Navegação – Mapa do site
O Tempo das Revistas

Em torno dos periódicos femininos

On women’s periodicals
Teresa Salvador
p. 95-117

Resumos

O texto é campo de confluência de algumas preocupações: uma, a necessidade de dissociar a imprensa periódica feminina da conotação negativa decorrente da sua classificação em petite presse; outra, a de esclarecer a natureza dos periódicos femininos e acertar uma designação ou distinguir as possíveis designações; outra ainda, a de afirmar o poder e os limites desta imprensa, independentemente de reproduzir estereótipos tradicionais ou propor novos papéis para as mulheres em regime de igualdade de oportunidades. Nesta abordagem geral inclui-se uma listagem de periódicos que vai de 1807 a 1974.

Topo da página

Texto integral

1. Primeira questão: valorizar

  • 1 Ao usar-se o termo “revista” está-se a ceder, tão-só momentaneamente, à designação comum, que não é (...)
  • 2 As mais antigas temáticas substantivas são o direito eleitoral e a instrução. Para o primeiro cas (...)

1As revistas femininas1 não são o género menor de uma espécie. Para o reconhecer, basta atender à crítica situacional e às propostas reformistas de certos artigos, entre os quais os dedicados ao sufragismo, ao divórcio, à educação e à formação profissional2, artigos de provocação e resistência, que mobilizaram o público para o debate de ideias e que constituem, no seu todo, um legado de posições em confronto, com múltiplas variações. As revistas femininas são, como quaisquer revistas, plataformas de fixação de ideias e, por conseguinte, suportes incontornáveis para a história das mentalidades e dinâmicas sociais, de modo que esta não se sistematiza inteiramente sem as incluir e tomar como fonte de estudo.

  • 3 O seminário foi dedicado ao século XIX português. Cf. Leal, Ivone, Um Século de Periódicos Femini (...)

2A constatação de tal condição de imprescindibilidade contrasta com a situação de geral desconsideração a que têm estado sujeitas. Esta situação foi confirmada e exposta por Vitorino Magalhães Godinho durante um seminário por ele orientado na Universidade Nova de Lisboa, em 1979, tendo então sugerido a inventariação dos periódicos femininos. Ivone Leal, que informa sobre o caso, acolheu a sugestão e procedeu ao arrolamento de periódicos3, resultando o livro Um Século de Periódicos Femininos: Arrolamento de periódicos entre 1807 e 1926. No livro colocam-se duas questões que de modo algum são despiciendas: uma, qual a datação a ter em conta para o fecho do arrolamento?; outra, qual o critério de selecção dos periódicos? Atenda-se a cada uma delas.

  • 4 Idem, p. 12. Correio das Modas, de 1807 [Lisboa], é tido pela autora como “o primeiro periódico c (...)
  • 5 O livro em causa é: Rocha, Clara, Revistas Literárias do Século XX em Portugal, Lisboa, Imprensa (...)
  • 6 De António Nóvoa, indicam-se dois títulos: Nóvoa, António, A Imprensa de Educação e Ensino. Reper (...)
  • 7 Um exemplo: Nunes, Fátima, Imprensa Periódica Científica (1772-1852). As leituras de “sciencia ag (...)

3O ano de 1807 corresponde naturalmente ao lançamento de Correio das Modas, considerado pela autora como “o primeiro periódico conhecido”, ao passo que, fosse qual fosse a data a fixar no final do século XIX ou no início do século XX para o fecho do levantamento a efectuar, ela não deixaria de ser artificialmente imposta. Neste período não se registaram rupturas no paradigma editorial nacional ou acontecimentos políticos com impacte nas concepções e práticas editoriais. Assim, desobrigada de assumir datas, Ivone Leal resolveu lucidamente a questão com a indicação do ano de introdução da censura em Portugal – 1926 –, por sinalizar uma descontinuidade na liberdade de expressão. Esta delimitação temporal permitiu obter uma primeira periodização, tomada como referência para efeitos de organização e estudo. Quanto à questão do critério de selecção, a autora optou por excluir, sem ser demasiado segregadora, os periódicos que não se dedicavam expressamente às mulheres ou se limitavam à “publicação de figurinos, desenhos, moldes ou músicas”4. O recurso a tal critério visou criar um corpus autónomo mediante o reconhecimento da especificidade das matérias abordadas. Deste modo, coube a Ivone Leal demarcar um sector da imprensa periódica como campo de estudo, na continuidade da linha avançada por Clara Rocha5 para as revistas literárias do século XX e depois seguida por António Nóvoa e Justino Magalhães6 para a imprensa escolar dos séculos XIX e XX, entre outros de outras áreas do saber7.

4O critério de selecção estabelecido por Ivone Leal afigura-se pertinente, não pela evidente perspicácia intrínseca nem pela notória capacidade resolutiva, antes por remeter para o problema da vulnerabilidade deste tipo de publicação, associando-o a dois preconceitos, precisamente a frivolidade e a futilidade. Um e outro configuram acusações recorrentes: frivolidade pelo tratamento escrupuloso dado a assuntos irrelevantes ou, pelo contrário, pelo tratamento indiferente dado a matérias importantes; futilidade pela falta de sentido dos discursos, o que ridicularizava ou conferia indignidade a quem os assinava. Daí impor-se tantas vezes o cuidado em obscurecer a revelação do nome, sendo frequente o uso, quase lúdico, de pseudónimos, anagramas, acrósticos ou conjuntos de iniciais, cuja eficácia dependia da resistência à decifração.

  • 8 As secretárias de redacção eram Albertina Paraíso e Virgínia Quaresma. Para o conhecimento da act (...)
  • 9 Cf. Vida Feminina. Revista Semanal da Mulher e para a Mulher, p. 1. Procedeu-se sempre à actualiz (...)

