Navegação – Mapa do site
Iconografia religiosa das invocações nacionais

Nossa Senhora de Brotas: Um exemplo de regionalismo na iconografia mariana

Regionalisms in Marian iconography: Our Lady of Brotas
Ana Paula Rebelo Correia
p. 227-233

Resumos

Descrito por Frei Agostinho de Santa Maria no Santuário Mariano, o culto de Nossa Senhora das Brotas, padroeira dos animais doentes, tem como origem um suposto milagre ocorrido na localidade de Brotas no Alto Alentejo, no início do século XV. Culto rural, com base numa história simples entre um pastor e a sua vaca, a lenda de Nossa Senhora de Brotas é um curioso exemplo de regionalismo na iconografia mariana.

Topo da página

Texto integral

1. Santuário de Nossa Senhora de Brotas.

1. Santuário de Nossa Senhora de Brotas.
  • 1 * Segundo Fr. Agostinho de Santa Maria, “Affirma-se que o apparecimento da Senhora fora no dia d (...)
  • 2 Veja-se sobre este tema Sílvia FERREIRA, “Do Culto de Nossa Senhora em Portugal – Esplendor e Fun (...)

1O culto de Nossa Senhora de Brotas tem como origem um suposto milagre ocorrido na localidade de Brotas no Alto Alentejo, na primeira metade do século XV1. Um pastor, que levara a sua vaca a pastar, vê o animal cair num barranco, partir uma pata e morrer. Desolado, prepara-se para o esfolar quando surge Nossa Senhora. A Virgem fala com o pastor, explica-lhe que vai ressuscitar a vaca e pede-lhe para construir um santuário no local. Este milagre, que vai dar origem a um culto de características rurais, constitui um curioso exemplo de regionalismo na iconografia mariana, inserindo-se nas cerca de mil invocações que integram o culto de Maria em Portugal2.

2É com base no referido milagre que, na localidade de Brotas, até então desabitada, surge, em finais do século XV, um santuário, ponto de partida para a actual igreja, que se torna rapidamente um centro de peregrinação dedicado a Nossa Senhora (Fig. 1).

  • 3 Sobre a igreja de Brotas, consulte-se Anastásia Mestrinho SALGADO, Margarida Almeida SANTOS, Abíl (...)
  • 4 Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora ( (...)

3A rua da Igreja, a única que permite aceder directamente ao templo, revela a progressiva presença de confrarias que foram construindo ao longo do caminho as suas casas para peregrinos3. No interior da Igreja conservava-se a imagem milagrosa de Nossa Senhora de Brotas, que seria originalmente em osso e, segundo Frei Agostinho de Santa Maria, “obrada pelas mãos dos Anjos”4.

4Na realidade, a iconografia relativa ao milagre de Brotas é escassa e o culto não parece ter suscitado um imaginário relevante. As poucas descrições que chegaram aos nossos dias, embora sejam divergentes nalguns pontos, inspiram-se claramente umas nas outras.

  • 5 Manuel Severim de FARIA, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. (...)

5Destacamos os dois textos mais completos: o primeiro, redigido em 1604 por Severim de Faria5, e o segundo, já do século XVIII, compilado por Frei Agostinho de Santa Maria no seu Santuário Mariano.

  • 6 Estas referências cronológicas não estão documentadas. Segundo o Livro das Demarcações 3-1-72, de (...)
  • 7 Manuel Severim de FARIA, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. (...)

6Segundo Severim de Faria, o milagre acontece por volta de 1520, certamente num local ermo, sem qualquer aglomerado de habitações, e pouco tempo depois aí se construiu uma pequena ermida6. Quando o pastor se apercebe de que Nossa Senhora ressuscitou a sua vaca, ficou tão surpreendido com o sucedido, que “foi dar logo o recado aos vizinhos da aldea ou Vila das Agueas donde elle era, os quaes vendo o milagre levantaram logo hua pequena hermida (…)”7. Esta descrição intui que a aldeia mais perto era a Vila das Águias e que no local em que o pastor se encontrava não havia nada.

2. Óleo sobre madeira. Nossa Senhora de Brotas.

2. Óleo sobre madeira. Nossa Senhora de Brotas.

7Frei Agostinho de Santa Maria situa o milagre uns anos antes, por volta de 1470, e dá-nos uma descrição mais pormenorizada, empola os aspectos pitorescos, exagera as descrições da igreja e da imagem de Nossa Senhora. Apresenta o pastor como um homem muito pobre cuja vaca era “todo o seu remédio porque com o leyte della sustentava a sua pobre família” e descreve a pequena igreja como “hum sumptuoso templo” construído entre “duas grandes serras ou montes altíssimos”.

