Navegação – Mapa do site
Recensões críticas

Gil, Isabel Capeloa (coord.), Identidade Europeia: identidades na Europa

Carlos Leone
p. 291-293
Referência(s):

Gil, Isabel Capeloa (coord.), Identidade Europeia: identidades na Europa, Lisboa, Universidade Católica Editora, 2009

Texto integral

1Este pequeno volume (160 pp.) reúne as intervenções no colóquio com o mesmo título realizado na Faculdade de Ciências Humanas no ano de 2004. O habitual lapso de tempo prolongado entre estes encontros e a publicação dos seus resultados resulta, neste caso, interessante, atendendo às evoluções que se verificaram em tantos (todos?) os temas propostos pela organização desta conferência internacional e desenvolvidos pelos participantes (no caso da intervenção de José Cutileiro, esse lapso é abertamente explorado numa nota final à intervenção de 2004, um post scriptum de Abril de 2009).

2Na sua estrutura, o volume subdivide-se em quatro secções: a primeira reincide no título do conjunto; a segunda é dedicada à «religião e sociedade na Europa»; a terceira trata de «memórias da Europa»; e a última oferece «olhares sobre a diversidade europeia» (nesta inclui-se o relatório final do encontro). Muito desiguais em extensão e número de textos, as secções distinguem-se também (mesmo sobretudo) pela acuidade dos seus respectivos temas. A primeira e a última das quatro secções são pela sua própria definição amplas e maleáveis; já a segunda e a terceira secções constituem núcleos comparativamente mais definidos e compreensivos dos seus temas, sem com isso se abdicar de perspectivas diversas. Isto mesmo é uma inevitabilidade em encontros deste tipo, e no texto de apresentação do volume a organizadora dá conta das perspectivas diferenciadas e do âmbito extenso aqui presentes: «Com enfoques diferenciados, e por vezes conflituais, as propostas debatem não apenas as formas diversas em que se grafa o conceito Europa e o modo como a UE com ela se relaciona, mas evocam igualmente sentidos díspares do próprio conceito identidade» (p. 8). Com efeito, e mais do que em torno de questões teóricas (comunitarismo, construtivismo, etc.), os textos percorrem com uma fluidez manifesta a distância entre Europa e União Europeia, isto é, exprimem em chaves distintas a reconfiguração em curso da identidade europeia numa forma institucional de União Europeia. A identidade, e as identidades que a prefiguram, são um problema, tanto prático como teórico, sendo o caso europeu único na evolução pacífica e progressiva que caracteriza a União.

3O primeiro conjunto de textos debate a identidade europeia nos termos convencionais: o que é? A relação entre a identidade «da» e as identidades «na» Europa, a natureza do conceito «Europa», cultural ou geográfica, a estratégia da União (mesmo o seu «destino estratégico», no dizer de Manuel Braga da Cruz, cf. p. 14); enfim, os temas são amplos e impedem pela sua própria complexidade avanços cognitivos na sua discussão, apesar de intervenções de oradores tão qualificados como Durão Barroso, Ernâni Lopes e Andreas Staab, além do já referido Reitor da Universidade Católica Portuguesa.

4Outro tanto pode ser dito da última secção, a qual no entanto se distingue pela originalidade que procura ao suscitar a perspectiva externa face à Europa. Mesmo que procurando essa perspectiva em europeus momentaneamente ausentes do «seu» continente, como nos casos do Embaixador José Cutileiro (à época acabado de voltar ao país, depois de três anos nos EUA) e do Almirante Nuno Vieira Matias (em intervenção baseada numa experiência profissional similar), trata-se de uma tentativa válida de romper com a retórica autocongratulatória (e a sua gémea autocastigadora). Além destas intervenções, nesta secção agrupam-se também a reflexão de Roberto Carneiro sobre diversidade e acolhimento na Europa e a intervenção de Peter Preston sobre jornalismo na Europa, bem como o já mencionado relatório final do encontro, por Guilherme d’Oliveira Martins.

5Já a segunda secção oferece uma reflexão sobre Religião e Sociedade na Europa a partir de perspectivas bem distintas. A de D. Manuel Clemente (historiador e Bispo do Porto), discorre sobre o tema a partir de instâncias várias, glosando controvérsias mais ou menos recentes à data da intervenção. Por outro lado, Christian Lange (deputado federal da Alemanha, SPD) discute casos concretos de opções e decisões políticas e jurídicas, de modo a enfatizar o pluralismo (aliás presente no título da sua intervenção) característico das sociedades modernas, reformadas e abertas. Dois textos aos quais se pode apenas lamentar a sua brevidade.

6Mas a terceira secção, «memórias da Europa», é aquela que melhor ilustra a capacidade de iluminação mútua das intervenções em painéis bem estruturados e com intervenções de perfil contrastante e de nível equivalente. Önay Sözer, integrando a identidade europeia no quadro mais vasto da mundialização; Bernhard Giesen, diferenciando duas abordagens (constitucionalista ou memorialista) à problemática noção de uma identidade colectiva europeia; e Frieder Otto Wolf, radicando a identidade europeia numa dimensão de memória colectiva que, pela história europeia, é inevitavelmente controversa e tensa. Neste último texto pensa-se em perspectivas de uma «filosofia política de libertação» (p. 100) que evocam Hannah Arendt em Between Past and Future (intencionalmente ou não? Arendt não é referida) e escreve-se: «teremos de abordar a questão da identidade nos termos da capacidade de acção da “multidão”, dos muitos que devem encontrar a sua coordenação em acções em comum, ainda que dentro da responsabilidade de cada um» (p. 101). Perspectivas mais construtivas e consequentes do que a retórica «altermundialista» sobre a multidão e o império, que tanto sucesso editorial e mediático obteve ainda recentemente.

7Outro tanto se pode afirmar deste volume, que, apesar de discreto, é bem mais relevante do que muitos encontros em torno deste tema, hoje tão frequente.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Carlos Leone, « Gil, Isabel Capeloa (coord.), Identidade Europeia: identidades na Europa », Cultura, Vol. 28 | 2011, 291-293.

Referência eletrónica

Carlos Leone, « Gil, Isabel Capeloa (coord.), Identidade Europeia: identidades na Europa », Cultura [Online], Vol. 28 | 2011, posto online no dia 17 Maio 2013, consultado a 25 Março 2017. URL : http://cultura.revues.org/327

Topo da página

Autor

Carlos Leone

CHC da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org