Navegação – Mapa do site
Recensões

Pacheco Pereira, José, Álvaro Cunhal, uma biografia política – volume 3 « O prisioneiro », Lisboa, Temas & Debates, 2005, 748 pp.

Carlos Leone
p. 396
Referência(s):

Pacheco Pereira, José, Álvaro Cunhal, uma biografia política – volume 3 « O prisioneiro », Lisboa, Tema & Debates, 2005, 748 pp.

Texto integral

1O terceiro volume da biografia política de Álvaro Cunhal por Pacheco Pereira («O pri­sioneiro») centra-se no período 1949-1960, o do encarceramento mais longo a que Cunhal es­teve sujeito e do qual só saiu numa das mais céleres fugas prisionais da nossa história, a de Pe­niche. Curiosamente, os elogios desmedidos de que foram objecto os dois volumes anteriores começam agora a justificar-se, apesar de a recepção a este volume ter sido bem mais discreta, ainda que como de costume unanimista (nem faltou a habitual desinformação por parte do PCP). O que se verifica é a vantagem de o elemento romanesco bem presente nos dois primeiros volumes estar aqui muito condicionado, pela vida monótona da prisão e pela escassa informa­ção sobre ela. Privado desse elemento tão ao gosto do público, o trabalho de Pacheco Pereira é conduzido, com naturalidade, em direcção a uma história social da clandestinidade portuguesa durante os chamados anos de chumbo. E, mesmo com a escassez de fontes (sobretudo fidedig­nas), neste volume a história do PCP sobressai mais do que nos anteriores.

2Menos uma biografia de Cunhal do que um estudo das posições de Cunhal face ao par­tido a que pertencia quando não podia actuar nele como queria, este volume sofre as contingên­cias naturais de se basear em testemunhos pessoais e inverificáveis sem poder confrontar com arquivos como os do próprio PCP (e se este se queixa, deve começar por queixar-se de si). Não obstante, a história do prisioneiro Cunhal torna-se num relato da Oposição portuguesa ao Es­tado Novo, em que a dialéctica entre Cunhal e as sucessivas direcções do PCP na década de 1950 serve de fio condutor. Não há grandes descobertas, embora as referências bibliográficas sejam recentes, e o conjunto é uma história política do Portugal contemporâneo em que o mérito maior está no cruzamento da história cultural (meio literário, sobretudo) com a história política (situação colonial, campanhas eleitorais) e a institucional (do PCP, do movimento comunista internacional, dos instrumentos de repressão do Estado Novo). A própria atribulação destes anos, tanto a nível do movimento comunista internacional como a nível da situação de clandes­tinidade interna do PCP, contribui para a reunião destes diferentes contributos historiográficos, desenvolvendo com sucesso tentativas semelhantes nos volumes anteriores (compare-se a nota sobre a polémica entre Régio e Cunhal, no volume 1, com o capítulo 6 deste volume, sobre a re­lação do PCP com os intelectuais).

3Mantendo aspectos menos defensáveis (mas muito celebrados) dos volumes anteriores, como um tom por vezes romanesco e um grande recurso a especulações para suprir pedaços de informação em falta, certo é que este terceiro volume recorre a essas opções com muito maior parcimónia. A falta de memorialismo, neste tema como em geral, limita também o autor, e a única surpresa desagradável é o tom meio apressado do conjunto, por vezes a nível da escrita e quase sempre a nível da revisão, que deixou passar bastantes «gralhas».

4Mais útil para os leigos do que para os especialistas na história do PCP (como seria de prever, e como é desejável), o conjunto formado pelos três volumes publicados até ao momento é positivo, sobretudo para efeitos de familiarização com a cultura política comunista – e portu­guesa – do século XX. A julgar pelo que está feito até aqui, esperar grandes novidades nos pró­ximos volumes será descabido mas, sobretudo a partir dos avanços formais deste terceiro volu­me, vale a pena esperar pelo que ainda falta. Só se espera que a fuga do prisioneiro não signifique também nova evasão para um registo semi-ficcional.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Carlos Leone, « Pacheco Pereira, José, Álvaro Cunhal, uma biografia política – volume 3 « O prisioneiro », Lisboa, Temas & Debates, 2005, 748 pp. », Cultura, Vol. 22 | 2006, 396.

Referência eletrónica

Carlos Leone, « Pacheco Pereira, José, Álvaro Cunhal, uma biografia política – volume 3 « O prisioneiro », Lisboa, Temas & Debates, 2005, 748 pp. », Cultura [Online], Vol. 22 | 2006, posto online no dia 11 Março 2016, consultado a 25 Maio 2017. URL : http://cultura.revues.org/2319

Topo da página

Autor

Carlos Leone

BPD/FCT

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org