  • 8 Manuel Severim de FARIA, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. (...)

8Segundo Severim de Faria, Nossa Senhora aparece ao pastor no momento em que este começa a esfolar a vaca, pede-lhe para construir um santuário e, milagrosamente, faz uma pequena imagem com o osso do animal, que entretanto ressuscitou: “Começou de a esfolar e tendo já cortada huma mão como he costume lhe apareceu a Sra e lhe disse que lhe fizesse hua casa naquelle logar e venerasse nella aquela imagem a qual fez milagrosamente logo da canella da vaca que o pastor tinha cortado. E subitamente desapareceu ficando a vaca viva e sem lezão em algum membro”8.

  • 9 Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora ( (...)

9Frei Agostinho de Santa Maria apresenta outra versão. O pastor já tinha esfolado parte da vaca e cortado uma das patas, quando se vê envolto numa luz e ouve a voz da Virgem que lhe diz para ir chamar todos os vizinhos para que estes presenciem o milagre. Quando estes chegam ao local do acontecimento, encontram a vaca viva e uma imagem feita pelos anjos com o osso da canela do animal: “Estando ocupado nisto & tendo já esfolado parte da vaca, & cortada huma das mãos, se vio cercado de huma grande luz, & dentro nella ouvio huma voz que lhe disse: não temas, nem te desconsoles, vay ao lugar & chama a gente & quando vieres, acharas a tua vaca viva (…). Quando voltou, achou a sua vaca ressuscitada, & pastando, como se nada lhe houvesse succedido. Da cana da mão da mesma vaca se achou huma imagem da Senhora, formada pelas mãos dos Anjos, que tem menos de hum palmo, & he como de meyo relevo, porque pelas costas se reconhece ser obrada da cana de uma vaca (…)”9.

  • 10 “Outros dizem que a Senhora lhe apparecera sobre hum pinheyro, & que lhe fallara, & lhe mandara, (...)

10Na pouca iconografia que chegou aos nossos dias apenas conhecemos uma representação narrativa, ilustrando dois episódios do milagre. É uma pintura a óleo sobre madeira, de finais do século XVI, que se encontra na própria igreja, exposta na parede da nave, à direita de quem entra. O quadro representa, na parte superior, Nossa Senhora e o menino rodeados por um grupo de anjos músicos. As figuras estão inseridas numa nuvem que parece sustentada por um tronco robusto, alusão à árvore em cima da qual teria aparecido a Virgem (Fig. 2)10. Na parte inferior da pintura, separados um do outro pelo referido tronco, estão representados os dois momentos do milagre: à esquerda, o pastor, de faca na mão, prepara-se para esfolar a vaca quando lhe aparece Nossa Senhora. A Virgem é representada em pé, de cabelo solto, sem coroa, vestida com túnica castanha e manto azul, e segurando o menino ao colo (Fig. 3); do lado direito do quadro, o pastor mostra aos habitantes da Vila das Águias, entre os quais se conta uma religiosa, que o animal ressuscitou. Uma das figuras, vestida com capa, boina preta e gola branca de renda, poderá representar o senhor de Vila das Águias, D. Francisco Manuel, primeiro conde de Atalaia (Fig. 4). Esta pintura, de nítida influência flamenga, possivelmente realizada numa das oficinas de Évora, constitui a mais completa iconografia relativa ao milagre de Nossa Senhora Brotas, e é, só por isso, um precioso documento. A pintura é anterior aos relatos de Severim de Faria e de Frei Agostinho de Santa Maria e poderá ter sido realizada com base na tradição oral, ou num texto anterior que actualmente desconhecemos.

3./4. Óleos sobre madeira. Milagre de Nossa Senhora de Brotas.

3./4. Óleos sobre madeira. Milagre de Nossa Senhora de Brotas.
  • 11 Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora ( (...)

