Navegação – Mapa do site
Iconografia religiosa das invocações nacionais

Devoções maiores e devoções menores na pintura mural portuguesa dos séculos XV e XVI

Greater and lesser religious practices in 15th and 16th century Portuguese mural painting
Luís Urbano Afonso
p. 11-23

Resumos

Existem perto de 140 monumentos portugueses que ainda conservam pintura mural realizada entre os finais do século XV e os meados do século XVI. Por vicissitudes históricas diversas, a distribuição destes monumentos pelo território nacional é muito desigual, verificando-se uma concentração em templos rurais situados sobretudo no território de Entre-Douro-e- -Minho (c. 30%), em Trás-os-Montes (c. 25%) e na Beira Interior (c. 20%).
A análise da iconografia destas pinturas permite tirar várias conclusões a respeito das principais devoções da época. Verifica-se que São Sebastião era o santo mais representado, seguido por Santo António (de Pádua), Santa Catarina, São Pedro, São Miguel, São João Baptista e São Tiago, ao mesmo tempo que apenas a Anunciação e o Calvário têm uma representatividade equiparável à dos santos mencionados. Também é possível concluir que a preferência pelos santos referidos não estava dependente da invocação dos templos. Conclui-se, igualmente, que existe uma nítida diferenciação entre as imagens sacras representadas na zona dos templos cujo cuidado pertencia aos fregueses, a nave, e a zona sob a responsabilidade dos padroeiros, a cabeceira.
Nesta comunicação pretende-se explicar quais os motivos que justificam a preeminência da representação de determinadas figuras do hagiológio cristão durante o período em causa, bem como a ausência de outras cuja presença seria expectável. Pretende-se explicar também as razões que ditam a diferenciação entre a iconografia das cabeceiras e a iconografia das paredes da nave. A análise conjugada destes dados permite trazer alguma luz sobre os motivos que justificam as principais devoções dos portugueses da época, sobretudo os que viviam em ambientes rurais.

Topo da página

Texto integral

Introdução

  • 1 Sobre a literatura dedicada à pintura mural do período em causa, veja-se Luís U. Afonso, 2002. “A p (...)

1Subsistem perto de cento e cinquenta monumentos em Portugal com pintura mural realizada entre os finais do século XV e os meados do século XVI.1 Por vicissitudes históricas diversas, a distribuição destes monumentos pelo território nacional é muito desigual, verificando-se uma concentração em templos rurais situados no território de Entre-Douro-e-Minho (c. 30%), em Trás-os-Montes (c. 25%) e na Beira Interior (c. 20%) (Fig. 1). À excepção de Entre-Douro-e-Minho, considerado um “alfobre de gente” desde a Idade Média, a maior parte destas pinturas preservou-se em regiões de fraca densidade populacional. Os edifícios que nos séculos XV e XVI receberam pintura mural conservaram-se mais ou menos incólumes em povoados de fraco crescimento demográfico e de recursos limitados, enquanto em meios mais dinâmicos os edifícios e as campanhas artísticas foram sendo sucessivamente ampliados ou substituídos.

  • 2 As localidades presentes no mapa são, por ordem alfabética, as seguintes: Abrantes, Adeganha, Aivad (...)

1. Distribuição nacional dos monumentos com pinturas murais (c. 1400-c. 1550)2

  • 3 Luís U. Afonso, 2007. “Protection, prestige and authority: on the functions of Portuguese mural p (...)

2A análise destas pinturas murais permite perceber quais as principais funções que desempenhavam, salientando-se, acima de tudo, os aspectos ligados à protecção do corpo e da alma dos fiéis (e respectivos familiares defuntos), os aspectos ligados ao prestígio dos detentores dos direitos de padroado e das próprias comunidades de fregueses e ainda os aspectos ligados à manifestação da autoridade religiosas seja a eclesiástica seja a monástica.3 Por sua vez, o estudo da iconografia destas pinturas permite identificar quais as principais devoções da população da época.

3Em relação a este último aspecto, verifica-se que São Sebastião era o santo mais representado, seguido por Santo António (de Pádua), Santa Catarina, São Pedro, São Miguel, São João Baptista e São Tiago, ao mesmo tempo que ao nível das temáticas sacras apenas a Anunciação e o Calvário têm uma representatividade equiparável à dos santos mencionados. Também se verifica que, na maior parte dos casos, a preferência pelos santos referidos não estava dependente da invocação dos templos. Finalmente, nota-se uma nítida diferenciação entre as imagens sacras representadas na zona dos templos cujo cuidado pertencia aos fregueses, a nave, e a zona sob a responsabilidade dos padroeiros, a cabeceira.

