Navegação – Mapa do site
Iconografia religiosa das invocações nacionais

Os Santos Mártires de Évora

Inventário da Arquidiocese de Évora
The holy martyrs of Évora
Artur Goulart de Melo Borges
p. 201-210

Resumos

A 27 de Outubro comemora a Igreja os santos Vicente, Sabina e Cristeta. Conhecidos como os Mártires de Évora, a eles foi erguida no século XV na cidade alentejana, no local onde se dizia terem nascido, uma ermida, ampliada no século seguinte já à conta do Município, que ainda hoje mantém a propriedade. Era-lhes também dedicada, na nave direita da Sé de Évora, uma das capelas laterais desaparecidas após a intervenção da Direcção-geral dos Monumentos Nacionais na década de 40 do século XX.
A naturalidade dos santos irmãos, embora assumida pelos eborenses, sobretudo após as argumentações de André de Resende, mantém-se de difícil comprovação, sendo por muitos autores atribuída não à cidade alentejana, mas a Talavera de la Reina (Toledo). Martirizados no século IV na cidade espanhola de Ávila, São Vicente e suas irmãs aí foram sepultados e em sua honra construída uma grande basílica, expressão do reconhecimento e devoção aos chamados Santos de Ávila.
Da descrição legendária das suas vidas e martírios decorre a respectiva iconografia. Tudo aconteceu em tempo do governador Daciano, enviado à Península Ibérica pelo imperador Diocleciano, que promoveu uma intensa perseguição aos cristãos. O jovem Vicente, que poderia servir de incentivo aos pagãos pelo seu comportamento cristão exemplar, foi chamado à presença de Daciano que o pretendeu convencer a sacrificar a Júpiter. Perante a recusa, mandou conduzi-lo a uma das praças da cidade e obrigá-lo a executar o sacrifício ou a ser morto. Colocado sobre o altar de pedra, esta tornou-se mole ficando impressas as suas pegadas, prodígio que deixou todos os presentes admirados e convencidos de que o Deus de Vicente era o verdadeiro. Tal facto levou Daciano a suspender temporariamente a condenação, tendo mandado o jovem para a prisão, onde foi visitado por suas irmãs Sabina e Cristeta. Convencido por elas a fugir, foram os três perseguidos e apanhados em Ávila, sendo sujeitos a vários suplícios e finalmente partidas as suas cabeças com paus e pedras. Os seus corpos foram deixados ao abandono para pasto dos animais; todavia apareceu uma enorme serpente que os protegia e que se enroscou à volta de um judeu rico da cidade que pretendia desprezar os santos despojos e que só se viu livre da serpente quando prometeu converter-se ao cristianismo. Os mártires acabaram por ser sepultados pelos cristãos, espalhando-se rapidamente a sua devoção.
O repertório iconográfico, muito reduzido no que concerne a arquidiocese de Évora, confina--se praticamente à igreja de São Vicente, onde se encontra a pedra na qual supostamente terá deixado as marcas dos seus pés; alguns painéis do retábulo-mor representam “São Vicente conduzido perante o altar de Júpiter”, “São Vicente na prisão e a visita de suas irmãs”, “o martírio de São Vicente”, e “o judeu impedido pela serpente de ultrajar os corpos dos três santos”. A representação escultórica segue muito de perto a de Ávila. Todos trazem a palma do martírio, São Vicente um livro aberto ou semicerrado. As irmãs Sabina e Cristeta apresentam uma iconografia pouco definida, sendo por vezes necessário, quando não estão inseridas no contexto duma cena conhecida, que o nome lhes seja sotoposto para fácil identificação.

Topo da página

Texto integral

Os lugares de culto

1Em 1308, o bispo de Évora, D. Fernando II, consagrava na sua Sé o altar-mor à Virgem Santa Maria e uma série de altares dedicados a vários santos, entre eles um ao mártir eborense Vicente, e suas irmãs Sabina e Cristeta. A lápide comemorativa, hoje incrustada numa das paredes do cruzeiro da catedral, especifica, para além do da Virgem Santa Maria, todos os outros: São Bartolomeu, São João Baptista, São Lourenço, São Juliano, São Bonifácio e Santa Luzia, a que se acrescentou mais tarde São Manços. Trata-se da primeira referência documental conhecida à devoção dos mártires eborenses.

2Nova referência aos três irmãos mártires só vem a encontrar-se mais de um século depois, no Livro 3.º dos aniversários de 1470, desta vez numa alusão ao altar como forma mais precisa de localizar um enterramento. Segundo informação do Prof. Doutor Joaquim Lavajo, a quem devo a gentileza destes dados e que prepara um extenso trabalho sobre a história da Catedral, parece inferir-se do texto que o altar estaria situado no esteio do arco triunfal do lado do evangelho.

