Navegação – Mapa do site
Reflexões

A geopolítica, da Alemanha nacional-socialista à América Latina

Os casos da Argentina e do Brasil
Geopolitics, from the national-socialist Germany to Latin America: The cases of Argentina and Brazil
Mario G. Losano
p. 371-386

Resumos

Este artigo trata de três assuntos: a) As origens alemãs da geopolítica (em particular, a teoria dos "Grandes Espaços" de Karl Haushofer, o geopolítico da cúpula nazista) e sua extensão na América do Sul, sobretudo na Argentina, no período das ditaduras européias, até o final da Se­gunda guerra mundial; b) Os planos geopolíticos da Argentina na América do Sul (com particular atenção à sua expansão no Brasil meridional) até o final da Segunda guerra mundial; c) A geopolítica e os geopolíticos da ditadura militar brasileira e a "reabilitação" da geopolítica depois dos anos setenta-oitenta.

Topo da página

Notas do autor

Este texto foi apresentado como comunicação no XIV Congresso Internacional AHTLA 2005, Europa-América: Paralelismos en la distancia, Universidad Jaume I, Castellón (Espanha), 20 a 24 de setembro de 2005, Simpósio 5: Ideas, intelectuales y paradigmas ideologicos euro­peos en América Latina, 1850-2000. O texto foi traduzido do italiano ao português pela Profa. Marcela Varejão, da Universidade Federal da Paraíba e da Universidade Federal de Pernambuco; Doutora em Sociologia do Direito pela Università degli Studi di Milano, Itália.

Texto integral

1 – As raízes alemãs da geopolítica

  • 1 Os temas mencionados no texto estão tratados de forma mais extensa nas minhas seguintes publicações (...)
  • 2 Henry KISSINGER usa esta expressao a propósito do geopolítico norte-americano (teórico da potência (...)

1Este texto propõe-se ilustrar sinteticamente a circulação das idéias geopolíticas da Europa à América do Sul, com particular referência sobre a Ar­gentina e o Brasil.1 Ainda que a geopolítica como paradigma ideológico tenha recebido o seu nome apenas no século XIX, as aspirações geopolíticas das grandes potências existiam já desde há séculos. Noções vagas como "Estado nacional", "Hispanidad", ou Paneslavismo (e todos os outros "pan-movimen­tos") identificam esferas de influência que plasmavam a política exterior de um Estado; a geopolítica, para usar a expressão de Henry Kissinger, "develo­ped a rationale for it",2 ou seja, oferecia uma explicação racional para certas políticas exteriores animadas pela vontade de potência; a estratégia militar, enfim, "aplicava" aqueles paradigmas ideológicos e aquelas racionalizações geopolíticas, procurando transformá-las em situações de fato (mas freqüente­mente usando-as para justificar ex post as próprias acções de conquista).

2A geopolítica agrada aos generais, independentemente de sua nacionalidade. As idéias do general alemão Karl Haushofer foram recebidas na Amé­rica do Sul, na qual a geopolítica circulou intensamente: a Geopolítica del Cono Sur do general argentino Juan Enrique Guglialmelli faz parte de uma "Colección Geopolítica" que compreende, em tradução espanhola, a Geopoli­tica de Brasil, do general Golbery de Couto e Silva, El expansionismo brasi­leño, de P. Schilling, a Proyección continental de Brasil, do general Mario Travassos, e a Geopolitica de Chile, do general Augusto Pinochet Ugarte. Mas, antes de tratar destes autores contemporâneos, é oportuno realizar um passo atrás.

3A partir do final do século XIX, nos estudos de geografia da área alemã já estavam presentes os conceitos que, em seguida, caracterizaram a geopolítica do nacional-socialismo e que, por este último, foram aplicadas à Améri­ca do Sul, como será visto mais adiante. Tais ideias ainda oitocentistas foram, porém, revitalizadas e impregnadas com um forte conteúdo emotivo pelas mu­tilações territoriais impostas à Alemanha com o Tratado de Versailles, no final da Primeira guerra mundial. Em seguida, com o nacional-socialismo, fundi­ram-se numa doutrina política unitária (que se apresentava, todavia, como fun­damentada na ciência), para justificar e explicar as agressivas expansões terri­toriais, inicialmente da Alemanha, depois, dos seus aliados, Itália e Japão.

  • 3 Friedrich RATZEL, Politische Geographie, Oldenbourg, München 1897, XX-715 pp.; a idéia da guerra es (...)
  • 4 Friedrich RATZEL, Der Lebensraum. Eine biogeographische Studie, em: Festgabe für Albert Schäffle, L (...)

4Entre os séculos XIX e XX, a geopolítica conta com três precursores, que retornam também em quase todos os escritos sul-americanos de geopolítica. O primeiro é o alemão Friedrich Ratzel (1844-1904), que nos seus pri­meiros escritos não mencionava ainda a "geopolítica", mas sim a "geografia política": este é o título de seu livro de 1897,3 no qual recorre, pela primeira vez, ao termo 'Lebensraum' (espaço vital), elaborado depois, cientificamente, na sua obra de 1901.4 O espaço vital é a área na qual pode desenvolver-se um ser vivente, planta, animal, ou homem. O ponto de partida de Ratzel é, assim, a geografia botânica e zoológica; porém, nas suas obras a luta pelo espaço que garante a sobrevivência é descrita, também, com referência às grandes bata­lhas da história.

  • 5 Friedrich RATZEL, Die Gesetze des räumlichen Wachstums der Staaten, "Petermanns Geogra­phische Mitt (...)

5Desde 1896 Ratzel indicava a guerra como instrumento natural para a conquista do espaço vital.5 Na sua teoria, fica assim clara a influência do darwi­nismo social. Semelhante visão do mundo faz dele um consciente teórico do imperialismo europeu e, através da mediação de seu aluno Haushofer (do qual o texto se ocupará a seguir), um involuntário precursor do nacional-socialismo.

  • 6 Os livros que tornaram Rudolf KJELLÉN famoso na Alemanha são: Die Grossmächte vor und nach dem Welt (...)

6Também o sueco Rudolf Kjellén (1864-1922) contribuiu para a afirma­ção da geopolítica, na qual ingressou quando o debate sobre a eventual dissolução da união entre Suécia e Noruega o levou a estudar a natureza do Estado. Kjellén sofreu a influência da visão biológica e social-darwinística de Ratzel, concebendo o Estado como um organismo biológico que se rege segundo leis naturais e se enraiza no seu território. Na geopolítica, a importância de Kjellén consiste, sobretudo, em ter sistematizado as idéias expostas por Ratzel. Porém, as suas erradas previsões sobre o êxito na Primeira guerra mundial e a sua morte em 1922 determinaram o final da sua influência sobre a política sueca, endereçada, em seguida, para uma visão pacífica e neutra das relações internacionais.6

7Enfim, as concepções sobre a estrutura geopolítica da Europa do céle­bre geógrafo e político inglês Halford J. Mackinder (1861-1947) influenciaram fortemente o pensamento de Haushofer, levando-o a afirmar a necessi­dade de um acordo continental da Alemanha com a URSS, até ao momento em que a declaração de guerra da Alemanha contra aquele Estado pôs um fim nos seus projectos. A relação de Haushofer com as teorias de Mackinder é bem diversa daquela que se observa nas teorias de Ratzel e Kjellén: o alemão e o sueco eram para ele uma fonte de inspiração e admiração, enquanto o inglês – ao qual Haushofer não deixa de tributar o máximo reconhecimento cultural – restava sempre o inimigo: o inimigo com o qual é necessário aprender, para melhor combatê-lo. Por isso, o futuro declínio da potência naval inglesa, temido por Mackinder, transformou-se, para Haushofer, num projeto político a ser realizado contra a Grã-Bretanha: o projeto de afirmação da potência ter­restre na Europa central, "the geographical pivot of history", que Mackinder identificava com a Eurásia, da Alemanha à Rússia.

