Navegação – Mapa do site
Percursos

Jorge Luís Borges

Nacionalista e cosmopolita
Jorge Luís Borges: Nationalist and Cosmopolitan
Vamireh Chacon
p. 127-135

Resumos

Pouco antes de falecer, Jorge Luís Borges determinou que sua esposa, Maria Kodama, não pu­blicasse seus livros regionalistas de juventude em suas obras completas, que assim ficariam incompletas, uma decisão tipicamente borgiana. A viúva preferiu não cumprir a determinação e as obras editadas se tornaram completas, na medida em que possam ser descobertos manuscritos ainda inéditos. Elas revelam um amplo arco, correspondendo à sua longa vida, da juventude muito argentina e profundamente bonaerense, do seu país e cidade natal Buenos Aires, ao mun­do. Os seus artigos, publicados mais em revistas literárias que jornais, desde cedo revelam esta vocação universal. Jorge Luís Borges escreveu com freqüência sobre autores estrangeiros. Depois, os próprios temas dos livros vão mudando dos regionalismos e até localismos, rumo às dúvidas e ambigüidades intrinsecamente humanas de todas as partes do mundo, onde ele as imaginariamente situa. Ao fim e ao cabo, Jorge Luís Borges – traduzido e homenageado em muitos países – preferiu morrer em Genebra e lá ser sepultado, onde estudara na adolescência, quando fora muito feliz na descoberta inicial de outras culturas. Elas demoraram a nele predo­minarem, mas terminaram acontecendo. Mesmo assim, ele no íntimo nunca deixou de todo a argentinidade. Crescentemente cosmopolita, o nacionalismo jamais abandonou por completo o espírito de Jorge Luís Borges. Sua atitude pró-britânica, durante a própria Guerra das Malvinas, pode ser interpretada como protesto e advertência diante de uma derrota próxima.

Topo da página

Texto integral

1Não há cultura inocente.

2Dizer que não se está a fazer política, é uma das formas de fazê-la.

  • 1 Estela CANTO, amor platónico segundo ela, conheceu e conviveu muito de perto com Jorge Luís BORGES (...)

3Jorge Luís Borges passa por apolítico, até seus íntimos pretendem testemunhá-lo, mas envolvem-se em contradições, ao apontarem Borges, tão cere­bral, deixar-se levar por paixões políticas inclusive motivadas pelos seus inter­esses de classe e família.1

  • 2 TEITELBOIM, Volodia. 2ª ed. Los dos Borges. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1996, p. 149. O p (...)

4Volodia Teitelboim – que tem a grandeza de estudar objetivamente Bor­ges, apesar de ele, Teitelboim, haver estado sob perseguição na época em que Borges apoiava abertamente os opressores ditatoriais militares argentinos – Teitelboim interroga-se e responde: "Borges apolítico? Não parece tão certo. Já conhecemos suas proclamações anarquistas e comunistas de juventude".2

5O próprio Borges mais uma vez se encarregou de explicar-se, em seu Um Ensaio Autobiográfico, ter começado politicamente pelo elogio da "re­volução russa, a fraternidade do homem e o pacifismo", em livro destruído pelo autor, Os Salmos Vermelhos ou Os Ritmos Vermelhos, em versos livres em parte publicados... Eram influências de Pio Baroja, confessa Borges, e da recente Primeira Guerra Mundial vista quase de perto, de Genebra, onde seus pais passavam temporada, a alongar-se por cinco inesquecíveis anos de forma­ção. Fiel a eles, Borges optará por passar seus últimos dias na Suíça. Interes­sante também a iniciação de Borges na poesia por Walt Whitman, cujo intenso amor ao povo deve ter contribuído para aquela fase inicial.

  • 3 Um Ensaio Autobiográfico, ob. cit., pp. 67-70.

6Em lenta volta a Buenos Aires, a família de Borges passa quase três anos na Espanha, em Sevilha e Madrid interessa-se pelo ultraísmo a ponto de trazê-lo à Argentina e por ele, depois, desinteressar-se.3

7Daí em diante, Jorge Luís Borges entra numa espiral nacionalista-cos­mopolita, pendulando, por assim dizer dialeticamente, entre os dois extremos, dos vários do seu temperamento inquieto e paradoxal.

  • 4 ANDRADE, Mário. "Literatura Modernista III". São Paulo: Diário Nacional, 13 de maio de 1928.