3No final do século XV, o estado ruinoso de parte do edifício da Sé levou o bispo D. Afonso de Portugal (1485-1522) a abalançar-se a grandes obras de restauro, depois de obtida a conveniente autorização papal. Por essa altura devem ter sido alteradas e desmontadas algumas das capelas, pois em 1537, na primeira visitação à Sé do Cardeal Infante D. Afonso (1523-1540), apesar da minúcia da enumeração e descrição de todas as capelas, a dos Santos Mártires Vicente, Sabina e Cristeta não é mencionada. Não temos dados suficientes para saber se isso se terá devido apenas por exigência das referidas obras ou se não se estaria perante uma diminuição da devoção aos santos eborenses. O que sabemos, sim, é que no século seguinte a devoção iria ter um grande incremento.

4Ao que se supõe, no pontificado de D. João de Melo (1564-1574), que se seguiu ao primeiro período de arcebispado do Infante D. Henrique (1540-1564), a disposição interior da Sé foi alvo de profundas alterações, sendo construídas nove capelas laterais, seis do lado da epístola e três do lado do evangelho, em substituição dos antigos altares adossados às colunas da nave central. Só permaneceu até hoje o de Nossa Senhora do Ó. Ao mesmo tempo desapareceram as antigas frestas dando lugar a janelões altos e largos ao gosto da época. A quarta capela do lado da epístola era precisamente a dedicada aos santos mártires Vicente, Sabina e Cristeta. Como todas as outras foi construída em arco de volta perfeita penetrando nas grossas paredes laterais, tendo sido posteriormente fechada com grades de ferro e afrescada (D. Frei Luís da Silva Teles, 1691-1703) e adornada com uma estrutura retabular de talha dourada a emoldurar um painel pictórico representando os três irmãos mártires e Santo António de Lisboa, hoje exposto no Museu de Arte Sacra da Sé. Apesar da diminuição do culto, assim permaneceu como sinal evidente da devoção eborense até aos anos 40 do século passado, quando a Direcção dos Monumentos Nacionais resolveu voltar a dar à igreja, pretensamente, o seu aspecto primitivo, repondo as antigas frestas e fazendo desaparecer todas as capelas, enchendo todos os vãos, desmontando edifícios anexos, apagando irremediavelmente os testemunhos de vários séculos de história da catedral eborense.

5Não se reduziu apenas à Catedral o culto aos três irmãos mártires. Um documento notarial de 1459 afirma que o Cabido da Sé “deu hua casa (…) pera se fazer em ella a Igreja de Sam Vicente…” e terá sido esta a origem da primitiva igreja mandada construir por Luis Loy, da casa do Infante D. Henrique e porteiro do Cabido. Vários documentos até ao final do século XV já fazem menção da Travessa de São Vicente ou de confrontações prediais com a ermida. André de Resende na sua História da Antiguidade da Cidade de Évora, publicada em 1553, lamenta-se do mau estado da construção:

  • 1 RESENDE, André de – História da Antiguidade da Cidade de Évora. Évora: André de Burgos, 1553. Dis (...)

en esse tempo tevemos tres nobilíssimos cijdadãos s. hos gloriosos martyres Vincentio e suas hirmãas Sabina e Christheta, nados e moradores en esta cijdade, en haquella pobre hermida que de seu nome se chama. Do que eu por ha parte que me cabe da patria: muitas vezes hei vergonha, e bee olhado, ha cijdade devia haver por affronta non ha teer tanto tempo ha melhorado. (Cap. IX)1

  • 2 ESPANCA, Túlio – Fundações e Evolução Histórica da Igreja dos Mártires de Évora: S. Vicente, Sabi (...)

6A igreja, sufragânea da freguesia de São Pedro, em acto público notarial de 13 de Julho de 1559, perante os responsáveis paroquiais, mordomos da confraria de São Vicente e representantes municipais, será desanexada com a condição de nunca ser paróquia, nem ter pia de baptizar, nem prejudicar a igreja matriz, e entregue o seu padroado à Câmara porque “sendo o dito Santo natural desta cidade, e nacido na dita Casa e Igreja de São Vicente, e padroeiro da terra, posto que assim fosse, a sua casa estava muito pobre assim de ornamentos como de templo, e todo o mais que convinha, e era necessário para serviço e honra do dito Santo (…) porque nisto farião serviço a Deus e à cidade e Povo della muita esmola e mercê”.2