4O objectivo deste estudo consiste em sugerir explicações para a preeminência de determinadas figuras do hagiológio cristão na pintura mural da época, bem como para a ausência de outras cuja presença seria expectável. Pretende-se explicar, também, quais as razões que ditam a diferenciação entre a iconografia das cabeceiras e a iconografia das paredes da nave. A análise conjugada destes dados permite trazer alguma luz sobre os motivos que justificam as principais devoções dos portugueses da época, sobretudo os que viviam em ambientes rurais.

Devoções maiores

  • 4 Luís U. Afonso, 2006. A Pintura Mural Portuguesa entre o Gótico Internacional e o Fim do Renascim (...)

5No âmbito da nossa dissertação de doutoramento sobre a pintura mural dos séculos XV e XVI4, realizámos um estudo quantitativo que nos permitiu chegar aos dados apresentados no Quadro I. Este quadro identifica as figuras e os temas mais frequentes na pintura mural portuguesa e enumera as localidades onde se situam os monumentos com essas mesmas representações. Incluímos no quadro as figuras e temas que surgem, pelo menos, em sete ocasiões.

  • 5 Os locais mencionados neste quadro que aparecem seguidos por um ponto de interrogação dizem respe (...)

6Quadro I – Temas e figuras mais representados na pintura mural (c.1400-c.1550)5

Tema

Locais

Total

Anunciação

Adeganha; Alfaiates I (?); Arnoso; Braga (?); Cimo de Vila; Covas do Barroso; Covilhã; Duas Igrejas I; Ega; Ermelo; Folhadela; Leiria; Lordelo (?); Marco de Canaveses; Meijinhos; Outeiro Seco; Quintanilha; São Cucufate; São Martinho do Peso (?); Serzedelo; Trancoso (x2); Valhelhas.

23

Calvário

Aivado; Amieira do Tejo; Ariola; Corvite; Duas Igrejas II; Idanha; Leiria; Malhadas (?); Orca (?); Outeiro Seco; Sendim / Picote; Tomar; Trancoso; Vile.

14

Agonia no Horto

Atouguia da Baleia; Ega; Marco de Canaveses (?); Outeiro Seco; Tomar; Vila de São Sebastião; Vila Marim.

7

Pentecostes

Abrantes; Arcos de Valdevez; Arnoso (x2); Maçainhas; Outeiro Seco; São Martinho do Peso (?).

7

Santa Catarina

Adeganha; Aivado; Algosinho; Cimo de Vila; Corvite; Gatão; Idanha (?); Maçainhas; Martim Longo (?); Sanfins de Castanheira; Santa Leocádia; Santo Isidoro; Serzedelo; Teixeira; Trevões; Valadares.

16

Santa Luzia

Belmonte; Cárquere; Duas Igrejas I; Duas Igrejas II; Gatão; Idanha (?); Larinho; Pias; São Pedro de Almuro.

9

Santo Antão

Chaviães; Corvite; Folhadela; Gondar; São Julião de Montenegro; Marco de Canaveses; Serzedelo; Vila Marim.

8

Santo António

Adeganha; Aivado; Ariola; Belmonte; Cárquere; Chaviães; Fonte Arcada (?); Gatão; Idanha (?); Numão (?); Outeiro Seco;

São Julião de Montenegro; São Pedro de Almuro (?); Sapiãos (?); Serzedelo; Trancoso; Vilar; Vile (?).

18

São Bartolomeu

Adeganha; Algosinho; Chaviães; Folhadela; Idanha; Martim Longo; Marvão; Pentieiros (?); Sarzeda.

9

São Cristóvão

Adeganha; Évora I; Gondar; Outeiro Seco; Santa Leocádia; Serzedelo (?); Tomar.

7

São Francisco

Adeganha; Alfaiates I (?); Ervededo (?); Leiria; Mércoles (?); Outeiro Seco; São Jordão; Serzedelo.

8

São João Baptista

Barcos; Belmonte (?); Fontelo; Gatão; Guimarães; Leiria; Outeiro Seco; Porto; São Martinho do Peso; Tabuado.

10

São Martinho

Ervededo; Penacova; São Jordão (?); São Martinho de Mouros (?); São Martinho do Peso; Sapiãos (?); Serzedelo (x2).

8

São Miguel

Azinhoso; Batalha; Leiria; Malhada Sorda; Santa Leocádia; Santo Isidoro; São Jordão (?); São Martinho do Peso; Serzedelo; Vila de São Sebastião; Vila Marim.

11

São Paulo

Batalha; Folhadela; Santa Leocádia; Sendim / Picote; Souto de Lafões; Valadares; Vila Real; Vila Verde II.

8

São Pedro

Barcos; Belmonte; Casteição; Folhadela (x2); Leiria; Montemor-o-Novo I; Santa Leocádia; Sintra II (?); Souto de Lafões; Vila Real; Vila Verde II.

