Navegação – Mapa do site
Conceitos

Utopia

Conceito e concepção
Utopia. Concept and conception
Luís Crespo de Andrade
p. 71-83

Resumos

A publicação de De optimo Reipublicae Statu, deque nova insula Utopia, de Thomas More, no final de 1516, está na origem de uma nova modalidade de discurso político. Ao unir a represen­tação racional e a descrição imaginária da comunidade desejável de forma indissociável, a cons­trução utópica releva tanto do foro filosófico quando do âmbito da elaboração sensível. Pretende-se, em primeiro lugar, caracterizar o conceito de utopia, tal como resulta da narrativa fundadora do género, lida à luz dos seus principais pressupostos. Visa-se, de seguida, captar o olhar sobre a reflexão antiga acerca da cidade racional que More desenvolve. Tenta-se, por fim, confrontar o conceito moderno de utopia com o discurso utópico contemporâneo, tal como surge na segunda metade do século XVIII.

Topo da página

Texto integral

  • 1 Seguimos a terceira edição – em que Thomas More altera e corrige alguns aspectos das duas primeiras (...)

1A publicação de De optimo Reipublicae Statu, deque nova insula Utopia, libellus vere aureus, nec minus salutaris aliam festivus, de Thomas More, em Lovaina, no final do ano de 1516,1 está na origem de um novo gé­nero literário e de uma nova modalidade de reflexão política, que passam a combinar-se entre si de forma indissociável.

2A dificuldade em classificar esta obra inaugural à luz das categorias li­terárias e políticas tradicionais encontra-se assinalada no próprio título, com­plexo e ambíguo, quando considerado no seu enunciado inicial.

3Ao indicar como objecto da obra a "melhor das repúblicas" e a "nova ilha da Utopia", More cria o vínculo inusitado que passa a unir a reflexão política à criação literária.

  • 2 A evocação de A República, implícita ou explícita, repete-se ao longo da obra, como a sesti­lha, o (...)
  • 3 Utopia, p. 117.
  • 4 Ibidem.
  • 5 A ilha da Utopia remontaria, segundo os anais que conservaria, a mil setecentos e sessenta anos atr (...)

4A tentativa de determinar a melhor forma de governo, seja em termos ideais seja por via comparativa, caracteriza o pensamento político antigo, como a evocação, no De optimo Reipublicae Statu, de A República de Platão recorda.2 Narrativas de viagens a lugares imaginários encontram-se igualmente na literatura clássica, por exemplo na História verdadeira, em que Luciano de Samosata, cujo encanto atraía os utopianos,3 conta uma hilariante ida à Lua. O ensejo de criar cidades racionais remota a legisladores célebres, designada­mente a Licurgo, que Plutarco, igualmente apreciado pelos cidadãos da ilha imaginada,4 celebra, em obra muito divulgada (conferindo-lhe o prestígio sufi­ciente para a Constituição Espartana ser encarada como o antecedente a que a organização utopiana daria sequências).5

5A novidade de De optimo Reipublicae consiste na síntese que a obra faz entre estes diferentes aspectos, ao tornar o seu vínculo uno e conexo, mesmo quando se supõe possível destrinçar os vários registos com que a sua trama se tece.

6A simbiose indicada no título é desenvolvida num dos antetextos que acompanham a primeira edição, reproduzidos nas restantes edições publicadas enquanto More foi vivo, e ausente, por regra, nas edições posteriores.

  • 6 Utopia, p.11.

7Em sextilha intitulada a Ilha da Utopia, com suposta autoria de "Ané­molius, poeta laureado, sobrinho de Hitlodeu pelo lado da sua irmã,6 mas saí­da, muito provavelmente, da pena de Thomas More, a novidade que torna a De optimo Reipublicae Statu preferível à própria A República de Platão é indi­cada e realçada:

"Utopia, pelo meu isolamento assim chamada pelos antigos, Émula presente da cidade platónica,

Talvez excedendo-a – por o que com letras

Ela delineou, só eu o mostrei

Com homens, recursos e excelentes leis –

  • 7 Ibidem.

Eutopia, com justiça, é o nome que me é dado".7

8A vantagem da obra de More face à República de Platão residiria, à luz deste poema, na síntese do conceptual com o concreto, na medida em que o futuro chanceler inglês conferiria realidade existencial ao que o filósofo ate­niense expusera dentro dos limites do discurso teórico.

9A narrativa revelaria a vida quotidiana da boa cidade e demonstraria, ao mesmo tempo, os seus fundamentos.

10É, certamente, esta dupla condição que legitima, aos olhos do autor, a qualificação da obra, na própria folha de rosto, como "libellus vere aureus, nec minus salutaris quam festivus".

11Por um lado, o tema seria de grande relevância na análise da condição humana, pois só a boa disposição da vida pública poderia proporcionar uma existência conforme aos fins que se postulam para os homens. Por outro lado, a narrativa juntaria o salutar ao agradável, ao permitir uma leitura acessível e envolvente, seja do ponto de vista da satisfação racional seja por despertar sentimentos e aspirações elevados.

12Nada indica melhor a natureza literária da obra do que o nome que Thomas More inventa para a nova ilha que Rafael Hitlodeu, o marinheiro-filó­sofo português, descreve.