7Será já por iniciativa e empenho da Câmara que, a instâncias de André de Resende que contribuiu com doação testamentária, no final do segundo quartel do século XVI, a igreja será totalmente remodelada, de três naves e capela-mor funda, e retábulo de alvenaria com pintura mural representando os três mártires. Foi encontrado em 1965 já muito destruído ao ser desmontado e restaurado o actual retábulo quinhentista do início da década de 90. O visitador do arcebispado, Mestre Gaspar Gomes, em Dezembro de 1597, já acusa a presença deste último retábulo: “no Altar moor hum Retavollo novo já pintado muito grande e estaa ainda hum pedaço por acabar de dourar e pintar (…)”. Já no início do século XVII, desapareceram dois painéis, no primeiro nível do retábulo, dando origem a dois nichos onde foram colocadas as imagens das santas Sabina e Cristeta. O retábulo anterior, de que existe fotografia, voltou a ser escondido pelo actual, de estrutura clássica de madeira entalhada em planta plana, três tramos, banco com duas pequenas tábuas laterais, dois corpos, o primeiro com três nichos, o segundo com três painéis e ático rematado no arco da abóbada, com painel no fecho do tramo central e molduras triangulares simples laterais. Na parede do lado do evangelho, uma pedra de granito, saliente, e hoje protegida por caixa envidraçada, mostra as pretensas e milagrosas pegadas do Santo ao renegar Júpiter.

  • 3 ESPANCA, Túlio – Inventário Artístico de Portugal: Concelho de Évora. Lisboa: Academia Nacional d (...)

8É importante referir, tendo em conta a dependência do município da Igreja de São Vicente e as motivações de ordem de cidadania que podem ter estado na origem desta relação, que a igreja, em capela do lado da epístola, tem o altar de Nossa Senhora da Vitória, mandado construir pela respectiva confraria. Toda a decoração do entalhado, de motivos bélicos, relembra o histórico facto. Segundo a tradição, a confraria foi instituída após a batalha do Salado, pelo bispo D. Martinho II. Extinta no tempo de Filipe II, foi restaurada pelo arcebispo D. Alexandre de Bragança e hoje já não existe.3

Quem são os mártires de Évora?

  • 4 Ho flos sanctõ[rum] em lingoaje[m] p[or]tugue[s]. – Lixboa: per Herman de campis bombardero del r (...)

9Ho flos sanctorum em lingoajem português, publicado em Lisboa em 1513, no fol. CCXLVII, descreve “A vida e paixã dos sanctos tres irmaãos martires .s. vincente: sabina: e cristeta naturaes da cidade de Évora” Trata-se da primeira narração em português da vida dos santos mártires.4

10No início do século IV, o governador romano da Lusitânia, Daciano, homem perverso e cruel, perseguia os cristãos. Em Évora, tendo sido informado da existência de um jovem Vicente que, com suas irmãs Sabina e Cristeta, adoravam a Cristo, mandou prendê-lo e interrogou-o sobre a sua fé, acusando-o de blasfemar por não adorar os deuses. Ordenou que o conduzissem perante a estátua de Júpiter para que sacrificasse ao grande deus, se não seria entregue à morte. Ao chegar junto da estátua, a pedra da base em que pôs os pés amoleceu como cera deixando impressas as suas pegadas. Perante tal maravilha, não se cansavam os soldados que o acompanhavam de proclamar que “não há outro Deus senão o que Vicente adora”. Não se atreveram a matá-lo, levando-o para a prisão, onde foi visitado por suas irmãs. Lamentando-se que já eram órfãs e que sem o irmão perderiam o seu amparo e sustento, convenceram-no a que fugissem os três, pois mais valia perecerem todos do que ficarem sem ele. Assim aconteceu, e puseram-se a caminho de Sevilha. Avisado, Daciano mandou persegui-los, tendo sido apanhados perto de Mérida, onde foram presos, despidos, maltratados e mortos à paulada e à pedrada. O texto é minucioso na descrição do martírio: “(…) com outros mui fortes paus dando fortemente sobre suas cabeças assim lhe lançaram os miolos fora”. Atiraram os seus corpos às feras num monte próximo, ameaçando quem os honrasse ou procurasse sepultá-los. Uma grande serpente que por ali costumava causar grande temor andava ao redor deles não deixando ninguém aproximar-se. Um judeu, demasiado ousado, “querendo ganhar fama” e ver os corpos mais de perto, foi apanhado pela serpente que nele se enroscou causando-lhe grande sufoco. Ao ver-se em tal aflição, prometeu converter-se a Jesus Cristo, enterrar os corpos dos mártires e construir uma igreja em seu nome. Imediatamente se viu livre da serpente e veio a cumprir o prometido.