12

São Sebastião

Adeganha; Alvito; Arnoso; Arões; Bravães (x2); Castelo Bom; Castro Vicente (x2); Cête I; Chaviães; Colmeal (x2); Corvite; Évora III; Folhadela; Gatão; Idanha; Leiria; Lordelo; Marialva; Santa Leocádia; Santo Aleixo; São Julião de Montenegro; Serzedelo; Tresminas; Vila de São Sebastião; Vila Ruiva; Vile.

29

São Tiago

Adeganha; Aivado; Alvito; Belmonte; Ermelo; Folhadela; Joane; Santo Isidoro; Tabuado; Valadares (?).

10

Virgem com o Menino

Aldeia Velha; Ariola; Arões; Barcos; Beja (?); Belmonte; Bravães; Corvite; Lalim; Martim Longo; Porto; Santo Isidoro; Serzedelo.

13

Virgem do Rosário

Castelo Bom; Castelo Mendo; Joane; Sanjurge; Sendim / Picote; Sernancelhe; Travanca II.

7

7De uma maneira geral, estes dados permitem retirar quatro grandes conclusões. Em primeiro lugar, identifica-se uma nítida preferência por um reduzido leque de santos, de acordo com a seguinte ordem de importância: São Sebastião, Santo António, Santa Catarina, São Miguel, São Pedro, São João Baptista, São Tiago, Santa Luzia, São Bartolomeu, São Francisco, Santo Antão, São Martinho, São Paulo e São Cristóvão. Neste panorama importa sublinhar que as imagens de São Sebastião surgem, em média, num em cada cinco monumentos com pintura mural e que as imagens de Santo António surgem, em média, num em cada oito monumentos.

8Em segundo lugar, importa sublinhar a clara predominância dos discursos visuais assentes em imagens de tipo “icónico”, em que um ou vários santos preenchem a parede sobre a mesa de altar. Estes santos são representados normalmente isolados e em posição frontal, quase sempre com os rostos a três quartos, hieráticos, e contra um fundo simples que acentua a sua presença, evitando a distracção do fiel com os fundos paisagísticos ou com os interiores perspectivados. Normalmente, estes santos não desempenham qualquer acção, a não ser segurarem os seus atributos específicos. Estas figuras são pintadas dentro de enquadramentos que visam mimetizar a pintura de cavalete, como se estivéssemos diante de um painel isolado ou de um tríptico. Entre as representações narrativas mais frequentes apenas contamos com quatro temas que podem assumir, ou não, um discurso narrativo. Referimo-nos à Anunciação (presente em 16,2% dos monumentos com pintura mural dos séculos XV e XVI), ao Calvário (9,9%), ao Pentecostes (5%) e à Oração no Horto (5%).

  • 6 Luís U. Afonso, 2005. “A pintura mural das igrejas das Ordens Militares, em torno de 1500. Primei (...)

9Em terceiro lugar, destacamos um aspecto decorrente da conclusão anterior, mas cuja percepção é algo difusa no Quadro I. Referimo-nos ao reduzido número de casos em que podemos falar de um discurso visual assente em estratégias narrativas, como sucede, por exemplo, na nave de Outeiro Seco ou na cabeceira de Santa Leocádia. De facto, o número de casos onde existem pelo menos duas composições que formam uma narrativa sequencial é muito reduzido, mais ainda quando se pretende falar da existência de um ciclo narrativo minimamente alargado. Ainda assim, para lá dos dois casos mencionados, e excluindo as situações em que existe uma mera oposição entre dois princípios contrários (por exemplo, Paraíso/Inferno), insuficiente para falarmos de uma narrativa, destaque-se o esforço em construir discursos narrativos nas pinturas de Adeganha, Bragança, Bravães, Covas do Barroso, Duas Igrejas I, Malhada Sorda, Meijinhos, Quintanilha, Sacaparte, Santa Leocádia, Santo Aleixo, Tomar, Trancoso, Valhelhas, Vila de São Sebastião e Vila Marim. Ou seja, apenas em dezoito dos cento e quarenta e dois monumentos estudados é possível identificar a presença de uma solução narrativa, o que equivale a 13% do total. Mesmo tendo em conta que este número é prejudicado pela destruição da maior parte das pinturas murais que não ficaram protegidas pelos retábulos em talha – e deve-se sublinhar que os ciclos narrativos ocupavam, preferencialmente, os panos laterais da ousia e da nave –, não nos parece que esta realidade pudesse ultrapassar os 15%-20% dos casos atendendo aos dados veiculados pelas visitações realizadas na época em questão.6

  • 7 Referimo-nos à pintura existente na capela-mor da igreja de São Julião de Montenegro. A identific (...)

