Navegação – Mapa do site
Iconografia religiosa das invocações nacionais

A representação gravada da Rainha Santa Isabel: política e devoção

The depiction of Queen and Saint Elizabeth: politics and devotion
António Filipe Pimentel
p. 83-103

Resumos

A representação em gravura de D. Isabel de Aragão não pode dissociar-se do processo político- -devocional que rodeia primeiro a memória e depois a formalização do culto da insigne soberana e do papel outorgado à gravura na comunicação de ideias e formas numa sociedade onde a sua circulação é necessariamente limitada. Com efeito, se os ritmos do processo canónico e da própria divulgação do culto seguem de perto os avatares do poder real – num processo reconhecível, de múltiplas formas, entre os alvores do século XVI e o declinar do século XVIII –, a produção imagética em torno da devoção à Rainha Santa e, dentro dela, a produção gravada (necessariamente dependente dos progressos dos meios tipográficos) permitem acompanhar, em termos genéricos e conjunturais, esse mesmo ritmo afirmativo de um culto que se revelaria estrutural na afirmação de valores centrais à dimensão nacional e à projecção exterior da soberania e que o próprio estatuto régio da sua titular favorecia. Neste contexto, a projecção em gravura da devoção à solícita e caridosa Rainha, ilustre pelo sangue e pelas obras, constitui, inegavelmente, um objecto do maior interesse, não somente no domínio da História da Arte, mas no da própria História.

Topo da página

Texto integral

1A representação gravada da Rainha de Portugal D. Isabel de Aragão – a Rainha Santa – não pode dissociar-se do processo político-devocional que rodeia, não somente a memória mas, muito particularmente, a divulgação e formalização do culto da insigne soberana. Com efeito, se as origens deste parecem coincidir com a sua própria morte, ocorrida já em halo de santidade, a propagação da sua imagem, nos diversos suportes mas, particularmente, com recurso à gravura, beneficiando do desenvolvimento das artes gráficas a que se assiste no século XVI (e do poder que revestem na comunicação de ideias e formas, numa sociedade onde a sua circulação era ainda necessariamente limitada), não poderá correctamente entender-se à margem do correlativo esforço (também simbólico e afectivo) desenvolvido pela Monarquia na obtenção de uma centralidade que se revelava indispensável à construção do Estado Moderno em paralelo empreendida.

  • 1 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Propaganda Fidei. A representação gravada da Rainha Santa Isabel”, C (...)
  • 2 Cf. idem, “À Flandres por devoção e à Itália por ostentação – ou ao invés. As razões do Manuelino (...)

2Efectivamente, a produção da iconografia isabelina, se tem no mosteiro coimbrão de Santa Clara – fundação directa da Rainha e guardião dos seus despojos, rapidamente convertidos em relíquias – e nos círculos a ele afectos um dos seus inquestionáveis pólos de dinamização, cedo conheceria o apoio da hierarquia eclesiástica, por detrás do qual se perfila a própria Coroa, cientes ambas do seu papel mobilizador da devoção e do precioso elemento de pressão que daí resultaria em relação ao respectivo processo de canonização.1 E nele, com efeito, se empenharia tenazmente D. Manuel I, como parte não despicienda do processo de centralização política e construção simbólica de um império em expansão, onde cabia à Coroa (a coroa que fora de Dinis e Isabel) um papel indeclinável de mobilização e aglutinação da comunidade nacional: o qual encontraria nos meios imagéticos e no discurso mitográfico adrede elaborado (também religioso) um dos instrumentos mais eficazes da sua afirmação.2

  • 3 Sobre o culto e o processo canónico da Rainha, veja-se VASCONCELOS, António de, Evolução do culto (...)
  • 4 Cf. MARKL, Dagoberto e PEREIRA, Fernando António Baptista, História da Arte em Portugal, vol. 6, (...)
  • 5 Cf. RINCÓN GARCIA, Wifredo, ROMERO SANTAMARIA, Alfredo, “Iconografia de Santa Isabel en el arte e (...)

3O breve de Leão X de 1516, que beatificaria a soberana sancionando o culto público já praticado na cidade de Coimbra, constituiria, assim, um ponto de chegada, rumo à ambicionada canonização, numa rota prosseguida, sem desfalecimentos, pelos sucessores do Venturoso – D. João III, D. Sebastião, D. Filipe I e D. Filipe II (nos quais acrescia a dupla qualidade de Reis de Portugal e de Aragão) – e que culminaria com a respectiva bula, emitida por Urbano VIII em 25 de Maio de 1625.3 E é neste contexto, com efeito, que se inscrevem as mais remotas figurações isabelinas conservadas, nimbadas já de uma aura explicitamente mística: desde logo o quadro da Gemäldegalerie de Berlim, aspirante a vera efígie e atribuível a um discípulo de Quentin Metsys (esse, na contemplação de cujas obras se comprazia – e comovia – Damião de Góis4) e a que evoca a peregrinação a Santiago, inscrita no manuscrito Genealogia dos Reis de Portugal (na British Library), iluminado entre 1530 e 1534 por Simão Bening, sobre desenhos de António de Holanda, por encomenda do Infante D. Fernando, filho de D. Manuel I. Poucos anos posterior (de meados do século) seria o pequeno retábulo ou ex-voto conservado em Coimbra, no Museu Machado de Castro e que parece relacionar-se com encomenda pessoal de Martim de Azpilcueta, o doutor navarro5, ilustre canonista contratado por D. João III no âmbito da transferência da Universidade: o que atestará o empenhamento directo dos meios intelectuais neste processo.

4A esta altura, porém, correriam já impressas as primeiras representações gravadas da insigne soberana, iniciando um tipo novo de figuração, que, difundida sob a forma de ilustração de livros, integrando séries icónicas de crescente voga, enquanto mera estampa devocional ou na forma, mais ou menos popular, dos registos piedosos, adquiridos por ocasião das romarias, conheceria uma popularidade crescente, no decurso dos séculos XVII e XVIII e que não esmoreceria completamente nos séculos XIX e XX. Umas vezes em criação original, outras compondo autênticas genealogias iconográficas; as mais delas mil vezes repetidas por mãos progressivamente menos hábeis constituem um espólio relevante no estudo da devoção isabelina, de que marcam o ritmo e difusão.

  • 6 Cf. SOARES, Ernesto, Dicionário de Iconografia Portuguesa (retratos de portugueses e de estrangei (...)

5De facto, sem reproduzirem, obviamente (mesmo quando a tal ingenuamente aspiram), o escopo físico ou sequer fisionómico da régia taumaturga, buscam recriar-lhe o perfil moral, compondo um arquétipo que se enraizará na memória colectiva, propagando uma fé viva na sua poderosa intercessão, alicerçada numa imagem que oscila entre a sedução pelo esplendor da realeza nimbada da compaixão pelo sofrimento e miséria dos humildes e a lição edificante da soberana que se despoja dos sinais terrenos, amortalhada no hábito de clarissa ou nos signos humildes de peregrina: a qual, estabilizada a partir da iconografia de sua própria tia, Isabel da Hungria, Duquesa da Turíngia6, valorizaria essencialmente, a par das ideias gerais de renúncia, humildade e paz (tessitura central da sua hagiografia), a caridade como tema central: ilustrada no motivo recorrente do óbulo ao mendigo, na cura da criança cega, na assistência aos enfermos e, muito particularmente, no milagre das rosas, o episódio que, mais do que qualquer outro, lhe ficaria para sempre associado.

1. ALFONSO, Diogo, Vida & milagres da gloriosa Raynha santa Ysabel…, Coimbra, João de Barreira, 1560 (xilogravura).

1. ALFONSO, Diogo, Vida & milagres da gloriosa Raynha santa Ysabel…, Coimbra, João de Barreira, 1560 (xilogravura).
  • 7 Cf. VASCONCELOS, A. de, ob. cit., vol. I, pp. 258ss.
  • 8 Cf. SILVA, Armando Carneiro da, Retratos gravados de Santa Isabel, Coimbra, 1964, pp. 13-14 e SOA (...)
  • 9 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel “Cuz & spinea domini meis Sceptrum (...)