11É este em resumo o texto do Flos Sanctorum. Alguns pormenores, todavia, não seguem a lenda tradicional, contrariam até factos posteriores. Refiro-me à localização da sua fuga e consequente morte.

  • 5 Breviarium Eborense. Lisboa: apud Ludovicum Rotorigium, 1548.

12Em 1548, era publicado o Breviário Eborense5, mandado elaborar e redigir ao Mestre André de Resende pelo Cardeal D. Henrique (nomeado cardeal em 1545), primeiro arcebispo de Évora. O dia 27 de Outubro, dia da festa dos três santos mártires, além do ofício comum do dia e do tempo a ser recitado, inclui uma oração própria e as nove lições de Matinas, em que, num latim fluente e apurado, se narra a lendária perseguição e martírio. Em linhas gerais segue o Flos Sanctorum, com maior colorido nos diálogos entre Daciano e Vicente e, sobretudo, pondo de lado a referência a Sevilha e a Mérida como caminho da fuga. Os mártires fogem sim para Ávila, em cujos arredores são martirizados, transformando-se depois nos patronos da cidade em que foram sepultados e que lhes ergueu um notável santuário começado a construir no século XI.

13Não é, todavia, o sítio do seu martírio que causa qualquer divergência de opiniões, mas o da sua naturalidade. Segundo tradição espanhola, a Évora de que falam textos antigos não seria a portuguesa, mas a espanhola, como seria conhecida a actual Talavera de la Reina (Toledo). André de Resende procurou dirimir a questão a favor da sua cidade, como sempre fez em tudo o que fosse para dignificar e honrar a sua Évora natal. Em 1567 edita uma sua carta a Bartolomeu de Quevedo, em resposta a algumas questões que lhe teriam sido postas por aquele douto sacerdote toledano (Epistola ad Bartholomaeum Kebedium. L. Andr. Resendii /pro sanctis Christi martyribus Vincentio Olisiponensi patrono, Vincentio, Sabina et Christetide, Eborensibus civibus, et quaedam alia Responsio. Ad Bartholomaeum kebedium, sanctae Toletanae ecclesiae sacerdotem, virum doctissimum. Évora, 1567. Editada em fac-símile em 1988, com um profuso estudo introdutório, transcrição e tradução, pela Dra.Virgínia Soares Pereira). Entre dúvidas surge a da naturalidade dos santos Vicente, Sabina e Cristeta, que Resende resolve a favor de Évora com uma argumentação cerrada que se pode resumir ao seguinte, segundo a Dra. Soares Pereira: se o martírio dos santos foi, como se diz, no tempo de Daciano (303-304), só pode ter sido Évora e não Talavera, que é mais recente; as designações Ebora e Elbora, ambas antigas, uma correcta e a outra deturpada, são da mesma cidade: Évora; não há provas da existência de Elbora entre Toledo e Mérida; a distância entre Évora e Ávila não era impedimento para a fuga; o receio que Talavera fique sem nome não conta, pois já lhe foram atribuídos sete e só um é correcto: Talavera.

  • 6 LAVAJO, Joaquim Chorão – Hagiologia de André de Resende e o Santoral eborense. Eborensia. Ano XIV (...)

14Aceitando ou não, ou Évora ou Talavera de la Reina, como terra de naturalidade dos três Santos Mártires6, o facto é que a partir de meados do século XVI se nota um grande incremento na sua devoção, mercê dos factores atrás apontados, e que se foi mantendo com oscilações até muito recentemente com o desaparecimento do seu altar próprio na Sé e com a desafectação ao culto da Igreja de São Vicente, hoje praticamente utilizada pelo município como galeria de exposições temporárias.

Iconografia – Como são representados

  • 7 Sobre a história, iconografia, estudo e processo de restauro do sepulcro de São Vicente, em Ávila (...)

15Até agora não se encontrou nenhuma representação dos irmãos mártires anterior ao século XVI. Para tal será necessário viajar até Ávila, ao magnífico sepulcro de São Vicente, do século XII, com um portentoso baldaquino também em calcário, do século XV. À volta do sarcófago, alinham-se em alto relevo as principais cenas da paixão dos três santos: Daciano exige que Vicente renegue a Cristo; Vicente é obrigado a sacrificar a Júpiter e deixa as pegadas na pedra; visita de suas irmãs à prisão; Daciano manda os soldados em perseguição; os três santos chegam às portas de Ávila; são detidos e despojados das vestes; martirizados; mortos por lapidação e subida das almas ao céu; o judeu e a serpente; o judeu preparando as sepulturas.7

16Toda a obra denuncia um mestre escultor, com uma grande desenvoltura no desenho e composição das cenas, a proporcionar um forte realismo nas representações, evidente na crueza do martírio e ao mesmo tempo de grande ternura e compaixão. Tudo se traduz na grande eficácia da mensagem iconográfica, que alia a riqueza do pormenor ao objectivo catequético do conjunto, e que não tem correspondência nas posteriores representações eborenses.

