas tambem diversos, e separados de toda a outra eru­diçaõ, que, ou compete a póvos estranhos, ou pela generalidade dos seus assumptos, pertence a todo o genero humano sem respeito particular a naçaõ alguma."

28(Lisboa: Officina da Academia Real das Sciencias, 1792, tomo I, s/p.).

29[a biblioteca como factor de bem-estar]

30Alvará de D. Maria 1 criando A Real Bibliotheca Pública da Corte (1796).

“(…).

Ordeno que na Minha Corte, e Cidade de Lisboa se erija, e estabeleça logo huma Pública, e bem provida Livraria, que se denominará A Real Bibliotheca Pública da Corte, e na qual haja todas as competentes Officinas, que são indispensaveis em estabelecimentos desta natureza: E quero que o uso especial, e proprio desta Bibliotheca seja o de ser perpetuamente destina­da ao bem das Letras, e beneficio contínuo dos Meus Vassallos."

31(Lisboa: Biblioteca Nacional, 1969, p.1)

32Segunda conclusão possível: uma Biblioteca é a organização de um conjunto de livros para que assim possam ser fruídos.

Segundo registo – relato de memória. O que é urna Biblioteca 3. Um caso. (a Biblioteca J. S. da Silva Dias do C.H.C.)

33Pelo final dos anos 70 do século XX, a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa viu o seu corpo docente acrescido com a integração de um conjunto de novos nomes e rostos chegados de Coim­bra. Coordenava e orientava o grupo, todo ele da área da história da cultura e das ideias, o Prof. Silva Dias.

34Com um percurso universitário de qualidade e em constante afirmação, urna obra historiográfica notável na erudição e em algumas novidades e sínte­ses, o Prof. Silva Dias não tinha já provas a prestar, mas sim um projecto a implementar. Esse projecto era simples: criar um grupo de estudo de história das ideias.

35Essa intenção foi imediatamente visível nas práticas pedagógicas assu­midas na licenciatura em História (História Cultural e das Mentalidades, Cul­tura Portuguesa, Teoria da História e, mesmo, História de Portugal, disciplinas estas que versavam matérias dos séculos XVIII e XIX) e nas cadeiras intro­dutórias de História das Ideias das licenciaturas em Línguas e Literaturas Mo­dernas. No início dos anos 80, tornou-se mais palpável com a criação de um espaço de investigação na dependência do Instituto Nacional de Investigação Científica (I.N.I.C.), o Centro de História da Cultura (C.H.C.).

36Nesse Centro existiam várias linhas de investigação, mesmo muito va­riadas, e em forte articulação com ele a docência de um dos primeiros mestra­dos a funcionar na F.C.S.H., o de História Cultural e Política, também ele de pendor setecentista e, sobretudo, oitocentista.

37Um grupo de docentes e de investigadores apostados no ensino da his­tória das ideias, licenciaturas e um mestrado. Mas para tudo ter uma lógica, um pano de fundo comum, o Prof. Silva Dias criou uma Revista, esta mesma onde se registam estas palavras, e uma Biblioteca.

38Descarregaram-se em Lisboa, o termo correcto é "descarregar" porque assim aconteceu, milhares, muitos milhares de fichas bibliográficas, nos seus tradicionais 75mmx125mm, que mais não eram do que a fotocópia integral do ficheiro temático do Instituto de História das Ideias da Universidade de Coimbra. Para estas fichas organizaram-se paredes de gavetas de ficheiros me­tálicos onde aquelas deviam reganhar uma ordem que, com a operação foto­copiadora e com o transporte, se perdera!

39A mesma empresa de transportes que trouxe as fichas até Lisboa carre­gou, também, umas largas dezenas de volumes de livros de edição da Univer­sidade de Coimbra. A estes livros, amontoadas pelo chão do espaço destinado à Biblioteca, foram-se rapidamente juntando muitos e muitos mais, listas imensas de encomenda que alimentavam a Biblioteca.

40Foi necessário escolher, adoptar critérios de classificação, criar secções, arrumar em estantes a partir do chão, pensar em leitores que deles fizessem uso, criar sistemas rudimentares de controlo da leitura domiciliária. Os livros foram arrumados (as fichas nunca!), os leitores (professores, investigadores e alunos do mestrado) usaram-nos e tiveram-nos na sua posse todo o tempo de que necessitaram, o hábito de requisitar livros estabeleceu-se.