6E seria justamente Coimbra, depositária do corpo milagroso da soberana, fonte contínua dos prodígios que alimentavam o seu culto7, a produzir, a partir dos prelos de João de Barreira, o documento icónico inicial: a gravura em madeira epigrafada cruz & spinea domini mei secptrum & corona mea, que ilustra o frontespício da obra, hoje raríssima, Vida & milagres da gloriosa Raynha Sancta Ysabel, que incluía ainda ho compromisso da cõfraria do seu nome, dada à estampa em 1560 (quatro anos depois de D. João III ter obtido a extensão do seu culto ao território nacional), por mandado dos mordomos e confrades da confraria da gloriosa Sancta Ysabel Raynha de Portugal e a instâncias da abadessa e sacristãs do cenóbio régio de Santa Clara.8 Nela, a imagem da Rainha, enquadrada por uma bela e floreada cartela maneirista, de que se desprende um amplo panejamento que lhe serve de dossel, avulta de corpo inteiro, trajada de clarissa, a fronte cingida da coroa de espinhos (referencial cristológico franciscano, estranho na sua usual iconografia), ostentando na mão um enorme tau de peregrina e, aos pés, o diadema régio atravessado pelo ceptro.9

2. ROSÁRIO, Frei Diogo do, Histórias das vidas & feitos heróicos & vidas insignes dos sanctos, Braga, António de Mariz, 1567 (xilogravura).

2. ROSÁRIO, Frei Diogo do, Histórias das vidas & feitos heróicos & vidas insignes dos sanctos, Braga, António de Mariz, 1567 (xilogravura).

3. Flos Sanctorum das vidas e obras insignes dos sanctos, Lisboa, Baltazar Ribeiro, 1590 (xilogravura).

3. Flos Sanctorum das vidas e obras insignes dos sanctos, Lisboa, Baltazar Ribeiro, 1590 (xilogravura).
  • 10 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 41-44 e SOARES, E. e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 155.

7Dezassete anos mais tarde, em 1567, outra gravura isabelina, também em madeira, ilustraria a obra do dominicano Frei Diogo do Rosário, Histórias das vidas & feitos heroicos & vidas insignes dos sanctos, impressa em Braga por António de Mariz, por ordem do arcebispo D. Frei Bartolomeu dos Mártires, no contexto da revitalização pós-tridentina da devoção aos santos (reeditada em Coimbra, pelo mesmo impressor, em 1577 e toscamente reproduzida, também em Coimbra, na edição de João Álvares do Officium Sanctae Elisabeth Portugalliae Quodam Reginae, de 1569).10 Nelas se figura a soberana de pé, em corpo inteiro, trajada com o hábito de clarissa, coroada e aureolada, sustendo nas mãos as coroas régias de Portugal e Aragão, alusivas à sua estirpe, motivo que emerge com alguma frequência nas suas mais antigas representações. O cenário, evocativo de um recinto claustral do gótico tardio, representa uma dependência de pavimento axadrezado (casa de capítulo?), iluminada por duas janelas em arco de meio ponto e cuja entrada se enquadra por um arco rebaixado assente em colunas de capitel liso, emoldurando a figura da Rainha, em clara (e abusiva, aliás) alusão à sua qualidade histórica de monja.

  • 11 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I (...)

8Obviamente relacionável – tanto pela paginação, como pelo uso deficiente da perspectiva – com as gravuras que ornamentam a edição de 1514 das Ordenações Manuelinas, mais de meio século anteriores, teria interesse, para o esclarecimento da problemática do seu desfasamento estético (mais evidente se cotejado com a cruz & spinea, de 1560), o conhecimento, a par da sua fortuna, de uma eventual trajectória anterior. São, todavia, discretas vinhetas, sem o valor ornamental da gravura anterior (que adornaria, de resto, a primeira obra impressa dedicada à vida e milagres da santa Rainha), destinadas a ilustrar as suas biografias em hagiológios que, fortalecidos da beatificação outorgada em 1516 e da contínua extensão do culto alcançada pela pressão diplomática portuguesa na Cúria pontifícia, claramente se organizavam no sentido de propiciar o ambiente e o aparato critico necessários à ambicionada canonização.11

  • 12 Cf. ESPERANÇA, Fr. Manuel da, História seráfica da ordem dos frades menores de S. Francisco da Pr (...)

9E nova xilogravura adornaria ainda o capítulo isabelino do Flos sanctorum das vidas e obras insignes dos santos, dado à estampa em Lisboa, em 1590, por Baltazar Ribeiro, obra polémica, por muitos considerada a terceira edição das Histórias de Fr. Diogo do Rosário, mas que constitui, seguramente, a mais interessante imagem da primeira geração das representações gravadas da Rainha Santa. Figurada desta vez num arrabalde de cidade, esquematicamente sugerido, em segundo plano, pelo céu aberto e por uma colina arborizada salpicada de altos edifícios, a soberana, nimbada e com coroa real e ceptro sobre o hábito monástico, assiste, rodeada pela sua comitiva, à construção das fundações do hospício junto aos seus paços de Santa Clara, anexos ao convento do mesmo nome, frente a Coimbra. A composição alude à lenda que relata como a soberana, certo dia, encontrou desenhada no solo a planta do hospital que projectava construir e parcialmente abertos já os respectivos alicerces, relacionando-se igualmente com outro relato, segundo o qual Santa Isabel teria pago com uma rosa a cada trabalhador, rosas que, de noite, se converteriam em moedas de ouro: reportando-se ambos os episódios, porventura, a essa outra tradição, que recolhe Frei Manuel da Esperança, segundo a qual ela mesma ideava as traças dos edifícios e desenhava depois as plantas, tão ajustadas às regras da boa arquitectura, que os mestres mais peritos se podiam governar por elas.12

  • 13 Cf. PIMENTEL, A. F., “Estampa da Rainha Santa Isabel”, Imagen de la Reina Santa…, p. 169.

10Definindo uma sábia diagonal no grupo de personagens, que ajuda a sugerir profundidade, numa busca de perspectiva ainda não geométrica mas já claramente elaborada, o gravador utiliza a goiva com mestria, num jogo complexo de incisões, que produz um efeito rico de ritmos, sem descuidar a expressão fisionómica, especialmente patenteada no belo rosto de Isabel de Aragão, tudo contribuindo, por essa via, para converter a estampa num dos melhores exemplos de xilogravura dessa época.13

4. MARIZ, Pedro de, Diálogos de Varia Historia…, Coimbra, António de Mariz (buril).

4. MARIZ, Pedro de, Diálogos de Varia Historia…, Coimbra, António de Mariz (buril).

5. Cornelius Galle, S. Elisabetha Lvsitaniae Regina..., 1621.

5. Cornelius Galle, S. Elisabetha Lvsitaniae Regina..., 1621.

* * *

11Uma nova técnica de gravação (a gravura em cobre), porém, e uma nova utilidade para a memória de Isabel, encarada agora como elemento de prestígio de uma cadeia representativa, seriam inauguradas com os Diálogos de Varia Historia, de Pedro de Mariz, editados pela primeira vez em Coimbra em 1594, aí se iniciando, de facto, a integração isabelina nas séries icónicas (régias ou outras), que encontrariam nos séculos seguintes ávidos colecionadores. Mariz inclui a efígie da soberana, sob a epígrafe Elisabeth Regina Sancta Portug., entre a galeria dos Reis de Portugal e nesse sentido a sua história e personalidade lhe interessam. O belo buril que ilustra a sua obra, anónimo, é, de resto, interessante a vários níveis: pela qualidade da representação; pelo seu significado; pelo enigma que envolve.

12Trata-se, com efeito, da obra de um artista culto. Composição elegante, rodeada por uma filactera com a inscrição. Um resplendor envolve a cabeça da santa, representada de perfil, coroada, vestida de clarissa, com barbeta de viúva e bordão e, com ela, pela primeira vez se figura Santa Isabel numa obra de índole histórica e não hagiográfica, onde o tratamento de Rainha Santa no contexto ilustrativo de uma série de monarcas actua explicitamente como estratégia de exaltação régia, em pleno quadro de ofensiva diplomática filipina.

  • 14 Cf. SILVA, C. da, ob. cit., pp. 23-25; SOARES, E. e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 156 e PI (...)

13E aqui radicaria o enigma que rodeou a obra de Pedro de Mariz, sacerdote e canonista, que chegaria a guarda-mor da livraria da Universidade de Coimbra: a supressão do texto do capítulo dedicado a Isabel de Aragão (diálogo III, capítulo II) da edição de 1597-1598, de Sernache dos Alhos – e das que se lhe seguiriam –, existente apenas na edição de Coimbra de 1597, hoje por completo ausente das bibliotecas públicas: matéria sobre a qual, de forma inconclusa, diversos autores se pronunciariam e onde poderá reconhecer-se a intervenção da Inquisição, por reputar extemporâneo o tratamento dado à venerável, mas ainda não canonizada, soberana. Do impacte que teve esta representação, contudo, dá eloquente testemunho a sua reprodução posterior, no interior de uma rica orla maneirista (ilustração, decerto, de obra perdida), integrada, no século XVIII, na colecção iconográfica de Barbosa Machado, conservada na Biblioteca do Rio de Janeiro.14

  • 15 Cf. MACEDO, Francisco Pato de, “Livro que fala da boa vida que fez a Rainha de Portugal Dona Isab (...)

