Navegação – Mapa do site
Recensão

CORDÓN-GARCÍA, José-Antonio et al. (2013) – Social reading: platforms, applications, clouds and tags. Oxford: Chandos Publishing (Chandos Information Professional Series; 10), 292 pp.

Helder Mendes
p. 293-296
Referência(s):

José-Antonio Cordón-García, Social reading : platforms, applications, clouds and tags, Oxford : Chandos Publishing (Chandos Information Professional Series ; 10), 292 pp.

Texto integral

1Fruto da colaboração de quatro autores com ligação à Universidade de Salamanca (José-Antonio Cordón-García, Julio Alonso-Arévalo, Raquel Gómez-Díaz, Daniel Linder), Social Reading: platforms, applications, clouds and tags pretende fazer a defesa do conceito e, principalmente, das práticas de leitura social em ambiente digital. E fá-lo apresentando, além da necessária contextualização teórica, efectuada sobretudo no primeiro capítulo, uma série de conselhos e recomendações de plataformas, dispositivos, sítios Web e ferramentas, funcionando assim como uma espécie de guia, com utilidade óbvia para os neófitos que sintam algumas dificuldades de orientação neste novo mundo.

2Inevitável é, tendo em conta a rapidez com que se dão transformações neste espaço tecnológico, que algumas das sugestões apresentadas neste livro ficassem desactualizadas ao fim de não muito tempo: a título de exemplo, citamos os casos do Google Reader, aplicação de sindicação de conteúdos que a Google, em 2013, não sem protestos por parte de muitos utilizadores, decidiu descontinuar, Shelfari (sítio de leitura social que a Amazon, detentora do projecto, decidiu fundir com a Goodreads, outra plafatorma que faz parte do portfólio daquele colosso do comércio online), e Readmill, uma das mais interessantes aplicações de leitura digital, adquirida em 2014 pela Dropbox e posteriormente descontinuada. Tais pormenores, quanto mais não seja, demonstram a cautela com que se deve abordar o meio digital, já que as microrevoluções são comuns, resultando num claro obstáculo quando se trata de prever o futuro.

3A tese subjacente a este volume, que teve uma edição electrónica e uma impressa, é a de que as novas tecnologias da informação estão a conduzir a novas formas de escrita e leitura, formas essas que podem afastar-se das tradicionalmente associadas ao livro impresso. Sensatamente, os autores não alinham na discussão espúria digital vs. impresso, nem tomam partido por um destes campos tantas vezes vistos como opostos. Aqui, não se trata de saber se a leitura digital é melhor do que a feita sobre um livro físico, ou vice-versa; não se opina pela tão propagada morte do livro; não se defende que o ebook é o inevitável futuro da leitura. O que é argumentado pelos autores é tão-só isto: ler em ambiente digital e ler no formato impresso constituem duas experiências distintas de leitura. Mas não apenas: devido às suas características, o digital obriga a que, além dos leitores, os habituais intervenientes no ecossistema do livro alterem as suas funções. O comportamento de autores, editoras, livrarias, bibliotecas e outros agentes não é igual nos dois cenários, digital e impresso, e mesmo as formas de realizar negócio são diferentes, precavendo as especificidades de cada meio. Uma parte muito significativa do presente livro, aliás, é dedicada a detalhar o modelo de negócio da Amazon e a tentar analisar o mercado do ebook, onde empresas emergentes convivem com big players como a Apple, a Google, ou a já citada Amazon.

4O foco, no entanto, dos autores é procurar mostrar como a experiência de leitura digital pode ser rica, e como poderá sê-lo ainda mais se se tornar social. Mas o que é a leitura social? Ou, mais especificamente, do que se fala quando se fala em leitura social no ambiente digital? À partida, um tal conceito, que conjuga o virtual ao social, poderia apresentar-se como desadequado, porém a chegada da Web 2.0 e de redes sociais como o Facebook ou o Twitter, entre tantas outras propostas, revelaram como o digital se tornou apto para a sociabilidade. Ora, a implantação destas plataformas, que gerou – ou respondeu a – uma cultura dada à troca, à colaboração e à interacção, acompanhada igualmente do crescimento da oferta de textos digitais (e da maior disponibilidade dos leitores para lhes aceder), conduziu ao surgimento de tentativas de leitura social digital.