41Deste trabalho biblioteconómico, até por causa da sua formação nesta área, foi encarregue a Profª Zília Osório de Castro. Dele tivemos a sorte de participar e ver, assim, crescer uma Biblioteca das mais apetrechadas e rechea­das de preciosidades nas áreas em investigação no Centro de História da Cul­tura (pela Porbase pode verificar-se que cerca de dois milhares de títulos nela existentes não se repetem em qualquer outra Biblioteca da rede). Os leitores são os que mais beneficiam desta "originalidade".

42Terceira conclusão possível: urna Biblioteca é um conjunto de leitores.

Segundo registo – relato de memória-opinião. Mas, afinal, o que é uma Biblioteca? Conclusões. (percursos? construções? ... porque de homenagem não se trata!)

43Comecemos pela conclusão possível: uma Biblioteca é um conjunto de livros organizados e utilizáveis pelos leitores.

44Tentemos agora explicar porque é que a Biblioteca J. S. da Silva Dias é uma Biblioteca. Como é que se conseguiu fazer de muitos livros, muitas fichas e ficheiros, um mau espaço de leitura e de trabalho uma Biblioteca? Uma Biblioteca, diga-se, formativa, esclarecedora, cordial e amigável ao utili­zador e, sobretudo, peça fundamental da investigação e na construção dos sa­beres expressos por muitos dos seus leitores.

45A explicação não nos é muito difícil de dar. Concerteza que, em muito, ela está no saber, na paciência, na capacidade de criar equipa e de autonomizar deveres funcionais que a Profesora Zília Osório de Castro consegue transmitir aos que com ela desinteressadamente trabalham.

46O Centro de História da Cultura possui um conjunto largo e diversifi­cado de livros, livros que estão organizados dando resposta aos seus constan­tes e fiéis leitores, mercê durante anos dos cuidados da Profª Zília Osório de Castro que, afinal, assim construiu uma Biblioteca.

Topo da página

Bibliografia

Álvarez Márquez, Maria del Carmen – El libro manuscrito en Sevilla (siglo XVI). Sevilla: Ayuntamiento de Sevilla, 2000.

Bouza Álvarez, Fernando J. – Del escribano a la biblioteca. La civilización escrita europea en la Alta Edad Moderna (siglos XV-XVII). Madrid: Editorial Síntesis, 1992.

Chartier, Roger – El orden de los libros. Lectores, autores, bibliotecas en Europa entre los siglos XIV y XVIII. Barcelona: Editorial Gedisa, 1994.

Eisenstein, Elizabeth L. – The printing revolution in early modern Europe. Cambridge: University Press, 1993.

Febvre, Lucien; Martin, Henri-Jean – L'apparition du livre. Paris: Éditions Albin Michel, 1971, 2.ª ed.

Fernandes, Maria de Lurdes Correia – A biblioteca de Jorge Cardoso (+1669), autor do Agiológio Lusitano. Cultura, erudição e sentimento religioso no Portugal Moderno. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2000.

Gouveia, António Camões – "Educação e aprendizagens. Formas de poder na paideia do Portugal Moderno", Ler História. Lisboa: n.° 35, 1998, p. 11-44.

Gravura e conhecimento do mundo. O livro impresso ilustrado nas colecções da BN. Coordenação Joaquim Oliveira Caetano. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1998.

Marquilhas, Rita – A faculdade das letras. Leitura e escrita em Portugal no séc. XVII. Lisboa: I.N.-C.M., 2000.

Print and Culture in the Renaissance. Essays on the advent of printing in Eu­rope. Edição de Gerald P. Tyson, Sylvia S. Wagonheim. Newark: Uni­versity of Delaware Press, 1986.

As utilizações do objecto impresso (séculos XV-XIX). Coordenação de Roger Chartier. Lisboa: Difel, 1998.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

António Camões Gouveia, « Mas, afinal, o que é uma biblioteca? », Cultura, Vol. 22 | 2006, 21-28.

Referência eletrónica

António Camões Gouveia, « Mas, afinal, o que é uma biblioteca? », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 23 Junho 2015, consultado a 26 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2138 ; DOI : 10.4000/cultura.2138

Topo da página

Autor

António Camões Gouveia

FCSH-UNL e CHC
Licenciado em História e doutorado em História das Ideias, especialização em História das Ideias Sociais, pela F.C.S.H. da U.N.L. Nessa mesma Faculdade dá aulas desde 1981, tendo estado entre 1992 e 1997 na Comissão dos Descobrimentos. Enquanto docente tem leccionado matérias no âmbito da história da cultura e das ideias, predominantemente dos séculos XV a XVIII. A sua área de interesse científico centra-se na História Social c das Sociabilidades quando aflorada nas dimensões da História da Cultura e da História Religiosa.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org