8No Brasil, Mário de Andrade, já em 1928, captou muito bem esta bipo­laridade íntima, entre outras, em Borges: "eu falei que o nacionalismo argen­tino era mais inconsciente que rotular". "Quem se preocupa mais com ele é Jorge Luís Borges. Este poeta e ensaísta me parece a personalidade mais sa­liente da geração moderna da Argentina. Depois de Ricardo Güiraldes", o autor do celebrado romance gauchesco Dom Segundo Sombra.4

9Mário de Andrade referia-se aos livros de poemas Fervor de Buenos Aires (1923) e Luna de enfrente (1925) e ao de ensaios Inquisiciones (1925), todos por Borges renegados, mais, na mesma linha argentinista, El tamano de mi esperanza (1926), El idioma de los argentinos (1928), ambos de ensaios, e Cuaderno San Martín (1929) com nome não por conta do Li­bertador e sim pelo tipo (!) de caderno usado, todos igualmente refugados pelo autor por idênticos motivos.

  • 5 Um Ensaio Autobiográfico, ob. cit., p. 82.

10Na sua busca de universalidade, Borges confessava haver concluído pela necessidade de "evitar hispanismos, argentinismos, arcaísmos e neologis­mos" na sua estilística. Mas, antes, "Fui ao outro extremo: tentei ser o mais argentino que pude. Peguei o dicionário de argentinismos de Segóvia e intro­duzi tantos termos locais que muitos de meus compatriotas mal conseguiram entender. Como perdi o dicionário, não estou seguro de que eu mesmo possa entender o livro, de modo que o abandonei por estar além de qualquer espe­rança" (sic).5

11Apesar do expresso repúdio a estas obras por Borges, a viúva Maria Kodama decidiu republicá-las após o falecimento do autor, e elas vêm de­monstrando ainda ter um grande público favorável, ao lado das mundialmente aclamadas de sua autoria.

  • 6 OLEA FRANCO, Rafael. El otro Borges, el primer Borges. México: Fondo de Cultura Eco­nómica, 1993, p (...)
  • 7 Estela CANTO insiste longamente na fundamental argentinidade de Jorge Luís BORGES, tanto por opção, (...)

12Rafael Olea Franco demonstrou como o crioulismo, sinônimo de argen­tinidade literária, permaneceu subjacente actuante em toda produção de Borges: crioulismo versus europeísmo, nacionalismo versus cosmopolitismo, emer­gindo, por exemplo, na sua mudança de opinião sobre Sarmiento, o presidente pedagogo da Argentina, diante de Rosas, o ditador xenófobo, um urbano (a "civilização") e o outro rural (a "barbárie") como se vê no clássico Facundo, biografia sociológica de um dos caudilhos por Sarmiento incansavelmente combatidos na prática e na teoria.6 Estela Canto, sua íntima por décadas, vai adiante, testemunha a inseparabilidade entre Borges e Buenos Aires num rela­cionamento profundo e indissolúvel de amor e ódio recíprocos:7 Jorge Luís Borges conseguiu, muito no seu estilo de vida paradoxal, não só literário, ser pelos seus conterrâneos o mais amado e o mais odiado dos autores e dos per­sonagens da sua época, com freqüência ao mesmo tempo...

13Os motivos desta repulsa-atração vêm de longe, já o pai e a mãe de Bor­ges desde criança lhe ensinavam as trágicas sagas das famílias paterna e ma­terna, esta com ainda maior intensidade passional.

14O avô Borges, coronel, era, "em princípios da década de 1870, comandante-em-chefe nas fronteiras do norte e oeste de Buenos Aires". Morreu em combate numa das guerras civis argentinas. Romanticamente, na "sua derrota em La Verde, envolto em um poncho branco, montou um cavalo e, seguido por dez ou doze soldados, avançou devagar em direção às linhas inimigas, onde foi atingido por duas balas..." O pai de Borges gostava de lembrar isso ao filho.

15Um dos bisavôs maternos, Suárez, também coronel, "comandou o fa­moso ataque de cavalaria peruana e colombiana que decidiu a Batalha de Junín, no Peru. Essa foi a penúltima guerra sul-americana pela independência. Embora fosse primo em segundo grau de Juan Manuel Rosas, ditador na Ar­gentina de 1835 a 1852, Suárez preferiu o desterro e a pobreza em Montevidéu a viver sob uma tirania em Buenos Aires. Suas terras foram, evidentemente, confiscadas, e um dos seus irmãos foi executado". A mãe gostava de lembrar isso ao filho.

  • 8 Um Ensaio Autobiográfico, ob. cit., pp. 15, 16, 20 e 21.