17Na zona de Évora, alguns lugares, que por serem denominados São Vicente poderiam indiciar a alusão ao mártir eborense, têm como referência o outro São Vicente, levita e mártir, popularmente chamado de “São Vicente dos corvos”. Assim, são muito poucas as representações conhecidas dos três santos mártires e podem organizar-se em dois grupos:

  • a imagem/”retrato” dos santos – os três mártires são representados juntos, em corpo inteiro ou meio-corpo, em atitude gozosa de santificados. O centro é ocupado por São Vicente, ladeado pelas irmãs. Todos trazem a palma para serem identificados como mártires. Geralmente, São Vicente segura um livro fechado (aberto num dos casos), sinal da fidelidade à doutrina, e, por vezes, também as irmãs. Uma vez que a palma e o livro são atributos comuns à generalidade de todos os santos mártires, e que estes eborenses não possuem nenhuns outros mais específicos, costumam ser identificados com o próprio nome, em legenda, para que não restem dúvidas.

  • ciclo da paixão e morte – apenas um exemplo na igreja eborense de São Vicente.

18Do primeiro grupo são conhecidos os seguintes exemplares:

19Os santos mártires de Évora e Santo António. Painel que ocupava o centro do retábulo da demolida Capela dos Santos Mártires de Évora, situada na parede lateral do lado da epístola da Sé de Évora. Representa os três mártires eborenses acompanhados de Santo António, figuras de corpo inteiro, em pé, num espaço campestre com grandes ruínas em fundo. Os três mártires, identificados inferiormente S. CHRISTETA, S. VINCENTE, S. SABINA, trazem a palma e São Vicente, entre as duas irmãs, segura um livro ligeiramente entreaberto com a mão direita, coberta pelo manto em sinal de respeito pelo texto sagrado, enquanto aponta com a esquerda. Todavia, a forma como aponta permite duvidar se o faz directamente para o livro, se para Santo António que, de hábito franciscano, com a cruz na direita e o livro aberto na mão esquerda, não necessita de outra identificação. Num caso ou noutro, é evidente o objectivo pedagógico e catequético da representação, embora não seja muito clara a inclusão de Santo António no retábulo da capela dedicada aos santos mártires de Évora, quando também ele tinha capela própria muito próxima e na mesma nave da catedral. A fidelidade à mensagem cristã, quer simbolizada no livro sagrado, quer personificada no douto pregador e confessor, é o principal e indubitável objectivo.

20A pintura (óleo sobre madeira, 160 x 135 cm, inv. EV.SE.1.013 pin) poderá ser atribuída a um discípulo de Francisco de Campos, datável entre 1564 e 1570. O pintor revela um colorido aberto, composição de certa rigidez, embora eficaz, com um pouco valorizado tratamento dos fundos e sem a expressividade cenográfica habitual em Campos.

  • 8 MENDEIROS, José Filipe – Guia do Museu de Arte Sacra da Catedral de Évora. Évora, 1985.
  • 9 GUERREIRO, J. Alcântara – Galeria dos Prelados de Évora. Évora: Gráfica Eborense, 1971, p 42.

21São Manços e outros seis santos. Pertence a um conjunto de quatro painéis, de composição e características semelhantes, que têm como figuras centrais São Miguel, São Brás, São Manços e São Sebastião, e que pertenciam a outros tantos altares da Sé.8 A figura principal, de corpo inteiro, domina o centro do quadro entre duas colunas de um pórtico coberto, com um fundo de paisagem. Lateralmente, abrem-se três nichos rectangulares de cada lado, perspectivados, cada um com seu santo, identificados pelas respectivas legendas, como se fossem prateleiras com bustos-relicários. Uma tal profusão de santos faz pensar na hipótese de representação iconográfica do Santoral eborense, que à época mantinha características muito específicas, quando liturgicamente ainda existia o “costume de Évora”, embora o Cardeal Infante D. Afonso, o último bispo de Évora, tivesse tornado obrigatório o “costume romano”, com aprovação do Papa Paulo III, em 1538.9