5Tal sucede porque, sustentam os autores, o interesse dos leitores em socializar é inerente ao próprio acto de leitura. Há, pois, vontade de discutir e partilhar informação com outros leitores. No mundo físico, offline, esta socialização é, em grande medida, feita presencial e oralmente; as novas tecnologias da informação e da comunicação não fazem mais do que deslocar essa atitude para o mundo virtual. Contudo, se a atitude é a mesma, o modo como se desenvolve já não o é, fruto das evidentes dissemelhanças entre o físico e o virtual. De resto, convirá recordar aqui a famosa formulação de D.F. McKenzie em Bibliography and the sociology of texts: “forms effect meaning”. Um texto impresso e um texto digital não se lêem da mesma maneira, e a verdade é que também não se socializa da mesma maneira no mundo físico e no mundo virtual.

6A leitura social em ambiente digital terá, portanto, particularidades que importa conhecer e que são o alvo sobretudo dos capítulos 2, Reading applications: an analysis e 5, Social reading applications: diagnosis and evaluation. Caracteriza-se por ser uma comunicação estabelecida, através da mediação tecnológica, entre leitores, os quais visam partilhar entre si opiniões acerca de um livro, valendo-se para o efeito de procedimentos diversos: anotações, comentários, tags, avaliações, citações, recomendações, entre outros, com variados graus de impacto. As ferramentas digitais apresentam, então, formas de os leitores se ligarem aos textos e de se ligarem uns aos outros por intermédio desses mesmos textos. As vantagens, transversais a qualquer modelo de leitura social, independentemente de o contexto ser físico ou virtual, podem resumir-se nesta equação: quantos mais leitores houver para interpretar e comentar uma obra, mais aberta e rica se torna essa mesma obra. A leitura social beneficia, deste modo, o próprio acto de leitura. E não só: a troca de opiniões estimulada pela leitura social reforça nos indivíduos o sentido crítico e a responsabilidade, tornando-os melhores leitores, escritores e até cidadãos (p. 6).

7O que distancia a leitura social digital da tradicional é, como se pode perceber de uma maneira quase intuitiva, o alcance. A leitura social tradicional requer a presença física dos leitores, no mesmo lugar, ao mesmo tempo, e está sujeita ao passa-palavra. Envolve comunidades pequenas e muitas vezes os envolvidos já se conhecem, é dizer, já existe uma socialização prévia. O digital, por seu turno, abre a possibilidade a uma participação global, alargada, que pode ser síncrona ou assíncrona, e feita independentemente do nível de ligação social entre os indivíduos (o qual pode muito bem equivaler a zero, ou seja, estarmos perante perfeitos desconhecidos). Por meio das plataformas de leitura social, um leitor português pode partilhar opiniões acerca do mesmo livro, com, por hipótese, um leitor australiano. Podem recomendar leituras e autores, e estabelecer assim uma conexão que tem por eixo os textos – estes possuem, pois, um valor social. A conexão pode ter lugar tanto nas redes sociais generalistas, por exemplo o Facebook, onde de resto já estão integrados clubes de leitura virtuais, como – e principalmente – em redes sociais, aplicações, sítios e plataformas especializados em livros e leituras, de que Goodreads, LibraryThing, Kobo Reading Life são apenas alguns casos. Este, aliás, não deixa de ser notado como um problema: a proliferação de software, além do hardware (é diferente ler num PC, num e-reader, num tablet ou num smartphone), atomiza os espaços de possível relacionamento e dificulta a escolha.