  • 8 Cf. Utopia, pp. 74,75,84.

13Como se sabe, o prefixo "u", indica uma negação, mas não uma ausência. O novo vocábulo designa um "inlugar", um lugar que é um não-lugar. Ora, o lugar do não-lugar é, em primeira linha, um lugar de natureza ficcional A reali­dade da ilha não é física, mas literária. Na vintena de vocábulos, com raiz eti­mológica grega, que o humanista inglês cria ao longo da narrativa é possível ver tantas outras chamadas de atenção para a inventiva da narrativa, num efeito de denúncia da sua própria condição. O nome de Rafael Hitlodeu, o nar­rador, evoca simultaneamente o arcanjo Rafael, que curou Tobias da cegueira, e, de, forma aparentemente paradoxal, a prosápia do bem-falante, presente nos étimos clássicos do apelido. Amaurote – designada Mentirano, na primeira edição – é a capital da ilha da Utopia, um cidade obscura, semelhante a uma miragem, governada por um Ademo, magistrado «sem-povo», e atravessada pelo rio Anidro, transparentemente, o rio «sem-água».8

14Mas esta construção de uma realidade, que de si própria se distancia ao denunciar a sua condição imaginária, não seria arbitrária. Daria, pelo contrá­rio, expressão concreta às aspirações de justiça e de humanidade, sentidas pela generalidade dos homens. Conferiria conteúdo ético-político e forma institu­cional à sociedade conforme à razão e ao são desejo humanos.

15Neste jogo vocabular, a utopia seria também "eutopia", ainda que a pre­sença explícita deste termo se encontre unicamente na sestilha transcrita.

  • 9 Ibidem, p. 162.

16Não se trata de um projecto político nem de uma realidade perspecti­vada pelo lado da sua eventual tangibilidade. A fala final em que o narrador, que Thomas More identifica consigo através de episódios de fundo autobio­gráfico, comenta o discurso de Hitlodeu é a este respeito clara: "é-me fácil confessar que, na República dos Utopianos, existe um grande número de dis­posições que desejaria ver nas nossas cidades; em minha opinião, seria mais verdadeiro desejá-lo do que esperá-lo.9

17Se a leitura programática parece, pois, deslocada, a leitura alegórica, ao ver na obra simplesmente um sentido edificante, resultante do confronto entre o mundo quotidiano e uma realidade exemplar, afigura-se parcelar e redutora.

  • 10 Cf. Bronislaw Baczko, Les imaginaires sociaux. Mémoires et espoirs collectifs, Paris, Payot, 1984, (...)

18Enquanto expressão do imaginário simultaneamente racional e social, a utopia é uma ideia-imagem, para utilizarmos a expressão de Bronislaw Baczko,10 à semelhança de algumas outras representações correntes, como a de Paraíso ou, mais tarde, a das ilhas dos mares do Sul, em que a representação sensível e a construção conceptual se complementam reciprocamente.

19Este conceito ambígeno, resistente à apreciação através das categorias filosóficas e literárias correntes, consubstancia urna modalidade de abordagem dos fenómenos políticos e sociais, que interroga e analisa segundo uma inteli­gibilidade específica.

  • 11 Ibidem, p. 94.

20Para a captar, basta considerar a organização da obra de More, dividida em dois livros: o primeiro sobre a vida política do seu tempo, que tornara as ovelhas mais ferozes do que os lobos, e o segundo constituído pela narrativa em que Hitlodeu dá conhecer a "República santa que mesmo os cristãos deviam imitar"11 (apesar de os seus habitantes desconhecerem a Boa-Nova cristã).

21A distância entre estes dois mundos diametralmente opostos é incomen­surável. Tão fundo é o hiato, literal e figurativo, que separa a Inglaterra e a res­tante Europa da Ilha da Utopia, situada muito para além do ponto mais afas­tado dos oceanos que o homem atingira, exactamente aquele que Vespúcio descreve no muito célebre Quatuor Americi Vespuccii navigationes, publicado em 1507, e que More escolhe corno ponto de partida de Rafael Hitlodeu para o novíssimo mundo.

  • 12 Vide ibidem, pp. 53 e ss.

22Esta oposição, sem meio-termo viável, pois o filósofo encontrar-se-ia excluído da cidade e a via oblíqua dos compromissos reformistas estaria afas­tada,12 separa irremediavelmente a ordem social existente da que seria justa e desejável.

23Este desencontro contém, em si, um duplo sentido. Por um lado, con­fere à utopia o significado corrente de um devaneio irrealista. Por outro lado, transfere o âmbito da reflexão política para o domínio da ordem social que proporcionaria a satisfação dos anseios humanos tidos por mais substanciais.

24A inteligibilidade política utópica, cujo sentido assim se esboça, resulta de duas grandes interrogações que determinam os pressupostos e o teor gerais das suas formulações.

25Pretende, por um lado, esclarecer a forma e o conteúdo da sociedade feita à medida da satisfação da condição humana, isto é, definir os contornos institucionais e sociais que possibilitariam que cada indivíduo cultivasse frutu­osamente os atributos de humanidade que lhe seriam próprios.