14Por estes anos, todavia, a ilustração isabelina não deixaria de fazer o seu caminho nos meios e suportes técnicos tradicionais: com destaque para o manuscrito da Lenda, do Museu de Coimbra, datado de 1592 e mais propriamente designado Livro que fala da boa vida que fez a Rainha de Portugal Dona Isabel, e de seus bons feitos e milagres em sa vida e depois da morte, bela e ricamente ilustrado por mão anónima, a instâncias das monjas de Santa Clara (letras capitais, composição heráldica e figuração da soberana em fólios inteiros) e que constitui cópia quinhentista do relato – postulante da sua santidade – elaborado por autor desconhecido pouco após a sua morte e entretanto perdido. Nele, do mesmo passo que se testemunha o empenho activo da comunidade conimbricense no processo da canonização, retoma-se, com a inscrição, a iconografia franciscana da crux & spinea, dada à estampa por João de Barreira em 156015 e que estará longe de constituir a temática mais divulgada na figuração dos atributos da Rainha. Inversamente, volvido um quarto de século, em 1621, saía do buril de Cornellius Galle (o Velho), em Antuérpia, a imagem que haveria de marcar, por mais de um século, a iconografia isabelina e cuja repercussão se detecta em todos os domínios da criação plástica.

15A esplêndida ilustração, legendada S. Elisabetha Lusitaniae Regina, destinava-se a ornar a obra Anacephalaeoses do jesuíta António de Vasconcelos, resumo apologético das crónicas lusitanas, editada nessa cidade, e não somente inspiraria, cinco anos depois, a belíssima estampa que adorna a Vita de S. Elisabeth Lusitanae Regina, publicada em Paris, em 1626, por A. F. Hilarione de Coste – o primeiro hagiológio expressamente dedicado à soberana portuguesa em consequência da canonização do ano anterior –, como ressurgiria, com pequenas alterações, já em 1639, na obra Philippvs Prudens, do cisterciense João Caramul Lobkowitz, de novo impressa em Antuérpia. Mas, sobretudo, seria divulgada como estampa solta, em sucessivas reimpressões, por vezes assinada por outros membros da família Galle e cujo ponto de partida estaria nas que acompanhavam as pequenas biografias de Santa Isabel distribuídas em Roma pelas colónias portuguesa e castelhana, em Julho de 1625, no calor das festas de canonização: convertia-se, pois, por este modo, no primeiro registo popular da venerável Rainha, no momento em que a oficialização do seu culto determinava uma procura crescente das suas imagens piedosas.

  • 16 Cf. FACI BALLABRIGA, Mariano A., “Algunos aspectos de la vida y muerte de Santa Isabel”, ibidem, (...)

16Assenta a composição numa figuração austera, representando a soberana isolada contra um fundo neutro, coroada e aureolada, vestida de clarissa, com barbeta de viúva e apoiada no bordão de peregrina (descoberto em 1612, na primeira abertura do túmulo e cuja incorporação na iconografia isabelina decorrerá decerto do envio pelas monjas da parte inferior – bem como da bolsa das esmolas – em oferta à Rainha Margarida de Áustria, esposa de Filipe III de Espanha, II de Portugal16) e recolhendo no escapulário as rosas do milagre. Como signo iconográfico, destacam-se, no ângulo superior direito, as armas partidas de Portugal e Aragão, motivo que, de agora em diante, acompanhará com frequência as representações da Rainha Santa.

  • 17 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 25-26 e 28-29; SOARES, E., ob. cit., vol. 2, pp. 157-158; Bibl (...)

17Com efeito, a gravura de Cornélio Galle cumpria um papel do maior relevo na internacionalização da devoção isabelina – que, através da Flandres, rompia finalmente o espaço ibérico – e em tudo o que se refere à difusão da sua imagem. Neste contexto, as circunstâncias congregar-se-iam para que esta figuração idealizada assumisse, de forma crescente, os contornos de uma vera efígie, a qual com uma força icónica talvez só comparável à que rodearia, em finais do século XIX, a estátua de Teixeira Lopes, de forma directa ou indirecta se deixa entrever nas representações a partir de então criadas: desde logo na primeira escultura a ela dedicada (a que se conserva na capela dos Reitores do Paço das Escolas da Universidade de Coimbra), mas também nas que se lhe seguiriam (como a que, em finais da centúria, ornaria o ciclo retabular que envolve a nave da igreja de Santa Clara-a-Nova) e, muito em especial, na maior parte das ilustrações gravadas ainda dos primeiros anos do século XVIII e na própria pintura, agora em franca expansão, dedicada à régia taumaturga.17 Do mesmo passo, é ela ainda que se afirma por detrás do desenho que ilustra a obra manuscrita de António Soares de Albergaria Triunfos dela nobleza lusitana y origen de sus blazones (fol. VII), de 1631, que se conserva na Biblioteca Nacional de Lisboa, realizada já em quadro pré-restauracionista.

* * *

  • 18 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Mosteiro-Panteão/Mosteiro-Palácio: notas para o estudo do mosteiro (...)

18Com efeito, a reemergência, com a Restauração de 1640, de uma estirpe régia portuguesa autónoma mais não faria que reforçar a importância política do culto isabelino (que a ela em primeira mão ilustrava), situação que expressam, seja a decisão, por parte de D. João IV, de empreender a construção, em Coimbra, de um novo e imponente cenóbio, com o fito de pôr a salvo as suas relíquias do assoreamento progressivo do mosteiro velho (e cuja igreja receberia por orago a Rainha Santa Isabel),18 seja o realce que a virtuosa vida da soberana receberia nas páginas da nova História Seráfica da Ordem dos Frades Menores de S. Francisco na Província de Portugal, dada à estampa pelo cronista Frei Manuel da Esperança em 1666 ou, em 1672, na Monarquia Lusitana de Frei António Brandão.

  • 19 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 48 e SOARES, E., ob. cit., p. 180.

19Seria, porém, por efeito directo da canonização, ao outorgar dimensão pública e universal ao culto de Isabel de Aragão, que a sua iconografia se libertaria da estreita clausura dos círculos letrados (nos quais mesmo os hagiológios se incluíam), conferindo-lhe uma dimensão popular que haveria de multiplicar-lhe as formas e fórmulas, em resposta a uma comunidade progressivamente mais vasta e sedenta de representações. E por essa via nasceriam os registos, cuja vastíssima produção oscilaria entre o erudito e o popular e que terão tido, porventura, o primeiro exemplar cerca de 1630-50 no pequeno mas precioso buril legendado S. Elisabeth e assinado C. Galle.19 Abreviatura de Cornellius Galle, nome de dois dos representantes da ilustre família de gravadores anverrenses a que ficarão a dever-se tantas representações de Santa Isabel, constitui um belo apontamento rubensiano (de Cornellius Galle, o Velho, se conhecem diversas cópias gravadas de quadros de Rubens) que haveria igualmente de figurar como patriarca de uma numerosa prole de figurações gravadas da Rainha.

20De facto, englobada então no mesmo complexo político que a Península Ibérica, a Flandres propiciaria, através da obra dos Galle, a projecção europeia da iconografia da Rainha Santa. Este particular registo, porém, inauguraria a vertente áulica da representação isabelina (de manto, jóias, indumentária cortesã), em confronto com a figuração tradicional, que consagrava apenas a simbólica régia – coroa(s), eventualmente ceptro –, o hábito clarista e a barbeta de viúva, nos quais se perseguia a ilustração da virtude que deveria abrir-lhe o caminho da canonização. O futuro se encarregaria de mostrar, na importância crescente que, na economia da sua representação, deveria adquirir a componente corte, até que ponto a dignidade de Rainha se revelaria estrutural no fascínio exercido pela Santa. Mas é um facto que, durante muito tempo, o modelo monástico continuaria a fazer sentir a sua força.

6. Petrus de Iode, Sancta Elisabeth, 1660-70.

6. Petrus de Iode, Sancta Elisabeth, 1660-70.

7. Domenico Duprà/Hieronymus Rossi, Dionysius I, Lusitaniae Rex et. Elisabetha coniux, 1791.

7. Domenico Duprà/Hieronymus Rossi, Dionysius I, Lusitaniae Rex et. Elisabetha coniux, 1791.
  • 20 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 49-50 e SOARES, E., ob. cit., p. 180.
  • 21 Cf. PIMENTEL, A. F., “Estampa da Rainha santa Isabel Sancta Elisabeth. Portugaliae Regis filia”, (...)
  • 22 SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 50-51; SOARES, E., ob. cit., p. 181; idem, Inventário da colecção (...)