22A tábua de São Manços (205 x 152 cm; inv. EV.SE.1.003 pin) tem a acompanhá-lo de um dos lados Santa Marta, Santo Ivo e Santo Antão, eremita; do outro, os mártires eborenses São Vicente, Santa Sabina e Santa Cristeta. São Vicente ocupa o registo superior, rosto barbado e cabeça descoberta, a olhar para o livro aberto que segura na mão direita e com a palma na esquerda. Na moldura inferior, a legenda S. VICEMTE.DEVORA. Segue-se Santa Sabina, de túnica azul e véu branco pela cabeça, empunhando a palma, e por último, igualmente com a palma, Santa Cristeta, colocada de perfil, cabeça coberta por um toucado recamado de gemas, trajada com um manto rosa, cuja mancha de tratamento bastante fruste ocupa boa parte do espaço.

  • 10 CAETANO, Joaquim Oliveira – Garcia Fernandes: Uma Exposição à procura de um Pintor. In SANTA CASA (...)

23Segundo Joaquim Oliveira Caetano, a datação será cerca de 1560 e a autoria deve atribuir-se a um pintor local, ainda não identificado, o mesmo que pintou os quadros do retábulo da ermida de São Brás, de Évora, que manifesta nítidas influências de Garcia Fernandes.10

  • 11 SERRÃO, Vítor – Banqueta. In Cristo Fonte de Esperança: catálogo: exposição do grande jubileu do (...)

24Santos mártires de Évora. Predela. Com mais outras quatro pequenas tábuas faz parte de uma banqueta, hoje exposta no Museu de Arte Sacra da Catedral de Évora, e que, segundo Vítor Serrão, pertenceria a um “desmembrado ‘Sepulcro’ da capela-mor, uma obra opulenta que foi lavrada em 1588 pelos entalhadores Ascenso Fernandes e Gaspar Gonçalves, sob o risco do arquitecto régio Nicolau de Frias, e que foi pintada e dourada, em 1629, por uma companhia de pintores da cidade integrando os mestres Manuel Fernandes, Diogo Vogado, António Vogado e Pedro Nunes pelo preço excepcional de 600.000 rs.”11 As tabuinhas representam Cristo e a Samaritana (central), o Profeta Elias e um Anjo, os santos mártires de Évora, Santo António que ressuscita um morto, e um Milagre de dois santos franciscanos. Os santos eborenses (17 x 39 cm, inv. EV.SE.1.022/2 pin), sem a legenda identificativa habitual, estão figurados de pé, São Vicente no meio das duas irmãs ligeiramente voltadas para ele. Todos seguram a palma e o livro.

  • 12 ESPANCA, Túlio – Inventário Artístico de Portugal: Distrito de Évora. Lisboa: Academia Nacional d (...)

25Santos Mártires de Évora. Predela. Pertence ao retábulo de Nossa Senhora da Visitação, predela única (16 x 147 cm, inv. RE.SS.1.006/3 pin) da banqueta do altar colateral do lado da epístola, da igreja de Santa Susana, concelho de Redondo.12 Os santos estão representados a meio-corpo, todos com a palma, São Vicente ao centro com o livro, em posição frontal, e as irmãs ligeiramente voltadas para ele. Identificados na parte superior do quadro: S. CRISTETA / S. VICENTE DEVORA / S. SIBINA (sic). Sobre fundo negro, as figuras destacam-se com um desenho seguro e modelação delicada, um colorido condizente com a qualidade do desconhecido pintor.

26Ciclo do Martírio e Morte dos Santos Vicente, Cristeta e Sabina. Quatro painéis do retábulo-mor da Igreja de São Vicente em Évora descrevem as principais cenas do martírio dos três santos. Organizado em banco, dois corpos, três tramos e ático, com painéis no banco, corpo superior e ático, e o corpo inferior com três nichos com as imagens dos santos mártires, que praticamente repetem em escultura os modelos pictóricos. O nicho central é ocupado por São Vicente, maior e melhor escultura do que as das duas irmãs, que, segundo Túlio Espanca, são posteriores e colocadas em nichos mais recentes a substituir antigos painéis. A tábua central representa Cristo expirante na cruz, e a redução do entablamento no tramo central vai permitir manter uma ligação mais perceptível com a tábua superior, já no ático, com a figura de Deus Pai.