5O problema da vulnerabilidade, decorrente do predomínio de ideologias sexistas enraizadas, transversalizadas e internalizadas, tanto afectava os artigos dedicados à moda, quanto os artigos de conteúdo político: os primeiros, por serem considerados próprios das mulheres ou conformes à sua natureza; os segundos, por lhes serem impróprios ou estarem desajustados do papel social convencionado, naturalmente politicofóbico. Tal mentalidade contribuiu para inferiorizar a imprensa feminina perante a imprensa em geral que ganhara, por razões várias, uma forte consciência do valor de si mesma. Todavia, nem sempre os ataques depreciativos vinham do exterior. Muitas vezes constituíam-se e assumiam-se no interior do núcleo editorial, independentemente de os responsáveis serem homens ou mulheres. Ilustrativo é o texto de apresentação de Vida Feminina. Revista semanal da mulher e para a mulher, supostamente escrito por uma das secretárias de redacção8, onde se esclarece o público leitor sobre a natureza da revista: espaço “onde a mulher se sente mulher e onde a futilidade feminina, que é afinal a Vida, é tratada com algum carinho e sem política nenhuma”9.

  • 10 Trata-se do segundo periódico feminino publicado em Lisboa, de 22 de Fevereiro a 7 de Março de 18 (...)
  • 11 Considera-se ser o terceiro periódico feminino: semanário publicado em Lisboa, de 29 de Novembro (...)

6Ao contrário do que acima se possa ter feito supor, a inferiorização não era participada por todos e nem toda a imprensa feminina se apresentava acomodada à imagem idealizada do “belo sexo”, compreendida entre o próprio e o impróprio. Também se apresentou extrovertida, combativa e decidida a permanecer no espaço informativo, equacionando os problemas da mulher e da sociedade, juntando a vida privada com a pública e harmonizando valores. Dois efémeros periódicos exemplificam a diversidade de posicionamentos, ambos publicados em Lisboa no ano de 1822: um, O Toucador. Periódico sem política dedicado às senhoras10, dirigido e redigido por Almeida Garrett e Luís Francisco Midosi; outro, Gazeta das Damas11, propriedade de Caetano António de Lemos e redigido principalmente por três colaboradoras anónimas.

  • 12 Cf. s.a., “Introdução”, O Toucador, Lisboa, 1993, p. 27. Excluídas a política e as altas ciências (...)
  • 13 Cf. s.a., “s.t.”, Gazeta das Damas, 1 (Nov.) 1922, s. p. A mesma intencionalidade está subjacente (...)
  • 14 Idem, s. p.
  • 15 A expressão “ética mínima” corresponde exactamente ao título de um livro de Adela Cortina [Ética (...)

7Na Introdução de O Toucador, declara-se que ficam intencionalmente de fora “as tarefas de politicar e despoliticar”12. E os títulos dos artigos – “Bailes”, “Jogo”, “Modas”, “Namoro”, “Passeios” e “Teatro” – confirmam a mundaneidade da folha garrettiana, motivada e regulada por uma ideologia conservadora e vaporosamente coquette. É notório e óbvio o distanciamento de Almeida Garrett em relação às intelectuais suas contemporâneas. Numa linha editorial diferente, a Gazeta das Damas revela uma intenção formativa, edificante e interventiva, declarando-se uma folha “com política” para instrução das “tão benévolas leitoras dos negócios políticos”13. A invocação da necessidade nacional de aproximação das mulheres à política, pelo menos na qualidade de observadoras e comentadoras, coexiste, no mesmo espaço, com o apelo ao cultivo da domesticidade angélica, como se fosse insignificante e invisível o desacerto das duas mundividências. De facto, se alguns artigos não fazem contenção no uso do tom crítico, irónico e exaltado, outros postulam um ideal de mulher do tipo “companheira doméstica”. Cita-se exemplificativamente: “Dama de um espírito cultivado, e de um coração bem formado, e virtuoso. Eis aqui a companheira, e não a escrava de seu condigno Esposo: Ela satisfaz os seus desejos, e alivia-lhe igualmente as suas penas; recompensa--lhe os seus cuidados, e suaviza a sua sorte por efusões de ternura: a gravidade, a inocência e a modéstia mostrar-se-ão em seu rosto.”14 A dificuldade em considerar, no momento da publicação, a possibilidade de existência de contradição ideológica entre o conteúdo dos artigos e o projecto editorial tipifica bem a imprensa feminina. Além do mais, admita-se, ser “boa filha, boa esposa e boa mãe” era um programa socialmente irrenunciável e politicamente estimável, por colaborar na promoção dos valores civilizacionais acantonados à volta da ideia de Progresso e vinculados ao reformismo liberal. Logo, o programa encaixava bem no modus vivendi familiar, ao mesmo tempo que seguia o espírito moderno, defensor da instrução e intervenção política das mulheres. Poucos foram os periódicos consistentes com a intransigência inerente à legitimidade da cidadania inclusiva e à aplicação de uma “ética mínima”15 baseada na justiça social, proporcionadora de bem-estar comum. A Gazeta das Damas não foi caso de excepção, não obstante a sua presença disruptiva na Lisboa de Oitocentos.

  • 16 No livro de Xosé V. F. Leston, A prensa de mulleres en Galicia (1841-1994), encontra-se a seguint (...)
  • 17 Cf. Lopes, Ana Maria Costa, Imagens da Mulher na Imprensa Feminina de Oitocentos. Percursos de mo (...)

8Para desconstruir preconceitos sobre as revistas femininas e apreciar entre elas as diferenças qualitativas, importa que à inventariação sucedam quer a selecção e análise de temáticas dominantes, quer a contextualização e comparação com outros discursos de época, nacionais e internacionais16. Ivone Leal deixou apenas subentendida esta orientação, posto que o objectivo imediato lhe condicionou o desenvolvimento. A investigação nesta linha foi assegurada por Ana Maria Costa Lopes, subordinando-a ao tema “a imagem da mulher” e limitando-a ao século XIX. Trata-se de um período significativo pelos antagonismos e contradições que modelavam e organizavam a vida das mulheres: por um lado, uma compulsiva fixação no círculo doméstico por contaminação de ideais do Romantismo sofisticado, do naturalismo exagerado e de certo modelo burguês emergente; por outro, uma ostensiva vontade de auto-afirmação pública e de denúncia da desigualdade cívica. Os periódicos, de grande popularidade e variedade em Oitocentos, contaminados por esses antagonismos e contradições, constituem uma fonte para a recuperação de imagens da mulher: reivindicativas ou subordinadas; frívolas e fúteis ou reflexivas e activas; instrumentalizadas ou desprezadas. Da investigação de Ana Maria Costa Lopes resultou o livro Imagens da Mulher na Imprensa Feminina de Oitocentos. Percursos de modernidade17, imprescindível leitura para compreender a configuração de estereótipos e correlacionar essas interpretações tópicas com as mundividências da época.