16Donde Jorge Luís Borges conclui, com auto-ironia bem típica sua: "Assim, de ambos os lados da família tenho antepassados militares; isso talvez explique minha nostalgia desse destino épico que as divindades me negaram, sem dúvida sabiamente".8

  • 9 A mãe de BORGES, Leonor Acevedo – descendente de cristãos-novos portugueses (cuja as­cendência lusa (...)

17Cedo falecido o pai, a mãe, antes do filho, protestou de público ao ver a chegada do coronel populista, auto-promovido general, Juan Domingo Perón, ao poder. A mãe, presa pela polícia política peronista, confirmou, aos olhos do filho, a vulgaridade, a baixeza e a brutalidade do regime de Perón.9

18Daí a adesão dos Borges aos militares que depuseram Perón.

  • 10 TEITELBOIM (ob. cit., pp. 226-228) descreve reações negativas contra BORGES no Con­selho da Fundaçã (...)

19Entende-se: estes militares reintegraram Borges na direcção da Biblio­teca Nacional, da qual havia sido demitido com humilhação. Borges, em cres­cente reacção, foi ao ponto de apoiar publicamente a ditadura chilena de Pi­nochet, o que talvez lhe tenha causada a perda do Prêmio Nobel, para o qual estava muito celebrado pela imprensa mundial.10

  • 11 Entrevista a Renato MODERNELL na revista Status, São Paulo, agosto, 1984, sob o título "Um Encontro (...)

20Em tempo, durante a Guerra das Malvinas (lembremos também a admi­ração de Borges pelos britânicos, herdada da avó inglesa...), Borges voltou-se contra a ditadura militar no seu país e em todo o continente, como se vê na sua resposta, em 1984, a um jornalista ("E o que o senhor pensa sobre os militares latino-americanos?"): "Uma calamidade, realmente. Mas veja: quando eles tomaram o poder na Argentina, eu acreditava neles". "Eu falei contra os mili­tares quando eles ainda estavam no poder e era perigoso fazê-lo. De modo que minha consciência está tranqüila".11

21O desdém de Borges pelos políticos, aliás antigo, insere-se no seu elitis­mo intelectual, relativismo filosófico e niilismo religioso, envoltos na sua eru­dição humanística e estilo literário.

22O relativismo filosófico borgiano está muito bem analisado por Juan Nuño em La filosofia de Borges, onde se demonstram as influências rece­bidas principalmente do ultra-idealista inglês Berkeley, dele a Plotino, enfim a Platão, com a preocupação central girando em torno da irrealidade do tempo em ciclos de pesadelos, no caso de Borges pesadelos até pessoais, pesadelos de cego.

  • 12 NUÑO, Juan. La filosofia de Borges. México: Fondo de Cultura Económica, 1986, pp. 10, 133 e 134.

23Assim Borges evita Heidegger ("Heidegger inventou um dialeto ale­mão, nada mais"). Lembre-se também o interesse de Borges pelo empirismo de Hume e até pela filosofia analítica de Korzybski, na busca da impossível exactidão.12

  • 13 Buda (coletânea por Jorge Luís BORGES e Alicia JURADO). Madrid: Alianza Editorial, 2000.
  • 14 Schopenhauer permaneceu o autor filosófico mais preferido por BORGES do começo ao fim da vida, como (...)
  • 15 "Presença de Unamuno". Obras Completas também em tradução no Brasil pela Editora Globo. São Paulo: (...)
  • 16 CANTO (ob. cit.) testemunha-o (p. 253).

24Deste trágico impasse, o Borges final crê encontrar solução em Buda,13 o que o devolve ao Schopenhauer, sua primeira influência filosófica,14 Scho­penhauer acreditando encontrar no Nirvana oriental a solução das suas dúvi­das racionalistas ocidentais. Ainda tão ocidental, Borges fica na admiração, não vai à adesão a Buda. Permanece a angústia profunda em Borges. Portanto, não é de estranhar sua preferência extremada por Unamuno ("o primeiro escritor do nosso idioma")15 e seu paralelo desprezo pelas amenidades de Ortega y Gasset.16

  • 17 TEITELBOIM, ob. cit., pp. 190-193, 196, 241 e 242, reproduz as anotações de JÜNGER so­bre seu longo (...)

25Daí não haver também surpresa diante da repulsa de Borges a Pablo Neruda, que em vão o procurou pessoalmente, e mesmo ao humanismo social tão puro e despretencioso de Gabriela Mistral. As opções de Jorge Luís Borges iam noutra direcção muito diferente, tanto a André Malraux quanto a Ernst Jünger: ao primeiro desejava que recebesse o Prêmio Nobel e ao segundo chegou a visitar pessoalmente e com ele entreter longo diálogo, menos sobre filo­sofias de vida que sobre pormenores dela.17

  • 18 TEITELBOIM, ob. cit., p. 260.