21Efectivamente, está ainda neste caso (mesmo que numa versão de tal modo graciosa que exala um óbvio perfume cortesão) o belíssimo registo de Petrus de Iode20, gravura a buril datável de cerca de 1660-70, figurando a Rainha sobre um fundo barroco de nuvens, resplandecente e representada em mais de meio corpo, coroada e vestida de clarissa, cingindo com incontestável graça o regaço de rosas, numa figuração onde tudo concorre deliberadamente para evocar a sua proverbial beleza. A qual, no próprio lapso epigráfico que encerra – Sancta Elisabeth Portugaliae Regis filia –, consagra afinal, de modo eloquente, a amplitude da difusão de um culto que ameaçava mesmo libertar-se do seu condicionalismo circunstancial.21 Igualmente representativo, ainda que de forma particular, da expansão extra-peninsular da devoção isabelina, será também um outro notável registo, gravado pelo buril de Abraham Bosse, em 1670, figurando igualmente a Rainha em trajes monásticos providos dos adereços de peregrina e cuja correctíssima legenda portuguesa – S. Isabel, Rainha de Port. cujo corpo esta depositado na Capella Mor do Real Mosteiro das Religiosas de S. Clara de Coimbra – parece indicar encomenda directa de personalidade lusa de passagem na Corte de Luís XIV.22

  • 23 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 30-33; SOARES, Ernesto, História da Gravura Artística em Portu (...)
  • 24 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 30; SOARES, E., Dicionário, p. 181.

22A composição de Bosse (155 x 104 mm), registo devocional embora, abria contudo, nas representações da venerável soberana, um capítulo novo, caracterizado por gravuras de dimensões médias e de esmeradas cercaduras de excelente efeito ornamental, que explicitamente inauguram o ciclo do Barroco. Nele se inscreverão, aliás, as primeiras produções de origem directa ou indirectamente portuguesa dedicadas, no século XVIII, à divulgação do culto isabelino: a magnífica composição Dionysius I. Lusitaniae Rex et D. Elisabetha Conivx, aberta em Roma sobre desenho de Domenico Duprà23,e a aparatosa gravura em cobre S. Joanna, S. Izabel, S. Sancha, S. Theresa, S. Mafalda, subscrita pelo monogramista M. F. para a obra de José Pereira Baião Portugal Glorioso e Ilustrado, editada em Lisboa em 172724 e que não pode ser descontextualizada (tal como a de Duprà) do processo geral de afirmação do Reino no circuito político internacional dinamizado pela governação de D. João V.

23Esta, com efeito, delineada em 1708 e dedicada a André de Melo e Castro, conde das Galveias e embaixador extraordinário de D. João V na Corte do Papa Clemente XI, integra a monumental série régia Lvsitanorum Regum Icones Ordinis Temporum Expositae, gravada em seis folhas com 28 estampas de primorosa execução, abertas por Hieronymus Rossi e Francesco Rastaini. Dela se conhecem duas versões: uma figurando o Rei Magnânimo de fisionomia juvenil e outra tomando por modelo uma representação mais madura – que deverá ser confrontada com a retratística do monarca realizada por Duprà em Portugal (Coimbra e Vila Viçosa) –, estampada em 1791 e que prolonga a galeria dos retratos régios até D. Maria I.

  • 25 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel Dionysius I. Lusitanae Rex et. Elis (...)

24Num belo tondo, rasgado entre ramos de louro, sobreposto à cartela que contém a complexa legenda latina, a delicada água-forte, estampada na segunda folha, consagra também, no severo perfil da Rainha, a figuração concebida por Cornélio Galle para a Anacephalaeoses. Concedendo, porém, a Santa Isabel, honras de representação na galeria dos monarcas reinantes, Duprà não fazia mais que seguir a tradição inaugurada no século XVI com os Diálogos de Pedro de Mariz e sistematicamente observada posteriormente, quer se tratasse de séries icónicas, quer de galerias de retratos régios concebidas para mosteiros ou, mesmo, para a Universidade de Coimbra, em cujo seio a presença da soberana cumpria uma função objectivamente iconográfica, como elemento de relevo na dignificação da linhagem régia portuguesa.25

  • 26 Veja-se, sobre a importância política deste conjunto de canonizações, PIMENTEL, António Filipe, A (...)
  • 27 Cf. LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 158. Pudemos ver a gravura na Biblioteca Nacional do Rio (...)

25Quanto à S. Joanna, S. Izabel, S. Sancha, S. Theresa, S. Mafalda, do misterioso M. F., destinava-se a constituir o frontespício de um flos sanctorum especificamente dedicado à descrição da vida e virtudes das cinco santas da estirpe real portuguesa – ínvio tratado de apologética régia26 –, apostando, inversamente, no efeito sumptuoso de um céu barroco, onde revolteiam putti, aureolando, no interior de um medalhão suportado pelo escudo das armas reais, a frisa das beatas dinásticas, a cujos pés jazem as competentes coroas e (sendo o caso) ceptros. Com estrutura análoga, porém com buril infinitamente superior e uma clara propensão para a sobriedade, produziria igualmente Debrie, o gravador da Academia Real da História, em 1740, a raríssima gravura S.ta Elisabeth Portugalliae Regina27, verdadeiro ponto da situação das artes gráficas em Portugal ao tempo de D. João V e na qual perpassa ainda, claramente, a recorrente visão da Anacephalaeoses.

8. Sebastianus Conca/Hirenomymus Rossi, S. Elisab. Reg. Portug., 1730.

8. Sebastianus Conca/Hirenomymus Rossi, S. Elisab. Reg. Portug., 1730.
  • 28 Cf. SILVA, A. C., ob. cit., p. 63.

26Por esse tempo, contudo, fora já realizada a primeira imagem impressa directamente relacionada com a pintura: a bela gravura a buril e água-forte de Hieronymus Rossi sobre desenho de Sebastiano Conca (notável parceria de artistas, cada um dos quais haveria de satisfazer, em diversas ocasiões, encomendas relacionadas com Portugal) e datada de Roma, 173028: dotada, na verdade, de assinalável qualidade, tanto plástica como técnica, qualidades que a convertem em obra do maior interesse para o estudo da iconografia da Rainha Santa.

27Trata-se, com efeito, não somente da primeira realização plenamente (e não apenas formalmente) barroca – não em vão Conca havia sido devoto de Luca Giordano – mas, sobretudo, da primeira gravura directamente relacionada com as experiências pictóricas contemporâneas. Efectivamente, o hagiológio isabelino (neste caso a cura de uma menina cega) motivaria aqui uma complexa composição, envolta num jogo subtil de claro-escuro. As personagens, envergando pesadas vestes que compõem densos pregueados, convergem num triângulo formado pela Rainha, coroada e vestida de clarissa, apoiando-se no bordão, e pela mãe que, ajoelhada, lhe apresenta a filha cega, a fim de que a toque, e cujo vértice assinala um pequeno bando de querubins que parecem seguir a soberana e observam, com sorridente atenção, o desenrolar dos acontecimentos. O fundo, cujo jogo lumínico cria uma sábia perspectiva, perde-se num núcleo de muros de edifícios, certamente evocativo do convento de Santa Clara-a-Velha.

  • 29 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel S. Elizab. Reg. Portug.”, Imagen de (...)
  • 30 Biblioteca Nacional de Lisboa (icon. Al. 9-A, fls. 56), gravura de Andreas Rossi, datada de 1760.
  • 31 S. Elisabet [sic] Rainha de Portugal, s.a., buril e água-forte, Museu Nacional de Arte Antiga, Li (...)

28De facto, provável (ainda que não documentado) encargo de alguma personalidade portuguesa na Cúria pontifícia, a estampa rompe, pela primeira vez, com a tradição das veras efigies, propondo a dramatização de um episódio da lenda piedosa, que estabelece uma relação infinitamente mais tensa com o fiel observador.29 Circunstâncias, uma e outra, que deveriam seguramente reunir-se para explicar a sua popularidade, que levaria a que fosse reproduzida parcialmente30 ou, mesmo, inspirasse, já em pleno período rococó, versões ingénuas e significativamente mais rudes, como a que deixou Andreas Rossi (1760).31

  • 32 Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro [Diogo BARBOSA MACHADO, Colecção dos Retratos, IC-18(1), n. (...)
  • 33 Idem, ibidem, n.º 110.

29Em anos mais adiantados, aliás, duas raras gravuras anónimas, ambas de elegante feitura, partilhariam idêntica inspiração pictórica: a primeira, francesa, denominada S.te Elisabeth Reine de Portugal, vendia-se A Paris chez J. Mariett rue S.t Jacques aux Colonnes d’Hercule32 e nela figura a Rainha, coroada e de vestes cortesãs, esmolando dois pedintes junto de uma clássica coluna; a segunda, espanhola mas comercializada em Paris [se viende en la Cassa Poilly en la Calle S.t Diago (sic)], ornada das armas reais castelhanas e portuguesas e legendada Santa Elisabet Reÿna de Portugal, reproduz idêntica cena, mas trajando a soberana de vestes monásticas.33

  • 34 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 55.
  • 35 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel S. Elisabetha Regina”, Imagen de (...)
  • 36 Cf. idem, “Estampa de la Reina Santa Isabel S. Izabel Rainha de Portugal que se venera no Conv.to(...)
  • 37 Cf. idem, “A honra e os seus ícones. Sobre a joalharia de função”, Oceanos, n.º 43, Lisboa, Julho (...)