26Levanta, por outro lado, a questão, ainda que implícita, de saber o que impede o homem, que tudo tende a ordenar e a transformar à sua medida, de agir racionalmente no domínio que lhe é mais importante, isto é, naquele que lhe proporcionaria o seu bem-estar mais profundo, já que os homens não es­tenderam a sua vontade e poder à criação de uma ordem social justa, a única que favoreceria e permitiria alcançar os seus anseios mais intensos.

27Estas interrogações conduzem a que a reflexão sobre a organização po­lítica e social se veja colocada no domínio do dever-ser político, no foro do fundamento e da figuração da sociedade justa.

28Neste aspecto central, a abordagem de Thomas More contrasta manifes­tamente com a de Maquiavel, que redige O Príncipe exactamente na mesma época, já que o pensador florentino, ao se ocupar da realidade política tal como esta se apresenta a quem governa, confina o objecto do saber político ao mundo do primeiro livro da Utopia, recusando o percurso que conduza ao confronto com uma qualquer cidade idealizada.

29Sendo assim, a modalidade de reflexão política utópica distingue-se, antes de mais, pela alteridade radical.

  • 13 Cf. Utopia, p. 71.
  • 14 Ibidem.
  • 15 Cf. ibidem, p. 86.

30Trata-se de conceber uma nova realidade política, antitética da existente. Um novo mundo, não só por a ilha ter a forma premonitória de quarto cres­cente, mas também por a sua criação, resultante do corte do istmo que a ligava a outras paragens, ser a primeira obra dos utopianos.13 Um novo homem, na medida em que se "eleva uma horda grosseira e selvagem ao grau de civilização e cultura que a coloca acima de quase todos os outros povos".14 Uma nova comunidade, com instituições justas e democráticas. Uma nova e definitiva era, sem história nem alternativa, pois a ordem criada por Utopus é definitiva, como é próprio de qualquer legislação ideal.15

31A Utopia faz tábua rasa do passado. Assenta no pressuposto de que o mundo injusto comporta uma inércia inultrapassável, enquanto a irrupção dos homens numa ordem social justa leva-os a reproduzi-la, na medida em que re­conhecem a bondade das instituições.

  • 16 Cf. ibidem, p. 72.
  • 17 Cf. ibidem, p. 76.
  • 18 Cf. ibidem, p. 80.

32A cidade nova é naturalmente a cidade racional: ordena o espaço, fazen­do que aquele que tenha visto uma das vastas e magníficas cidades conheça as cinquenta e três restantes;16 reforma os costumes, ao eliminar a propriedade e prevenir a vaidade:17 regulamenta o quotidiano, quando dispõe sobre a activi­dade própria de cada hora.18

  • 19 Ibidem, p. 81.

33Porém, o essencial da sua racionalidade manifesta-se na definição da fi­nalidade que a nova ordem social visaria: fazer com que cada um despenda o mínimo de horas "com as servidões do corpo, a fim de permitir a todos os ci­dadãos consagrá-las à liberdade da alma e à cultura do espírito (...) em que residiria (...) a felicidade da existência".19

  • 20 Cf. ibidem, p. 81.

34A generalidade dos utopianos dedicava, aliás, as primeiras quatro horas de cada manhã ao estudo, frequentando conferências públicas.20

35A cidade racional – distinta do milenarismo porque alheia a qualquer revelação ou profecia – é-o exactamente porque dispõe as suas instituições de modo a tomar o homem como fim, ao possibilitar a cada um e a todos as con­dições mais propícias para cumprir as tarefas imputadas à humanidade que lhes seria intrínseca.

  • 21 Ibidem, p. 104.

36Envolve, naturalmente, uma representação optimista da condição humana. As percepções do homem como ser sofredor que expia uma falta in­sanável em vida, como lobo do seu semelhante, ou, mesmo, como madeiro irremediavelmente torto encontram-se excluídas, pois revelam-se incompatí­veis com a possibilidade de conceber a boa comunidade. O homem é visto, ao invés, como salvação e consolo do próprio homem: "é necessário glorificar sob o título de humanidade – escreve More – o facto de que o homem é para o homem salvação e consolo, porque é essencialmente 'humano' – e não há nenhuma virtude que seja mais própria do homem do que esta – de suavizar tanto quanto possível as dores dos outros, de fazer esquecer a tristeza, de tra­zer o gosto de viver, isto é, prazer''.21

37Trata-se, assim, de uma cidade solar, como Tommaso Campanella lhe chamará nos primeiros anos do século XVII, de tal modo a razão, alheia a qualquer sombra, se revelaria capaz de conferir forma e conteúdo ao desejo de criar um mundo à escala dos homens.

38Se perspectivarmos a literatura e o pensamento utópicos como repre­sentações idealizadas da organização política, expressas na concepção de so­ciedades racionais e justas, que se instituem a si mesmas na obediência estrita a imperativos ético-políticos, nomeadamente os decorrentes das finalidades imputadas à condição humana, aproximamo-nos de um conceito em que a utopia se define corno modalidade peculiar de reflexão e de desenho da cida­de, abarcando um leque amplo e diversificado de discursos e imaginários so­ciais, da simples ficção à aplicação da lei revolucionária.