8As propostas dos três precursores da geopolítica confluem no pensamento de Karl Haushofer, do qual ora é oportuno examinar tanto a discutida figura, quanto a indiscutível influência no mundo científico e político alemão da primeira metade de Novecentos.

9Com Karl Haushofer (1869-1946) – general bávaro e, depois, profes­sor: uma das figuras mais enigmáticas e, talvez, uma das eminências pardas mais importantes do século XX – a geopolítica sai do âmbito das reflexões po­líticas ou acadêmicas, para se tornar uma teoria que guia ou justifica a ação política. Para Haushofer, mesmo unido por laços pessoais ou por estreitos vín­culos culturais aos dois precursores da geopolítica, Ratzel e Kjellén, a geopo­lítica é, de facto, uma "ciência aplicada": ou seja, aplicada pelos políticos.

10Dois eventos influíram de modo decisivo para a formação de Karl Haushofer.

11No plano científico, a sua missão militar no Japão (1908-1910) determinou seu interesse pela geopolítica e forneceu-lhe um modelo ideal de Estado autoritário sobre o qual plasmar a Alemanha. No plano político, desde 1919-20, ligou-se por estreita amizade a Rudolf Hess, o "vice" de Hitler, com cuja sorte, indissoluvelmente – e tragicamente – viriam a interseccionar­-se as vidas de Karl Haushofer e de seu filho Albrecht (1903-1945), também ele geopolítico.

12O tratado de Versailles privava a Alemanha de uma parte do território essencial para a sua sobrevivência como grande potência. O debate sobre o "espaço vital" tornou-se, então, politicamente central e, nele, a "geopolítica" assumia um peso crescente, até se apresentar como a pedra angular da ideolo­gia oficial no Estado nacional-socialista. Tem origem em Haushofer a teoria dos "grandes espaços", usada para justificar as agressões alemãs, italianas e japonesas contra os Estados vizinhos. Tal teoria inspirou também o "novo di­reito internacional" teorizado por Carl Schmitt, o mais importante jurista da época nacional-socialista, cujo pensamento está vivendo uma intensa reavalia­ção nos últimos anos.

  • 7 Stefan ZWEIG, Die Welt von gestern. Erinnerung eines Europäers, Suhrkamp, Franfurt 1947, 500 pp.; t (...)
  • 8 Bruno HIPLER, Hitlers Lehrmeister: Karl Haushofer als Vater der NS-Ideologie, EOS Verlag (Erzabtei (...)

13Sobre a complexa e ainda obscura questão das relações e das recíprocas influências entre Haushofer e o nacional-socialismo, o exilado escritor judeu Stefan Zweig (1881-1942), que conheceu Haushofer exprimiu, pessoalmente, ainda nos anos Quarenta, um juízo equilibrado: "Não vejo nele [...] uma de­moníaca 'eminência parda' que ocultamente arquitecta os planos mais perigo­sos e os sugere ao Führer. Mas não existe nenhuma dúvida de que tenham sido exatamente as suas teorias, muito mais do que as teorias dos mais tres­loucados conselheiros de Hitler, conscientemente ou não, aquelas que trans­feriram a agressiva política do nacional-socialismo da esfera nacional à uni­versal. Somente o futuro poderá oferecer o exacto peso histórico de sua figura, com base numa documentação melhor do que aquela da qual dispomos, nós, contemporâneos."7 Hoje, alguns documentos vieram à luz e a influência também pessoal de Haushofer sobre o nacional-socialismo pode ser conside­rada demonstrada pelo menos nas suas linhas principais. Um recente e docu­mentado estudo, escrito pelo padre jesuíta Bruno Hipler, intitula-se signi­ficativamente O mestre de Hitler: Karl Haushofer como pai da ideologia nacional-socialista.8

14Em conclusão, Haushofer foi uma eminência parda do nazismo, mas não participou diretamente dos seus crimes de guerra: por isso, foi preso pelos aliados, que, porém, renunciaram a julgá-lo em Nuremberg. No que se refere à América do Sul, como veremos, ele foi responsável pelas associações que mantinham os contactos com os alemães no exterior, respondendo diretamente a Hess (o alter ego de Hitler, até o seu nunca esclarecido vôo para a Inglaterra em 1941). Assim, também a visão do "grande espaço" sul-americano sob a he­gemonia argentina está diretamente inspirada nas idéias geopolíticas de Haushofer.

2 – A geopolítica, da Europa das ditaduras à América do Sul

  • 9 Sergio Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta. Nazismo na América: A conexão argentina, Rec (...)

15A geopolítica de Haushofer serviu como justificação "científica" para a conquista da Europa oriental por parte da Alemanha, para a formação da "Greater East-Asia Co-Prosperity Sphere", que levou o Japão às portas da Índia britânica, e para a busca por "um lugar ao sol" africano, por parte da Itá­lia, que foi, porém, a mais reticente partidária da geopolítica entre os Estados do Eixo. Outrossim, a geopolítica nacional-socialista influenciou directamente a política exterior da Argentina e do Brasil. O recente livro do diplomata bra­sileiro Sergio Corrêa da Costa (1919-2005), dedicado à penetração nacional-socialista na América do Sul e, em especial na Argentina,9 pode ser lido tam­bém como um perfeito manual de geopolítica aplicada. Se os precursores destes estudos ofereciam uma visão da geopolítica in the books, com o na­cional-socialismo enfrenta-se a geopolítica in action.

16Sergio Corrêa da Costa analisa a "guerra secreta" que a Alemanha nazista conduzia para poder usar as minorias alemãs na Argentina e no Sul do Brasil como "quinta coluna", para apoderar-se de toda a América do Sul. Efectivamente, nos anos Trinta, a Alemanha nacional-socialista estava a realizar dois planos estratégicos, um mais antigo e teórico, outro mais imedia­to e militar.

  • 10 O mapa descrito no texto está na p. 207 e foi pinçado de uma típica obra nacionalista: Otto Richard (...)