26Ao ficar ao mesmo tempo com Jünger e Malraux, Borges demonstrava pairar acima da política fascista e antifascista, embora nem uma posição, nem outra, nem de longe esgotasse cada um destes, por mais que adversários e adeptos tentassem a isto limitá-los. O interessante a respeito, na época, foi a obra do então iniciante Jorge Luís Borges ter atraído a atenção nada menos que de Drieu la Rochelle de visita a Buenos Aires:18 Drieu em tão acidentado itinerário de herói nacional na Primeira Guerra Mundial a anti-herói colabora­cionista em breve na Segunda.

  • 19 BORGES contra os nazistas em "Definição de Germanófilo" (Obras Completas, ob. cit., IV vol., p. 514 (...)

27Em defesa de Borges, diante das intermináveis acusações posteriores em relação às suas simpatias autoritárias senão totalitárias, lembre-se ter ele protestado contra os triunfos militares nazistas, ao auge em 1940, e seu regozi­jo com as derrotas deles em 1944.19

  • 20 CANTO, ob. cit., p. 245.
  • 21 Maria Esther VÁZQUEZ relata uma tentativa de suicídio de BORGES em julho de 1982, pouco depois da d (...)
  • 22 Vide TEITELBOIM, ob. cit., pp. 211 e 212, contudo também a p. 221.
  • 23 Vide nota 11.
  • 24 BORGES por um lado declarava "imbecis" os oficiais argentinos que haviam sacrificado, por incompetê (...)

28Quanto aos ditatoriais militares argentinos, Borges deles esperava um anti-populismo dirigido contra Perón,20 substituído por populismo ainda pior porque belicista na Guerra das Malvinas,21 para decepção de Borges, culmi­nando no mútuo repúdio entre ele e aqueles militares.22 O caso de Pinochet foi de muito maior complicação para Borges, dado o maior envolvimento deste com aquele.23 Terminando pela generalizada decepção borgiana diante de todos os militaristas latino-americanos, a quem acabou dedicando acerbas condenações por suas incompetências e seus desmandos.24

29Antes de Borges, era análoga a tragédia de Leopoldo Lugones, atraído pela ilusão militarista, da qual fez vibrante elogio no seu A Hora da Espada, sua decepção o levando ao suicídio. A relação Borges-Lugones foi do elogio ao afastamento e a reaproximação daquele diante deste.

30Após a Guerra das Malvinas, em 31 de dezembro de 1982, no jornal El Mercurio de Santiago do Chile, Borges declarava textualmente: "No mundo há atualmente um erro ao qual todos temos propensão, do que também eu tenho sido culpado: este erro se chama nacionalismo. É causador de muitos males. Eu, por exemplo, até pouco tempo me sentia orgulhoso dos meus ante­passados militares. Agora, não".

31Acontece que um dos historiadores argentinos da Guerra das Malvinas, Rubén Oscar Moro, relata haver procurado em casa Jorge Luís Borges, para pedir-lhe o prefácio ao seu La guerra inaudita (Historia del conflito del Atlántico Sur), e Borges aceitou, relembrando seu avô o coronel Borges tom­bado numa das guerras civis argentinas. Muito pouco tempo depois, Borges faleceu sem concluir a tarefa. Contudo, aquele autor dedica-lhe o livro e começa-o com um dos últimos poemas borgianos (sobre Caim e Abel), que ter­mina assim: "Enterraram-nos juntos. A neve e a decomposição os conhecem. O facto referido ocorreu num tempo ao qual não podemos entender".

32Mais uma das tantas fundamentais contradições de Jorge Luís Borges?

  • 25 Pedro ORGAMBIDE mostra como as atitudes políticas de Borges estão enraizadas "em seu próprio pensam (...)

33Claro que sim, mas, nós todos, não somos menos ou mais contraditó­rios?... As novas gerações argentinas vêm conseguindo entender as fontes das contradições de Borges.25

  • 26 NUÑO (ob. cit., p. 136) comenta-o extensamente.