  • 18 Não são as únicas detentoras de elementos comprovativos, mas para o presente estudo elas são as a (...)

9Ivone Leal e Ana Costa Lopes18 comprovaram que os periódicos femininos não são um género menor, quer como produto de imprensa, quer como fonte de investigação. Existe substância de pesquisa resultante dos posicionamentos pluralistas e críticos tomados com a participação nos debates da época.

2. Segunda questão: classificar

  • 19 Cf. Lopes, Ana Maria Costa, Imagens da Mulher na Imprensa Feminina de Oitocentos. Percursos de mo (...)
  • 20 A Voz Feminina. Jornal semanal, científico, literário e noticioso exclusivamente colaborado por s (...)
  • 21 O Progresso. Jornal semanal político, literário e noticioso, continuação de A Voz Feminina. Foi p (...)
  • 22 A Ilustração Feminina. Semanário d’Instrução e recreio dedicado ao sexo feminino e redigido por v (...)

10A leitura dos livros das duas autoras e a consulta de alguns periódicos femininos colocaram uma questão de ordem prática: no conjunto dos periódicos, como diferenciar revistas e jornais? A questão surge quando Ana Maria Costa Lopes refere, sem qualquer explicação, A Voz Feminina, O Progresso e A Ilustração Feminina como revistas19. Ora, as duas primeiras apresentam-se no subtítulo como jornais: A Voz Feminina. Jornal semanal, científico, literário e noticioso exclusivamente colaborado por senhoras: dedicado a ilustração das senhoras20; O Progresso. Jornal semanal político, literário e noticioso21. O terceiro periódico assume-se apenas como semanário: A Ilustração Feminina. Semanário d’instrução e recreio dedicado ao sexo feminino e redigido por várias senhoras e cavalheiros22. Da consulta de sessenta e uma publicações do século XIX (ver Anexo: Lista de periódicos femininos), verificaram-se duas situações: grande variabilidade na designação subtitulada, desde jornal, revista, semanário, periódico, publicação e incluindo folha; omissão da referência à categoria. A designação “revista” apenas se regista em Jornal das Damas. Revista de literatura e moda, de 1865-1879, A Mulher. Revista de família, de 1883-1885, e em A Jóia. Revista quinzenal literária, de 1887. O primeiro caso é deveras curioso por se reconhecer com dupla identidade, mas, comparando os três entre si e estes com os restantes periódicos de tipo jornal, não se detectam traços distintivos específicos e identificadores suficientes para extrair critérios de decisão.

  • 23 Cf. Silva Pereira, “Jornais para as damas, Semanal das Musas, Jornal dos Amores ou as Calovriadas (...)
  • 24 Cf. José Tengarrinha, História da Imprensa Periódica Portuguesa, Lisboa, Portugália Editora, 1965 (...)

11O jornalista Silva Pereira, que em 1883 analisou vários periódicos femininos em cinco artigos publicados na revista A Mulher, classificou-os a todos como jornal. Afirma: “Entre os jornais portugueses que em diversas épocas têm sido dedicados e oferecidos à mulher encontram-se alguns que tiveram vida efémera, outros que passaram por não poucas modificações e vicissitudes sem contudo se lhes alterar a índole, outros finalmente que foram bafejados pelas auras da estima pública, dando-se perfeitamente no santuário da família, sendo os enlevos da mamã e lidos com avidez pelas filhas”23. Sendo Silva Pereira um estudioso do jornalismo, a uniformidade tipológica atribuída aos periódicos femininos corresponde ao modo usual de então os classificar – jornal –, tanto mais que já se havia estabelecido alguma distinção entre jornal e revista, segundo José Tengarrinha. O autor de História da Imprensa Periódica Portuguesa informa: “(…) foi o grande desenvolvimento da imprensa periodista em Portugal no 2.º quartel do século XIX que tornou possível e necessária a separação entre o jornal e a revista, não especialmente diferenciados pela periodicidade, mas pelas matérias que os constituíam e pela maneira de as desenvolver”24. Consultando os periódicos femininos, reconhece-se formato comum, paginação aproximada, arranjo gráfico similar e conteúdo afim, preenchido por notícias e artigos. A transferi-los da categoria “jornal” para a de “revista”, ter-se-á de decidir, pelos critérios de Tengarrinha, se as matérias e o seu desenvolvimento, independentemente da novidade veiculada, da polémica suscitada ou mantida e da qualidade reflexiva incorporada, resultam ou não de processos de investigação com referenciais teóricos explícitos, quer sobre questões pertinentes, quer sobre problemas teóricos ou práticos. Esta grelha de malha apertada aplica-se bem para distinguir artigos académicos de artigos jornalísticos, ou seja, peças de construção discursiva reactiva, mais ou menos imediata, e com procedimentos argumentativos de impacte público moderado ou arrasador. Ora, o que se encontra nos periódicos femininos configura o artigo jornalístico e não o outro. A verdade, poder-se-á argumentar, é que nem todas as revistas são académicas, por conseguinte, os artigos também não, e Tengarrinha refere-se a eles. Nesse caso, mantendo a mesma linha de raciocínio, replicar-se-á que certos artigos jornalísticos são tão elaborados e ponderosos quanto os das revistas não-académicas. Logo, a diferença não é significativa, como Tengarrinha considerou. Ainda assim, como encontrar justificação para a adopção da designação “revista” para as três publicações mencionadas por Ana Costa Lopes?

  • 25 Cf. Clara Rocha, Revistas Literárias do Século XX em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da (...)