10Por último, os dados recolhidos permitem concluir que não existe qualquer preferência pela representação de santos “nacionais”. Com efeito, das entidades patentes no Quadro I, a única figura que nasceu ou viveu em território português foi Santo António, habitualmente representado de pé, descalço ou em sandálias, vestindo um hábito de cor cinza ou acastanhada cingido por um cordão de três nós. Normalmente, o santo segura numa mão um crucifixo (ou, raramente, um lírio) e na outra mão um livro aberto, sobre o qual, muitas vezes, está representado o Menino numa escala mais reduzida. Importa referir, porém, que o elevado número de representações deste santo não parece relacionar-se minimamente com a sua naturalidade. De facto, no único caso onde o nome do santo é seguido por um toponímico verifica-se que a cidade mencionada não é Lisboa (ou Coimbra), mas sim Pádua.7Ou seja, pelo menos até meados do século XVI, fica a impressão de que a pintura mural portuguesa não participou em quaisquer processos de promoção e legitimação de santos regionais ou nacionais. Do mesmo modo, exceptuando o caso particular e sui generis do Apóstolo São Tiago, não se encontram nesta lista quaisquer figuras associadas à Península Ibérica. Referimo-nos, em concreto, aos vários santos mártires que deram origem a inúmeras paróquias do território português e cujas relíquias foram muito veneradas durante a Idade Média em santuários de alcance regional.

Devoções menores

11A partir da mesma recolha utilizada para produzir o Quadro I, apresentamos no Quadro II as figuras e os temas que surgem representados apenas por uma vez entre os cento e quarenta e dois monumentos estudados. Naturalmente, em comparação com as figuras e os temas patentes no primeiro quadro, as figuras listadas neste segundo quadro terão sido objecto de uma menor devoção por parte da população portuguesa dos séculos XV e XVI.

Quadro II – Figuras e temas representados uma só vez na pintura mural (c.1400-c.1550)

Tema

Locais

Santa Eulália

Pentieiros (?)

Santa Madalena

Marvão

Santa Marta

Santa Leocádia

Santa Odília (Otília)

Riba de Âncora

Santo Aleixo

Santo Aleixo

São Geraldo

Sapiãos

Santo Isidoro

Santo isidoro

São Jacinto

Covilhã

São Jerónimo

Outeiro Seco

São Leonardo

São Julião de Montenegro (?)

São Lourenço

Castelo Bom

São Lucas

Gondar

São Pedro Mártir

Casteição

São Plácido

Pombeiro

São Telmo (Corpo Santo)

Geraz do Lima

São Valério

Leiria

São Vicente

Leiria

  • 8 Além desta pintura, este santo português está representado também na igreja de São Julião de Mont (...)

12A primeira nota a destacar neste quadro diz respeito à presença de bastantes santos ibéricos, ou que passaram parte da respectiva vida na Península. É o caso de quatro mártires muito populares durante a Idade Média, a saber, Santa Eulália, São Lourenço, São Valério e São Vicente. É o caso, também, de três figuras ligadas à vida da Igreja peninsular, designadamente o arcebispo de Sevilha e Doutor da Igreja Santo Isidoro, o arcebispo de Braga São Geraldo (de origem francesa) e ainda o dominicano São [Pedro Gonçalves] Telmo, também conhecido como Corpo Santo, originário de Palência e muito activo na Galiza. No caso de São Geraldo, deve sublinhar-se, sem surpresa, que a presença do santo se integra na área de influência do arcebispado bracarense. No caso de São Telmo a sua representação ocorre num arcossólio de uma igreja do Alto Minho, uma área percorrida pelo santo, sendo de sublinhar que na mesma composição se encontra outro santo dominicano, São Gonçalo de Amarante,8 e um santo beneditino, São Mauro.

13Outro ponto a destacar, relacionado com o anterior, é o reduzido número de representações de certas figuras listadas neste quadro em relação às quais seria expectável encontrarmos sinais de maior devoção. Referimo-nos, sobretudo, a São Vicente, São Jerónimo, São Lourenço e Santa Madalena. De facto, o primeiro destes santos tinha grande importância nas festividades religiosas nacionais. Durante os séculos XIV e XV, São Vicente alcançou mesmo uma enorme projecção na região de Lisboa, promovendo-se o culto das suas relíquias na catedral. Também surpreendente é o caso de São Jerónimo, uma figura fulcral para o movimento reformista monástico e eclesiástico dos séculos XV e XVI. Aparentemente, este Doutor da Igreja também não parece ter encontrado eco nas igrejas e ermidas das vilas e aldeias rurais que constituem o grosso da pintura mural remanescente. Finalmente, São Lourenço e Santa Madalena são dois santos relativamente populares, pelo que se esperaria maior número de representações para cada um deles. Com efeito, São Lourenço é padroeiro dos pobres e protector contra o fogo e os incêndios e quanto a Santa Madalena, para lá da sua recorrência nas imagens do Calvário e da proximidade a Cristo, importa salientar o seu papel como santa curadora, papel que lhe granjearia muitos devotos.