34O crítico Juan Nuño, que foi o primeiro a alongar-se na subjacente filo­sofia de Borges, demonstrou o seu básico solipsismo (Borges sempre cita fa­voravelmente Berkeley), sua consciência do dilema moral ("Ainda ignoro a ética do sistema por mim esboçado"), portanto a ausência nele, Borges, sequer de um refugium peccatorum. Enfim, na última inclinação na direção de Hume (do idealismo alemão Borges só aceita Schopenhauer na constatação da neces­sidade de total desprendimento dos sentimentos, não só das paixões, excepto a estética, noutra grande contradição, como se vê no seu ensaio sobre Sweden­borg), conclui sob o brutal impacto da realidade: "Negar a sucessão temporal, negar o eu, negar a ordem astronómica, são desesperos aparentes e consolos secretos. Nosso destino é espantoso porque é irreversível e de ferro. O tempo é a substância de que sou feito. O tempo é um rio que me arrebata, mas eu sou o rio; é um tigre que me destroça, mas eu sou o tigre; é um fogo que me consome, mas eu sou o fogo. O mundo desgraçadamente é real; eu, desgraçadamente, sou Borges". Ao término da vida, foi que acabou aceitando: "A já avançada idade me ensinou a resignação de ser Borges".26 Textualmente: "El tiempo está viviéndome".

  • 27 TEITELBOIM, ob. cit., pp. 298, 306 e 307.
  • 28 Foi com o bispo de Jujuy, norte da Argentina, onde BORGES havia pronunciado uma confe­rência na uni (...)
  • 29 Vide, por exemplo, CANTO, ob. cit., pp. 45, 46 e 283.

35O médico, que assistiu seus derradeiros momentos, testemunhou que nunca vira um paciente tão indiferente à morte. Mesmo assim um padre cató­lico e um pastor protestante foram para a beira do seu túmulo, na hora do se­pultamento em Genebra, reivindicar suposta conversão final de Jorge Luís Borges...27 Dele que certa vez polemizou com um bispo católico argentino, so­bre a existência de Deus,28 e que, mais de uma vez, reconheceu a única in­fluência religiosa mais íntima, proveniente da avó metodista inglesa...29

36A minha própria explicação consiste na permanente argentinidade pes­soal de Borges, em especial sua portenhidade, isto é, a permanência de entra­nhado amor à sua portenha Buenos Aires querida, tão mutante como tudo na vida, em mudanças nem sempre aceitas por cada um de nós: este foi o derra­deiro refúgio afetivo profundo, mais que vagamente psicológico, muito menos filosófico. Seus amigos mais próximos testemunham a complexa relação amor-ódio de Jorge Luis Borges com a Argentina em geral e Buenos Aires em especial, onipresente em tudo que disse e escreveu, de modo direto ou indi­reto, em menor ou maior intensidade, mas sempre, sempre, presente. Relação muito típica da elite argentina, em especial a de Buenos Aires.

  • 30 Vide O Dicionário de Borges (O Borges Oral, o Borges das Declarações e das Polêmicas) reunido por C (...)

37Este cosmopolita assumido – que dizia pertencer à literatura universal e não propriamente à argentina, daí proibir a republicação póstuma dos seus pri­meiros livros, O Idioma dos Argentinos, O Tamanho da minha Esperança, não só o polêmico Inquisições o cosmopolita assumido que preferiu agoni­zar e morrer na Genebra querida da adolescência, em vez de receber em Bue­nos Aires as homenagens finais às quais foi tão instado nos últimos momentos, o cosmopolita repetiu, intermitente, ao longo da vida, a sua profunda, inerra­dicável, argentinidade em autênticos literais atos de fé: "Pertencer a um país é, antes de tudo, um acto de fé". "Que significa ser europeu, ser argentino? Um acto de fé". Enfim, "Ser argentino é um irrevogável acto de fé, ou então um acto diante do espelho, uma simulação, uma aparência".30 Ou um europeu exi­lado na América.

38Quanto à sua cidade natal – tão mudada fisicamente pela substituição dos edifícios e humanamente pela das pessoas, em ambos os casos nem sem­pre para melhor, da qual Borges podia refugiar-se por cegueira numa cidade etérea, parada no espaço e no tempo, tentação de todos nós – dela Borges disse, no seu poema "Fundação Mítica de Buenos Aires", ser "tão eterna quan­to a água e o ar".

  • 31 A. Estela CANTO, por exemplo, ob. cit., p. 143.
  • 32 Reunidas por Jorge SCHWARTZ em Borges no Brasil (vide nota 24).