12Tome-se uma outra via para elucidação. Clara Rocha, que investigou a fundo as revistas literárias portuguesas do século XX, classificou-as em duas secções: uma que atende ao aspecto material e à periodicidade; outra que aprecia a matéria temática. Ao justificar a primeira secção, compara o jornal e a revista, considerando que aquele é mais efémero, tem maior frequência, dispensa capa, apresenta um formato maior e está obrigado à datação “porque se quer justamente em cima do acontecimento”, seja ele qual for25. Tais características, válidas para as revistas em geral, confirmam, pelas razões acima aduzidas, que os periódicos femininos do século XIX correspondem maioritariamente ao tipo jornal. Todavia, no século XX o apuramento inclina-se a favor da revista. A simples existência de capa, a par de outros elementos menos ostensivos, já ajuda a decidir.

13Na segunda secção, Clara Rocha reparte as revistas por grupos em função da matéria: de entretenimento e informação; culturais; marginais; políticas ou de opinião; artes e letras. A repartição aplica-se legitimamente aos jornais. Seguindo a classificação proposta, pode-se dizer que os jornais femininos do século XIX e inícios do século XX são sobretudo de convivência e informação utilitária (saúde, tarefas domésticas, educação, etc.), apresentando secções pequenas e variadas (notícias, rubricas de opinião, textos literários, moda, charadas), favorecendo a assimilação de dados com função prestativa no quotidiano doméstico e na criação de ambiente familiar, ou seja, promovendo a inserção da mulher no lar. A dimensão política ou cultural coexiste variavelmente em muitos.

14A partir de 1926 e até 1974, preferiu-se a modelação do periódico em revista e boletim, neste caso se figurasse como órgão de uma associação com vínculo ao Estado Novo. O suplemento e a exclusividade da carga ideológica fizeram dos periódicos os mediadores entre a produção da informação consentida e o consumo da informação disponibilizada. Nada obsta a incluir alguns no grupo ”política e opinião”.

15Em suma, para o século XIX é difícil argumentar a favor da troca de designação (jornal para revista) e nem se vê qualquer vantagem nisso. De modo algum os artigos ficam diminuídos em pregnância na afirmação da identidade pública das mulheres ou perdem pragmatismo na intenção de dar a conhecer abertamente tal identidade. Porque não designá-los por jornal, o termo que geralmente ostentam, ou simplesmente por periódico?

3. Terceira questão: poderes e limites

  • 26 Trata-se de uma definição abrangente tomada para efeitos de trabalho, cuja referência filosófico- (...)

16Quer o livro de Ana Costa Lopes, quer o de Ivone Leal induzem a considerar a importância da escrita jornalística na revelação da realidade que se é, se conhece e se constrói. Encontram-se muitos artigos em que a escrita se assume como instrumento de poder, permitindo dizer em público o que se quer dizer, e como instrumento do poder, obstaculizando dizer em público o que se gostaria de dizer ou dizendo tão-só o que o poder quer que seja dito. Ambas as autoras advertem para a multiplicidade de vozes femininas, umas afinadas, outras desafinadas com os vários discursos epocais, mas que no seu conjunto serviram o intuito, como refere Helena Konig, de “quebrar com os actos monológicos da razão masculina” (p. 209). Uma questão desponta aqui: como é que se foi legitimando a escrita do sujeito feminino, sexualmente diferenciado? Sem desprezar as determinantes históricas, sociais e económicas, sem dúvida que a escrita periódica se legitimou na medida em que o conceito de feminismo, um conceito de identidade, ganhou expressão e multiplicou as suas expressões. Em termos gerais, o feminismo corresponde a “la primera forma de identidad pública que las mujeres, ante una aguerrida minoría y, posteriormente, en grupos cada vez más extensos, se han otorgado desde el fin del siglo XVII”26. A identidade dá-se a conhecer pela voz e é mediante a escrita que as mulheres têm voz pessoal e pública. Ter voz significa conceber a vida agregada à coisa pública e, de certa maneira, bordejar o poder. Quatro ideias se configuram aqui em articulação:

17• primeira, o feminismo é correlato do processo de autoconsciencialização da condição da mulher;

18• segunda, a escrita, como registo da voz identitária, tem importante papel ilocutório cívico;

19• terceira, a tipicidade do feminismo está na sua vinculação à “coisa pública”, não obstante a variedade de manifestações e filiações;

20• quarta, o repúdio do feminismo tem consequências emancipatórias negativas pela retracção política provocada.

  • 27 Noticiosas eram as manifestações sufragistas promovidas pela inglesa Emmerline Pankhurst (1858- - (...)
  • 28 O termo “feminina” tem uma conotação negativa por corresponder à internalização do ideal feminino (...)

21Não é, pois, inconsequente optar-se por ser feminista, posição de vanguarda, ou por ser feminina, posicionamento mais conservador. Quando no século XIX e até meados do XX se repudiava o termo “feminista”, numa compreensível demarcação da sua expressão violenta27 e num deliberado afastamento das correntes políticas que a ele se associavam, e quando se tomava reactivamente a designação “feminina”28, a dimensão cívica perdia força reivindicativa no espaço público e provocava retracção política. Ora o esvaziamento da dimensão cívica gerava uma situação artificial e errática, dado que o horizonte ético onde pontuavam a igualdade entre os sexos e a emancipação jurídica e económica da mulher se desgarrava da acção reivindicativa cujo principal objectivo visava, em última instância, a participação e influência nas decisões governativas.

  • 29 A Assembleia Literária. Jornal d’instrução foi publicado em Lisboa entre 4 de Agosto de 1849 e 15 (...)
  • 30 Cf. Antónia Luísa Pontes Cabral, 4 de Agosto de 1849, p. 1.
  • 31 Órgão do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, Alma Feminina. Jornal de Instrução foi publi (...)
  • 32 Idem, p. 1.