30Ainda durante o século XVIII, teria Santa Isabel uma outra imagem do maior interesse: a bela e muito rara gravura em cobre de Pietro Bombilli sobre desenho de António Cavallaruci, realizada em Roma e legendada S. Elizabetta Regina di Portugallo e que reproduz a teoria de estátuas berninianas da Praça de São Pedro34, nova série iconográfica a integrar a antiga soberana. Os derradeiros anos da centúria seriam, porém, assinalados por alguns registos, alternando produções cultas – como o delicioso buril rocaille S. Elisabetha Regina, do gravador alemão Ignaz Sebastian Klauber, cujo sabor, claramente centro-europeu, testemunha a ampla difusão alcançada pelo culto isabelino na segunda metade do século XVIII35 – com outras de sabor mais popular, como a tão comum S. Izabel Rainha de Portugal, que se venera no Convento de Santa Clara de Coimbra, firmada Godinho e cujo rasto se pode seguir pelos alvores do século XIX. Nele, a Rainha, de coroa, ceptro e manto régio, onde cinge as rosas do milagre, entre o escudo das suas armas e a insígnia franciscana, destaca-se sobre um fundo de arquitecturas clássicas na atitude de dar esmola a um paralítico36, constituindo verdadeiramente o mais popular registo devocional de Isabel de Aragão entre finais do século XVIII e as primeiras décadas do seguinte e o mais intimamente ligado ao seu retiro conimbricense. E merece reparo a influência que obviamente detém na iconografia adoptada na formulação das insígnias da Real Ordem de Santa Isabel, instituto honorífico e assistencial feminino criado em 1801 pelo Príncipe Regente D. João, agregando, na dependência da soberana, vinte e seis damas nobres, “com o plausível motivo da paz e antiga devoção que ha n’estes […] reinos á Rainha Santa”.37

9. Manuel Dias de Oliveira, Fatto milagrozo de Santa Isabel Rainha de Portugal, 1798.

9. Manuel Dias de Oliveira, Fatto milagrozo de Santa Isabel Rainha de Portugal, 1798.
  • 38 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 64-65 e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 160.
  • 39 Cf. LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 159.

31Outra série de composições de igual carácter, figurando a Rainha em traje cortesão esmolando um paralítico e, por vezes, representando em fundo o episódio do forno da cal, teria a sua origem no Porto, em gravuras de molduras rococó, sob um rude buril que assina Santos38. Contudo, a composição que, mesmo em termos estéticos, marca o final da centúria, seria a grande e excelente gravura Fatto milagrozo de Santa Izabel Rainha de Portugal, água-forte e buril aberto em Roma, em 1798, pelo brasileiro Manuel Dias de Oliveira39, vasta e grandiloquente composição, elaborada num tom retórico, que assinala, no seu academismo de sabor escolar, a breve penetração do neoclassicismo na representação da Rainha Santa.

  • 40 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel Fatto milagrozo de Santa Isabel (...)

32A composição, com efeito, estrutura-se com resolução e dispõe, numa rede explícita de horizontais e verticais, um conjunto numeroso de personagens que encenam, de forma dramática, o milagre das rosas. A acção decorre na entrada de um nobre edifício (o palácio real) assinalado por quatro colunas colossais, entre as quais se abre a porta, a que se acede por um patim de dois degraus, sobre o qual, ao centro, se encontram Santa Isabel e D. Dinis, ambos coroados e com trajes cortesãos de inspiração clássica, pondo em relevo a Rainha as rosas do regaço que o Rei, irado, lhe descobre. Em primeiro plano, centrados a cada lado da composição, dois grupos de figuras (um de áulicos, outro de mendigos) comentam com estupefacção o prodígio a que acabam de assistir.40

  • 41 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 33.
  • 42 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Epitome da Vida da S.ta Rainha D. Isabel(...)

33Dedicada ao intendente-geral Pina Manique, sob cujos auspícios Oliveira se formara na Casa Pia de Lisboa e sob cuja protecção rumara a Roma, onde seria discípulo de Labruzzi e de Pompeo Battoni, a estampa constituiria a única gravura conhecida do artista (que adoptaria o apodo de brasiliense na cidade papal e de romano no regresso ao Brasil), mas o novo gosto neoclássico deveria ainda produzir, em 1804 e sob o buril de Jean Cardini, nova e interessante figuração da soberana, agora em vestes de patrícia romana, denominada Epitome da Vida da Rainha D. Isabel, integrada na série iconográfica então editada em Lisboa e denominada Retratos dos Grandes Homens da Nação Portuguesa, com epitomes das suas vidas, sendo posteriormente reaproveitada em outras publicações, como os Retratos, e elogios de varões e donas que illustraram a Nação Portuguesa, editados em dois volumes, igualmente em Lisboa, em 1817 e 1822.41 Figurada em busto, no interior de um austero medalhão, a soberana, com a cabeça coberta por um véu, qual patrícia da Roma antiga, surge agora despojada de toda a panóplia de elementos iconográficos que tinham distinguido a sua representação nos séculos XVII e XVIII, sucedendo, deste modo, o modelo da virtus clássica, ainda que por brevíssimo tempo, ao modelo da virtude cristã que a iconografia barroca havia perseguido através do hábito de clarissa, da barbeta de viúva e dos adereços de peregrina: e tanto basta para conceder o maior interesse a esta rara imagem.42

* * *

  • 43 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 61; PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Santa (...)

34Apesar disso, o Barroco faria ainda uma última aparição, já em 1822, agora em mãos espanholas: no elegante – mesmo que arcaizante – registo a água-forte Santa Isabel Reyna de Portugal, viuda y de la Tercera Orden de San Francisco, assinado A. Rodrigz. e M. Brandi e no qual, aliás, se registaria novo e curioso lapso, agora no que respeita à festa litúrgica da soberana, assinalada A 8. de Julio.43 Mas o século XIX traria uma novidade importante no campo das artes gráficas, que em grande parte destronaria as técnicas tradicionais, justamente pela mesma ordem de razões que havia feito a sua fortuna: rapidez, economia, facilidade de reprodução – a litografia. Mais pictórica, liberta do penoso trabalho das incisões.

35E será este, na verdade, o meio de expressão preferido por uma parte substancial das representações isabelinas oitocentistas, ao mesmo tempo que o fervor historicista, que domina todos os campos das artes plásticas, influencia poderosamente a figuração. Desse modo e ao longo da centúria, a iconografia da Rainha Santa repercutirá, com assinalável fidelidade, as sucessivas vagas que percorrem o ambiente cultural (e político) – o romantismo literário, o revivalismo barroco do II Império, o naturalismo historicista, o historicismo arqueológico –, onde o mito isabelino se inscreve oportunamente em todas as vertentes.

  • 44 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 61 e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 159.
  • 45 Biblioteca Nacional de Lisboa (icon. E. 3398. P.).
  • 46 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 67-68.
  • 47 Idem, ibidem, p. 68.

36Desse ponto de vista, pois, a centúria abriria em 1842 com a litografia de Valentim S. Izabel, Rainha de Portugal, cópia fantasista (ainda que protestadamente fiel) da pintura existente na igreja de Santa Isabel de Lisboa, figurando a soberana em mais de meio corpo, de coroa e manto de arminhos, em cujas dobras desvenda uma mão-cheia de rosas44 e que, pelos mesmos anos, teria versão espanhola (S.ta Isabel, Reina de Portugal), com pequenas alterações, da Lit.ª de Rubia y Virriri.45 Os anos de 1850 assistiriam, todavia, à criação de uma bela estampa colorida, com legenda bilingue francês-espanhol – S.te Elisabeth/S.ta Isabel –, litografia de Bécquet Frères, Paris,46 a qual, num registo operático digno de Donizetti, encenaria simultaneamente o milagre das rosas e a prática da caridade. Pelos mesmos anos, uma variante, se possível ainda mais sugestiva, agora em versão poliglota (francês-espanhol-alemão-italiano), seria vendida em Marselha Chez Dubreil.47

10. Carlos Legrand, Santa Isabel, Reina de Portugal, século XIX (2.º terço).

10. Carlos Legrand, Santa Isabel, Reina de Portugal, século XIX (2.º terço).
  • 48 Cf. idem, ibidem, p. 66; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 161.
  • 49 Colecção Armando Carneiro da Silva (Coimbra).
  • 50 Cf. SOARES, E., Dicionário, p. 181.