39O radical cosmopolita anglófilo, que escrevia em inglês as cartas amo­rosas mais íntimas,31 também permaneceu sempre fiel à iberidade em mais de um verso ("estais, Espanha, silenciosa entre nós", "incessante e fatal"; o Qui­xote foi um sonho de Cervantes e o Quixote recriou Cervantes, personagem e autor confundidos numa só pessoa; mais Luís de Camões, "flor de Portugal" em "tua Eneida lusitana": "Bem pouco sei de meus antecessores/ portugueses, os Borges: vaga gente/ que prossegue em minha carne", Borges de Moncorvo, Trás-os-Montes, aos quais procurou quando visitou Lisboa); portanto, o não tão cosmopolita como se dizia, menos crendo nisto do que querendo nos fazer crer, este paradoxal cosmopolita ibérico-argentino-bonaerense também foi muito bem recebido nada menos de quatro vezes no Brasil, do que deixou lon­gas entrevistas reunidas em livro.32

40Borges não fugiu mesmo ao mais delicado momento histórico das relações Brasil-Argentina, a participação militar brasileira ao lado dos argenti­nos querendo se libertar do caudilho Juan Manuel Rosas nas guerras platinas do século XIX, ainda hoje tão discutidas pelos dois lados: "Brasil e o tirano. Aquela história/ desenfreada. O todo pelo todo". ("Elegia da Pátria").

  • 33 Na primeira entrevista, a Leo Gilson RIBEIRO em 1970 e na quarta e última (a Roberto d’ÁVILA e Walt (...)

41Nas suas passagens pelo Rio de Janeiro e São Paulo, então aclamadas mais pelos brasileiros que pelos argentinos em seu próprio país, Jorge Luís Borges demonstrava conhecer Euclides da Cunha e Carlos Drummond de An­drade, e confessava haver Gonçalves Dias se incorporado tanto à sua memória e sentimento, que sequer se lembrava do nome do autor, ao recordar os versos que lhe ensinaram, menino: "Minha terra tem palmeiras/ onde canta o sabiá:/ as aves que aqui gorjeiam/ não gorjeiam como lá..." Versos por ele repetidos, com seu sorriso habitualmente irônico, no mais puro sotaque brasileiro...33

Topo da página

Notas

1 Estela CANTO, amor platónico segundo ela, conheceu e conviveu muito de perto com Jorge Luís BORGES ao longo de décadas, abruptamente interrompidas. Ela testemunha os elos po­líticos e de classe dele em Borges a contraluz. 2. ed. Madrid: nº 93 da Colección Austral, Espasa Calpe, 1999, pp. 33-48. BORGES entreteve diversos relacionamentos muito ambí­guos com mulheres, até casar-se, já tarde, com Maria Kodama, de mãe japonesa e pai uru­guaio, nascida na Argentina.

2 TEITELBOIM, Volodia. 2ª ed. Los dos Borges. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1996, p. 149. O próprio BORGES reconhece no seu Um Ensaio Autobiográfico, a propósito da sua juventude, sob o impacto da Primeira Guerra Mundial: "eu ainda era anarquista, livre-pen­sador e a favor do pacifismo". Este texto foi ditado originalmente em inglês ao seu colabo­rador Norman Thomas di GIOVANNI, An Autobiographical Essay (1970), aqui cit. na tra­dução em português brasileiro Um Ensaio Autobiográfico (1899-1970). São Paulo: Globo, 2000, pp. 58 e 59.

3 Um Ensaio Autobiográfico, ob. cit., pp. 67-70.

4 ANDRADE, Mário. "Literatura Modernista III". São Paulo: Diário Nacional, 13 de maio de 1928.

5 Um Ensaio Autobiográfico, ob. cit., p. 82.

6 OLEA FRANCO, Rafael. El otro Borges, el primer Borges. México: Fondo de Cultura Eco­nómica, 1993, pp. 108, 109, 102, 103 e 105-108.

7 Estela CANTO insiste longamente na fundamental argentinidade de Jorge Luís BORGES, tanto por opção, como ele reconhecia, quanto por imposição das circunstâncias mais profun­das de formação e até de deformação pessoais, desde o berço e ao longo da maior parte da vida em Buenos Aires, daí Borges ser tão desta cidade, isto é, portenho, como se diz. Vide, mais uma vez, Borges a contraluz, ob. cit., pp. 11, 48, 56, 57, 202, 69, 64, 65 e 53. Alicia JU­RADO, outra colaboradora de Borges, também testemunha a visceral paixão de BORGES pela Argentina e Buenos Aires em Genio y figura de Jorge Luís Borges. Buenos Aires: Edi­torial Universitaria de Buenos Aires: 3ª ed., 1996 (1ª em 1964), p. 164 e passim.