11É também na Igreja de Brotas que se encontra a imagem de Nossa Senhora de Brotas, exposta numa redoma de vidro no nicho do altar das almas. É uma escultura em marfim, de pequenas dimensões, de produção relativamente simples e rude, realizada provavelmente no século XVI. Nossa Senhora está representada em pé, sem o menino, envolta num amplo manto que lhe tapa completamente o braço esquerdo, e coroada com uma coroa simples, esculpida no mesmo bloco de marfim, sem qualquer incrustação. A mão direita foi colada ao corpo com uma mistura à base de cera (Fig. 5). Certamente que esta imagem já não é a original que, segundo Frei Agostinho de Santa Maria, era esculpida em osso e tinha uma coroa de ouro com uma esmeralda: “Não se ve nesta Sagrada Imagem mais que a mão direyta, a esquerda mostra estar dentro da escultura. Tem a Senhora na cabeça huma coroa de ouro com huma esmeralda de grande preço. Não tem menino. Naquella pequenhez se descobre na Sagrada Imagem huma Divindade grande e huma celestial fermosura.”11

5. Imagem de Nossa Senhora de Brotas. Marfim.

5. Imagem de Nossa Senhora de Brotas. Marfim.

6. Painel de azulejo.

6. Painel de azulejo.

12Na varanda exterior do templo, totalmente revestida a azulejos seiscentistas e conservando ainda um altar com o seu frontal azulejar, o painel que reveste a parede do fundo simula um retábulo em talha dourada e representa o momento em que o pastor se prepara para esfolar a vaca quando Nossa Senhora lhe aparece. Neste painel, a Virgem está representada sentada numa nuvem, coroada e vestida com um amplo manto azul, segurando no menino ao colo.

  • 12 Em Março de 1646, nas cortes de Lisboa, D. João IV elege Nossa Senhora da Conceição como padroeir (...)

13O pastor, vestido com uma túnica cinzenta, está ajoelhado no chão, com os braços erguidos para a Virgem. Na mão esquerda segura a pata da vaca, que acabou de cortar. Aos seus pés vê-se a faca e a vaca morta, deitada de barriga para cima (Fig. 6). Este painel é característico da azulejaria seiscentista, no gosto ingénuo pela imitação de formas e materiais, como o enquadramento em “talha dourada” pintado em amarelo intenso. Iconograficamente é nítida a influência da pintura a óleo que se encontra na igreja na representação do pastor e da sua vaca. No entanto, Nossa Senhora surge coroada (com a coroa real), iconografia que remete para a sua eleição como padroeira de Portugal12. Esta mistura de referências iconográficas é própria do carácter regionalista das representações de Nossa Senhora de Brotas, realizadas por artesãos sem formação académica. Estes artistas tinham como base para as representações do milagre a tradição oral, e sobretudo imagens às quais recorriam como modelo e que adaptavam à história que pretendiam contar.

7. Imagem de Nossa Senhora de Brotas. Pintura sobre estuque. Abóbada da nave. 1785

7. Imagem de Nossa Senhora de Brotas. Pintura sobre estuque. Abóbada da nave. 1785
  • 13 Consulte-se Ernesto SOARES, Inventário da Colecção de Registos de Santos, Biblioteca Nacional, Li (...)

14Ainda na igreja, resta-nos uma última imagem, igualmente alusiva a Nossa Senhora de Brotas, pintada no centro da abóbada da nave em 1785. Representa o pastor ajoelhado aos pés de uma árvore, na copa da qual se vê Nossa Senhora em pé, vestida com uma túnica branca e um manto azul, coroada e segurando o menino ao colo (Fig. 7). No chão, aos pés do pastor, jaz a vaca morta. É uma pintura ingénua, de composição simples, que reúne várias fontes iconográficas: o conhecimento do milagre, a representação de Nossa Senhora coroada com a coroa real (padroeira de Portugal), e Nossa Senhora aparecendo em cima de uma árvore, representação que se inspira nitidamente nas iconografias de Nossa Senhora da Atalaia ou de Nossa Senhora do Espinheiro13.

  • 14 Houve uma irradiação do culto de Nossa Senhora de Brotas dentro e fora de Portugal. No entanto, e (...)

15Estas quatro obras, em materiais diferentes, pintura sobre madeira, escultura em marfim, azulejo e pintura mural, constituem o essencial da iconografia de Nossa Senhora de Brotas em Portugal14. Não há, nestas representações, uma coerência iconográfica. Nossa Senhora pode surgir com ou sem coroa, com ou sem menino, em pé ou em cima de uma árvore. O culto, apesar de ter suscitado movimentos de peregrinação, manteve-se essencialmente na região do Alentejo, num contexto rural e relativamente isolado. Os peregrinos vinham de Évora, Estremoz, Vila Viçosa, Mora, Arraiolos e outras vilas alentejanas e reuniam-se em Brotas para as festas em honra de Nossa Senhora. Segundo Frei Agostinho de Santa Maria, “O lugar e território da Senhora he tão pobre, & a terra parece tão estéril, que apenas dará o sustento a doze, ou quinze moradores que alli vivem”. Esta pequena descrição dá-nos a dimensão do isolamento e ruralidade da vila de Brotas, o que explica a escassez e pouca qualidade artística das obras alusivas ao milagre que chegaram aos nossos dias.