37Em ambas, a opção representativa daria preferência à vertente áulica, com a Rainha coroada, em traje cortesão de inspiração medieval, evoluindo, entre mendigos, num cenário de contos de fadas. O mesmo fenómeno se verificaria, aliás, mas num recorte mais densamente literário, numa outra família de gravuras contemporânea, figurando a soberana isolada, elegantemente vestida ao gosto medieval e rodeada de arquitecturas condicentes, soltando do regaço as rosas do milagre. Versão decerto popular, dela se encontram variantes litografadas em Portugal e Espanha – S.ta Isabel Rainha (Maurin, Lisboa)48, S.ta Isabel, Reina de Portugal (Carlos Legrand)49 – e, em França, a gravura a talho-doce S.te Elisabeth de Portugal (por M.me Fournier sobre desenho de Leloir, para a obra de Godescart, Les Vies des Saints Pères et Martyrs, Paris, c. 1850).50

  • 51 PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel S.ta Isabel, Reina de Portugal”, Imag (...)

38A gravura espanhola, na verdade, constitui notável expoente desta situação estética, com a sua elegante composição, de claro recorte cénico, representando Santa Isabel diante de um vasto pátio delimitado por uma arcaria gótica decorada de arabescos e por uma imponente escadaria clássica. Em primeiro plano, a Rainha, coroada e trajada luxuosamente ao gosto medieval, com mando e vestido de brocado orlados de arminhos, soergue levemente a falda, deixando tombar as rosas que leva no regaço. Com efeito, os ecos literários que perpassam por esta estampa, próprios das novelas de Walter Scott ou das óperas de Donizetti, outorgar-lhe-iam clara popularidade, atestada pelas variantes que se conhecem (ao menos em Portugal e Espanha), colocando-a como exemplar particularmente representativo da iconografia romântica da devoção isabelina.51

  • 52 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 68-69 (Est. XLIII e XLIV).
  • 53 Cf. LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 159.

39Alguns anos mais tarde, pelos finais da década de 60, emergia uma outra corrente, marcada por um revivalismo barroco de gosto II Império, geradora de saborosas estampas de um mundanismo ingénuo, com repercussões na imaginária popular. De coroa, manto e ceptro sobre traje de baile contemporâneo, a Rainha, de pé, num caso sob um bardaquino, no outro em interior palaciano, entrega o óbulo ao mendigo ajoelhado.52 Os anos finais da centúria seriam, porém, marcados por uma produção mais séria, ainda que não menos popular, de teor vincadamente naturalista, geradora de composições de carácter evocativo, algumas de grandes dimensões (e também, muitas vezes, integradas em séries icónicas), prenunciadas ainda na década de 40 pela litografia de Kaeppelin (Lisboa, 1842) A Rainha Santa Isabel no meio dos dous exércitos hostis no Lumiar desarma os contendores e congraça o Pai e o Filho.53

  • 54 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 71-72.
  • 55 Cf. idem, ibidem, pp. 75-76; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, pp. 160-161.

40Donde o êxito (nuns casos maior que noutros) registado por imagens como a que realizaram (sem título) C. J. e Alberto, cerca de 188054, vezes sem conta reproduzida, representando a soberana, coroada e aureolada, em vestes cortesãs, distribuindo esmolas a uma legião de mendigos comprimida num cenário da Renascença; A Rainha Santa Isabel distribuindo esmolas, buril de Lallemant sobre desenho de João Correia55, da mesma época e igualmente popular, representando idêntica cena, mas agora em ambiente medieval; A Rainha Santa Isabel atravessando as linhas do exército de D. Diniz e do Filho

  • 56 Cf. SOARES, E., Dicionário, p. 181. Integraria igualmente as ilustrações da História de Portugal (...)
  • 57 Biblioteca Nacional de Lisboa (icon. E. 201 R.).
  • 58 Idem, ibidem (icon. E. 1407 V.).

41D. Affonso, a fim de evitar o combate iminente, cromolitografia de José Bastos sobre aguarela de Roque Gameiro de grande efeito dramático56, ou ainda, adiantado já o século XX, a litografia anónima que reproduz o painel de azulejos de Jorge Colaço, do Palácio da Justiça de Coimbra, figurando o milagre das rosas.57 E não deverão deixar de referir-se ainda as ilustrações de Conceição Silva para o romance histórico de Armando da Silva e Caldas Cordeiro, A Rainha Santa, D. Isabel de Aragão, editado em 1903. Enfim e ainda dentro do mesmo gosto, a Real Academia de Nobles Artes de S. Fernando editaria, em 1872, uma água-forte de E. Maura, sob a legenda S.ta Isabel, Reina de Portugal, representando, num cenário renascentista, a soberana coroada, de indumentária híbrida áulico-monástica, na atitude de lavar a cabeça a um pobre, enquanto as aias a auxiliam na assistência aos indigentes.58

42De todas estas – quanto mais não fosse pela popularidade – merece especial referência A Rainha Santa Isabel distribuindo esmolas, gravada por Lallemant, como foi referido, a partir de um quadro de João Correia, antigo professor da Escola de Belas Artes do Porto e que, em finais do século XIX, constituiria uma das mais populares representações isabelinas, tanto como registo devocional, impresso a várias cores, com e sem legenda (tipografada), como ilustração de artigos na imprensa periódica, ou, mesmo, na ornamentação de programas dos festejos religiosos da padroeira de Coimbra. Produto da maré naturalista que invade a pintura contemporânea e do gosto pela evocação edificante de temas históricos, em que haveriam de distinguir-se Roque Gameiro e Jorge Colaço, a estampa encena a prática da caridade, virtude cívica de espectro seguramente mais consensual do que a temática piedosa do milagre das rosas.

  • 59 PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel A Rainha Santa Isabel distribuindo es (...)

43Assim, num espaço pictórico delimitado por um arco de meio ponto, alinham-se em perspectiva construções medievais: um paço acastelado (o Paço de Santa Clara?), uma torre donde se vislumbra a base do escudo português (subterfúgio para evitar a representação da coroa?), um portal de arquivoltas (a celebrada porta da rosa de Santa Clara- -a-Velha?). Diante destas apinham-se mendigos, entre os quais se destaca a bela nota produzida pela jovem mãe ajoelhada em primeiro plano. Emergindo do portal e rodeada de fâmulos com a cruz alçada, a Rainha – nobre figura enquadrada pela torre, de cujo valor semântico se apropria –, com trajes mais civis que majestáticos, estende compassivamente à jovem a mão que transporta o óbulo que afastará a fome do menino adormecido. A composição, que parece respirar o ideário do cristianismo social, estrutura-se numa subtil diagonal, realçada pela cruz e pela sombra suave que projecta a fachada oculta da igreja.59

  • 60 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 73.

44O final do século XIX produziria ainda, porém, uma imagem isolada – Sainte Elisabeth de Portug., buril imitando gravura em madeira, integrado na obra do Abade Pradier La vie des saints pour touts les jours de l’année, Lille, 188960 – de grande interesse na elegante paginação neogótica, não somente por documentar o gosto pelo revivalismo historicista, ao mesmo tempo que, rara ilustração como é, de um flos sanctorum de finais de Oitocentos, da intensificação do fervor religioso que (tanto como o laicismo) marcaria o declinar desse século e o alvorecer do seguinte, mas, muito particularmente, pela reinvenção que faz das ilustrações que ornavam os livros quinhentistas, num mimetismo que se estende ao aspecto gráfico das antigas xilogravuras.

  • 61 PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel Sainte Elisabeth de Portug.”, Imagen (...)

45Nesse sentido, o autor (anónimo) da gravura engendraria um marco arquitectónico definido por um arco conupial flamígero, cujos suportes albergam, sob dosséis, pequenos anjos que sustentam filacteras, donde emergem legendas alusivas ao milagre das rosas. E, no seu interior, desenhada com deliberada aproximação formal à estatuária gótica, a figura da Rainha, esbelta silhueta de rígidos pregueados com o tradicional hábito de clarissa, coroada e aureolada, cinge com ambas as mãos o regaço donde escapam as místicas rosas do prodígio.61

  • 62 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 76-80; SOARES, E., Dicionário, p. 181.
  • 63 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 80-81.
  • 64 Col. Armando Carneiro da Silva (Coimbra).

46Mas a oferta a Coimbra, em 1896, pela Rainha Dona Amélia de Orléans, da bela escultura de Teixeira Lopes, marcaria doravante inexoravelmente, e como nenhuma outra, a imagem de Santa Isabel. E, na verdade, a partir de então, a história da iconografia gravada da soberana padroeira coincide em absoluto com a das inúmeras reproduções, pelas mais diversas técnicas, da famosa estátua, que acabaria por converter-se, no imaginário popular, na vera efígie de Isabel de Aragão.62 E desse perverso império da imagem de Teixeira Lopes, golpe da asa naturalista que uma vez mais consagraria a vertente áulica da iconografia da Rainha, somente merecerá destaque, porventura, o trabalho que em seu redor criaria A. Nunes Pereira, em belas xilogravuras dos anos 50 e 6063, especialmente a que legendou Rainha Santa Isabel Rogai Por Nós, datada de 1964.64

  • 65 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 71-72; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 160.
  • 66 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 85-88; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 160.