17O plano mais antigo e teórico fundava suas raízes no nacionalismo alemão, no Pangermanismo e na geopolítica alemã, ou seja, numa série de ideologias que remontavam ao final de Oitocentos e ao imperialismo guilher­mino, as quais pregavam a unificação de todas as minorias alemãs. Tais vi­sões, aplicadas à América do Sul, estão sintetizadas num mapa do início de Novecentos que representa "A América do Sul em 1950" e que reflete, não a situação geográfica do início do século XIX, mas os desejos do autor que o publicou em 1911: era, assim, a previsão para um nosso futuro que passou. Nesse mapa, a América do Sul estava dividida em três grandes áreas: os "Es­tados Unidos da América do Norte" desceriam, até ocupar boa parte da Co­lômbia e da Venezuela; a "América do Sul inglesa" ocuparia o centro do Bra­sil, o Peru, o Equador e uma parte da Bolívia; enfim, a "América do Sul alemã" (exatamente assim: "Deutsch Südamerika") compreenderia Chile, Argentina, a outra parte da Bolívia e todo o Brasil meridional. O autor do mapa, Otto Richard Tanneberg, não tem dúvidas: "A Alemanha tomará sob sua proteção a Argentina, o Chile, o Uruguai, o terço meridional da Bolívia, por integrar a Bacia do Rio da Prata, e a parte meridional do Brasil, onde reina a cultura alemã".10

18O plano mais imediato e militar, ligado à guerra de expansão da Alemanha nazista, previa a criação daqueles que, vez por vez, eram chamados, na Alemanha, de "Estados Unidos da América do Sul". Esse futuro Estado vas­salo do Terceiro Reich representava uma natural expansão do "espaço vital alemão", ao qual quis endereçar o excesso de população da metrópole: essa era de facto a justificação utilizada pelo nacional-socialismo para os seus obje­tivos territoriais, em detrimento dos outros Estados, não apenas sul-ameri­canos. A criação desse Estado vassalo tinha, porém, uma função estratégica na condução da guerra: um forte aliado alemão na América do Sul teria distraído os Estados Unidos da América do envio de ajuda ao aliado inglês na guerra na Europa, constrangendo-os a pensar nos problemas do seu "quintal de casa".

  • 11 A carta está reproduzida em Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta, cit., p. 290.

19Nessa estratégia do Terceiro Reich para com a América do Sul inscreve­-se um dos pontos de maior interesse do volume: o caso da carta geopolítica nazi sobre o futuro desenho da América do Sul, após a vitória da Alemanha nazi e dos seus aliados do Eixo.11 O título em alemão indica que se trata do mapa da "Rede das linhas aéreas dos Estados Unidos da América do Sul". Sobre o conteúdo e a importância desse mapa, à época secretíssimo, convém deixar a palavra a Sergio Corrêa da Costa:

  • 12 Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta, cit., p. 289.

O mapa mostrava a redistribuição territorial da América do Sul a ser imposta pela Ale­manha depois da vitória. O subcontinente seria reduzido a apenas quatro países e uma colónia, todos sob proteção alemã, a saber: 1. Brasil; 2. Argentina, que absorveria o Uruguai, Paraguai, toda a parte baixa da Bolívia e um corredor para o Pacífico na altura de Antofagasta; com isso, o nosso vizinho se adentrava no continente como um verda­deiro braço em direção à Amazônia, indo além da altura de Corumbá; 3. Chile, incluin­do o restante do Peru e da Bolívia; 4. Nova Espanha, formada pela Colômbia, Vene­zuela e Equador, mais o Panamá e mais a zona do canal; 5. as três Guianas unificadas como colónia francesa. A Argentina, portanto, além de reconstituir as fronteiras do vice-reinado do Prata, decepa uma faixa de Chile e assegura a Buenos Aires a almejada saída para o Pacífico [...].12

20A descoberta desse mapa ultrasecreto – dele existiam dois exemplares, um com Hitler, outro com o embaixador alemão em Buenos Aires – teve re­percussões também nos Estados Unidos, porque a referência ao canal do Pa­namá coloca em perigo os interesses daquele Estado e, assim, acciona o meca­nismo da Doutrina Monroe.

  • 13 Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta, cit., p. 291.

Mostrado [i.e.: o mapa] ao Presidente Roosevelt, foi por ele citado em discurso irradia­do em 27 de outubro de 1941. Depois de evocar reiteradas declarações de Hitler de que suas ambições não se estendiam além-Atlântico, assinalou: "São hoje 14 os países nessa área [...], pois os peritos geógrafos de Berlim obliteraram brutalmente todas as linhas divisórias para reduzir a América do Sul a cinco Estados vassalos, todos sob dominação alemã [...] e o fizeram de forma a que um deles incluísse a República do Panamá […]. O mapa deixa claro que os desígnios nazis não são apenas contra a América do Sul, mas igualmente contra os Estados Unidos".13

  • 14 Theodore Roosevelt a Hugo Munsterberg, 3 de outubro de 1941, em Elting E. MORISON (ed.), The Letter (...)

21Por outro lado, os Estados Unidos estavam conscientes de tais ambições alemãs com relação à América do Sul. Em 1914, Roosevelt escrevia, efectiva­mente: "Do you not believe that if Germany won in this war, smashed the English Fleet and destroyed the British Empire, within a year or two she would insist upon taking the dominant position in South and Central America?".14

22Uma vez que a geopolítica inspirada por Haushofer teve repercussões clamorosas também na Argentina e no Brasil, Haushofer não podia faltar no livro de Sergio Corrêa da Costa, que o recorda como animador de numerosas associações, fundadas já antes do nazismo, para manter os contatos com os alemães no exterior.

23Todavia, a importância de Haushofer foi muito exagerada durante a guerra. Por exemplo, o "Reader's Digest" descreve o seu (inexistente) "Institu­to de Geopolítica" na Universidade de Munique como uma central com milha­res de colaboradores. Ao invés, em Munique realmente existira, sob a direção de Haushofer, uma "Deutsche Akademie" que se ocupara da "germanicidade" (Deutschtum) e das relações culturais não oficiais com o exterior. Fundada em 1925, foi dissolvida em 1945. Ela desenvolvia estudos alemães de alto nível, mas possuía também uma "Seção prática" (Praktische Abteilung) que se dedi­cava ao ensino do alemão como língua estrangeira. A herança desta secção foi recolhida em 1961 pelo atual "Goethe-Institut", por sua vez fundado em 1932, dissolvido no pós-guerra e reconstituído em 1952. A Academia mesma, no en­tanto, não foi reconstituída e hoje, de fato, encontra-se quase esquecida.

  • 15 IDGR – Lexikon Rechtsextremismus, alla voce: Verein für das Deutschtum im Ausland nel sito: http:// (...)

24Sergio Corrêa da Costa recorda ainda um "Verein für das Deutschtum im Ausland" (Associação para o Germanismo no Exterior, VDA), que assumi­ra este nome em 1908, mas existia desde 1880, como associação gestora das escolas alemãs no exterior. Tal associação conheceu grande expansão com o nacional-socialismo e por isso os Aliados proibiram-na em 1945. Foi recons­tituída, porém, em 1955 e – assumindo uma posição política de extrema-direi­ta – ocupou-se activamente, no início, dos alemães expulsos e refugiados; e após 1989, dos "alemães do Volga". Apoiada pelos governos alemães, mas en­volvida em escândalos financeiros, tal associação "expôs-se a si mesma nega­tivamente pelas suas ligações com as ditaduras militares e com os ambientes de extrema-direita e neofascistas. Foram objeto de crítica sobretudo suas relações com a junta militar chilena".15

25Os planos geopolíticos atingiram, assim, um nível paroxístico durante a época nacional-socialista, mas, como foi visto, existiam de forma menos vi­rulenta tanto antes quanto depois das ditaduras européias dos anos Trinta.