8A grande questão que se coloca, todavia, é esta, e que já não tem a ver com o alcance, ou extensão, da socialização e sim com a sua intensidade. A dúvida é legítima: é da mesma ordem a comunicação entre os leitores? O nível da interacção e da participação é igual para o digital/virtual e para o físico/real? Cordón-García, Alonso-Arévalo, Goméz-Díaz e Linder abstêm-se de realizar uma análise aprofundada deste tema, que implicaria necessariamente um enfoque de cariz sociógico, capaz de captar e comparar as práticas num e noutro ambiente. Mas sempre adiantam (p. 249) que as intervenções dos leitores nas diversas plataformas de leitura social são maioritariamente denotativas e assertivas, em lugar de avaliativas ou contrastantes com opiniões já expressadas, e são precisamente estas, é-nos dito, que na verdade enriquecem o diálogo. Esta diferença quanto à intensidade é relevante e alimenta a sensação de que a leitura social digital, embora possa de facto enriquecer a experiência de leitura e escrita electrónicas (nisto concordamos em absoluto com os autores do presente livro) e constituir-se como uma mais-valia, ainda não é tão fértil e proveitosa quanto a sua análoga não-digital.

9Na realidade, os autores querem fazer crer, talvez com demasiado optimismo, que a leitura social é uma tendência que veio definitivamente para ficar. Este optimismo domina praticamente todo o volume e só no capítulo final, By way of an epilogue, se apresentam algumas reticências, chamando-se concretamente atenção para o cyberbullying (que afecta também os autores) e para a atitude exactamente inversa, ou seja, os elogios e as avaliações positivas “compradas” por autores ou editores; para a falta de interoperabilidade entre aplicações; para a ausência de uma integração completa das tecnologias junto dos editores; para a própria complexidade da leitura social digital.

10Social reading: platforms, applications, clouds and tags é, opinamos, um texto mais coeso na apresentação da leitura digital, bem como da experiência que o leitor pode esperar obter, do que de essa forma mais particular, a leitura social, que tal como ainda está a ser realizada não parece por enquanto possuir a capacidade para atrair a esmagadora maioria dos leitores, mesmo aqueles já acostumados a ler no ambiente digital. Como, de resto, já referiu Michael Kozlowski, num artigo de opinião com o sugestivo título Is social reading the future of books? I hope not!, no qual analisa as funcionalidades mais comuns da leitura social, “if this is the future of social reading, I elect not to take part in it at all”. Julgamos que os principais obstáculos à implementação da leitura social em ambiente digital são os seguintes: 1) nem todo o leitor deseja socializar – a alegação, feita por alguns especialistas, de que toda a leitura é social não passa de uma generalização; 2) o grau de socialização através do digital, como se viu atrás, não pode ser comparado com o que é possível fazer no mundo offline, por exemplo em clubes de leitura físicos. Neste aspecto, os benefícios que a leitura social digital pode fazer chegar à leitura e mesmo à sociedade como um todo (como vimos, uma capacidade defendida pelos autores), serão, com toda a certeza, menores do que os benefícios atingíveis quando a socialização é feita tradicionalmente, é dizer, vis-à-vis, junto de indivíduos de carne e osso; 3) exigência de competências. Se saber ler e escrever é um primeiro nível de competência necessário à participação, um segundo nível é a destreza na utilização das tecnologias digitais e um terceiro, e mais elevado, nível, é a competência relativamente às funcionalidades sociais disponibilizadas pelas diferentes plataformas, sítios e aplicações.

11Portanto, ainda se está muito longe do “annoto ergo sum” (p. 259) que dá o remate a esta muito interessante obra, apesar de certas reservas com que deve ser lida. Talvez os desenvolvimentos tecnológicos venham a consolidar a prática da leitura social, mas ainda há muito a explorar. As possibilidades estão em aberto, mas as limitações são igualmente em grau considerável.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Helder Mendes, « CORDÓN-GARCÍA, José-Antonio et al. (2013) – Social reading: platforms, applications, clouds and tags. Oxford: Chandos Publishing (Chandos Information Professional Series; 10), 292 pp. », Cultura, Vol. 34 | 2015, 293-296.

Referência eletrónica

Helder Mendes, « CORDÓN-GARCÍA, José-Antonio et al. (2013) – Social reading: platforms, applications, clouds and tags. Oxford: Chandos Publishing (Chandos Information Professional Series; 10), 292 pp. », Cultura [Online], Vol. 34 | 2015, posto online no dia 12 Julho 2016, consultado a 25 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/2575

Topo da página

Autor

Helder Mendes

CHAM, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, Universidade dos Açores

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org