Topografia das representações

14Até aqui tomámos como certa a proposição de que o elevado número de representações de uma determinada figura sagrada era sinónimo de maior devoção a essa mesma figura. Porém, quando partimos para uma análise mais fina da realidade, nomeadamente ao nível da “topografia das representações”, verificamos que esta associação não é tão linear como parece. Desde logo, importa sublinhar que no período em causa existia uma distinção entre o patrocínio dos padroeiros de um templo e o patrocínio da respectiva comunidade de fregueses. Esta diferença materializava-se, por exemplo, nas obrigações de manutenção e ornamentação de dois espaços muito distintos: a cabeceira do templo no caso dos padroeiros, e a nave no caso dos fregueses. Por isso, saber em que local de uma igreja se encontram pintadas as figuras sagradas do Quadro I permite-nos perceber qual o peso relativo dessas figuras para os detentores dos direitos de padroado e para a comunidade de fregueses, dados que nem sempre são coincidentes. A partir destes elementos ficamos a saber quais as figuras sagradas que estes dois actores veneravam de forma semelhante e quais aquelas que eram veneradas de forma diferenciada.

  • 9 A diferença que pode surgir entre os números patentes nos gráficos e os números patentes no Quadr (...)

15Vejamos, em primeiro lugar, os casos onde existem maiores desequilíbrios. Comecemos por abordar o caso das figuras que são mais representadas do lado dos fregueses e que por essa razão seriam objecto de devoção por maior número de pessoas. Entre estas figuras encontra-se São Sebastião (Fig. 2), esmagadoramente representado nas naves dos templos (83%) e menos nas cabeceiras (17%), e o Calvário (Fig. 3), numa relação 3/4 contra 1/4.9 Um caso muito interessante diz respeito à Agonia no Horto (Fig. 4), cujas representações se encontram apenas ao nível da nave. Regressando às imagens mais representadas no Quadro I, como São Sebastião, verificamos que quer Santo António (Fig. 5), quer Santa Catarina (Fig. 6) estão mais representados no espaço dos fregueses do que no espaço dos padroeiros, sensivelmente numa proporção de 2/3 contra 1/3.

2. Representações de São Sebastião

2. Representações de São Sebastião

3. Representações do Calvário

3. Representações do Calvário

4. Representações da Agonia no Horto

4. Representações da Agonia no Horto

5. Representações de Santo António

5. Representações de Santo António

6. Representações de Santa Catarina

6. Representações de Santa Catarina

16Já em relação às figuras que estão mais representadas do lado dos padroeiros do que do lado dos fregueses, destacam-se os casos de São Pedro (Fig. 7) e de São Paulo (Fig. 8), normalmente representados em conjunto. No primeiro caso a percentagem é elevadíssima, 83% contra 17%, mas o segundo caso é ainda mais impressionante na medida em que todas as representações de São Paulo se encontram unicamente ao nível da cabeceira dos templos. Também algo surpreendente é verificar que São Tiago (Fig. 9) apenas surge representado, praticamente, ao nível das cabeceiras.

7. Representações de São Pedro

7. Representações de São Pedro

8. Representações de São Paulo

8. Representações de São Paulo

9. Representações de São Tiago

9. Representações de São Tiago

17Antes de analisarmos as razões destas diferenças, importa destacar os casos em que os temas e as figuras estão distribuídos de forma equilibrada entre os dois espaços em questão. Por exemplo, o segundo tema/figura mais representado na pintura mural da época, a Anunciação, está distribuído de forma bastante harmoniosa, com dez representações na cabeceira (43%) e treze na nave (57%). São João Baptista tem idêntica distribuição, com cinco representações na cabeceira (56%) e quatro na nave (44%). O mesmo sucede com São Martinho, embora neste caso com maior presença na cabeceira (57%), com quatro ocorrências, do que na nave (43%), com três ocorrências.

