Navegação – Mapa do site
Iconografia do livro impresso

Armas nacionais portuguesas como marcas tipográficas

Portuguese national coat of arms as printers devices
Artur Anselmo
p. 157-168

Resumos

Este artigo apresenta e comenta três dezenas de casos de utilização das armas portuguesas nas portadas de livros quatrocentistas e quinhentistas. Esta utilização enquadra-se no âmbito da heráldica tipográfica, com força expressiva equivalente à dos símbolos pessoais ou familiares, quase sempre porque editores, impressores ou livreiros entendiam que o escudo nacional dignificava sobremaneira o seu trabalho.

Topo da página

Texto integral

1A incorporação das armas nacionais portuguesas nas portadas dos livros impressos em Portugal, desde os alvores da tipografia até aos fins do século XVI, é um facto absolutamente normal. No ponto de vista da Heráldica, dir-se-ia que os impressores assumiam papel semelhante ao dos arautos e dos passavantes colocados sob a autoridade do rei-de-armas. Humildes oficiais mecânicos, sem fumaças de brasonagem, os primeiros tipógrafos acolhiam-se ao mecenato da Casa Real ou das famílias abastadas, e eles próprios usavam a sua arte para homenagearem os seus patrocinadores, imprimindo em lugar de destaque os símbolos nacionais ou os brasões de famílias nobres. Sucedeu isso também na generalidade dos países europeus, e mais ainda naqueles em que a identidade nacional era mais viva.

2Aliás, o que se passa na tipografia não é senão uma forma particular de apoio à disseminação dos símbolos nacionais, que encontramos igualmente nas filigranas de papel, nos selos pendentes da correspondência oficial, nas moedas e nas iluminuras, para não falarmos das pedras-de-armas. Intencionalmente ou não, a verdade é que a incrustação dos símbolos nacionais na memória colectiva só podia fazer-se com êxito recorrendo às armas falantes. Como lembra algures Armando de Matos – sem dúvida, um dos mais autorizados especialistas destas questões no século XX –, “a Heráldica documenta a História e esta, por sua vez, valoriza-a. Envolve-a no seu simbolismo próprio e assim, geralmente, um escudo de armas é uma página da vida histórica da Nação” (Manual de Heráldica Portuguesa, p. 19).

3Obviamente, os primeiros testemunhos de autonomia heraldística aparecem na esfragística portuguesa e na numismática. Ora, de todos os emblemas caracteristicamente portugueses, o mais vulgarizado no numerário é o das quinas dispostas em cruz: vemo-lo já no morabitino de D. Sancho I, nos tornezes e barbudas de D. Fernando, nos reais de D. João I, nos escudos de D. Duarte, assim como nos cruzados de D. Afonso V e de D. João II. E, já em tempos de tipografia, os portugueses (assim se chamaram as moedas de ouro que Vasco da Gama levava a bordo das primeiras naus que foram à Índia) atestavam a identificação do reino de Portugal com as suas armas: cinco escudetes postos em cruz, cada um dos quais carregado com cinco besantes em sautor, e bordadura carregada com sete castelos.

4

5Os impressores alemães trabalharam em Portugal a partir de 1495, sendo embora estrangeiros, não só aprenderam a língua portuguesa, a ponto de não tardarem a escrevê-la com desenvoltura (basta pensarmos em Valentim Fernandes da Morávia, “ex natione germanum”, como orgulhosamente se considerava), mas também espalharam profusamente, nas portadas dos livros que imprimiram, as armas de Portugal. Sucedeu isso, por exemplo, na edição dos Autos dos Apóstolos (Fig. 9), saída dos prelos de Valentim Fernandes em 1505, sob o patrocínio material da rainha D. Leonor, viúva de D. João II. Reinava então D. Manuel, irmão da rainha, o que justifica a presença dos emblemas de ambos ladeando as armas de Portugal: a esfera manuelina à esquerda e a rede de pescador que D. Leonor tomara como divisa pessoal após a morte do seu filho e príncipe-herdeiro, o infante D. Afonso.