27As outras tábuas do retábulo constituem o ciclo da perseguição e martírio dos três santos eborenses: duas de maiores dimensões no corpo superior, de nítidas influências italianas, que já deviam estar colocadas em 1597 quando da Visitação de Mestre Gaspar, e duas pequenas predelas de menor qualidade e de aparente feitura posterior, possivelmente já do início do século XVII. A leitura sequencial faz-se a partir da predela do lado da epístola, subindo ao corpo superior e descendo pelo lado oposto:

  1. Daciano ordena a Vicente que sacrifique a Júpiter. Cena que preenche o lado direito da tábua, vendo-se o governador Daciano, em cavalo ajaezado, voltado para Vicente de mãos atadas entre dois guardas, a apontar para a estátua de Júpiter que se ergue, à esquerda, sobre uma base circular a degraus. Junto à base do monumento, desenrola-se já a cena seguinte – dois soldados espantam-se com as pegadas do santo gravadas na pedra. Aliás, na capela-mor da igreja, embutido na parede do lado do evangelho, um bloco de granito mostra, gravadas, as pretensas pegadas, tornando assim palpável aos fiéis o facto miraculoso e, ao mesmo tempo, dando eficácia à representação pictórica.

  2. A prisão de Vicente e a visita das irmãs. Do lado esquerdo do quadro, em primeiro plano, as duas irmãs voltam-se uma para a outra junto à janela da prisão em que aparece Vicente por detrás das grades. À direita, ao fundo, através de um grande arco de uma construção acastelada, avista-se a fuga dos três irmãos.

  3. O martírio. Vicente, caído de joelhos e de mãos postas, é morto à paulada por dois algozes, perante as irmãs; de pé, junto dele, também de mãos postas, um grupo de pessoas.

  4. Os corpos dos mártires e o judeu atacado pela serpente. Em primeiro plano, do lado direito, os corpos dos mártires caídos no chão, segundo a lenda em que foram atirados por terra num monte próximo. Salienta-se o corpo de São Vicente que veste uma longa túnica vermelha. Todos estão vestidos de acordo com o local de culto e os costumes, ao contrário da lenda em que foram despidos e mortos. Do lado esquerdo, uma grande serpente enrosca-se à volta do corpo do judeu, que de braços abertos clama pelo socorro divino.

28A leitura iconográfica deste ciclo da perseguição, martírio e morte dos santos eborenses, que incide sobre os pontos essenciais como a fidelidade à mensagem cristã até à morte e bem assim a salvação através do arrependimento e da fé, não ficaria completa se não fosse vista no conjunto do retábulo. Todo o ciclo rodeia e focaliza o Crucificado, o Mártir por excelência, o Salvador que se entregou voluntariamente até à morte na cruz, e que domina visualmente o centro do retábulo. Trata-se, portanto, de um programa iconográfico eminentemente catequético que, através do percurso dos mártires de Évora, conduz os crentes à compreensão do essencial da mensagem evangélica, razão de ser da fidelidade e do martírio.

29Quanto à representação dos três santos, sempre juntos, referida no primeiro grupo, e que aparentemente não tem qualquer significado a não ser uma simples referência visual de alguém que existiu e que atingiu a santidade, julgo que passa a ter um sentido mais profundo e também catequético, se atendermos ao texto litúrgico que lhes é dedicado na sua festa própria, a 27 de Outubro.

30O Cardeal D. Henrique, quando arcebispo de Évora, encarregou o seu capelão e cónego da Sé, Diogo Velho, de elaborar um novo missal. Feito o trabalho, foi enviado para o Cabido para que “o visse e o examinasse”. Porém, “antes que fosse visto faleceu o dito Diogo Velho. E o Cabido mandou que se guardasse em seu cartório”. Não chegou a ser publicado. Todavia, o texto, ao menos no que se refere à missa própria dos Santos Mártires Vicente, Sabina e Cristeta, se não era o já utilizado, passou a sê-lo. Para a epístola foi escolhida a passagem de São Paulo aos Efésios (4, 1-7), convite premente à unidade, “(…) graças à vossa vocação, fostes chamados a uma só esperança, um só Senhor, uma só fé (…)”. Para o evangelho, um excerto de São Mateus (12, 46-50) em que Jesus explica quem são os seus verdadeiros parentes: “(…) todo aquele que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é para mim irmão, irmã e mãe.” É sobretudo na oração, que traduzo, que tudo se torna mais explícito: “Deus que associaste os santos irmãos, teus mártires Vicente, Sabina e Cristeta, unidos pela caridade e pelo martírio, à confissão da Trindade divina, concede que, por sua intercessão, permaneçamos no verdadeiro amor e sempre na unidade da fé”.

31Assim, a palavra litúrgica vai explicitar o profundo sentido da representação iconográfica. Não é relevante serem irmãos para o facto de serem representados sempre juntos, mas sim porque manifestam a mesma esperança, o mesmo amor na unidade da fé.