Conclusão

18Conforme verificámos anteriormente, os elementos coligidos no Quadro I indicam quais as entidades sagradas e os temas religiosos mais populares ao nível da pintura mural dos séculos XV e XVI. O Quadro II, por seu lado, identifica as figuras que só por uma vez receberam a preferência dos encomendantes. O estudo que realizámos, porém, permitiu concluir que a análise meramente quantitativa das representações iconográficas pode induzir os investigadores em erro, pois elas não espelham de forma plena as principais devoções da época. Com efeito, verificámos que existe um desfasamento entre aquilo que as pessoas comuns, os fregueses, mais valorizavam ao nível das entidades sagradas e aquilo que as elites detentoras dos direitos de padroado pretendiam sublinhar e promover. A diferença é visível na medida em que cada um destes grupos era responsável por espaços diferentes, respectivamente a nave e a cabeceira dos templos. Deste modo, em função das figuras e dos temas mais representados em cada um destes espaços ficamos a saber quais as entidades sagradas que cada grupo mais valorizava. Este ponto é importante porque entre os cinco temas e figuras mais representados apenas a Anunciação tem uma distribuição equilibrada entre os espaços da nave (fregueses) e da cabeceira (padroeiros).

19Proporcionalmente, verificámos que as imagens mais comuns na cabeceira dizem respeito a São Pedro e São Paulo, seguramente duas entidades que reforçavam o poder e a autoridade dos padroeiros eclesiásticos dos templos, actuando em nome do Papa e dos fundadores da Igreja de Roma. Muitas vezes, aliás, estas imagens eram acompanhadas pelos brasões dos padroeiros que se associavam, assim, ao prestígio e autoridade dos dois santos. Outra imagem muito presente nas cabeceiras dos templos é São Tiago, mas neste caso a explicação encontra-se no facto de o Apóstolo ser orago de quase um terço dos templos onde surge pintado.

20Quanto às imagens mais representadas ao nível da nave, torna-se evidente que o elevado número de imagens de São Sebastião, Santo António e Santa Catarina (de Alexandria) corresponde à grande popularidade destes três santos, fazendo deles o objecto de devoção mais universal no território português durante o período em questão. Como se sabe, o primeiro destes santos era venerado devido à protecção que oferecia aos fiéis contra os surtos de peste e as doenças (sendo secundado por Santo Antão, também representado de forma significativa na pintura mural). Santo António, por sua vez, era venerado sobretudo por ser um santo capaz de operar “milagres”. Finalmente, no que diz respeito a Santa Catarina, julgamos que a sua elevada presença na pintura mural estava relacionada com o seu papel enquanto intercessora junto da Corte Celeste, denotando, por esta via, a preocupação dos fiéis com a salvação da alma.

21Finalmente, quanto às figuras sub-representadas, algumas delas evocadas no Quadro I, parece-nos que são um subproduto dos esforços de concentração e uniformização religiosa iniciada nos séculos XI-XII com a Reforma Gregoriana. A prossecução desta política ao longo do tempo acabou por retirar peso aos santos locais e regionais, substituídos por santos “campeões”, mais universais, aos quais era atribuída uma eficácia superior perante os pedidos e anseios dos devotos.

22Além disso, como na maior parte dos monumentos estudados existe uma significativa economia de meios, circunscrevendo a intervenção fresquista às paredes dos altares (limitando, deste modo, o número de figuras representadas), os recursos concentraram-se nos santos e nos temas que eram considerados mais úteis e eficazes. Deste modo, a concentração produziu-se num núcleo muito restrito de santos mártires (São Sebastião, Santa Catarina e São João Baptista) e de santos apóstolos (São Pedro, São Tiago e São Paulo). A única excepção neste grupo é a presença de Santo António, o mais “jovem” de todos os santos patentes no Quadro I.

Topo da página

Notas

1 Sobre a literatura dedicada à pintura mural do período em causa, veja-se Luís U. Afonso, 2002. “A pintura mural dos séculos XV-XVI na historiografia da arte portuguesa: estado da questão”, in Artis, n. 1, pp. 119-137.