6

7Já na Vita Christi, impressa em 1495 pelo mesmo Valentim Fernandes, a rede de pescador (por sinal, invertida) figurava ao lado da divisa real do pelicano, emblema de D. João II, que este começara a usar sendo ainda príncipe (Figs. 10 e 11). O pelicano, “ave rompente sangue no peito para sustentamento e criação de seus filhos, que no ninho tem consigo”, como a caracteriza o cronista Rui de Pina, marca as intenções paternalistas do rei para com os seus súbditos, mas o sentido global da imagem completa-se no moto “Pola lei e pola grei”, isto é, ao serviço do direito e da religião, para bem do povo.

8

9As representações da esfera armilar, símbolo que Damião de Góis diz ter sido escolhido por D. João II para com ele presentear o cunhado D. Manuel, duque de Beja, quando este, sendo então jovem, hesitava na escolha do seu emblema pessoal, são muito frequentes em livros portugueses, não apenas no século XVI mas também em épocas posteriores. Numa delas surge a frase “Spera in Deo [confia em Deus] et fac bonitatem [e espalha a bondade]” (Fig. 12). Com a esfera dá-se um caso surpreendente: chegou mesmo a ser usada, senão como marca, ao menos – e repetidas vezes – como elemento decorativo das impressões parisienses do tipógrafo francês Gillet Hardouin (Fig. 13). Encimada pelas armas de Portugal, estas com bordadura de doze castelos (isto é, anteriores à reforma de 1485, pela qual os castelos foram endireitados e reduzidos a sete), a esfera usada por Gillet Hardouin é aquela que tem na eclíptica as letras M.R.O.E., abreviatura de “Maximus rex orbis Emmanuelis”, proposta em duas obras minhas.

10Voltando às armas portuguesas, vem a propósito recordar um facto já salientado pelo meu colega João José Alves Dias na excelente introdução à edição fac-similada do Livro de Horas de Nossa Senhora, impresso em 1501, por Narcisse Brun, em Paris. Refiro-me ao decalque da gravura das armas de Portugal, utilizada pelos impressores Valentim Fernandes e João Pedro Buonhomini de Cremona, na portada do referido Livro de Horas, o que evidencia a íntima associação sémica estabelecida, na mentalidade dos impressores estrangeiros, entre Portugal, a língua portuguesa e o brasão do país que então começava a dar novos mundos ao Mundo (Fig. 14). Ainda acerca das armas nacionais, talvez valha a pena observar com atenção a gravura impressa no volume I das Ordenaçoes na edição de 1514: o corpo do brasão é idêntico ao anterior, mas a coroa é substituída por um conjunto de elmo e timbre, o primeiro com viseira onde avultam cinco quinas em aspa, cada uma com seu losango ao centro, e o segundo com um animal quimérico do tipo do dragão (Fig. 15).

11Outra particularidade interessante da representação icónica das armas reais portuguesas, em livros impressos nos princípios do século XVI, é a presença, na portada do Regimento dos Oficiais das cidades, vilas e lugares destes Regnos (obra executada na oficina de Valentim Fernandes, em 1504), de dois anjos como figuras tenentes do brasão coroado português (Fig. 16). Por coincidência fortuita ou por intenção deliberada do impressor (ele próprio escudeiro de D. Leonor, a “rainha-velha”), é neste mesmo ano de 1504 que o rei D. Manuel e os bispos portugueses solicitaram ao papa Leão X a instituição da festa do Anjo Custódio do Reino, pedido que foi prontamente aceite, sendo certo que o culto prestado ao Anjo Custódio vinha já do século XV.