39Esta aproximação, de fundo conceptual e analítico, sobre uma modali­dade particular do pensamento político não faz esquecer que também as cida­des ideais são históricas (e, nesse sentido, o reverso da ausência de mudança que caracterizaria a ilha da Utopia).

40A liberdade de espírito que se manifesta na crítica severa às instituições inglesas e dos restantes reinos da cristandade, explícita no primeiro livro, es­tende-se a toda obra, num jogo irónico e contundente de contrastes. A circuns­tância de a ilha ter cinquenta e quatro cidades e a Inglaterra ter Londres mais cinquenta e três condados, ou de Amaurote, a capital, se distinguir por uma ponte emblemática são algumas das referências em que se apela ao leitor para confrontar dois mundos colocados em paralelo. A transferência da crítica para local remoto ou a simples demonstração de que o possível excede em muito o existente são artifícios proporcionados pelo género com óbvia intervenção na vida colectiva próxima.

41O próprio imaginário utópico surge inscrito no imaginário muito mais vasto que envolve a descoberta de novos mares, de novas terras e de novas gentes. Como se sabe, não só as cartografias míticas, clássica e cristã, com as suas sereias e o próprio Paraíso Terrestre, não se encontravam excluídas dos mapas por que estes mareantes se guiavam, como também os relatos destes últimos, testemunhos empíricos lidos com a avidez própria de quem se vê con­frontado com seres desconhecidos, serviam-lhe de confirmação, reflectindo muitas vezes mais as expectativas prévias do que o rigor posto na observação que se documentava. O imaginário utópico prolonga e recria a verosimilhança fantástica e maravilhosa dos oceanos e dos mundos desconhecidos.

42Já o quotidiano da vida entre os utopianos encontra a sua inspiração na vida conventual. More conhecia-a bem, pois fora familiar na Cartuxa, em Londres. A ausência de propriedade privada, a uniformidade no vestuário, a partilha das refeições, a divisão das tarefas colectivas e a sucessão das diferen­tes actividades ao longo do dia – das quatro horas matinais de estudo às oito nocturnas previstas para o sono – exemplificam-no, ao revelarem afinidades claras com as regras conventuais, mormente com a regra beneditina.

  • 22 Ibidem, p. 116.
  • 23 Ibidem, p. 142.

43O interesse pelos textos antigos manifestado pelos utopianos, já referido a propósito de obras de Luciano de Samosata e de Plutarco, presente igual­mente no empenho colocado na aprendizagem do grego,22 bem como na sim­patia manifestada pelo exemplo da vida de Cristo com os apóstolos,23 são convergentes com o retorno às fontes, clássicas e bíblicas, que rompe com os critérios de autoridade e de transmissão tradicionais, próprios da erudição e do empenho dos autores humanistas.

  • 24 Ibidem, p. 26.

44Em limite, a própria ilha da Utopia pode ser legitimamente interpretada como a projecção, à escala de um país, dos grandes desígnios da República das Letras, mormente os do cultivo do espírito e da amizade, qualidades maio­res, realçadas, desde as primeiras páginas, na caracterização de Pierre Gilles24 (anfitrião a quem More dedica a primeira edição). Na origem do interesse que os utopianos dedicavam ao estudo das letras e do empenho colocado no con­solo do semelhante, em que o ideal de utopiano de felicidade se exprime, encontram-se as grandes finalidades e as motivações do ideário humanista.

45Assim considerada, a Utopia apresenta-se como encenação política e social que proporcionaria o melhor contexto para a efectivação, individual e generalizada, de um conjunto particular de postulados acerca da consumação do humano nos homens, pois é na perspectiva de concerto auspicioso entre os fins imputáveis à natureza humana e as condições concretas de vida dos indi­víduos que os fundamentos da cidade desejável se alicerçam.

46No seu sentido geral, a melhor república representa uma hipóstase polí­tica e social da concepção humanista da humanidade.

47A distinção analítica entre a modalidade utópica de inteligibilidade po­lítica e o ideário histórico de que cada utopia é o expoente apresenta ainda a vantagem de permitir relacionar o discurso utópico moderno com o contempo­râneo, ao evitar que os diferentes registos em que a reflexão sobre a melhor comunidade se expõe sejam compreendidos como constituindo realidades dissemelhantes (ou mesmo opostas entre si). Desde logo, contraditórias nos ter­mos, na medida em que a pretensão de implantar uma república que seria – à luz de um entendimento que se confine ao significado inicial da sua designa­ção – um simples produto da imaginação, representaria um desígnio insano e um empreendimento quimérico.

48A inclusão num mesmo olhar da literatura utópica, tal como surge nos tempos modernos, e do discurso utópico, tal como se afirma no século XVIII, é, a vários títulos, relevante.

  • 25 Bronislaw Baczko, Lumières de l’utopie, Paris, Payot, 1978, p. 19.

49Permite, em primeiro lugar, relacionar, à luz de uma mesma aproxima­ção, duas épocas "quentes" na história do pensamento utópico, em que as "utopias florescem, onde a imaginação utópica toma as formas mais diversas da actividade intelectual, política, literária, época em que as linhas de força di­vergentes parecem encontrar o seu ponto de convergência na produção de representações utópicas".25

50Possibilita, em segundo lugar, captar, na origem, alguns dos principais modelos de reflexão sobre a forma de governo idealizada e do imaginário que necessariamente a acompanha.