2 As localidades presentes no mapa são, por ordem alfabética, as seguintes: Abrantes, Adeganha, Aivado, Alcácer do Sal, Aldeia Velha, Alfaiates I, Alfaiates II, Algosinho, Alvito, Amieira do Tejo, Arcos de Valdevez, Ariola, Armamar, Arnoso, Arões, Atouguia da Baleia, Azinhoso, Barcos, Batalha, Beja, Belmonte, Braga, Bragança, Bravães, Calvos, Caminha, Cárquere, Casais da Abadia, Casteição, Castelo Bom, Castelo Mendo, Castro Roupal, Castro Vicente, Cête I, Cête II, Chaviães, Cimo de Vila de Castanheira, Coimbra, Colmeal, Corvite, Covas do Barroso, Covilhã, Duas Igrejas I, Duas Igrejas II, Ega, Ermelo, Ervededo, Escarigo, Estremoz, Évora I, Évora II, Évora III, Folhadela, Fonte Arcada, Fontelo, Freixo de Baixo, Gatão, Geraz do Lima, Gondar, Guimarães, Idanha-a-Velha, Ifanes, Joane, Lalim, Larinho, Leiria, Lordelo, Maçainhas, Malhada Sorda, Malhadas, Marco de Canaveses, Marialva, Marmelar, Martim Longo, Marvão, Meijinhos, Mércoles, Mértola, Mesão Frio, Midões, Monsaraz, Montemor-o-Novo I, Montemor-o-Novo II, Montemor-o-Velho, Mouçós, Negrelos, Numão, Orca, Outeiro Seco, Palaçoulo, Penacova, Pentieiros, Pias, Picote, Pombeiro, Porto, Quintanilha, Quintela de Lampaças, Reboreda, Riba de Âncora, Sacaparte, Sanfins de Castanheira, Sanfins de Ferreira, Sanjurge, Santa Cruz, Santa Leocádia, Santo Aleixo, Santo Isidoro, São Cucufate, São Jordão, São Julião de Montenegro, São Martinho de Mouros, São Martinho do Peso, São Pedro de Almuro, Sapiãos, Sarzeda, Sendim / Picote, Sernancelhe, Serzedelo, Sintra I, Sintra II, Souto de Lafões, Tabuado, Távora, Teixeira, Tomar, Trancoso, Travanca I, Travanca II, Tresminas, Trevões, Valadares, Valença, Valhelhas, Vila de São Sebastião, Vila Marim, Vila Real, Vila Ruiva, Vila Verde I, Vila Verde II, Vilar, Vile.

3 Luís U. Afonso, 2007. “Protection, prestige and authority: on the functions of Portuguese mural paintings”, in L. U. Afonso e V. Serrão (eds.), Out of the Stream: Studies in Medieval and Renaissance Mural Painting, Newcastle, Cambridge Scholars Publishing, pp. 69-87.

4 Luís U. Afonso, 2006. A Pintura Mural Portuguesa entre o Gótico Internacional e o Fim do Renascimento. Formas, significados, funções, dissertação de Doutoramento em História da Arte apresentada à Universidade de Lisboa, 3 vols.

5 Os locais mencionados neste quadro que aparecem seguidos por um ponto de interrogação dizem respeito a imagens onde o grau de certeza da identificação iconográfica não é absoluto. Os locais seguidos pela expressão “x2” indicam a existência de duas representações do mesmo tema/figura no mesmo edifício. Os locais seguidos por numeração romana dizem respeito a localidades onde existe mais de um edifício com pintura mural deste período. Para uma identificação completa das localidades e monumentos referidos, veja-se o corpus coligido em L. U. Afonso, 2006 (vol. II).

6 Luís U. Afonso, 2005. “A pintura mural das igrejas das Ordens Militares, em torno de 1500. Primeiras impressões de uma abordagem iconográfica”, in As Ordens Militares e as Ordens de Cavalaria na Construção do Mundo Ocidental. Actas do IV Encontro sobre Ordens Militares, Lisboa, Colibri-Câmara Municipal de Palmela, pp. 899-916. Veja-se também L. U. Afonso, 2006, vol. I, pp. 117-121.

7 Referimo-nos à pintura existente na capela-mor da igreja de São Julião de Montenegro. A identificação do nome do santo através de uma inscrição surge nas igrejas de São Tiago de Adeganha (Torre de Moncorvo), Santa Cristina de Serzedelo (Guimarães) e igreja de Nossa Senhora da Guia em Vilar (Boticas).

8 Além desta pintura, este santo português está representado também na igreja de São Julião de Montenegro.

9 A diferença que pode surgir entre os números patentes nos gráficos e os números patentes no Quadro I deve-se à impossibilidade de distribuir algumas representações numa destas duas categorias (capela-mor ou nave). As razões podem ser várias: edifício com um só volume; pinturas destacadas sem indicação de localização primitiva; tipologia arquitectónica impossível de confinar ao modelo proposto; etc.

Topo da página

Índice das ilustrações

Legenda 1. Distribuição nacional dos monumentos com pinturas murais (c. 1400-c. 1550)2
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 2. Representações de São Sebastião
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 3. Representações do Calvário
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 4. Representações da Agonia no Horto
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 5. Representações de Santo António
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 6. Representações de Santa Catarina
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 7. Representações de São Pedro
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 8. Representações de São Paulo
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 20k
Título 9. Representações de São Tiago
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/341/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 17k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Luís Urbano Afonso, « Devoções maiores e devoções menores na pintura mural portuguesa dos séculos XV e XVI  », Cultura, Vol. 27 | 2010, 11-23.