12Os heraldistas mais reputados – como Franz-Paul de Almeida Langhans – consideram que “as figuras humanas não são propriamente heráldicas” e restringem o seu uso ao campo exterior dos escudos. Ainda segundo o mesmo especialista, “as figuras humanas inteiras utilizadas como tenentes dos escudos são muito variadas e livres de qualquer disciplina heráldica” (Heráldica, pp. 133-135). Exemplos dessa utilização da figura humana suportando as armas nacionais não se encontram em Portugal, mas sim no estrangeiro: é o caso dos indígenas que figuram em duas edições alemãs saídas dos prelos de Johann Weyssenburger, em Nuremberga, no ano de 1507: (uma em latim e outra em alemão), da Gesta proxime per Portugalenses (“Feitos recentes dos Portugueses na Índia, África e outras terras do Oriente”) (Fig. 17). E é também o caso da portada da tradução alemã do Mundus Nouus, de Américo Vespúcio, aparecida em Basileia em 1505: aqui, a figura tenente do escudo de Portugal é um guerreiro coroado, de espada embainhada e empunhando um ceptro na mão direita, enquanto a esquerda segura o escudo das armas portuguesas (Fig. 18).

13Quem esteja familiarizado com a bibliografia estrangeira dos Descobrimentos, no primeiro quartel do século XVI, não pode deixar de notar a posição cimeira que o espaço geográfico de língua alemã ocupa na divulgação – geralmente cuidada, minuciosa mesmo – dos acontecimentos relacionados com Portugal, seja no próprio continente europeu, seja no ultramar. Que esses acontecimentos tinham projecção invulgar, a ponto de sugestionarem os próprios impressores, percebe-se quando olhamos para a portada da tradução alemã da Carta de D. Manuel ao papa Leão X acerca das vitórias portuguesas na Índia e em Malaca, espécie sem indicações tipográfi cas, mas provavelmente impressa em Nuremberga à roda de 1513 (Fig. 19).

14Entretanto, em Portugal, a qualidade estética dos livros saídos dos prelos nacionais tornava-se cada vez mais marcante, apesar do reduzido número de edições que aqui se produziam, em comparação com a crescente industrialização do movimento editorial noutros países europeus.

15Curiosamente, ao contrário do que sucede nos primeiros anos do reinado de D. Manuel, as marcas tipográficas dos impressores deixam de publicar-se nos livros que estes executam, raras vezes por sua conta e risco e, cada vez mais, por encomenda da Casa Real ou de alguns mecenas. Em resultado desta situação e da projecção mundial do país, as obras de maior riqueza iconográfica ostentam invariavelmente nas portadas as armas reais e o emblema pessoal do monarca (Figs. 20, 21, 22, 23, página seguinte).

16

17A este respeito, é elucidativa a página de título da Breve doutrina e ensinaça de príncipes, impressa por German Galharde em 1525 (Fig. 24). D. Manuel morrera em 1521, o novo rei (D. João III), a quem o livro, aliás, é dedicado, estava no poder havia já quatro anos, mas o centro da portada é ocupado pela esfera manuelina. E, até ao terceiro quartel do século XVI, as armas de Portugal estarão presentes em quase todas as portadas. Umas vezes, as armas aparecem com adequada motivação dos textos das obras, como faz Germam Galharde em 1526 (Fig. 25). Outras vezes de uma forma discreta, como acontece na portada do Modus curandi cum balsamo, obra de cerca de 1530 (Fig. 26). Dez anos depois (em 1540), Luís Rodrigues, que em Paris se abastecera de algumas das mais belas vinhetas ornamentais, a fazerem esquecer o estilo pesadão e farfalhudo das portadas de Hermam de Campos, ensaia um pórtico renascentista na edição do De patientia christiana, de Jorge Coelho (Fig. 27). Decorridos três anos (em 1543), o mesmo Luís Rodrigues não hesita em aportuguesar as Obras de Boscán e Garcilaso de la Vega com um brasão em que a falta explícita do elmo é compensada por um timbre fogoso e agressivo, tudo cercado de ornatos que dir-se-iam inspirados na decoração de capitéis românicos (Fig. 28).

1828

19Em 1555, a ilustrar a portada da Crónica do imperador Clarimundo, donde os reis de Portugal descendem, da autoria de João de Barros, o bom do imperador, de pé, tem ao colo a águia bicéfala do Sacro Império Germânico, de cujo escudo partem as raízes da árvore pujante e ramalhosa donde emergem os rebentos sucessivos da Casa Real Portuguesa (Fig. 29). Cinco anos depois (em 1560), na falta de elemento decorativo mais explícito, António de Maris, em Coimbra, abona-se às armas de Portugal, como uma espécie de prolongamento icónico do subtítulo da obra de António Tenreiro: Itinerário ... em que se contém como da Índia o autor veio por terra a estes reinos de Portugal (Fig. 30).