3 – Os geopolíticos brasileiros

  • 16 Para uma análise do mercado mundial naqueles anos, cfr. Alfred VAGST, "Kautchuk-Politik", Zeitschri (...)
  • 17 Wanderley Messias da COSTA, O Estado e as políticas territoriais no Brasil, Editora da Uni­versidad (...)

26É a mesma dimensão subcontinental do Brasil que obriga sempre, de facto, a pensar em termos geopolíticos. Assim o fizeram os portugueses a par­tir da expansão colonial, para além da linha traçada pelo Tratado de Tordesi­lhas e para além dos espaços estabelecidos pelo Tratado de Madrid de 1751. Assim continuaram os brasileiros após a independência, quando da metade dos Oitocentos até ao início dos Novecentos estenderam o próprio território às custas dos países confinantes. Ainda na primeira parte dos Oitocentos, a área disputada era sobretudo na parte Sul, fronteira com as ex-colônias espanholas; depois, com o final daquel século, o interesse mundial pela borracha deslocou a atenção internacional para a Amazônia.16 Aquele enorme e despovoado ter­ritório impunha, com força, o problema da segurança nacional (para dele evi­tar a ocupação pelos Estados fronteiriços) e da sua integração no tecido brasi­leiro: tema recorrente até aos dias atuais,17 ainda que a procura de borracha natural tenha sido muito reduzida.

27Partindo destes problemas, a geopolítica brasileira iniciou-se como ciência nos primeiros anos do século XX, com Everardo Backheuser, Carlos Delgado de Carvalho e Mário Travassos, que foram não somente geógrafos, como também pedagogos. Destes precursores ocupar-nos-emos brevemente a seguir. Eles, por sua vez, influenciaram os teóricos do regime militar (1964­-1985), que tinham como ponto de referência a Escola Superior de Guerra no Rio de Janeiro. A nossa atenção será concentrada nos generais Carlos de Meira Mattos e Golbery do Couto e Silva.

  • 18 Veja-se, por exemplo, a sua conferência Brasilio. Farito de la Societo de geografio en Pari­zo, Hac (...)
  • 19 Everardo BACKHEUSER, Das politische Conglomerat Brasilien, "Zeitschrift für Geopolitik", 3, 1926, p (...)
  • 20 Lúcio CASTELO BRANCO, Staat, Raum und Macht in Brasilien. Anmerkungen zu Genese und Struktur der br (...)
  • 21 Everardo BACKHEUSER, Minha terra e minha vida, Instituto Brasileiro de Geografia e Es­tatística, Ri (...)
  • 22 Everardo BACKHEUSER, Problemas do Brasil: estructura geopolítica. O espaço, Omnia, Rio de Janeiro 1 (...)

28a) Entre os precursores da geopolítica brasileira, a figura mais rele­vante é, sem dúvida, Everardo Backheuser (1879-1951), que se colocou na tradição alemã da geopolítica clássica, seguindo os ensinamentos do alemão Friedrich Ratzel e do sueco Rudolf Kjellén, considerados na Europa os pre­cursores da geopolítica. Com a Europa, Backheuser manteve vínculos científi­cos diretos.18 Um escrito de Backheuser19 – "que difundiu, no Brasil, a geopolí­tica alemã"20 – foi publicado na revista alemã de geopolítica editada por Karl Haushofer. Na sua longa vida (que ele mesmo em parte narrou),21 interessou-se também pela Amazônia e, enfim, exerceu uma influência determinante sobre os militares. A eles se deve a publicação dos seus escritos nos anos Cinqüenta.22

  • 23 Carlos Delgado de CARVALHO, Le Brésil méridional. Étude économique sur les États du Sud, Desfosses, (...)
  • 24 É indispensável recordar que a geopolítica européia atingiu seu ápice após 1918, quando o Tratado d (...)

29Por seu turno a formação de Carlos Delgado de Carvalho (1884-1980) está ligada à Europa e, em especial, à escola francesa do geógrafo francês Paul Vidal de la Blanche (1845-1918), cujo método interdisciplinar e culturalista tornou-o, na época, o estudioso francês mais relevante neste campo, a ponto de, em seguida, os historiadores dos "Annales" o considerarem um de seus precursores. Explica-se assim porque um dos mais importantes trabalhos de Delgado de Carvalho tenha sido publicado em francês.23 Os estudos de Vidal de la Blanche imprimiram à escola francesa uma direção bem diversa da geo­política alemã.24 Delgado de Carvalho, por sua vez, exercitou uma forte in­fluência no mais representativo dos geopolíticos militares, o general Golbery do Couto e Silva, mencionado a seguir.

  • 25 Mário TRAVASSOS, Projeção continental do Brasil, Edição Brasiliana, 1938 (trad. mexicana: Proyecció (...)

30Enquanto os dois precedentes autores eram civis, o general Mário Travassos (nascido em 1891) fazia parte da estrutura militar. Nas suas obras, indica dois eixos de expansão do Brasil, um na direção da Bolívia, o outro ao longo do Rio Amazonas, sempre sublinhando a necessidade de povoar as terras excessivamente despovoadas.25 Backheuser associou-se também a tal proposta. Nos anos Cinqüenta, foram criados, ao longo da fronteira, os territó­rios federais, ou seja, diretamente controlados pelo governo central. Surgiram assim os territórios do Amapá e de Roraima, a Norte; Acre, Iguaçu, Ponta Porã e Rôndonia a Oeste e Sudeste e não foi esquecida a ilha – pequena, mas estratégica – de Fernando de Noronha.

  • 26 José Alfredo do Amaral GURGEL, Segurança e democracia: uma reflexão política, José Olympio, Rio de (...)

31As idéias de Mário Travassos passaram, depois, aos dois principais geopolíticos da época da ditadura militar, os generais Carlos de Meira Mattos e Golbery do Couto e Silva. Entre os anos Cinqüenta e Setenta, os militares, par­tindo da dimensão subcontinental do Brasil e de seu desenvolvimento eco­nómico, imaginaram uma sua influência também fora da América do Sul e uma sua posição de primeiro plano como aliado dos Estados Unidos na luta contra o comunismo. Ao mesmo tempo, adoptaram medidas para reforçar a unidade do país e garantir a segurança das fronteiras.26 Foi a época da construção de estra­das e aeroportos militares, de gigantescas barragens para a produção de energia eléctrica, de indústrias estrangeiras incentivadas a instalar-se no Brasil.

