Navegação – Mapa do site
Recensões

George Steiner, A ideia de Europa, Lisboa, Gradiva, 2005, 55 pp.

Isabel Baltazar
p. 389-390
Referência(s):

George Steiner, A ideia de Europa, Lisboa, Gradiva, 2005, 55 pp.

Texto integral

1Vale a pena referir a edição desta obra, mesmo que editada já no ano anterior, agora que voltou a ser divulgada, muito recentemente, a propósito da comemoração do dia da Europa, numa iniciativa designada por Café da Europa. A presidência austríaca da União Europeia decidindo assinalar o dia 9 de Maio do presente ano nos Cafés recupera, assim, uma ideia origi­nal de George Steiner, quando considera que a identidade europeia se revela pelos Cafés: " A Europa é feita de cafetarias, de cafés. Estes vão da cafetaria preferida de Pessoa, em Lisboa, aos cafés de Odessa, frequentados pelos gangsters de Isaac Babel. Vão dos Cafés de Copenhaga, onde Kierkegaard passava nos seus passeios concentrados, aos balcões de Palermo. Não há cafés antigos ou definidores em Moscovo, que é já um subúrbio da Ásia. Poucos em Inglaterra, após um breve período em que estiveram na moda, no século XVIII. Nenhuns na América do Norte, para lá do posto avançado galicano de Nova Orleães. Desenhe-se o mapa das cafetarias e obter­-se-á um dos marcadores essenciais da ideia de Europa" (p.26). Martinho da Arcada foi o es­colhido como representante português; os outros, um de cada estado-membro, além da Bul­gária e Roménia (em processo de adesão), associaram-se a esta ideia. Todos para comemorarem o dia da Europa a partir da cultura gastronómica, à procura de serem "seduzido(s) pela Euro­pa", tema de debate comum.

2Como definir a Ideia de Europa? Qual o sentido de falar em Identidade Europeia? O autor da obra sugerida encontra respostas muito concretas para uma realidade que embora con­tinue a parecer um objecto político não identificado, usando a célebre expressão do Jaques Delors, tem uma "alma" que lhe dá um certo ar de eternidade. A expressão física escolhida são os Cafés, lugar de alimento desta ideia e primeiro critério escolhido por Steiner para definir a Ideia de Europa: "O café é um local de entrevistas e conspirações, de debates e mexeri­cos... Aberto a todos, é todavia um clube, uma franco-maçonaria de reconhecimento político ou artístico-literário e presença programática... Na Milão de Stendhal, na Veneza de Casanova, na Paris de Baudelaire, o café albergava o que existia de oposição política, de liberalismo clandes­tino" (p.26).

3A Europa tem características particulares:" a Europa foi e é percorrida a pé" (p. 27), única forma de reconhecer as belezas da Europa, que perduram no tempo – um tempo humani­zado – e fazem a sua História. Na Europa tudo tem significado: "As ruas e praças nomeadas se­gundo estadistas, cientistas, artistas e escritores do passado" (p.44). No entanto, foi a síntese de duas culturas, Atenas e Jerusalém, que determinou a cultura europeia : "Muito frequentemente, o humanismo europeu, de Erasmo a Hegel, procura diversas de compromisso entre ideais áticos e hebraicos... Assim, a ideia de Europa é, na verdade, um conto de duas cidades" (p.42). Finalmente, "uma consciência própria escatológica que, segundo creio, pode ser exclusiva da cons­ciência europeia. Muito antes do reconhecimento de Valéry da mortalidade das civilizações, ou do diagnóstico apocalíptico de Spengler, o pensamento e a sensibilidade europeias tinham en­frentado uma finalidade mais ou menos trágica" (p.42). O modo de ser europeu é marcado pelo pânico do fim do mundo: "É como se a Europa, diversamente de outras civilizações, tivesse intuído que um dia ruiria sob o peso paradoxal dos seus feitos e da riqueza e complexidade sem par da sua História" (p.43). Mas a Europa tem sobrevivido a todas as dificuldades. E a seguir? É preciso encontrar o caminho.