47O final do século XIX assinalaria, contudo, um interesse mais directamente arqueológico pela figura da antiga soberana, que igualmente haveria de repercutir-se na gravura e que não pode deixar de mencionar-se. Estão nesse caso a reprodução, por Alberto sobre desenho de Columbano, do quadro de Berlim, então em Dusseldorf, a partir de uma cópia oferecida ao Rei D. Luís I quando de uma sua visita à Alemanha, a fim de ilustrar a obra de Fonseca Benevides Rainhas de Portugal (1878)65, mas, sobretudo, as diversas reproduções do túmulo gótico que encerrou o seu corpo até ao século XVII, provavelmente inauguradas com a litografia de Mariz Júnior, de 1872.66

48Efectivamente, materializando simbolicamente a própria Caridade e a solicitude inesgotável pelos humildes aureolada pela sua condição histórica e social de Rainha; raiz de uma devoção profundamente alicerçada na comunidade social, em particular na região em cuja capital entendeu descansar para sempre e cujas origens remontam à sua própria morte, ocorrida já em halo de santidade, o culto de Isabel de Aragão retiraria muito da sua inquestionável força dessa dupla valência de santa e soberana: valência essa que, no decurso do tempo e variando com as circunstâncias, haveria também de conferir à sua devoção um valor político que seria determinante na sua projecção, tanto no interior do Reino como fora dele. E que, por isso, se projectaria, ao longo de quase setecentos anos, num acervo notável de imagens, em todos os domínios da criação plástica À gravura caberia, contudo, neste processo, pela sua insubstituível capacidade de divulgação, um quinhão importantíssimo, que as suas especiais potencialidades fariam diversificar de forma impressionante. Desse modo se haveria de converter, não somente num instrumento de propaganda e difusão ao serviço dos desígnios cultuais e num suporte reprodutor de experiências realizadas noutros domínios, mas também, com frequência, num espaço de reflexão, donde a imagem de Isabel, depois de maturada, partiria, enfim, em demanda de novos suportes. E, nesse sentido, viria a afirmar-se como domínio incontornável no estudo da iconografia daquela que, desde sempre, haveria de consubstanciar, no imaginário colectivo, o próprio arquétipo de Rainha Santa.

Topo da página

Notas

1 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Propaganda Fidei. A representação gravada da Rainha Santa Isabel”, CALVO RUATA, José Ignacio (coord.), Imagen de la Reina Santa. Santa Isabel, Infanta de Aragón y Reina de Portugal, Cat., Zaragoza, Diputación de Zaragoza, 1999, vol. I, pp. 65-66.

2 Cf. idem, “À Flandres por devoção e à Itália por ostentação – ou ao invés. As razões do Manuelino”, Actas do Congresso Internacional Ao Modo da Flandres… Disponibilidade, inovação e mercado de arte na época dos Descobrimentos (1415-1580), Madrid, Fundación Carlos de Amberes, 2005, pp. 159-168.

3 Sobre o culto e o processo canónico da Rainha, veja-se VASCONCELOS, António de, Evolução do culto de Dona Isabel de Aragão, esposa do rei lavrador Dom Dinis de Portugal (a Rainha Santa), Coimbra, Arquivo da Universidade, vol. I, 21993, pp. 268-452.

4 Cf. MARKL, Dagoberto e PEREIRA, Fernando António Baptista, História da Arte em Portugal, vol. 6, O Renascimento, Lisboa, Alfa, 1986, (nota 25) p. 94.

5 Cf. RINCÓN GARCIA, Wifredo, ROMERO SANTAMARIA, Alfredo, “Iconografia de Santa Isabel en el arte español y português”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, pp. 48-49 e 58-49.

6 Cf. SOARES, Ernesto, Dicionário de Iconografia Portuguesa (retratos de portugueses e de estrangeiros em relações com Portugal), suplemento A-Z, Lisboa, Instituto para a Alta Cultura, 1954, p. 179 e ROIG, Juan Fernando, Iconografia de los Santos,Barcelona, Ediciones Ómega, S.A., 1950, p. 142.

7 Cf. VASCONCELOS, A. de, ob. cit., vol. I, pp. 258ss.

8 Cf. SILVA, Armando Carneiro da, Retratos gravados de Santa Isabel, Coimbra, 1964, pp. 13-14 e SOARES, Ernesto e LIMA, Henrique de Campos Ferreira, Dicionário de Iconografia Portuguesa, Lisboa, Instituto para a Alta Cultura, 1948, vol. II, p. 155.

9 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel “Cuz & spinea domini meis Sceptrum & corona mea”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 167.

10 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 41-44 e SOARES, E. e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 155.

11 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 168.

12 Cf. ESPERANÇA, Fr. Manuel da, História seráfica da ordem dos frades menores de S. Francisco da Província de Portugal, tomo II, Lisboa, 1666, p. 133 e SILVA, Innocencio Francisco da, Diccionario Bibliographico Portuguez, Lisboa, 1926, s.v. “Frei Manuel da Esperança”.

13 Cf. PIMENTEL, A. F., “Estampa da Rainha Santa Isabel”, Imagen de la Reina Santa…, p. 169.

14 Cf. SILVA, C. da, ob. cit., pp. 23-25; SOARES, E. e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 156 e PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel Elisabeth Regina Sancta Portug.”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 170. Sobre a questão da supressão nas edições da obra de Mariz do texto do capítulo relativo à Rainha Santa (fls. 92-99), veja-se VASCONCELOS, A. de, ob. cit., vol. I, pp. 387-394.

15 Cf. MACEDO, Francisco Pato de, “Livro que fala da boa vida que fez a Rainha de Portugal Dona Isabel, e de seus bons feitos e milagres em sa vida e depois da morte”, Imagem de la Reina Santa…., pp. 202-205.

16 Cf. FACI BALLABRIGA, Mariano A., “Algunos aspectos de la vida y muerte de Santa Isabel”, ibidem, p. 32.

17 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 25-26 e 28-29; SOARES, E., ob. cit., vol. 2, pp. 157-158; Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro [Diogo BARBOSA MACHADO, Colecção dos Retratos, IC-18(1), n.º 115]; PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel, S. Elisabetha Lvsitaneai Regina. Vixit an. LXV, Obiit an. MCCCXXXVI”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, pp. 171-172.

18 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Mosteiro-Panteão/Mosteiro-Palácio: notas para o estudo do mosteiro novo de Santa Clara de Coimbra”, Imagen de la Reina Santa…, vol. II, pp. 135-137.

19 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 48 e SOARES, E., ob. cit., p. 180.

20 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 49-50 e SOARES, E., ob. cit., p. 180.

21 Cf. PIMENTEL, A. F., “Estampa da Rainha santa Isabel Sancta Elisabeth. Portugaliae Regis filia”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 173.

22 SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 50-51; SOARES, E., ob. cit., p. 181; idem, Inventário da colecção de registos de santos, Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa, 1955. Com efeito, a personalidade em causa revela mesmo ser particularmente bem informada, nomeadamente sobre o grandioso projecto do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, uma vez que o ataúde contendo o corpo da Rainha só viria a ser colocado na capela-mor da igreja (no interior do retábulo) em 1696. Quanto à gravura, não poderá ser posterior a 1676, data da morte de Abraham Bosse.

23 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 30-33; SOARES, Ernesto, História da Gravura Artística em Portugal, Lisboa, 1940, 2.º vol., p. 540.

24 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 30; SOARES, E., Dicionário, p. 181.

25 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel Dionysius I. Lusitanae Rex et. Elisabetha conivx”, Imagen de la Reina Santa…, p. 176.

26 Veja-se, sobre a importância política deste conjunto de canonizações, PIMENTEL, António Filipe, Arquitectura e Poder: o Real Edifício de Mafra, Lisboa, Livros Horizonte, 22002, pp. 32-33.

27 Cf. LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 158. Pudemos ver a gravura na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro [Diogo BARBOSA MACHADO, Colecção dos retratos, IC-18(1), n.º 116], segundo julgamos a única instituição pública a possuí-la.

28 Cf. SILVA, A. C., ob. cit., p. 63.

29 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa da Rainha Santa Isabel S. Elizab. Reg. Portug.”, Imagen de la Reina Santa…, pp. 174-175.