32Tais medidas econômicas foram acompanhadas por uma dura repressão interna e tiveram também um alto custo social. Por exemplo, os camponeses evacuados das terras cobertas por lagos artificiais foram deslocados para milhares de quilômetros de distância, muitas vezes sem infraestruturas suficientes.

33Hoje, o balanço daquelas medidas geopolíticas apresenta luzes e sombras. Algumas áreas desenvolveram-se, tornando-se os actuais Estados de Rondônia, Pará e Tocantins. Os projetos rodoviários, contudo, foram realiza­dos apenas em parte. Mas, o objectivo deste escrito não é tentar um balanço sócio-econômico da geopolítica brasileira, mas apenas o de traçar as linhas de desenvolvimento e os seus laços com os geopolíticos europeus.

  • 27 Carlos de Meira MATTOS, Pensamento revolucionário brasileiro, 1964 (não encontrado); id., Doutrina (...)
  • 28 Carlos de Meira MATTOS, A geopolítica e as projeções do Poder, José Olympio, Rio de Ja­neiro 1977, (...)
  • 29 Foi Meira Mattos quem organizou uma edição comemorativa, após a morte de Castello Branco em um inci (...)

34b) O general Carlos de Meira Mattos (nascido em 1913) publicou a maior parte de seus trabalhos depois do golpe de Estado de 1964. Logo a se­guir, um primeiro grupo de seus escritos delineia a teoria que movera os mili­tares na tomada do poder e que teria guiado o seu exercício.27 Alguns anos de­pois, consolidada a ditadura militar, a sua produção concentra-se em temas de geopolítica.28 Com respeito ao outro geopolítico da ditadura militar, o general Couto e Silva, Meira Mattos prestou maior atenção à realização das teorias do que à elaboração de grandes planos geopolíticos. Como militar operativo, é a ele que se deve, no momento da tomada do poder pelos militares, a ocupação e o fechamento do Congresso Federal brasileiro. Foi também um dos princi­pais auxiliares do general e presidente Humberto de Alencar Castello Branco (1900-1967).29

35Em comum com Couto e Silva, resta o fato de terem participado, durante a Segunda Guerra Mundial, da força expedicionária brasileira que actuou na Itália ao lado dos norte americanos, e também em comum possuem a do­cência na Escola Superior de Guerra no Rio de Janeiro. Meira Mattos, além disso, desenvolveu esta actividade didáctica também nos Estados Unidos, no Inter-American Defense College de Washington.

  • 30 Sobre a ideologia inspiradora: Escola Superior de Guerra, Manual Básico da Escola Superior de Guerr (...)

36A presença destes dois eminentes geopolíticos fez da Escola Superior de Guerra o centro de tais estudos no Brasil.30 Ainda que as escolas militares brasileiras tenham uma tradição secular, as origens desta escola são recentes. Os oficiais brasileiros que compuseram a força expedicionária na Itália foram treinados no U.S. National War College, de Washington. Esse período deixou­-lhes uma impressão tão profunda e favorável que, com a assistência de mili­tares americanos e franceses, fundaram em 1949 uma Escola análoga no Rio de Janeiro. Entre os fundadores da Escola encontramos o general Castello Branco, futuro Presidente após o golpe de 1964, e Everardo Backheuser, cujos sucessores naquela escola foram Couto e Silva e Meira Mattos.

  • 31 Alfred C. STEPAN, The Military in Politics. Changing Patterns in Brazil, Princeton University Press (...)
  • 32 Leonardo TREVISAN, O pensamento militar brasileiro, Global, São Paulo 1985, p. 55.
  • 33 Carlos de Meira MATTOS, Uma geopolítica pan-amazônica, José Olympio, Rio de Janeiro 1980, pp. 119-1 (...)
  • 34 Carlos de Meira MATTOS, Brasil: Geopolítica e destino, José Olympio, Rio de Janeiro 1979, XV-151 pp (...)

37A Escola Superior de Guerra distinguia-se do modelo americano na
medida em que eram estudados os factores políticos e diplomáticos que podiam condicionar a política da segurança nacional; mas, sobretudo, porque a instituição admitia, também, civis entre seus estudantes. Assim, a ideologia da Escola circulava numa elite brasileira, tanto militar, quanto civil: entre 1950 e 1967, e cerca da metade dos diplomados na Escola eram civis.31 Depois do golpe de Estado, os postos-chaves militares e civis foram quase completamente confiados a personalidades formadas na Escola Superior de Guerra.32 A política de Meira Mattos para o controle das áreas de fronteira visava realizar acordos com os países vizinhos, mas sempre sob a hegemonia brasileira. Nasceram, assim, os projectos conjuntos com a Argentina, o Uruguai e o Paraguai para a construção de centrais eléctricas, barragens, estradas e portos. Com o "Tratado de cooperação para a Amazônia" de 1978, o Brasil reuniu os oito países interessados numa cooperação que estabilizaria a fronteira do Norte (Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela).33 Todavia, a sua visão ia além das fronteiras brasileiras: ele imaginava um Brasil que unificasse a área que originariamente fora dos portugueses na América, na África e na Europa, opondo-se – ou até mesmo em parte substituindo – a hege­monia dos Estados Unidos.34

  • 35 Golbery do Couto e SILVA, Planejamento estratégico, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro 1955; re (...)

38c) O general Golbery do Couto e Silva (1911-1987) fundou e dirigiu o tristemente famoso Serviço Nacional de Informações da ditadura militar e foi uma figura de primeiro plano na formulação e na aplicação da geopolítica à realidade brasileira, na qual seguiu inicialmente os esquemas traçados nos anos Trinta por Mário Travassos. A obra que o divulgou foi um manual de es­tratégia, e a elaboração da sua construcção geopolítica do Brasil revela essa origem.35 O seu esboço do Brasil futuro levava em consideração não tanto as fronteiras internacionais existentes, mas sim a heterogeneidade das diversas zonas brasileiras e a necessidade de garantir as fronteiras nacionais. As suas cinco "zonas operativas" cobrem, assim, não somente o Brasil, mas a América do Sul no seu todo.

39O "coração" da futura conformação continental era a zona que reagru‑pava os ricos territórios do Sul (Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e o Rio Grande do Sul, a terra natal de Couto e Silva): a "área central de manobra".

40Este rico Sudeste era, ainda, contornado por três "penínsulas": o Nordeste tropical, o Sul e o Centro-Oeste de clima temperado. Dentre tais "penínsulas", o Nordeste premanece inteiramente interno ao Brasil; ao invés, as outras áreas, na visão de Couto e Silva, eram estendidas até incluir também os outros Estados sul-americanos. Assim, a área "Sul" para ele incluía, também, a Argentina, o Uruguai, o Chile e uma parte do Paraguai (denominada "Área Platino-Patagônica"), enquanto a área "Centro-Oeste" se estendia sobre o restante do Paraguai e sobre a Bolívia (e tomava o nome de "Área do escudo central", shield).

41A quinta zona era a "Área da Amazônia", que teria como centro Manaus, mas que estaria destinada a estender-se a todos os outros Estados andi­nos e costeiros da parte setentrional da América do Sul (terminando, assim, por coincidir mais ou menos com a hispânica e colonial Nova Granada).