16Embora não sejam obras de destaque pela qualidade da produção artística nem pela sua dimensão estética, constituem, pela sua ligação intrínseca a um determinado contexto, que é limitado e isolado, e por terem resistido às vicissitudes do tempo e chegado aos nossos dias, um elemento muito importante para o estudo dos regionalismos na iconografia mariana.

Topo da página

Notas

1 * Segundo Fr. Agostinho de Santa Maria, “Affirma-se que o apparecimento da Senhora fora no dia de sua Natividade, & na era de 1470 & tantos”. Fr. Manuel Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora (…), tomo sexto, Lisboa Occidental, of. de António Pedrozo Galram, 1718, p. 130. Severim de Faria situa o milagre cerca de 1520. FARIA, Manuel Severim de, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. Res. Cod. 7642, fl. 146.

2 Veja-se sobre este tema Sílvia FERREIRA, “Do Culto de Nossa Senhora em Portugal – Esplendor e Função das Imagens”, in Brotéria, n.º 158, Março de 2004, pp. 269-286.

3 Sobre a igreja de Brotas, consulte-se Anastásia Mestrinho SALGADO, Margarida Almeida SANTOS, Abílio José SALGADO, O Culto de Nossa Senhora de Brotas e a respectiva Igreja. Sua relação com o povoado. Edição da Câmara Municipal de Mora, 1987. Helena VINAGRE, O Santuário de Nossa Senhora de Brotas, Câmara Municipal de Mora, 2005. Abílio José Salgado, Lina SOARES, Natália da GRAÇA, Ana Paula FRIAS, Santuário de Nossa Senhora de Brotas, Religiosidade Popular no Alentejo, Edições Colibri, 2004.

4 Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora (…), tomo sexto, Lisboa Occidental, of. de António Pedrozo Galram, 1718, p. 128.

5 Manuel Severim de FARIA, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. Res. Cod. 7642, fl. 146. Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora (…), tomo sexto, Lisboa Occidental, of. de António Pedrozo Galram, 1718.

6 Estas referências cronológicas não estão documentadas. Segundo o Livro das Demarcações 3-1-72, de 1424, conservado no Cabido da Sé de Évora, em 1424 já havia em Brotas uma pequena ermida dedicada a Nossa Senhora, o que leva a supor que o milagre terá ocorrido uns anos antes.

7 Manuel Severim de FARIA, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. Res. Cod. 7642, fl. 147.

8 Manuel Severim de FARIA, Nossa Senhora das Brotas. Descripçao da ermida a 6 leguas de Évora. BN. Res. Cod. 7642, fl. 147.

9 Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora (…), tomo sexto, Lisboa Occidental, of. de António Pedrozo Galram, 1718, p. 129.

10 “Outros dizem que a Senhora lhe apparecera sobre hum pinheyro, & que lhe fallara, & lhe mandara, que naquelle lugar se lhe edificasse huma casa.” Fr. Manuel Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora (…), tomo sexto, Lisboa Occidental, of. de António Pedrozo Galram, 1718, p. 129.

11 Fr. Agostinho de Santa MARIA, Santuário Mariano e Historia das Imagens Milagrosas de N. Senhora (…), tomo sexto, Lisboa Occidental, of. de António Pedrozo Galram, 1718, pp. 129-130.

12 Em Março de 1646, nas cortes de Lisboa, D. João IV elege Nossa Senhora da Conceição como padroeira de Portugal, depondo simbolicamente a coroa real aos pés da Virgem. Veja-se sobre este tema Sílvia FERREIRA, op. cit., p. 270.