Topo da página

Notas

1 RESENDE, André de – História da Antiguidade da Cidade de Évora. Évora: André de Burgos, 1553. Disponível em www.bdalentejo.net/BDAObra/BDADigital/Obra.aspx?id=386#

2 ESPANCA, Túlio – Fundações e Evolução Histórica da Igreja dos Mártires de Évora: S. Vicente, Sabina e Cristeta. A Cidade de Évora. 29-30 (1952) 472-483.

3 ESPANCA, Túlio – Inventário Artístico de Portugal: Concelho de Évora. Lisboa: Academia Nacional de Belas-Artes, 1966, pp 178-180.

4 Ho flos sanctõ[rum] em lingoaje[m] p[or]tugue[s]. – Lixboa: per Herman de campis bombardero del rey & Roberte rabelo, 15 Março 1513. – [10], CCLXV, [2] f. : il. Disponível em http://purl.pt/12097. SOBRAL, Cristina – O Flos Sanctorum e suas adições portuguesas. Lusitania Sacra. 2.ª série, 13-14 (2001-2002) 531-568.

5 Breviarium Eborense. Lisboa: apud Ludovicum Rotorigium, 1548.

6 LAVAJO, Joaquim Chorão – Hagiologia de André de Resende e o Santoral eborense. Eborensia. Ano XIV, 27-28 (2001)153-157.

7 Sobre a história, iconografia, estudo e processo de restauro do sepulcro de São Vicente, em Ávila, ver o sítio http://www.sepulcrodesanvicente.es/iconografia.html

8 MENDEIROS, José Filipe – Guia do Museu de Arte Sacra da Catedral de Évora. Évora, 1985.

9 GUERREIRO, J. Alcântara – Galeria dos Prelados de Évora. Évora: Gráfica Eborense, 1971, p 42.

10 CAETANO, Joaquim Oliveira – Garcia Fernandes: Uma Exposição à procura de um Pintor. In SANTA CASA DA MISERICÓRDIA (Lisboa) – Garcia Fernandes: Um Pintor do Renascimento: Eleitor da Misericórdia de Lisboa. Lisboa: S.C.M., imp. 1998, p 74.

11 SERRÃO, Vítor – Banqueta. In Cristo Fonte de Esperança: catálogo: exposição do grande jubileu do ano 2000. Porto: Diocese, 2000, p 322.

12 ESPANCA, Túlio – Inventário Artístico de Portugal: Distrito de Évora. Lisboa: Academia Nacional de Belas Artes, 1975.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Artur Goulart de Melo Borges, « Os Santos Mártires de Évora », Cultura, Vol. 27 | 2010, 201-210.

Referência eletrónica

Artur Goulart de Melo Borges, « Os Santos Mártires de Évora », Cultura [Online], Vol. 27 | 2010, posto online no dia 04 Dezembro 2013, consultado a 25 Abril 2017. URL : http://cultura.revues.org/349 ; DOI : 10.4000/cultura.349

Topo da página

Autor

Artur Goulart de Melo Borges

Licenciado em Arqueologia. Estudos de pós-graduação em Museologia e História da Arte. Curso Superior de Teologia. Curso Superior Livre de Estudos Árabes. Técnico superior do Museu de Évora de 1979 a 1999, exercendo o cargo de director durante sete anos. Nesse âmbito, trabalhos de inventariação, investigação, elaboração de pareceres na área da museologia e do acervo artístico do Museu de Évora. Organização de exposições, participação em congressos, seminários e publicações sobre estudos árabes, património artístico e cultural. Vogal da Comissão Diocesana dos Bens Culturais da Igreja, da Arquidiocese de Évora e, desde Março de 2002, coordenador do Inventário do Património Artístico Móvel da Arquidiocese de Évora, tendo sido comissário da exposição “Tesouros de Arte e Devoção”, de Dezembro 2003 a Maio de 2004.
Graduate in Archaeology. Postgraduate studies in Museology and the History of Art. Higher Educational Course in Theology. Optional Higher Educational Course in Arab Studies. Graduate Technician at the Museum of Évora from 1979 to 1999, including the post of director for seven years. This has involved carrying out an inventory, research, the drawing up of protocols in the area of museology and the artistic archive of the Museum of Évora. Organization of exhibitions, participation in conferences, seminars and publications on Arab studies and artistic and cultural heritage. Member of the Diocesan Committee for the Cultural Heritage of the Church, of the Archdiocese of Évora and, since March 2002, coordinator of the Inventory of the Moveable Artistic Patrimony of the Archdiocese of Évora, having been the commissioner of the exhibition “Tesouros de Arte e Devoção” (Treasures of Art and Devotion), from December 2003 to May 2004.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org