42Esse grandioso projeto – que certamente não entusiasmava os países limítrofes – correspondia, porém, exatamente às concepções políticas européias dos anos Trinta, quando Carl Schmitt teorizara a aglomeração dos Estados nacionais em "grandes espaços", sob a guia de um Estado hegemônico.

43Partindo destas cinco áreas, Golbery de Couto e Silva indicava os quatro "passos operativos" que levariam o Brasil a dominar pacificamente o con­tinente sul-americano. Inicialmente, era necessário consolidar o próprio Bra­sil. Assim, as "penínsulas" do Sul e do Nordeste deviam ser integradas na "área de manobra"(o rico Sudeste), através do desenvolvimento econômico e das vias de comunicação que um tal projeto exige. As áreas de confins, através da criação dos territórios federais, deveriam ser confiadas aos militares, que nelas teriam criado pólos de desenvolvimento para lhes garantir os laços com o restante do Brasil. O planalto central devia ser, por um lado, colonizado a partir da área central e, por outro, unido à "ilha" amazônica por uma ligação viária que consolidasse aquele território no Estado brasileiro.

  • 36 A exigência geopolítica de deslocar o baricentro do Brasil para o interior remonta ao momento da in (...)

44Tal visão geopolítica traduziu-se em obras concretas. As duas mais famosas são a transferência da capital da costa para o planalto central (ou seja, do Rio de Janeiro para Brasília, em 1960)36 e a construção da estrada Transa­mazônica, que transformou de modo irreversível a região.

  • 37 Golbery do Couto e SILVA, Conjuntura política nacional. O poder Executivo e geopolítica no Brasil, (...)
  • 38 Golbery do Couto e SILVA, Geopolítica e poder, UniverCidade, Rio de Janeiro 2003, XVI-633 pp.: além (...)

45Depois do golpe de Estado de 1964, os escritos de Golbery de Couto e Silva caracterizaram-se pelo anticomunismo (estimulado pela então recente re­volução cubana) e pela atenção aos problemas da segurança nacional.37 Mas ainda hoje o seu pensamento continua a suscitar interesse. Em 2003, as suas obras foram reunidas num amplo volume,38 juntamente com alguns dos seus escritos inéditos que tiveram um forte impacto na vida brasileira. Todavia, convém apenas termos menção desses inéditos pois o seu exame imporia, que passássemos da geopolítica para a história política contemporânea.

4 – A geopolítica entre descrição e avaliação

  • 39 Jaime VICENS VIVES, España. Geopolítica del Estado y del lmperio, Editorial Yunque, Barcelona 1940, (...)
  • 40 Jaime VICENS VIVES, Tratado general de geopolítica. Segunda Edición, Universidad de Barcelona – Edi (...)

46Hoje, a geopolítica pode ser considerada como a metafísica do nacional-socialismo apenas sob o ponto de vista histórico, não obstante no pós-guerra muitos estudos científicos a tenham reabilitado. Em muitos casos, ela voltou a ser uma geografia do mundo como é, e não do mundo como deveria ser. O his­toriador espanhol Vicens Vives viveu as duas esferas da geopolítica, tendo es­crito um livro sobre tal assunto em 194039 e retornado os estudos criticamente em 1950, escrevendo no prefácio ao último volume: "La Geopolítica, que inter­preta el pasado geográfico e histórico para justificar la actualidad, adolecerá siempre del inminente peligro de caer sojuzgada bajo la presión de un régimen totalitario triunfante"; ao invés, diante dos fatos, sua tarefa é: "Comprender, no justificar; hacerlos asequibles, por tanto, a una posible ordenación y sistema­tización, invulnerable a los caprichos de los publicistas extrauniversitarios".40

47Porém, a geopolítica é caracterizada por uma forte carga interpretativa da realidade sócio-espacial e, assim, as suas pesquisas tendem a deslizar ao longo de um plano inclinado, no qual a geo-política se transforma gradual­mente em geo-política; ou seja, no qual se passa do ser ao dever ser, da geo­grafia descritiva à geografia prescritiva, da representação do mundo como é à prefiguração do mundo como deveria ser.

  • 41 Norberto CERESOLE, Argentina: sobre transiciones y decadencias. Cinco ensayos geopolíti­cos para la (...)
  • 42 Um elenco pode ser visto, por exemplo, na abertura do volume do general Juan Enrique GUGLIALMELLI, (...)

48Por isso, também em tempos recentes e também na América do Sul, a geopolítica promove uma certa visão da sociedade futura, usando o dado geo­gráfico como um argumento a favor dessa mesma visão. Por exemplo, o ar­gentino Norberto Ceresole defende uma "geopolítica", e não uma "geografia política", porque lhe interessa não a descrição da realidade, "sino también (y sobre todo) la liberación de la voluntad de transformarla. Porque no es sólo in­terpretación académica lo que queremos, sino transformación del mundo". Esta "filosofia da acção e da esperança" remete-se ao "Prinzip Hoffnung" de Ernst Bloch.41 Para Ceresole, o espaço interessa, então, como categoria social, como estrutura de poder, e não como dado físico-natural. Afirmações como esta abrem controvérsias ásperas sobre a natureza da geopolítica, nas quais se debate se a geopolítica "verdadeira" é somente descritiva, ou até que ponto, a geopolítica é também prescritiva oferecendo cada livro sobre o assunto uma definição de geopolítica que se coloca entre estes dois pólos de discussão.42

  • 43 É exatamente o título de um outro livro de Norberto Ceresole.

49A mim, como observador externo, esta propensão da geopolítica para se tornar instrumentum regni – do reino presente ou do reino que virá, é indiferente – parece ínsita na natureza mesma da geopolítica. Tanto diante das fronteiras resultantes da Primeira Guerra Mundial, quanto em face da globalização e do controle monopolista dos recursos económicos – para citar apenas dois exemplos – é difícil permanecer weberianamente neutral; é mais fácil, e muitas vezes é quase inevitável, afirmar que a situação presente é injusta, e indicar qual poderia ser o projeto (geo)político para corrigi-la. No plano inclinado que vai da geopolítica descritiva à prescritiva, são possíveis muitas nuances. Nas páginas anteriores foram vistas sobretudo as geopolíticas de direita; mas existem também as de esquerda, sobre as quais não foi possível falar. No continente que gerou uma teologia da libertação, existe o espaço, e, mais ainda, existe a necessidade, também, de uma geopolítica da libertação.43

Topo da página

Notas

1 Os temas mencionados no texto estão tratados de forma mais extensa nas minhas seguintes publicações: La geopolitica nazionalsocialista e il diritto dei "grandi spazi", "Materiali per una storia della cultura giuridica", XXXV, 2005, n. 1, pp. 5-63; La teoria nazionalsocialista dei "grandi spazi" dall’Europa al Giappone, Associazione Italiana per gli Studi Giapponesi. Atti del XXVIII Convegno di Studi sul Giappone. Milano, 16-18 settembre 2004, Cartotecni­ca Veneziana, Venezia 2004, pp. 115-130; Diritto e potere: la geopolitica brasiliana negli anni del governo militare (1964-1984), em Heleno Taveira TÔRRES (Coordenador), Direito e poder nas instituições e nos valores do público e do privado contemporâneos. Estudos em homenagem a Nelson Saldanha, Manole, Barueri (São Paulo, Brasil) 2005, pp. 64-104; Um recente livro brasileiro sobre as tensões entre Brasil e Argentina na época das ditaturas européias, "Política Externa" (São Paulo), XIII, 2005, n. 4, pp. 71-81, completado por uma bre­ve nota no fascículo sucessivo: Dois esclarecimentos sobre o volume de Sergio Corrêa da Costa, "Política Externa" (São Paulo), XIV, 2005, n. 2, pp. 113-115.