8 Um Ensaio Autobiográfico, ob. cit., pp. 15, 16, 20 e 21.

9 A mãe de BORGES, Leonor Acevedo – descendente de cristãos-novos portugueses (cuja as­cendência lusa se combinava com a dos Borges paternos de Moncorvo), mais motivo de grande enaltecimento pessoal, repetidas vezes, para o filho – era uma católica liberal conser­vadora e contra o populismo de Perón, depois despeitado por sua esposa Evita não receber homenagens do Vaticano. Por essas e outras, Dona Leonor, em companhia da filha Norah, foram presas pela polícia política peronista numa ruidosa manifestação de protesto no centro de Buenos Aires, o que evidentemente serviu para cada vez maior repulsa do filho contra o peronismo. Esteia CANTO privava da amizade dos Borges naquela fase e deu testemunho no seu livro Borges a Contraluz. ob. cit., pp. 47, 48, 68 e 92.

10 TEITELBOIM (ob. cit., pp. 226-228) descreve reações negativas contra BORGES no Con­selho da Fundação Nobel em Estolcomo, a propósito do seu apoio explícito e veemente à ditadura de Pinochet no Chile (ademais de apoios dele, então, também à ditadura militar ar­gentina, só muito depois repudiados).

11 Entrevista a Renato MODERNELL na revista Status, São Paulo, agosto, 1984, sob o título "Um Encontro de Sumis com gente muito importante".

12 NUÑO, Juan. La filosofia de Borges. México: Fondo de Cultura Económica, 1986, pp. 10, 133 e 134.

13 Buda (coletânea por Jorge Luís BORGES e Alicia JURADO). Madrid: Alianza Editorial, 2000.

14 Schopenhauer permaneceu o autor filosófico mais preferido por BORGES do começo ao fim da vida, como se vê no seu final Um Ensaio Autobiográfico (ob. cit., p. 44): "Enquanto vi­víamos na Suíça, comecei a ler Schopenhauer. Hoje, se tivesse de escolher um único filósofo, eu o escolheria. Se o enigma do universo pudesse ser formulado em palavras, penso que essas palavras estariam na obra dele. Eu o li muitas vezes em alemão..." Borges, naquele livro (breve como os dele), explica ter aprendido alemão quando adolescente estudante de liceu na Suíça, mas por conta própria. Gostou muito do expressionismo alemão, a seu ver superior aos outros modernismos vindos da França, não lhe agradando, porém, o romantismo tido e havido como tão fundamental na Alemanha, muito menos o iluminismo prototípico em Kant. "Na li­teratura alemã eu procurava algo germânico mas só o encontraria, mais tarde, no inglês e no escandinavo antigos" (idem, pp. 42-44). Mesmo assim incluiu o idioma alemão, ao lado deles, num dos poemas de louvor: "doce língua da Alemanha,/ te escolhi e busquei solitário […]. Hoje, na linde/ dos anos cansados, te diviso/ distante como a álgebra e a lua", pois "meu destino é a língua castelhana" ("Ao Idioma Alemão").

15 "Presença de Unamuno". Obras Completas também em tradução no Brasil pela Editora Globo. São Paulo: 2001, IV vol., p. 289.

16 CANTO (ob. cit.) testemunha-o (p. 253).

17 TEITELBOIM, ob. cit., pp. 190-193, 196, 241 e 242, reproduz as anotações de JÜNGER so­bre seu longo diálogo com BORGES na Alemanha em 27 de outubro de 1982, e, em entrevis­ta ao brasileiro Álvaro Alves de FARIA, BORGES insiste que "seu candidato ao Nobel sem­pre foi André Malraux", o "grande Malraux", Borges (O Mesmo e o Outro). São Paulo: Escrituras, 2001, p. 40.

18 TEITELBOIM, ob. cit., p. 260.

19 BORGES contra os nazistas em "Definição de Germanófilo" (Obras Completas, ob. cit., IV vol., p. 514): "O hitlerista, sempre, é um rancoroso, um adorador secreto, e às vezes público, da 'esperteza' foragida e da crueldade"; e "o grau físico de minha felicidade quando me co­municaram a libertação de Paris". "Anotação ao 23 de Agosto de 1944" (Otras inquisiciones. Madrid: Alianza Editorial, 1976, p. 130).

20 CANTO, ob. cit., p. 245.

21 Maria Esther VÁZQUEZ relata uma tentativa de suicídio de BORGES em julho de 1982, pouco depois da derrota militar argentina diante dos britânicos na Guerra das Malvinas (Borges. Esplendor y derrota. Barcelona: Fábula Tusquets Editores, 1999, pp. 314 e 315), du­rante a qual ele se dissociara publicamente da causa argentina e elogiara os britânicos. Terá sido mera coincidência?... Ou mais uma das profundas contradições borgianas???