20

21Na década de sessenta (1562) a portada da Copilaçam das obras de Gil Vicente, edição promovida pelos filhos do autor com o patrocínio régio, as armas de Portugal são acompanhadas pela esfera armilar (à esquerda) e a cruz de Cristo (à direita) (Fig. 31). O elmo é encimado por uma coroa, detrás da qual nasce o timbre quimérico.

22Finalmente, em 1573, a Universidade de Coimbra, para homenagear um dos seus mais ilustres professores – o sábio Pedro Nunes, aposentado desde 1562 –, autoriza o seu tipógrafo António de Maris a decorar a portada das obras do Salaciense (Nunes nascera em Alcácer do Sal) com o escudo nacional, devidamente coroado (Fig. 32).

23Em jeito de conclusão, podemos dizer que a utilização das armas portuguesas nas portadas dos livros quatrocentistas e quinhentistas se enquadra no âmbito da heráldica tipográfica, com força expressiva equivalente à dos símbolos pessoais ou familiares, quase sempre porque editores, impressores ou livreiros entendiam que o escudo nacional dignificava sobremaneira o seu trabalho. Neste sentido, aceitavam mesmo prescindir dos seus próprios símbolos individuais, quando os tinham, para se adornarem com as marcas identitárias do país onde exerciam a sua actividade profissional, quer nele houvessem nascido, quer aí tivessem chegado como emigrantes. Com esta particularidade que explica tudo: o país chamava-se Portugal e era então a maior potência do mundo.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda 1
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 16k
Legenda 2
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 16k
Legenda 3
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 16k
Legenda 4
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Legenda 5
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 16k
Legenda 6
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 8,0k
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 8,0k
Legenda 7
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 16k
Legenda 8
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 16k
Legenda 9
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Legenda 10
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-11.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Legenda 11
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-12.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Legenda 12
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-13.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Legenda 13
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-14.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Legenda 14
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-15.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Legenda 15
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-16.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Legenda 16
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-17.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Legenda 17
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-18.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Legenda 18
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-19.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Legenda 19
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-20.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Legenda 20
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-21.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Legenda 21
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-22.jpg
Ficheiros image/jpeg, 28k
Legenda 22
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-23.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Legenda 23
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-24.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Legenda 24
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-25.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Legenda 25
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-26.jpg
Ficheiros image/jpeg, 40k
Legenda 26
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-27.jpg
Ficheiros image/jpeg, 36k
Legenda 27
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-28.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-29.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Legenda 29
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-30.jpg
Ficheiros image/jpeg, 32k
Legenda 30
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-31.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Legenda 31
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-32.jpg
Ficheiros image/jpeg, 24k
Legenda 32
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/2409/img-33.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Artur Anselmo, « Armas nacionais portuguesas como marcas tipográficas », Cultura, Vol. 33 | 2014, 157-168.

Referência eletrónica

Artur Anselmo, « Armas nacionais portuguesas como marcas tipográficas », Cultura [Online], Vol. 33 | 2014, posto online no dia 21 Abril 2016, consultado a 28 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2409 ; DOI : 10.4000/cultura.2409

Topo da página

Autor

Artur Anselmo

CHAM/FCSH-UNL e UAç. Academia das Ciências de Lisboa.
Doutor em Estudos Portugueses pela Universidade de Paris-Sorbonne (Paris IV) e pela Universidade Nova de Lisboa. Professor jubilado de Língua, Literatura e Cultura Portuguesas, especialidade em História do Livro. Autor de várias obras de referência na sua área científica, a última das quais se intitul História do Livro e Filologia (2015).
PhD in Portuguese Studies, University of Paris-Sorbonne (Paris IV) and Universidade Nova de Lisboa. Professor emeritus of Portuguese Literature, Culture and Language, speciality in the History of the Book. Author of several works of reference in this field, the latest of which is entitled História do Livro e Filologia (2015).

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org