22A dificuldade em optar por um ou outro conceito também se prende com o facto de o feminismo demorar a consolidar-se epistemologicamente, o que permitiria eliminar confusões conceptuais e vigiar eventuais contradições. Os periódicos do século XIX e de quase todo o século XX podem mostrar a relação entre a confusão dos posicionamentos e a inconsistência conceptual. Em A Assembleia Literária. Jornal d’instrução29, primeiro periódico fundado, pertencente e dirigido por uma mulher – Antónia Pusich –, a infirmeza conceptual é evidente. Como escreve uma das colaboradoras em tom assertivo, trata-se de um “jornal redigido pelo espírito feminil” que investe na luta “pela nossa liberdade e pelos sagrados direitos que a sociedade nos tolhe”30. O suplemento de carga reivindicativa permite afirmar que o termo “feminil” é correlato de feminista. Porém, em Alma Feminina, boletim oficial do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas publicado entre 1917 e 1946 – “jornal de mulheres e feito por mulheres” –, declara-se no editorial que o feminismo “não quer roubar a mulher à família mas reivindica para ela direitos sociais mais extensos e complexos”31. E, por não querer ser exclusivamente feminista, integra actividades domésticas mais sofisticadas em secções como a moda e a ménagère, a literatura, a ciência, a vida social, a arte. Os motivos concretos, a vida real e os factos estão na base de uma doutrinação aparentemente neutra: “calmamente, sem intentos de revolução, sem impulsos e sem necessidade de nos encostarmos a qualquer doutrina político-religiosa”32. O programa editorial não vai além da razoabilidade moderada, sem determinação para recusar qualquer ordem de restrição interventiva e para defender a decisão pela própria vida.

  • 33 Cf. Francisca Wood, “Declaração”, A Voz Feminina, 35 (Set.) 1868, p. 1.
  • 34 Cf. Ivone Leal, Um Século de Periódicos Femininos. Arrolamento de periódicos entre 1807 e 1926, L (...)

23Notável na crítica à homogeneidade e ao simbolismo do paradigma estruturante da humanidade é A Voz Feminina. O título exprime a estratégia adoptada: dar voz às mulheres através da escrita e deste modo mantê-las presentes no espaço público. A expectativa potenciada pela dimensão política é imensa. Vale a pena transcrever esta significativa passagem: “Porque não poderão as senhoras escrever tão bem ou tão mal como os homens? Estamos a meados do século XIX e ainda não lhes parece isso possível? As tolas e os tolos; as ignorantes e os ignorantes ou não escrevem ou escrevendo descrevem-se; ambos dizem tolices, ambos ostentam a sua falta de saber: as sensatas e os sensatos, as instruídas e os instruídos reproduzam-se como tais nos seus escritos. O sexo não influi nisso, mas sim o grau de talento com que nos achamos dotados e a cultura das nossas faculdades intelectuais. Acostumem-se, meus senhores e senhoras que duvidam, a crer que a instrução e as ideias que se adquirem estudando em diferentes países, as diferentes fases da família humana equiparam a mulher ao homem”33. A Voz Feminina, considerado por Ivone Leal como “o primeiro jornal feminista surgido na Europa”34, apostou na constituição de ideais de cidadania inclusiva e tomou um sentido de eficácia e de serviço cívico exemplar no jornalismo nacional. O jornal criou imensa expectativa, potenciada pela dimensão política e novidade. Incomodou e foi extinto.

  • 35 Cf. Amália Vaz de Carvalho, “Correspondência”, A Voz Feminina, 25 (Set.) 1868, s.p. Resposta de F (...)
  • 36 Cf. Virgínia Dias, “Maria Amália Vaz de Carvalho”, in Zília Osório de Castro e João Esteves, Dici (...)

24A falta de apoio, ou o apoio retirado ao jornal, prende-se com as diferentes concepções de ser feminista, quer dizer, de ter consciência da condição da mulher: uma, conservadora, interpreta o feminismo como uma manifestação com vista a reivindicar e assumir os direitos e deveres inerentes ao papel de esposa e mãe: outra, radical, interpreta-o como acção reivindicativa de direitos e deveres iguais entre os seres humanos. O jornal de Francisca Wood provocou a reacção das mulheres vinculadas ao feminismo conservador, entre elas Maria Amália Vaz de Carvalho. Criticou-lhe o despropósito de ter voz pública, desafiante, esgrimista e invasora do espaço de influência e exercício do masculino poder político: “(…) o jornal, enfim, deve ser masculino, exclusivamente masculino, porque só os homens têm o espírito positivo que este género demanda”35. Quer uma quer outra, pela reacção e contra-reacção, foram legitimando a escrita do sujeito feminino como forma de sustento, e ambas sabiam que a escrita jornalística criava a oportunidade para a voz das mulheres se instalar publicamente. Maria Amália Vaz de Carvalho, que “rejeitou os ideais de emancipação igualitária das mulheres, atacou o divórcio e negou a legitimidade do outorgamento do direito de voto às mulheres”36, só poderia, por coerência, condenar; Francisca Wood só poderia fazer o que fez.

  • 37 Quarenta e seis anos mais tarde, escrevia-se em Alma Feminina, Boletim Oficial da Comissão Nacion (...)

25Os periódicos femininos foram (e são) mediadores das vozes das mulheres e dos modos de participação na vida pública37.

Parágrafo conclusivo

26Que importa explorar e sistematizar temas, imagens e ideias disseminadas pela escrita jornalística da autoria de mulheres em periódicos femininos, é um dado adquirido. A abordagem que se realizou, embora preocupada em dilucidar questões prévias, afirma o potencial investigativo dos periódicos femininos, aliás confirmado pelas três dissertações académicas realizadas no espaço luso-brasileiro. Dois pontos a reforçar, para terminar: os periódicos têm legitimidade como objecto de estudo e deixam em aberto a possibilidade de uma leitura intertextual que faça emergir as diversas vontades de afirmação de um colectivo desdobrado em muitas gerações.