51A própria Fortuna encarregou-se de combinar a transição do modelo da narrativa utópica moderna para o modelo do discurso que apresenta a cidade nova como projecto doutrinário, assim como para a própria acção revolucio­nária que visa alcançá-la, numa sucessão de momentos sequenciais.

52O Code de la nature ou le véritable esprit de ses lois de tout le temps negligé ou méconnu, de Morelly, editado em 1755, simboliza esta passagem.

  • 26 Morelly, Naufrage des îles flottantes ou basiliade du célébre Pilpai, Messina, Par une So­ciété de (...)

53Nesta obra, o autor, relativamente obscuro, fundamenta, de forma siste­mática, os pressupostos a partir dos quais elaborara a narrativa que intitulara Naufrage des îles flottantes ou basiliade du célébre Pilpai, ficção em que canta "o reino aprazível da Verdade e da Natureza, estabelecido definitiva­mente para um povo afortunado."26

  • 27 Morelly, Code de la nature ou le véritable esprit des lois de tout le temps négligé ou mé­connu, Pa (...)

54Recorre, nesta resposta àqueles que criticaram o poema, quer à argu­mentação doutrinária, quer à enunciação da legislação que lhe conferiria à nar­rativa verosimilhança, crente de que uma moral conforme à "afeição benefi­cente" e ao "desenvolvimento da razão" imporia "o espírito e os motivos da sociabilidade, uma indústria, uma previsão unânime, enfim, todas as ideias di­recta ou indirectamente respeitantes à felicidade comum".27

  • 28 Charles Rihs, Les philosophes utopistes. Le mythe de la cité communautaire en France au XVIII siècl (...)

55A doutrina então exposta, inicialmente atribuída a Diderot, converteu­-se, poucas décadas volvidas, em fundamento da acção política revolucioná­ria, sendo apresentada por Graccus Babeuf e por aqueles que com ele se con­juraram como contendo os fundamentos ideários que perseguiam.28

56Ao compartilhar o optimismo racionalista da época, Morelly é levado a supor que o seu Código enuncia leis similares às das ciências naturais, reve­lando como o prestígio próprio do conhecimento científico, tido como razão definitiva, tendia a fazer que este se sobrepusesse aos saberes anteriores, designadamente à cultura de teor literário.

  • 29 Cf. Paul Hazard, Crise da consciência europeia, Lisboa, Edições Cosmos, 1948, p. 227 e ss, e O pens (...)

57A par da compreensão da mecânica celeste e de outros saberes deslum­brantes, o saber científico facultaria o conhecimento necessário para os ho­mens atingirem a "felicidade comum", convertida ao longo do século XVIII, de acordo Paul Hazard, não só num direito mas também num dever.29

58Ainda que o discurso utópico se apresente como doutrinário, as figura­ções, explícitas e implícitas, da cidade prometida nunca deixam de definir o fundo em que se inscreve, pois a evocação da prodigalidade das graças natu­rais e humanas é, ao longo do texto, tão permanente quanto os sentimentos e as emoções de agrado que despertaria seriam inevitáveis.

59Reúne-se-lhe, aliás, um outro imaginário poderoso: o imaginário revo­lucionário.

60Uma nova era estaria de tal modo ao alcance do homem que a criação épica de uma república feita à medida das aspirações e da vontade gerais passa à ordem do dia.

61A convergência entre o discurso utópico e o imaginário revolucionário radica, antes de mais, na oposição comum entre o existente e o desejável, con­cebidos como duas realidades entre si opostas. Em ambos, a reforma da ordem em vigor é uma hipótese excluída. A escolha recai sobre o radicalmente novo, o que supõe a ruptura entre dois mundos, seja literária e reflexiva, seja doutrinária e política.

62Neste quadro, o discurso revolucionário confere ao discurso utópico a dimensão activa de um projecto político que se concebe a si como emancipador, ou seja, capaz de vencer o artifício individual e colectivo, de estabelecer uma ordem conforme ao código natural, de assegurar as condições efectivas da autonomia pessoal e da autodeterminação política e social.

63A representação do novo mundo transfere-se, então, dos lugares isola­dos e remotos dos arquipélagos utópicos para os tempos por vir.

  • 30 A sugestão é insinuada pelo próprio Morelly: "quase todos os povos tiveram e têm ainda uma idade do (...)

64O próprio regresso à ordem natural proposto por Morelly supõe a supe­rioridade do presente, e do futuro prognosticado, relativamente ao passado, pelo menos, ao passado próximo, na exacta medida em que o retorno ao mundo natural passa a obedecer à compreensão das leis que lhe são imputadas, ao deixar de consistir numa vivência inocente, sujeita à corrupção, e constituir urna escolha esclarecida.30

  • 31 Louis Sébastien Mercier, L’an deux mille quatre cent quarante, Bordéus, Éditions Ducros, 1971, p. 3

65Porém, a deslocação do discurso utópico para o futuro – a ucronia – ocorre um pouco mais tarde, com a publicação de L’An deux mine quatre cent quarante. Rêve s’il en fut jamais, de Louis Sébastien Mercier, no ano de 1771. A frase de Leibniz que Mercier escolhe para epígrafe desta edição – "o tempo está carregado de futuro"31 – indicia inequivocamente que a percepção do tem­po passa a assentar numa expectativa positiva do devir.