4O desencanto actual perante a Europa contrasta com um certo optimismo futuro, funda­mentado num humanismo secular que garante a imortalidade da Ideia de Europa. Europa que só poderá erguer-se pelo método dos pequenos passos, que parecem no presente andar para trás, como reconhece Durão Barroso que assina o prefácio: "Reabilitação, relançamento, reconstru­ção... O actual momento europeu, marcado pelo cepticismo e pela descrença, suscita ansiedades e reflexões quanto ao projecto ou grande ideia que poderá orientar uma (por alguns) desejada regeneração da Europa. É aliás interessante notar que esta conferência de Steiner apontava já os sinais de desencanto que, mais recentemente, os resultados negativos dos referendos sobre a Constituição europeia, em França e na Holanda, vieram expressivamente confirmar. E neste contexto surge o debate sobre o lugar da cultura no projecto europeu" (p.6).

5Uma obra de leitura obrigatória para quem deseja (re)pensar a Europa. A Europa do pas­sado, a Europa do presente e a Europa do futuro. Encontrar um futuro para a Europa passa por encontrar as razões da sua identidade ou, pelo menos, os alicerces onde se fundamenta a história comum do povo europeu. Uma história feita de encontros e de desencontros, em sintonia com o seu indefinido espaço geográfico. Mas apesar de todas as ambiguidades, existe um patrimó­nio cultural comum que subsiste ao artificialismo arquitectado por tratados. Para além da diver­sidade cultural ou do aparente mosaico e labirinto de culturas, há uma história e cultura comuns, cujo substracto é muito mais do que uma mera justaposição das histórias e culturas nacionais que alguns pretendem ver. Há uma "unidade na diversidade", lema adoptado na actualidade. A herança comum europeia é a riqueza da Europa e a possibilidade do seu futuro. O legado greco­-romano, as invasões bárbaras e a conversão cristã da Europa são os fundamentos históricos da sua identidade.

6Uma identidade que no presente continua a ser alimentada pela cultura e pela memória. Uma identidade que se reconhece nos espaços de sociabilidade, muito particularmente nos Cafés, lugar de encontro por excelência dos intelectuais, os principais vultos de cultura. George Steiner consegue ser provocatório quando afirma: "Enquanto existirem cafetarias, a ideia de Europa terá conteúdo" (p.28), parecendo sugerir que o futuro para a Europa está na sua cultura, como já reconhecera Jean Monnet. Afinal não será a Ideia de Europa o motor da construção europeia? Assim se compreendem os aparentes falhanços da União Europeia que se encontra num labirinto porque esqueceu o verdadeiro caminho, escolhendo caminhos que não levam a parte nenhuma, parafraseando Heidegger. Está numa densa floresta onde não avista saída. É tão fácil a solução, e tão complicados os caminhos constitucionais percorridos, que procuram er­guer o edifício europeu e abrigar as políticas diplomaticamente aprovadas.

7George Steiner, de uma forma muito subtil, mostra que há uma Ideia de Europa e uma Ideia para a Europa. A Europa do Espírito. Os que a transmitem e lhe dão vida são os tradicio­nais frequentadores de Cafés. Nas entrelinhas pode concluir-se que serão os intelectuais os úni­cos capazes de alimentar a Ideia de Europa. Um sério aviso dado no âmbito de uma palestra proferida no Nexus Institut de Amesterdão, durante a presidência holandesa da União Europeia, em 2004, e, agora, (re)lembrado pelos austríacos, dando vida à ideia de que a Europa vive e so­brevive nos Cafés. Rob Riemen, director fundador do Nexus Institute, na introdução à palestra, mostra bem a essência da questão no título escolhido: A Cultura enquanto convite. A Europa tem futuro? Eis a resposta de Steiner: "Pode ser que estas palavras sejam insensatas, que seja demasiado tarde. Espero que não, só porque estou a dizer estas palavras na Holanda, onde Ba­ruch Espinoza viveu e pensou (p. 55).

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Isabel Baltazar, « George Steiner, A ideia de Europa, Lisboa, Gradiva, 2005, 55 pp. », Cultura, Vol. 22 | 2006, 389-390.

Referência eletrónica

Isabel Baltazar, « George Steiner, A ideia de Europa, Lisboa, Gradiva, 2005, 55 pp. », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 11 Março 2016, consultado a 25 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2311

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org