Topo da página

Anexo

Anexo

A Imprensa Feminista (1807-1974)

Lista de periódicos inventariados

N.º

Anos

Periódicos

Localidade

1

1807

Correio das Modas

Lisboa

2

1822

Gazeta das Damas

Lisboa

3

1822

O Toucador

Jornal sem política destinado às senhoras portuguesas

Lisboa

4

1823

Diálogo de Duas Velhas

As mulheres que são da antiguidade ao modernismo falam verdade

Lisboa

5

1823

Eugénia

Dedicado às damas

Lisboa

6

1823-1824

Periódico das Damas

Semanal

Lisboa

7

1836

1840-1843

1844-1853

L’ Abeille

Lisboa

8

1836

Colecção de Novas Modinhas

Para honesto recreio das madamas e apaixonadas do harmonioso canto

Lisboa

9

1836

Semanal das Musas

Poesias feitas ou coleccionadas por M. C. A. e Silva

Lisboa

10

1836

Tardes de Verão ou o Divertimento das Damas

Lisboa

11

1836-1846

1849-1852

O Correio das Damas

Ed. de modas. Semanal

Lisboa

12

1837

Jornal dos Amores ou as Calovriadas de Coimbra

Lisboa

13

1838-1839

1842

O Beija-Flor

Semanário de instrução dedicado ao belo sexo

Lisboa

14

1839

Recreio Teatral

Dedicado ao belo sexo

Lisboa

15

1839

O Romancista

Jornal de recreio. Dedicado em especial ao belo sexo

Lisboa

16

1839

Pax Julia

Dedicado à Comissão de Senhoras que promove o bazar em benefício da Soc. Teat. Bejense. Número único

Beja

17

1840

A Rosa Oferecida às Belas

Lisboa

18

1842

O Toucador das Damas

Hebdomário literário

Lisboa

19

1845

O Jardim das Damas

O Jornal do Tom

Lisboa

20

1849

O Mundo às Avessas

Semanário do belo sexo

Lisboa

21

1849-1851

A Assembleia Literária

Jornal d’ instrução

Lisboa

22

1850-1851

O Judeu Errante

Jornal de modas e de literatura amena dedicado às senhoras; Jornal de modas dedicado às senhoras

Lisboa

23

1851

A Açucena

Jornal de modas e literatura

Lisboa

24

1851

A Quinzena

Literatura, modas e teatros

Lisboa

25

1852-1855

A Beneficência

Jornal dedicado à Associação Consoladora dos Aflitos

Lisboa

26

1853-1862

O Mensageiro das Damas

Jornal de modas

Lisboa

27

1856

O Interessante

Jornal de segredos

Braga

28

1856

Almanaque das Damas para o Ano de 1856 (Bissexto). Dedicado às assinantes do Mensageiro das Damas

Lisboa

29

1858-1859

A Cruzada

Jornal religioso e literário

Lisboa

30

1858-1860

Mundo Elegante

Periódico das modas, literatura, teatros, belas-artes, etc.*

* A 2.ª série de Mundo Elegante intitula-se O Mundo Elegante, Vila Nova, 1960.

Porto

31

1860

A Moda Portuguesa

Porto

32

1862

Emancipação da Mulher

Porto

33

1862-1863

Hinos e Flores

Coimbra

34

1862

Mensageiro das Damas

Jornal de literatura e modas

Lisboa

35

1863

Recreio das Damas

Oferecido às damas portuguesas de toda a Índia

Nova Goa

36

1863-1865

Boudoir

Crítica, teatros, música, modas, notícias, caricaturas

Lisboa

37

1865

A Esperança

Semanário de recreio literário dedicado às damas

Porto

38

1867-1879

Jornal das Damas

Revista de leitura e modas

Lisboa

39

1867

Flor Literária

Periódico científico, instrutivo, literário e de modas

Lisboa

40

1868

A Ilustração Feminina

Semanário de instrução e recreio dedicado ao sexo feminino

Lisboa

41

1868-1869

A Voz Feminina

Jornal seminal científico, literário e noticioso. Exclusivamente colaborado por senhoras

Lisboa

42

1869

O Progresso

Jornal político, literário e noticioso

Lisboa

43

1870-1890

1928

Almanaque das Senhoras

Lisboa

44

1875

Bouquet Literário

Porto

45

1876

Teatro e Modas

Publicação hebdomadária

Porto

46

1876-1877

A Borboleta

Hebdomadário dedicado às damas bracarenses

Braga

47

1877

Gazeta das Salas

Jornal para as damas

Lisboa

48

1877

Jornal das Senhoras

Publicação diária

Porto

49

1879

O Pirilampo

Folha quinzenal literária e filosófica, dedicada às damas bracarenses

Braga

50

1882

As Damas Portuguesas

Jornal literário

Porto

51

1883

O Elegante

Jornal de modas para homens, senhoras e crianças. Dedicado particularmente aos alfaiates e costureiras

Lisboa

52

1883

O Bouquet

Porto

53

1883

A Mulher

Jornal de modas

Funchal

54

1883-1885

A Mulher

Revista ilustrada da família

Lisboa

55

1884-1885

As Crianças

Jornal de educação dedicado às mães

Lisboa

56

1884-1886

Gazeta Musical

Lisboa

57

1885-1888

Almanaque das Senhoras Portuenses

Porto

58

1885

O Cartão de Visita

Semanário das elegantes

Coimbra

59

1885

Beja-Creche

Número único. Publicado pela comissão da creche e dedicado às senhoras que a têm coadjuvado

Beja

(2.ª ed. Coimbra)

60

1886

O Bouquet

Porto

61

1886

A Mocidade

Semanário de instrução e de recreio dedicado às damas portuguesas

Porto

62

1886

O Sinapsismo

Jornal em prosa e verso

Ponta Delgada

63

1886

A Pátria

Periódico destinado às costureiras

Porto

64

1886-1887

Lisboa Elegante

Contos, versos, teatros e bailes

Lisboa

65

1887

A Arte

Semanário literário dedicado às damas reguenses

Régua

66

1887

O Bocage

Semanário literário, científico e noticioso

Lisboa

67

1887

O Cisne

Semanário literário, noticioso e charadístico dedicado às damas lamacenses

Lamego

68

1887

A Corbeille

Semanário literário d’instrução e recreio, dedicado às damas portuenses

Porto

69

1887

O Escalpelo

Semanário literário e de crítica imparcial

Lisboa

70

1887

A Grinalda

Semanário literário, científico, noticioso e charadístico. Dedicado às Exmas. damas desta cidade

Elvas

71

1887

A Jóia

Revista quinzenal de literatura dedicado às damas vimaranenses

Guimarães

72

1887

O Mundo Elegante

Mensageiro semanal de modas e bom tom. Dedicado às senhoras portuguesas e brasileiras