66Além de ser contemporânea do fim das viagens e dos relatos marítimos a destinos desconhecidos, o que diminui decisivamente a possibilidade de adi­cionar, na Terra, novos lugares maravilhosos ou fantásticos, a transferência do imaginário utópico para o porvir é uma das expressões mais relevantes da afir­mação da ideia de progresso como chave de compreensão do trajecto humano.

67Ao ser apresentado como resultado da evolução linear, ainda que irre­gular no seu decurso, do conjunto do evolução da humanidade, o futuro, visto à luz da ideia de progresso, surge necessariamente como a promessa ou, mes­mo, como a profecia de uma nova e feliz idade do mundo.

68De Voltaire a Condorcet, a história, dita universal, passa a surgir como o registo dos avanços cumulativos do espírito humano, presente nos diferentes domínios em que a cultura e a acção humanas se fazem sentir.

69Nesta visão geral dos tempos, ainda que o presente surja como clímax do evoluir histórico, seja a propósito de Luís XIV seja a propósito da Revolu­ção Francesa, o foco que lhe confere sentido está colocado adiante, corno se todos os acontecimentos humanos nele convergissem e só à sua luz ganhas­sem, de forma retrospectiva, pleno sentido.

70O Esquisse d’un tableau historique des progrès de l’esprit humain, que Condorcet escreve nos meses anteriores à sua morte, em 1794, é, a este res­peito, representativo e significativo.

  • 32 Louis Bonald classificou o Esquisse... como "a última produção da filosofia no processo que instaur (...)

71Representativo, já que Condorcet é classificado, por autores de diferen­tes orientações, como o último dos philosophes, ao mesmo tempo que a sua obra derradeira é vista como a súmula do iluminismo francês.32

  • 33 Condorcet, Esquisse d’un tableau historique des progrès de l’esprit humain, Paris, Flam­marion, 198 (...)

72Significativo, na medida em que a décima e última época do Esquisse... tem os "progressos futuros do espírito humano" por objecto,33 não no âmbito próprio da construção literária, como se verificara com L’an deux mille quatre cent quarante, de Mercier, muito menos no domínio do vislumbre profético, mas nos termos de uma antevisão filosófica e política, assente em legitimidade semelhante à da previsão científica.

  • 34 Ibidem. A analogia assenta na convicção de que o objecto da história é susceptível de ser conhecido (...)

73O capítulo inicia-se exactamente com o esclarecer desta pretensão: "se o homem pode predizer, com quase inteira segurança, os fenómenos de que conhece as leis (...) que nos leva a olhar como empreendimento quimérico a tentativa de traçar com verosimilhança o quadro dos destinos futuros da espé­cie humana, de acordo com os resultados da sua história?"34

74Partindo de uma resposta positiva a esta interrogação, de fundo retórico, Condorcet esclarece, de seguida, que "as nossas esperanças sobre o estado futuro da espécie humana podem reduzir-se a três pontos importantes: a destruição da desigualdade entre as nações; os progressos da igualdade num mes­mo povo, enfim o aperfeiçoamento real do homem".

  • 35 Ibidem, p. 271.
  • 36 Ibidem, p. 277.

75Tudo se encaminharia para que chegasse o tempo em que "o Sol não iluminaria, na Terra, senão homens livres, que não reconheceriam outro se­nhor para além da sua razão",35 época em que o aperfeiçoamento da espécie levaria os homens a "abraçar tudo o que interessa verdadeiramente à sua feli­cidade".36

76Como se faz depender o sentido da história da perfectibilidade humana e esta é concebida como indefinida, entre os progressos futuros dos homens não se encontra a determinação de um quadro preciso de fins últimos, mas tão­-só a conquista progressiva da racionalidade, da liberdade, da igualdade por parte de cada um e da comunidade como um todo.

77O aspecto que sobressai neste discurso utópico que pretende descrever a dinâmica que presidiria ao evoluir histórico é o de que o dever-ser se encon­tra inscrito no próprio ser como necessidade, na medida em que a sua figu­ração surge como a meta para que a disposição que rege o percurso temporal da humanidade se encaminha.

  • 37 Cf. ibidem, p. 89.

78Como a história é feita pelos homens, ou melhor, pelas suas respostas ao vocativo para o aperfeiçoamento, não há futuro alheio aos projectos e à vontade dos próprios, ainda que seja claro que a revelação do sentido da his­tória, pela qual a espécie ganha consciência de si, constitua um poderoso in­centivo na ascensão da humanidade a patamares futuros''.37

  • 38 Condorcet é o autor de um projecto de instrução pública, apresentado na Convenção, bem como de Cinq (...)

79As realizações da revolução vitoriosa, no passado recente, a instrução pública universal e laica, em projecto e debate,38 o combate a favor da ordem republicana, que daria lugar à constituição de uma comunidade de cidadãos livres e iguais, mostrariam que o vão que vai do existente ao necessário é constituído por um intervalo que a acção humana depressa poderia vencer.