30 Biblioteca Nacional de Lisboa (icon. Al. 9-A, fls. 56), gravura de Andreas Rossi, datada de 1760.

31 S. Elisabet [sic] Rainha de Portugal, s.a., buril e água-forte, Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa (inv.º n.º 8182 – Gravura).

32 Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro [Diogo BARBOSA MACHADO, Colecção dos Retratos, IC-18(1), n.º 114].

33 Idem, ibidem, n.º 110.

34 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 55.

35 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel S. Elisabetha Regina”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 180.

36 Cf. idem, “Estampa de la Reina Santa Isabel S. Izabel Rainha de Portugal que se venera no Conv.to de S.ta Clara de Coimbra”, ibidem, vol. I, p. 180.

37 Cf. idem, “A honra e os seus ícones. Sobre a joalharia de função”, Oceanos, n.º 43, Lisboa, Julho-Setembro 2000, p. 104.

38 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 64-65 e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 160.

39 Cf. LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 159.

40 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel Fatto milagrozo de Santa Isabel Rainha de Portugal”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 178.

41 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 33.

42 Cf. PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Epitome da Vida da S.ta Rainha D. Isabel”, Imagen de la Reina Santa…, p. 181.

43 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 61; PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Santa Isabel Reyna de Portugal, viuda, y de la Tercera Orden de San Francisco A 8. de Júlio”, Imagen de la Reina Santa…, p. 182.

44 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 61 e LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 159.

45 Biblioteca Nacional de Lisboa (icon. E. 3398. P.).

46 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 67-68.

47 Idem, ibidem, p. 68.

48 Cf. idem, ibidem, p. 66; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 161.

49 Colecção Armando Carneiro da Silva (Coimbra).

50 Cf. SOARES, E., Dicionário, p. 181.

51 PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel S.ta Isabel, Reina de Portugal”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 184.

52 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 68-69 (Est. XLIII e XLIV).

53 Cf. LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 159.

54 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 71-72.

55 Cf. idem, ibidem, pp. 75-76; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, pp. 160-161.

56 Cf. SOARES, E., Dicionário, p. 181. Integraria igualmente as ilustrações da História de Portugal de Pinheiro Chagas, agora com a legenda: A Rainha Santa Izabel separando os dois exércitos no campo d’Alvalade.

57 Biblioteca Nacional de Lisboa (icon. E. 201 R.).

58 Idem, ibidem (icon. E. 1407 V.).

59 PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel A Rainha Santa Isabel distribuindo esmolas”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 186.

60 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., p. 73.

61 PIMENTEL, António Filipe, “Estampa de la Reina Santa Isabel Sainte Elisabeth de Portug.”, Imagen de la Reina Santa…, vol. I, p. 185.

62 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 76-80; SOARES, E., Dicionário, p. 181.

63 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 80-81.

64 Col. Armando Carneiro da Silva (Coimbra).

65 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 71-72; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 160.

66 Cf. SILVA, A. C. da, ob. cit., pp. 85-88; LIMA, H. C. F., ob. cit., vol. 2, p. 160.

Topo da página

Índice das ilustrações

Título 1. ALFONSO, Diogo, Vida & milagres da gloriosa Raynha santa Ysabel…, Coimbra, João de Barreira, 1560 (xilogravura).
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 244k
Título 2. ROSÁRIO, Frei Diogo do, Histórias das vidas & feitos heróicos & vidas insignes dos sanctos, Braga, António de Mariz, 1567 (xilogravura).
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-2.jpg
Ficheiros image/jpeg, 312k
Título 3. Flos Sanctorum das vidas e obras insignes dos sanctos, Lisboa, Baltazar Ribeiro, 1590 (xilogravura).
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-3.jpg
Ficheiros image/jpeg, 392k
Título 4. MARIZ, Pedro de, Diálogos de Varia Historia…, Coimbra, António de Mariz (buril).
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-4.jpg
Ficheiros image/jpeg, 376k
Título 5. Cornelius Galle, S. Elisabetha Lvsitaniae Regina..., 1621.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-5.jpg
Ficheiros image/jpeg, 296k
Título 6. Petrus de Iode, Sancta Elisabeth, 1660-70.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-6.jpg
Ficheiros image/jpeg, 240k
Título 7. Domenico Duprà/Hieronymus Rossi, Dionysius I, Lusitaniae Rex et. Elisabetha coniux, 1791.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-7.jpg
Ficheiros image/jpeg, 216k
Título 8. Sebastianus Conca/Hirenomymus Rossi, S. Elisab. Reg. Portug., 1730.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-8.jpg
Ficheiros image/jpeg, 280k
Título 9. Manuel Dias de Oliveira, Fatto milagrozo de Santa Isabel Rainha de Portugal, 1798.
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-9.jpg
Ficheiros image/jpeg, 480k
Título 10. Carlos Legrand, Santa Isabel, Reina de Portugal, século XIX (2.º terço).
URL http://cultura.revues.org/docannexe/image/358/img-10.jpg
Ficheiros image/jpeg, 545k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

António Filipe Pimentel, « A representação gravada da Rainha Santa Isabel: política e devoção  », Cultura, Vol. 27 | 2010, 83-103.

Referência eletrónica

António Filipe Pimentel, « A representação gravada da Rainha Santa Isabel: política e devoção  », Cultura [Online], Vol. 27 | 2010, posto online no dia 04 Dezembro 2013, consultado a 23 Março 2017. URL : http://cultura.revues.org/358 ; DOI : 10.4000/cultura.358

Topo da página

Autor

António Filipe Pimentel

Licenciado em História, variante de História da Arte, em 1985, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, obteve também aí o grau de mestre em História Cultural e Política da Época Moderna, em 1991, com a dissertação intitulada Arquitectura e Poder: o Real Edifício de Mafra, galardoada com o Prémio Gulbenkian de História da Arte 1992/04 e há muito editada; prestou provas de doutoramento em 2002, com a dissertação A Morada da Sabedoria. I – O Paço Real de Coimbra: das origens ao estabelecimento da Universidade, publicada em 2005. Desde 1986 que é professor do respectivo Instituto de História da Arte, de que é também, presentemente, Director, exercendo igualmente, desde 2007, as funções de Pró-Reitor da Universidade para o Património. O seu trabalho tem incidido, fundamentalmente, sobre a arte barroca portuguesa, em diversos domínios, mas o seu interesse pelos mecanismos de representação do poder levou-o a centrar os seus estudos no âmbito da arquitectura áulica e palaciana (como obra-de-arte- -total), que tem procurado delimitar enquanto área científica, que projecta para uma necessária diacronia, ao mesmo tempo que impõe uma nova metodologia, necessariamente transversal, no que respeita ao modo de fazer História da Arte. Académico correspondente nacional da Academia Nacional de Belas Artes, membro da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa e membro permanente do Júri do Prémio Dr. Vasco Valente de artes decorativas e do Círculo Dr. José de Figueiredo do Museu Nacional de Soares dos Reis (Porto), conta com mais de meia centena de trabalhos publicados, a grande maioria em prestigiadas publicações científicas nacionais e estrangeiras ou catálogos de exposições, em Espanha, França, Inglaterra, Bélgica, Alemanha, Polónia, Eslováquia, Eslovénia e Brasil.
Graduate in History, in the area of the History of Art in 1985 at the Faculdade de Letras of the Universidade de Coimbra, where he also earned a Master’s degree in Cultural and Political History of the Modern Era in 1991 with a dissertation entitled Arquitectura e Poder: o Real Edifício de Mafra, (Architecture and Power, the Royal Mafra Building), awarded the 1992/94 Gulbenkian Prize for the History of Art. He submitted his doctoral work in 2002, with the dissertation A Morada da Sabedoria. I – O Paço Real de Coimbra: das origens ao estabelecimento da Universidade (The House of Wisdom. I - The Royal Palace of Coimbra: from its origins to the foundation of the University), published in 2005. He has been a Professor at the respective Institute of Art History since 1986, of which he is also currently Dean, as well as carrying out the duties of a Pro-Rector of the University, being responsible for Patrimony. His work has mainly been concentrated on Portuguese baroque art, in various domains, but his interest in the mechanisms of the representations of power would lead him to centre his studies on noble and palatial architecture (as a total-work-of-art), which he has sought to delimit as an academic area, which projects towards a necessary diachrony, whilst at the same time establishing a new, necessarily cross-disciplinary methodology, regarding the way in which the History of Art should be carried out. He is a national academic correspondent for the National Academy of Fine Arts, a member of the Academic Committee of the Portuguese Catholic University and a permanent member of the jury which awards the Dr. Vasco Valente Prize for decorative arts, for the Círculo Dr. José de Figueiredo of the Soares dos Reis National Museum. He has published more than fifty published articles, mostly in prestigious national and international journals or in exhibition catalogues in Spain, France, England, Belgium, Germany, Poland . Slovakia, Slovenia and Brazil.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org