2 Henry KISSINGER usa esta expressao a propósito do geopolítico norte-americano (teórico da potência naval dos Estados Unidos) Alfred Thayer MAHAN: Diplomacy, Simon & Schuster, New York 1994, p. 38.

3 Friedrich RATZEL, Politische Geographie, Oldenbourg, München 1897, XX-715 pp.; a idéia da guerra está presente no subtítulo da segunda edição de 1903: Politische Geographie, oder die Geographie der Staaten, des Verkehres und des Krieges, Oldenbourg, München 1903, XVIII-838 pp. (3ª ed: 1923); id., Der Staat und sein Boden geographisch betrachtet, Hirzel, Leipzig 1896, 127 pp.

4 Friedrich RATZEL, Der Lebensraum. Eine biogeographische Studie, em: Festgabe für Albert Schäffle, Laupp, Tübingen 1901, pp. 103-189; ainda: Der Lebensraum. Eine biogeographis­che Studie, Laupp, Tübingen 1901, 87 pp.

5 Friedrich RATZEL, Die Gesetze des räumlichen Wachstums der Staaten, "Petermanns Geogra­phische Mittelungen", 1892, pp. 97-107.

6 Os livros que tornaram Rudolf KJELLÉN famoso na Alemanha são: Die Grossmächte vor und nach dem Weltkriege, Teubner, Berlin 1930, 348 pp. (esta é vigésima segunda edição da obra publicada em 1914); Die Ideen von 1914. Eine weltgeschichtliche Perspektive, Hirzel, Lei­pzig 1915, 46 pp.; Grundriss zu einem System der Politik, Hirzel, Leipzig 1920,106 pp.; Der Staat als Lebensform, Hirzel, Leipzig 1917, VIII-236 pp. (4ª ed.: 1924). Sobre o vínculo com a Alemanha: Warum ich es mit Deutschland in diesem Weltkriege halte?, Curtius, Berlin [1914?], 43 pp.; e sobretudo KJELLÉN – HAUSHOFER, Macht und Erde, Teubner, Leipzig – Ber­lin 1930-34, 3 vols.

7 Stefan ZWEIG, Die Welt von gestern. Erinnerung eines Europäers, Suhrkamp, Franfurt 1947, 500 pp.; também Wien 1952, p. 176 (itálico meu); mas originariamente publicado em Esto­colmo (Fischer, 1944, 394 pp.).

8 Bruno HIPLER, Hitlers Lehrmeister: Karl Haushofer als Vater der NS-Ideologie, EOS Verlag (Erzabtei St. Ottilien), St. Ottilien 1996, 240 pp.

9 Sergio Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta. Nazismo na América: A conexão argentina, Record, São Paulo – Rio de Janeiro 2004, 530 pp. As páginas mencionadas neste item e não acompanhadas de outra indicação referem-se ao volume mencionado.

10 O mapa descrito no texto está na p. 207 e foi pinçado de uma típica obra nacionalista: Otto Richard TANNEBERG, Gross-Deutschland. Die Arbeit des 20. Jahrhunderts, Volger, Leipzig-Gohlis 1911, do qual é extraída também a citação mencionada no texto (p. 206).

11 A carta está reproduzida em Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta, cit., p. 290.

12 Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta, cit., p. 289.

13 Corrêa da COSTA, Crônica de uma guerra secreta, cit., p. 291.

14 Theodore Roosevelt a Hugo Munsterberg, 3 de outubro de 1941, em Elting E. MORISON (ed.), The Letters of Theodore Roosevelt, Harvard University Press, Cambridge (Mass.) 1954, p. 823, citado em Henry KISSINGER, Diplomacy, Simon & Schuster, New York 1994, p. 42.

15 IDGR – Lexikon Rechtsextremismus, alla voce: Verein für das Deutschtum im Ausland nel sito: http://lexikon.idgr.de/v/v_e/verein-fuer-das-deutschtum-im-ausland/vda.php, consulta­do em 17 fevereiro de 2005.

16 Para uma análise do mercado mundial naqueles anos, cfr. Alfred VAGST, "Kautchuk-Politik", Zeitschrift für Geopolitik, III, 1926, pp. 631-649. A revista é organizada por Karl Haushofer: este particular deve ser considerado na interpretação da linha política do artigo.

17 Wanderley Messias da COSTA, O Estado e as políticas territoriais no Brasil, Editora da Uni­versidade de São Paulo, São Paulo 1988, 83 pp.

18 Veja-se, por exemplo, a sua conferência Brasilio. Farito de la Societo de geografio en Pari­zo, Hachette, Paris 1909, 26 pp. (em esperanto); o artigo Die neue Auffassung der Erdkunde, Halle a. d. Saale 1934, 8 pp. (extrato da "Geographische Wochenschrift", 1934, n. 2).

19 Everardo BACKHEUSER, Das politische Conglomerat Brasilien, "Zeitschrift für Geopolitik", 3, 1926, pp. 625-630.

20 Lúcio CASTELO BRANCO, Staat, Raum und Macht in Brasilien. Anmerkungen zu Genese und Struktur der brasilianischen Staats- und Grossmachtideologie, Finck, München 1983, p. 466, nota 7. Importante, ainda que a bibliografia seja heterogênea: pp. 493-552.

21 Everardo BACKHEUSER, Minha terra e minha vida, Instituto Brasileiro de Geografia e Es­tatística, Rio de Janeiro 1942, XII-208 pp.

22 Everardo BACKHEUSER, Problemas do Brasil: estructura geopolítica. O espaço, Omnia, Rio de Janeiro 1933, 173 pp.; id., O Barão do Rio Branco, geógrafo e geopolítico, "Revista da Sociedade de Geografia" (Rio de Janeiro) 1946; id., Curso de geopolítica geral e do Brasil, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro 1952, 275 pp. Esta editora publicara ainda Lísias RODRIGUES, Geopolítica do Brasil, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro (1947? não encontra­do); Sydney M. G. dos SANTOS, A cultura opulenta de Everardo Backheuser. Os conceitos e as leis básicas da geopolítica, Empresa Carioca de Engenharia, Rio de Janeiro 1989, 493 pp.

23 Carlos Delgado de CARVALHO, Le Brésil méridional. Étude économique sur les États du Sud, Desfosses, Paris – Rio de Janeiro 1910, 529 pp.