  • 39 "Os homens – escreve Condorcet – aproximar-se-ão deste estado em que todos terão as luzes necessári (...)
  • 40 "Os povos livres – escreve Condorcet – não conhecem outros motivos de distinção nas suas escolhas a (...)
  • 41 Esquisse..., p. 275.
  • 42 Ibidem, p. 137.
  • 43 Condorcet citado por Frank Alengry, Condorcet, guide de la révolution française, Genebra, Slatkine (...)

80As expectativas que a visão conjunta da história legitimaria são muito variadas e sugestivas, seja pelos seus resultados seja pela dinâmica que lhe preside. Anuncia-se a maioridade individual e colectiva''.39 Sugere-se que a atribuição de cargos dependerá unicamente do mérito.40 Supõe-se que a propagação do saber criará uma opinião pública esclarecida, capaz de fazer prevalecer o inte­resse comum.41 Afirma-se que "os progressos da virtude acompanham sempre os das luzes."42 Acredita-se que: "o amor ao bem geral e mesmo a coragem para se lhe devotar é, por assim dizer, o estado do homem esclarecido".43

  • 44 Esquisse, p. 267.
  • 45 Ibidem, p. 323.

81Como a "natureza não colocou qualquer limite às nossas esperanças",44 toda a expectativa resultante de aperfeiçoamento humano torna-se razoável: "o grau de virtude a que, um dia, o homem pode chegar – escreve Condorcet, em texto evocativo da Nova Atlântida, de Francis Bacon – é-nos tão inconce­bível quanto aquele a que a força do génio pode ser conduzida''.45

82Todas as imagens em que as aspirações tidas por legítimas se tinham vertido passam a surgir, no espírito festivo e refundador revolucionário, como possibilidades plausíveis. O seu brilho faz cintilar o fulgor audaz dos discur­sos, o ânimo épico dos combatentes, as bandeiras intrépidas das barricadas.

83Ainda que as obras referidas de More, Morelly, Mercier e Condorcet constituam marcos paradigmáticos na história da literatura utópica corrente­mente aceites, os sentidos do discurso utópico, ao longo do período considera­do, excedem em muito o teor das suas páginas.

84A ambiguidade do conceito e a complexidade do género criado por More proporcionam a polissemia e a plasticidade, dando lugar a manifesta­ções muito distintas entre si, desde o simples jogo literário, à congeminação arquitectónica e urbana ou ao devaneio nostálgico em que mundos áureos e vivências perdidas são preservados da usura do tempo.

85As próprias regras canónicas das disciplinas e dos géneros conhecem, neste processo, metamorfoses significativas: a narrativa pode primar pela au­sência de personagens e de enredo, a reflexão ter a escassez de argumentos teóricos como atributo, a imagética restringir-se à sugestão, resultante da evo­cação genérica do acervo geral das figuras pelas quais o desejo de bem-estar comum se deixou, ao longo dos séculos, representar.

86Porém, a diversidade e a peculiaridade de manifestações não retiram pertinência à apreciação da literatura utópica como modalidade de inteligibili­dade política, já que cada criador de uma nova cidade não pode deixar de re­tomar, a seu modo, os problemas inerentes ao cumprimento da tarefa que Utopus dera por concluída.

Topo da página

Notas

1 Seguimos a terceira edição – em que Thomas More altera e corrige alguns aspectos das duas primeiras edições, publicada em Basileia, em Novembro de 1518.

2 A evocação de A República, implícita ou explícita, repete-se ao longo da obra, como a sesti­lha, o estatuto de marinheiro-filósofo do narrador e o tema do relacionamento entre o filósofo e o monarca, adiante referidos, documentam.

3 Utopia, p. 117.

4 Ibidem.

5 A ilha da Utopia remontaria, segundo os anais que conservaria, a mil setecentos e sessenta anos atrás (Utopia, p. 77). Feitas as contas e supondo que a obra foi escrita em 1515, a ilha teria sido criada em 245 a. C., ano em que Agis IV tentou, sem sucesso, restabelecer a consti­tuição de Licurgo em Esparta (cf. André Prévost, L’Utopie de Thomas More, Paris, Editions Mame, 1979, p. 677). A escolha da data da derradeira tentativa de repor a civilização esparta­na é, obviamente, simbólica. O seu significado transitara para a ilha a que Hitlodeu aportou.

6 Utopia, p.11.

7 Ibidem.

8 Cf. Utopia, pp. 74,75,84.

9 Ibidem, p. 162.

10 Cf. Bronislaw Baczko, Les imaginaires sociaux. Mémoires et espoirs collectifs, Paris, Payot, 1984, p. 109.

11 Ibidem, p. 94.

12 Vide ibidem, pp. 53 e ss.

13 Cf. Utopia, p. 71.

14 Ibidem.

15 Cf. ibidem, p. 86.

16 Cf. ibidem, p. 72.

17 Cf. ibidem, p. 76.

18 Cf. ibidem, p. 80.

19 Ibidem, p. 81.

20 Cf. ibidem, p. 81.

21 Ibidem, p. 104.

22 Ibidem, p. 116.

23 Ibidem, p. 142.

24 Ibidem, p. 26.

25 Bronislaw Baczko, Lumières de l’utopie, Paris, Payot, 1978, p. 19.

26 Morelly, Naufrage des îles flottantes ou basiliade du célébre Pilpai, Messina, Par une So­ciété de Libraires, 1753, p. 1.