Referência eletrónica

Luís Urbano Afonso, « Devoções maiores e devoções menores na pintura mural portuguesa dos séculos XV e XVI  », Cultura [Online], Vol. 27 | 2010, posto online no dia 26 Junho 2013, consultado a 28 Junho 2017. URL : http://cultura.revues.org/341 ; DOI : 10.4000/cultura.341

Topo da página

Autor

Luís Urbano Afonso

Faculdade de Letras/Universidade de Lisboa

Doutorado em História (2006), especialização em História da Arte, pela Universidade de Lisboa com a tese A Pintura Mural Portuguesa entre o Gótico Internacional e o Fim do Renascimento: Formas, Significados, Funções. Mestre em História da Arte (1999) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa com a dissertação As Pinturas Murais da Igreja do Convento de São Francisco de Leiria. Licenciado em História (1995), variante em História da Arte, pela FLUL. Docente do Departamento de História, área de História da Arte, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa desde Outubro de 1997 até ao presente. Livros publicados: L. Afonso e V. Serrão (eds.), 2007. Out of the Stream: studies in Medieval and Renaissance mural painting, Newcastle, Cambridge Scholars Publishing. L. U. Afonso, 2003. O Ser e o Tempo. As idades do homem no gótico português, Casal de Cambra, Caleidoscópio. Idem, 2003. Convento de S. Francisco de Leiria. Estudo monográfico, Lisboa, Livros Horizonte. Artigos recentes: (com A. J. Cruz) “On the date and contents of a Portuguese medieval technical book on illumination: O livro de como se fazem as cores”, in The Medieval History Journal, vol. 11, n. 1, 2008. “Uma nota sobre as ‘fremosas donzellas’ do Livro da Vertuosa Benfeytoria”, in eHumanista. Journal of Iberian Studies, vol. 8, 2007, pp. 106-116 (http://www.spanport.ucsb.edu/projects/ehumanista/volumes/volume_08/ index.shtml); “Life’s circle: some notes on two Portuguese Gothic tombs”, in B. Borngässer, H. Karge e B. Klein (eds.), Grabkunst und Sepulkralkultur in Spanien und Portugal, Frankfurt, Vervuert, 2006, pp. 193-205; “Propaganda institucional beneditina e meta-narrativa cristã nos frescos de Pombeiro”, in Estudos/Património, n.º 8, 2005, pp. 37-45. Cargos em publicações científicas: membro do Conselho de Redacção da revista Goya, desde 2007; membro do International Advisory Board da revista South African Journal of Art History, desde 2006; membro do Conselho de Redacção da revista Artis, desde 2002.

Ph.D. in History (2006), specialization in the History of Art from the Universidade de Lisboa with the thesis ‘Portuguese Mural Painting between the International Gothic and the End of the Renaissance. Forms, Meanings, Roles.’ (A Pintura Mural Portuguesa entre o Gótico Internacional e o Fim do Renascimento). Formas, Significados, Funções. Master’s in the History of Art (1999) from the Faculdade de Ciências Sociais e Humanas of the Universidade Nova de Lisboa with a dissertation on the Mural Paintings of the Church of the Convent of St. Francis in Leiria. B.A. in History (1995), in the area of the History of Art, from FLUL. Member of the academic staff of the Department of History, History of Art area, of the Faculdade de Letras of the Universidade de Lisboa from October 1997 to the present. Books published: L. Afonso and V. Serrao (eds.), 2007. Out of the Stream: studies in Medieval and Renaissance mural painting, Newcastle, Cambridge Scholars Publishing. L. U. Afonso, 2003. O Ser e o Tempo. As idades do homem no gótico português (Being and Time. The ages of man in the Portuguese Gothic), Casal de Cambra, Caleidoscópio. Idem, 2003. Convento de S. Francisco de Leiria. Estudo monográfico (The Convent of Saint Francis of Leiria. Monographic study), Lisbon, Livros Horizonte. Recent articles: (with A. J. Cruz) “On the date and contents of a Portuguese medieval technical book on illumination: O livro de como se fazem as cores”, in The Medieval History Journal, vol. 11, n. 1, 2008. “Uma nota sobre as «fremosas donzellas» do Livro da Vertuosa Benfeytoria”, in eHumanista. Journal of Iberian Studies, vol. 8, 2007, pp. 106-116 (http://www.spanport.ucsb.edu/projects/ehumanista/volumes/volume_08/ index.shtml). “Life’s circle: some notes on two Portuguese Gothic tombs”, in B. Borngässer, H. Karge e B. Klein (eds.), Grabkunst und Sepulkralkultur in Spanien und Portugal, Frankfurt, Vervuert, 2006, pp. 193-205. “Propaganda institucional beneditina e meta-narrativa cristã nos frescos de Pombeiro” (Institutional Benedictine Propaganda and Christian meta-narrative in the frescoes of Pombeiro), in Estudos/Património, nº 8, 2005, pp. 37-45. Posts in academic publications: member of the Editorial Board of the journal Goya since 2007; member of the International Advisory Board of the journal South African Journal of Art History since 2006; member of the Editorial Board of the journal Artis since 2002.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org