22 Vide TEITELBOIM, ob. cit., pp. 211 e 212, contudo também a p. 221.

23 Vide nota 11.

24 BORGES por um lado declarava "imbecis" os oficiais argentinos que haviam sacrificado, por incompetência, os despreparados soldados argentinos (entrevista a Roberto d’ÁVILA e Walter SALLES JR in Borges no Brasil org. por Jorge SCHWARTZ. São Paulo: Editora UNESP-Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2001, p. 532) e, por outro, prometia pre­fácio a Ruben Oscar MORO, patriota historiador de La guerra inaudita (Historia del conflic­to del Atlántico Sur). Buenos Aires: Edvern, 2000, p. VIII). Esta e outras contradições, políti­cas e filosóficas sublimadas literariamente, podem tê-lo induzido à tentativa de suicídio da nota 21.

25 Pedro ORGAMBIDE mostra como as atitudes políticas de Borges estão enraizadas "em seu próprio pensamento político", de difícil análise. Seus contemporâneos Martínez Estrada e Eduardo Mallea haviam optado por visões opostas da Argentina: Estrada, a visão objetiva, ensaística; Mallea, a subjetiva, novelística. BORGES declarava-se mais "poeta", que "intér­prete da realidade". Acontece que Leopoldo Lugones foi dos grandes poetas argentinos e veio do socialismo universalista ao "nacionalismo imperial" e ao "culto da coragem", itinerário freqüente na época, décadas de 1920 e 1930, inclusive entre intelectuais (vide ORGAMBIDE, Pedro. "Borges y su pensamiento político" in Antiborges. Compilações e comentários reu­nidos por Martín LAFFORGUE. Buenos Aires: Ediciones Argentina/Javier Vergara Editor-Grupo Zeta, 1999, pp. 257, 271, 272 e 261). O comportamento político de BORGES compli­cava-se pelo seu gosto do "paradoxo como provocação" (p. 258).

26 NUÑO (ob. cit., p. 136) comenta-o extensamente.

27 TEITELBOIM, ob. cit., pp. 298, 306 e 307.

28 Foi com o bispo de Jujuy, norte da Argentina, onde BORGES havia pronunciado uma confe­rência na universidade local e dissera que era ateu. O incidente repercutiu intensamente nos jornais de Buenos Aires (vide FARIA, ob. cit., pp. 36 e 37).

29 Vide, por exemplo, CANTO, ob. cit., pp. 45, 46 e 283.

30 Vide O Dicionário de Borges (O Borges Oral, o Borges das Declarações e das Polêmicas) reunido por Carlos R. STORTINI. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1990, pp. 20 e 78.

31 A. Estela CANTO, por exemplo, ob. cit., p. 143.

32 Reunidas por Jorge SCHWARTZ em Borges no Brasil (vide nota 24).

33 Na primeira entrevista, a Leo Gilson RIBEIRO em 1970 e na quarta e última (a Roberto d’ÁVILA e Walter SALLES JR.), em Borges no Brasil, ob. cit. pp. 498 e 538.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Vamireh Chacon, « Jorge Luís Borges », Cultura, Vol. 22 | 2006, 127-135.

Referência eletrónica

Vamireh Chacon, « Jorge Luís Borges », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 23 Novembro 2015, consultado a 25 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2189 ; DOI : 10.4000/cultura.2189

Topo da página

Autor

Vamireh Chacon

Universidade de Brasília
Professor emérito da Universidade de Brasília. Doutorou-se, em Sociologia do Direito na Faculdade de Direito do Recife, uma das duas mais tradicionais do Brasil. O doutoramento foi realizado simultaneamente na Universidade de Munique na Alemanha, o pós-doutoramento na Universidade de Chicago nos Estados Unidos. Foi inicialmente pro­fessor na mesma Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco, em seguida na de Brasília, de assistente a adjunto e catedrático titular. Ensinou como professor visi­tante, em Universidades da Europa e Estados Unidos, sobretudo na de Erlangen-Nuremberg na Alemanha, na qual veio a receber o título de doutor honoris causa. Vamireh Chacon escreveu vários livros, publicados no Brasil como a História dos Partidos Brasileiros e Gil­berto Freyre (Uma Biografia Intelectual). Em Portugal, O Humanismo Ibérico pela Impren­sa Nacional-Casa da Moeda e O Futuro Político da Lusofonia pela Editorial Verbo.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org