27 Morelly, Code de la nature ou le véritable esprit des lois de tout le temps négligé ou mé­connu, Partout chez le vrai sage, 1755, p. 22.

28 Charles Rihs, Les philosophes utopistes. Le mythe de la cité communautaire en France au XVIII siècle, Paris, Marcel Rivière, 1970, p. 184; Jean-Jacques Chevalier, Histoire de la pensée politique, Paris, Payot, 1993, pp. 825 e ss.

29 Cf. Paul Hazard, Crise da consciência europeia, Lisboa, Edições Cosmos, 1948, p. 227 e ss, e O pensamento europeu do século XVIII, Lisboa, Editorial Presença, 1989, p. 24.

30 A sugestão é insinuada pelo próprio Morelly: "quase todos os povos tiveram e têm ainda uma idade do ouro, que seria verdadeiramente aquela em que reinou entre os homens a perfeita so­ciabilidade de que desenvolvi as leis. Talvez essa primeira inocência tenha sido praticada durante séculos sem reflexão e, consequentemente, sujeita a corromper-se" (Morelly, Code de la nature..., p. 141). Face ao exposto, a conclusão de Charles Rihs parece óbvia: "Morelly (...) coloca a nova idade do ouro à nossa frente. Seria um estado de Natureza no qual o homem teria atingido plenamente a consciência do seu destino universal (Charles Rihs, op. cit., p. 171).

31 Louis Sébastien Mercier, L’an deux mille quatre cent quarante, Bordéus, Éditions Ducros, 1971, p. 3.

32 Louis Bonald classificou o Esquisse... como "a última produção da filosofia no processo que instaurou à sociedade" (Louis Bonald, Oeuvres complètes, Paris, Migne, 1859, p. 721), Jean Jaurès referiu-se a Condorcet como sendo o "nobre herdeiro da filosofia do século XVIII" (Jean Jaurès, História socialista, Lisboa, Antiga Casa Bertrand – João Bastos, livreiro-editor, 1901, v. II, p. 394), enquanto Alexandre Koyré diz-nos que Condorcet não inovou e que o seu papel foi o de "ordenar, de sintetizar, de sistematizar e de conduzir à sua conclusão lógica as concepções do seu tempo" (Alexandre Koyré, Etudes d’histoire de la pensée philoso­phique, Paris, Éditions Gallimard, 1981, p. 112).

33 Condorcet, Esquisse d’un tableau historique des progrès de l’esprit humain, Paris, Flam­marion, 1988, p. 285.

34 Ibidem. A analogia assenta na convicção de que o objecto da história é susceptível de ser conhecido de forma semelhante aos objectos das ciências naturais, como da interrogação, igualmente retórica, que segue o texto acima transcrito: "o único fundamento da crença nas ciências naturais é a ideia de que leis gerais, conhecidas ou ignoradas, que regulam os fenó­menos do universo, são necessárias e constantes; e por que razão este princípio seria menos verdadeiro para o desenvolvimento das faculdades intelectuais e morais do homem do que para as outras operações da natureza?" (Condorcet, ibidem).

35 Ibidem, p. 271.

36 Ibidem, p. 277.

37 Cf. ibidem, p. 89.

38 Condorcet é o autor de um projecto de instrução pública, apresentado na Convenção, bem como de Cinq mémoires sur l’instruction publique, publicadas em 1791.

39 "Os homens – escreve Condorcet – aproximar-se-ão deste estado em que todos terão as luzes necessárias para se conduzirem segundo a própria razão nos negócios comuns da vida e para a manterem isenta de preconceitos" (Condorcet, Esquisse..., p. 266).

40 "Os povos livres – escreve Condorcet – não conhecem outros motivos de distinção nas suas escolhas além dos talentos e das virtudes" (Condorcet citado por Catherine Kintzler, Con­dorcet, l’instruction publique et la naissance du citoyen, Paris, Le Sycomore, 1984, p. 223).

41 Esquisse..., p. 275.

42 Ibidem, p. 137.

43 Condorcet citado por Frank Alengry, Condorcet, guide de la révolution française, Genebra, Slatkine Reprints, 1971, p. 754.

44 Esquisse, p. 267.

45 Ibidem, p. 323.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Luís Crespo de Andrade, « Utopia », Cultura, Vol. 22 | 2006, 71-83.

Referência eletrónica

Luís Crespo de Andrade, « Utopia », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 11 Novembro 2015, consultado a 22 Março 2017. URL : http://cultura.revues.org/2162 ; DOI : 10.4000/cultura.2162

Topo da página

Autor

Luís Crespo de Andrade

FCSH-UNL e CHC
Professor na FCSH, UNL. Investigador do Seminário Livre de História das Ideias e do Centro de História da Cultura. Autor, entre outros estudos, de Pla­netário utópico e cultura integral. Aspectos do discurso utópico português contemporâneo (1996) e de Fundamentos da esperança política. A alegria comunista (2006).

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org