13 Consulte-se Ernesto SOARES, Inventário da Colecção de Registos de Santos, Biblioteca Nacional, Lisboa 1955.

14 Houve uma irradiação do culto de Nossa Senhora de Brotas dentro e fora de Portugal. No entanto, este culto perde muitas vezes a relação com as suas origens e não suscitou novas iconografias. As obras que existem limitam-se a copiar ou adaptar a representação de Nossa Senhora aparecendo ao pastor. Nalguns casos, apenas se representa a imagem de Nossa Senhora, sendo evidente que o milagre de Brotas é desconhecido. Veja-se, sobre a divulgação do culto, Anastásia Mestrinho SALGADO, Margarida Almeida SANTOS, Abílio José SALGADO, O Culto de Nossa Senhora de Brotas e a respectiva Igreja. Sua relação com o povoado. Edição da Câmara Municipal de Mora, 1987, pp. 12-23.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título 1. Santuário de Nossa Senhora de Brotas.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/345/img-1.png
Ficheiros image/png, 255k
Título 2. Óleo sobre madeira. Nossa Senhora de Brotas.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/345/img-2.png
Ficheiros image/png, 360k
Título 3./4. Óleos sobre madeira. Milagre de Nossa Senhora de Brotas.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/345/img-3.png
Ficheiros image/png, 774k
Título 5. Imagem de Nossa Senhora de Brotas. Marfim.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/345/img-4.png
Ficheiros image/png, 121k
Título 6. Painel de azulejo.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/345/img-5.png
Ficheiros image/png, 565k
Título 7. Imagem de Nossa Senhora de Brotas. Pintura sobre estuque. Abóbada da nave. 1785
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/345/img-6.png
Ficheiros image/png, 258k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Ana Paula Rebelo Correia, « Nossa Senhora de Brotas: Um exemplo de regionalismo na iconografia mariana  », Cultura, Vol. 27 | 2010, 227-233.

Referência eletrónica

Ana Paula Rebelo Correia, « Nossa Senhora de Brotas: Um exemplo de regionalismo na iconografia mariana  », Cultura [Online], Vol. 27 | 2010, posto online no dia 07 Agosto 2013, consultado a 17 Agosto 2017. URL : http://cultura.revues.org/345 ; DOI : 10.4000/cultura.345

Topo da página

Autor

Ana Paula Rebelo Correia

Escola Superior de Artes Decorativas/Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva.
Doutorada em História da Arte pela Université Catholique de Louvain, onde fez igualmente a Agregação em Metodologia das Artes Plásticas, é docente na Escola Superior de Artes Decorativas da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva. Colaborou com a Fundação Calouste Gulbenkian na exposição A Arte Efémera em Portugal (1999/2000). Foi responsável pelo Inventário temático “Azulejo” e pelo Tesauro de Iconografia e de Azulejaria na Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (2000/2006). Como investigadora, tem estudado sobretudo a temática mitológica na azulejaria barroca. É autora de diversos estudos na área da iconografia e fontes de inspiração do azulejo português, destacando-se “Um retrato real nos jardins do Palácio Fronteira”, in Revista Monumentos, n.º 25, Setembro de 2006; “Mitologia greco-romana nos azulejos da Casa Museu Verdades Faria” in Revista de História da Arte, n.º 3, 2007, Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – UNL; “As metamorfoses de Ovídio na azulejaria barroca portuguesa”, in Ovídio, exílio e poesia, Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras de Lisboa, 2008.
PhD in the History of Art from the Université Catholique de Louvain, where she also did her Aggregation in the Methodology of Plastic Arts. She is a member of the teaching staff of the Escola Superior de Artes Decorativas at the Fundação Ricardo Espírito Santo Silva. She collaborated with the Calouste Gulbenkian Foundation on the exhibition A Arte Efémera em Portugal (Ephemeral Art in Portugal - 1999/2000). She was responsible for the thematic inventory “Azulejo” and for the Thesaurus of Iconography and Tiles for the Directorate-General of National Buildings and Monuments (2000/2006). As a researcher she has mainly studied mythological themes in baroque tiles. She is the author of various studies in the area of iconography and the sources of inspiration for the Portuguese tile, with the following being of particular note: “Um retrato real nos jardins do Palácio Fronteira”, (A royal portrait in the Palácio Fronteira gardens) in Revista Monumentos, No. 25, September 2006; “Mitologia greco-romana nos azulejos da Casa Museu Verdades Faria” (Graeco-Roman mythology in the tiles of the Verdades Faria House-Museum), in Revista de História da Arte, No. 3, 2007, Instituto de História da Arte of the Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – UNL; “As Metamorfoses de Ovídio na azulejaria barroca portuguesa” (Ovid’s Metamorphoses in Portuguese baroque tiles), in Ovídio, exílio e poesi (Ovid, exile and poetry), Centro de Estudos Clássicos of the Faculdade de Letras de Lisboa, 2008.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org