24 É indispensável recordar que a geopolítica européia atingiu seu ápice após 1918, quando o Tratado de Versailles retirou da Alemanha os territórios renanos, a Ruhr e suas colônias. Os geopolíticos alemães requeriam o retorno daquelas terras à Alemanha em nome do "Blut und Boden" e do "espaço vital"; a eles, Vidal de la Blanche (que no livro La France de l’est, de 1917, tratara da anexação de 1871 da Alsácia-Lorena à Alemanha) opôs a "géographie acti­ve" fundamentada no desenvolvimento histórico. Além disso, ele contrapunha profeticamen­te às pretensões hegemônicas alemãs sobre a Europa "une communauté européenne".

25 Mário TRAVASSOS, Projeção continental do Brasil, Edição Brasiliana, 1938 (trad. mexicana: Proyección continental del Brasil, El Cid, México 1978, 103 pp.); id., Introdução à geogra­fia das comunicações brasileiras, José Olympio, Rio de Janeiro 1942.

26 José Alfredo do Amaral GURGEL, Segurança e democracia: uma reflexão política, José Olympio, Rio de Janeiro 1975, XII-185 pp.; Joseph COMBLIN, A ideologia da Segurança Na­cional, Civilização Brasileira, Rio de Janeiro 1980 (não encontrado).

27 Carlos de Meira MATTOS, Pensamento revolucionário brasileiro, 1964 (não encontrado); id., Doutrina e política da revolução de 31 de março de 64, 1967 (não encontrado); Ensaio sobre a doutrina política da revolução, SGSF, Brasília 1969, 15 pp.; sua experiência como coman­dante da Brigada Latino-Americana da Força Interamericana de Paz na República Domi­nicana é descrita em A expêriencia da FAIBRÁS na República Dominicana, Serviço Gráfico do IBGE, Rio de Janeiro 1966, XIX-215 pp.

28 Carlos de Meira MATTOS, A geopolítica e as projeções do Poder, José Olympio, Rio de Ja­neiro 1977, 147 pp.; id., Brasil. Geopolítica e destino, José Olympio, Rio de Janeiro 1975, XVII-109 pp.; id., Uma geopolítica pan-amazônica, José Olympio – Instituto Nacional do Livro, Rio de Janeiro – Brasília, 215 pp. e as outras obras citadas nas notas seguintes. Cfr. ainda P. I. KELLY, Geopolitical Themes in the Writings of General Carlos de Meira Mattos of Brazil, "Journal of Latin American Studies", 16, 1984, pp. 439-461.

29 Foi Meira Mattos quem organizou uma edição comemorativa, após a morte de Castello Branco em um incidente aéreo: Castello Branco e a Revolução. Depoimentos de seus con­temporâneos, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro 1994, 204 pp.

30 Sobre a ideologia inspiradora: Escola Superior de Guerra, Manual Básico da Escola Superior de Guerra, Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro 1976, 648 pp.; Antonio de ARRUDA, A doutrina da Escola Superior de Guerra, "A Defesa Nacional", LXV, 1978, n. 679, pp. 65-73.

31 Alfred C. STEPAN, The Military in Politics. Changing Patterns in Brazil, Princeton University Press, Princeton (NJ) 1971, p. 176: de 1276 diplomados, 646 eram civis.

32 Leonardo TREVISAN, O pensamento militar brasileiro, Global, São Paulo 1985, p. 55.

33 Carlos de Meira MATTOS, Uma geopolítica pan-amazônica, José Olympio, Rio de Janeiro 1980, pp. 119-139 (corresponde ao capítulo: O Pacto Amazônico e sua articulação com o Pacto Andino). Mas também: Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro 1980, 215 pp., que não pude consultar.

34 Carlos de Meira MATTOS, Brasil: Geopolítica e destino, José Olympio, Rio de Janeiro 1979, XV-151 pp. (2a ed.); Geopolítica e Trópicos, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro 1984, 157 pp. Cfr. também Moniz BANDEIRA, O expansionismo brasileiro: o papel do Brasil na Bacia da Prata da colonização ao Império, Philobiblion, Rio de Janeiro 1985, 311 pp.

35 Golbery do Couto e SILVA, Planejamento estratégico, Biblioteca do Exército, Rio de Janeiro 1955; reimpresso pela Editora da Universidade de Brasília, Brasília 1981, 536 pp.

36 A exigência geopolítica de deslocar o baricentro do Brasil para o interior remonta ao momento da independência e era asserida já no art. 3º da constituição de 1891. A decisão ofi­cial foi tomada em 1956 e a nova capital foi inaugurada em 21 de abril de 1960. À geo­política acrescenta-se o argumento místico da profecia do beato Giovanni Bosco: Cosimo SEMERARO (a cura di), Don Bosco e Brasilia. Profezia, realtà sociale e diritto, Cedam, Pa­dova 1990, 281 pp.

37 Golbery do Couto e SILVA, Conjuntura política nacional. O poder Executivo e geopolítica no Brasil, José Olympio, Rio de Janeiro 1980 (3ª ed. 1981, XIV-37-273 pp.). Sua obra mais fa­mosa, na qual resume seu pensamento é Geopolítica do Brasil, José Olympio, Rio de Janeiro 1967, XIV-275 pp. (2ª ed.).

38 Golbery do Couto e SILVA, Geopolítica e poder, UniverCidade, Rio de Janeiro 2003, XVI-633 pp.: além dos inéditos, o volume contém Planejamento estratégico (1955) e Geopolítica do Brasil, citado na nota anterior.

39 Jaime VICENS VIVES, España. Geopolítica del Estado y del lmperio, Editorial Yunque, Barcelona 1940, 215 pp.

40 Jaime VICENS VIVES, Tratado general de geopolítica. Segunda Edición, Universidad de Barcelona – Editorial Teide, Barcelona 1956, p. 8.

41 Norberto CERESOLE, Argentina: sobre transiciones y decadencias. Cinco ensayos geopolíti­cos para la re-interpretación de la realidad argentina, Prensa y Ediciones Iberoaméricanas, Madrid – Buenos Aires 1987, p. 51.

42 Um elenco pode ser visto, por exemplo, na abertura do volume do general Juan Enrique GUGLIALMELLI, Geopolítica del Cono Sur, El Cid, Buenos Aires 1979, 268 pp.

43 É exatamente o título de um outro livro de Norberto Ceresole.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Mario G. Losano, « A geopolítica, da Alemanha nacional-socialista à América Latina », Cultura, Vol. 22 | 2006, 371-386.

Referência eletrónica

Mario G. Losano, « A geopolítica, da Alemanha nacional-socialista à América Latina », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 11 Março 2016, consultado a 25 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2300 ; DOI : 10.4000/cultura.2300

Topo da página

Autor

Mario G. Losano

Professor Titular de Filosofia do Direito e Informática Jurídica na Università del Piemonte Orientale "Amedeo Avogadro", Alessandria, Itália; Prêmio Alexander

400

 

-von-Humboldt, Bonn, Alemanha; Doutor honoris causa da Universidade de Hannover, Alemanha.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org