Paris

73

1887

A Rosa

Publicação quinzenal literária. Dedicada às damas portuguesas

Porto

74

1888

O Dedal

Quinzenário noticioso e literário dedicado às costureiras

Porto

75

1889

O Agulheiro

Destinado às costureiras

Porto

76

1889

O Alfinete

Semanário humorístico destinado às costureiras

Porto

77

1890

Gazeta das Salas

Periódico literário dedicado às damas portuguesas e brasileiras

Lisboa

78

1890

A Pérola

Semanário literário destinado às Exmas. damas desta cidade

Elvas

79

1890

A Religião da Mulher

Jornal noticioso e auxiliador do professorado

Albergaria--a-Velha

80

1893

A Tesoura

Semanário humorístico. Órgão das costureiras

Porto

81

1893

O Mundo Musical

Jorna das damas portuguesas e brasileiras. Anunciador da moda

Lisboa

82

1894

O Boletim da Moda

Revista dos Armazéns Grandela

Lisboa

83

1894

O Jornal das Damas

Porto

84

1894-1985

A Estação de Paris

Revista de modas, literatura, elegância e bom tom

Lisboa

85

1895

A Utilidade

Revista de interesse da economia doméstica

Lisboa

86

1896

A Crónica

Suplemento à Estação de Paris

Lisboa

87

1896

Jornal das Senhoras

Semanário ilustrado colaborado por damas

Lisboa

88

1897

A Moda Elegante

Paris e Lisboa

89

1899-1900

Ave Azul

Viseu

90

1902

Jornal das Senhoras

Publicação trissemanal ilustrada

Lisboa

91

1902-1904

A Sociedade Futura

Publicação quinzenal de literatura, ciência e arte

Lisboa

92

1904

Os Serões das Senhoras

-

93

1904-1905

Jornal das Senhoras

Retratos, biografias, romances, letras e contos, teatro e salões. modas, contos e charadas

Lisboa

94

1906-1910

Jornal da Mulher

(Secção de O Mundo)

Lisboa

95

1907-1908

Alma Feminina

Lisboa

96

1909-1911

A Mulher e a Criança

Revista quinzenal ilustrada

Lisboa

97

1910

A Violeta

Dedicada às senhoras e meninas de Castelo de Vide

Castelo de Vide

98

1910

O Jornal da Mulher

Revista quinzenal ilustrada

Lisboa

99

1910

Mosaico Feminino

Coimbra

100

1911-1918

A Madrugada

Propriedade da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas

Lisboa

101

1912

Em Homenagem a Ana Pereira

Número único

Lisboa

102

1912

A Mulher Livre

Centro da Mocidade Republicana Intransigente

Número único

Braga

103

1912

A Mulher Livre

Revista mensal educativa. Órgão da Associação de Propaganda Feminista

Lisboa

104

1912-1913

A Mulher Portuguesa.

Revista mensal educativa

Associação de Propaganda Feminista

Lisboa

105

1913

Educação Feminista

Quinzenário literário, científico e artístico

Lisboa

106

1914

A Guerra

Lisboa

107

1914

1915

Parisiana

Revista Ilustrada de elite e literatura, arte e música

Porto

108

1914-1917

Boletim Oficial do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas

Lisboa

109

1915

A Vida Elegante

-

110

1915-1918

A Semeadora

Associação de Propaganda Feminista

Lisboa

111

1917

Moda Elegante

Enciclopédia da mulher

Lisboa

112

1917-1946

Alma Feminina

Boletim oficial do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas

Lisboa

113

1921

A Mulher Médica na Família

Revista quinzenal ilustrada

Lisboa

114

1922

A Rainha da Moda

Figurino Português da Grande Moda de Paris

-

115

1925

Estrela

Órgão do Comité Nacional das UCMF

Porto

116

1925

Eva Magazine

Jornal da mulher e do lar

Lisboa

117

1925

A Moda

Jornal para senhoras

Lisboa

118

1925

Vida Feminina

Revista mensal da mulher para a mulher

Lisboa

119

1925-1927

Mulheres do Norte

Mensário de arte e literatura

Porto

120

1926

Femina

Literatura, arte e moda

Lisboa

121

1930

Portugal Feminino

Lisboa

122

1931

Fémina

Arte e moda

Lisboa

123

1932

Feminismo

Órgão do Instituto de Higiene Física

Lisboa

124

1946-1947

A Mulher

Órgão do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas

Lisboa

125

1942-1958

1964

Os Nossos Filhos

Mensário de puericultura, enfermagem, psicologia, educação, vida escolar, literatura, moda infantil, etc.

Lisboa

126

1944-1952

Boletim da Associação Feminina Portuguesa para a Paz

Lisboa

137

1955

Cinderela.

Revista para mulheres

Lisboa

128

1956

Crónica Feminina

Lisboa

129

1957

Ela

Lisboa

130

1957

Jornal Feminino

Porto

131

1959

Almanaque de Crónica Feminina

Lisboa

Observação

A lista apresentada resulta da consulta de dois livros (Ivone Leal, Um Século de Periódicos Femininos. Arrolamento de periódicos entre 1807 e 1926, e Ana Maria Costa Lopes, Imagens da Mulher na Imprensa Feminina de Oitocentos. Percursos de modernidade), de dois dicionários (Dicionário no Feminino. Séculos XIX-XX e Dicionário da Imprensa Periódica Literária Portuguesa do Século XX. 1941-1974)38 e ainda de dois livros de Silva Pereira (Os Jornais Portugueses e Jornalismo Português)39.

Da lista, excluíram-se Moda Ilustrada (Lisboa, 1875), A Moda Ilustrada (Lisboa, 1879) e A Moda (Porto, 1882), pois esgotam-se nesse campo temático.

Incluíram-se periódicos escritos por homens, por homens e mulheres e só por mulheres, de vários tipos e destinados a vários sectores, como, por exemplo, as costureiras, o único grupo profissional com reconhecimento (cf. A Pátria, O Dedal, O Agulheiro, O Alfinete, A Tesoura).

Excluiu-se O Idealista, quinzenário dirigido e editado por Áurea Paes Falcão (A Andorinha), publicado em Odemira entre 15 de Março de 1931 e 19 de Julho desse ano, num total de dez números. A razão é uma só: dirige-se ao público em geral com os objectivos de “Sobretudo Educar”, de evitar questões políticas, religiosas e sobre a igualdade, e de regionalizar (“Do nosso programa consta também um pouco de regionalismo”)40.

Incluíram-se gazetas e almanaques, seguindo o critério de Silva Pereira.

No Relatório das Publicações Periódicas Portuguesas de 1964 (Lisboa, Biblioteca Nacional) e no Suplemento referente ao ano de 1962, encontrou-se na Secção Economia Doméstica (pp. 237-238) uma lista de periódicos dirigidos ao concreto das mulheres esposas e mães, na linha, por exemplo, de A Mulher (1883), As Crianças (1884) e A Utilidade (1895). Dela não se consideraram: Modas e Bordados. Vida Feminina (Lisboa, 1912); O Enxoval da Noiva (Lisboa, 1951); A Mulher no Lar (Lisboa, 1957); Bordados à Máquina (Lisboa, 1958); O Bastidor e… a Máquina (Lisboa, 1959); Mãos de Fadas. Revista mensal de lavores (Lisboa, 1961). Trata-se de revistas técnicas ou limitadas a um só campo.

Após alguma hesitação, decidiu-se excluir Mãos Dadas, Fagulha e Menina e Moça, da Mocidade Portuguesa Feminina, precisamente por se dirigirem à juventude. A incluí--las, deveriam ter-se em consideração outras que surgiram, por exemplo, no âmbito dos Centros Escolares e de certas escolas, como as de enfermagem.

Excluíram-se os periódicos publicados depois do 25 de Abril de 1974, por requererem uma pesquisa, de momento impossível de realizar. Tal significou não considerar Faces de Eva. Estudos sobre a mulher, revista académica, nem Ex æquo, revista da Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres, ambas lançadas em 1999 e ambas referenciadoras.

A lista, que não se considera estar completa, pois é expectável a descoberta de outros periódicos, optou por dar prioridade ao ano de publicação, seguido do nome e subtítulo do periódico e do local de publicação. Deste modo, pretendia-se obter leituras passíveis de responder imediatamente às seguintes questões: Quantas revistas foram publicadas por ano, em cada século e no total dos dois séculos? Quais os periódicos que se assumiam como revista? Onde eram publicados? Sumariamente, verifica-se que, dos 131 títulos, 71 foram publicados em Lisboa, 25 no Porto, um simultaneamente em Lisboa e Paris, outro apenas em Paris e os restantes 32 pontuaram de norte a sul em localidades de distinta dimensão. Constata-se que em 1878 foram publicados nove periódicos em locais diversos, estando outros em publicação. Numa análise temática geral, os conteúdos integram-se mais ou menos nos mesmos campos: Higiene e medicina, Crítica e reivindicação, Vida social, Conhecimentos úteis, Receitas culinárias, Moda, Relatos históricos, Costumes, Curiosidades, Literatura, Charadismo e Anedotas.

Topo da página

Notas

1 Ao usar-se o termo “revista” está-se a ceder, tão-só momentaneamente, à designação comum, que não é adequada nem sequer vantajosa, como se mostrará mais tarde.

2 As mais antigas temáticas substantivas são o direito eleitoral e a instrução. Para o primeiro caso, verifique-se a colaboração de Virginia Wood em A Voz Feminina. Jornal semanal, científico, literário e noticioso exclusivamente colaborado por senhoras: dedicado às ilustres senhoras [5 Jan. 1868-27 Jun. 1869]. Trata-se de uma mulher conhecedora do que se passava lá fora (cf. a série de artigos “O que se faz lá fora” que publicou em O Progresso [4 jul. 1869-26 Dez. 1869]).

3 O seminário foi dedicado ao século XIX português. Cf. Leal, Ivone, Um Século de Periódicos Femininos. Arrolamento de periódicos entre 1807 e 1926, Lisboa, CIDM, 1992, p. 10.

4 Idem, p. 12. Correio das Modas, de 1807 [Lisboa], é tido pela autora como “o primeiro periódico conhecido” (Idem, p. 13). Em Espanha, o periódico mais antigo, tanto quanto se sabe, é La Pensadora Gaditana, publicado em Madrid e em Cádis ao longo do ano de 1768. Era assinado por Beatriz Cienfuegos, supostamente o pseudónimo de um frade (cf. Leston, Xosé V. F., A prensa de mulleres en Galicia (1841-1994), Lisboa, Edições Universitárias Lusófonas, 1996, p. 21). O periódico mais antigo em Inglaterra é The Female Spectator, de Elizabeth Haywood, fundado em 1744. Note-se que a influência da imprensa estrangeira na criação dos periódicos portugueses, na opção temática e na abordagem dos conteúdos está por estudar.

5 O livro em causa é: Rocha, Clara, Revistas Literárias do Século XX em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional- -Casa da Moeda, 1985.

6 De António Nóvoa, indicam-se dois títulos: Nóvoa, António, A Imprensa de Educação e Ensino. Repertório analítico (séculos XIX-XX), Lisboa, Instituto de Inovação Educacional, 1993; Nóvoa, António, “A imprensa de educação e ensino: Concepção e organização do Repertório português”, in Catani, Denice B. & Bastos, Maria Helena C. (orgs.), Educação em Revista – A imprensa periódica e a história da educação, S. Paulo, Escrituras, 1997, pp. 11-31. De Justino Pereira de Magalhães, remete-se para o artigo: Magalhães, Justino, “A imprensa de educação e ensino, repertório analítico (séculos XIX-XX)”, Educação, Sociedade e Culturas, 3, 1995, pp. 216-219.

7 Um exemplo: Nunes, Fátima, Imprensa Periódica Científica (1772-1852). As leituras de “sciencia agrícola” em Portugal, Lisboa, Estar, 2001.

8 As secretárias de redacção eram Albertina Paraíso e Virgínia Quaresma. Para o conhecimento da actividade feminista de uma e outra, consulte-se a seguinte obra: Castro, Z. O. de, Esteves, J., Dicionário no Feminino (Séculos XIX-XX), Lisboa, Livros Horizonte, 2005.

9 Cf. Vida Feminina. Revista Semanal da Mulher e para a Mulher, p. 1. Procedeu-se sempre à actualização ortográfica das citações, por não se ver qualquer vantagem na fiel transcrição do português da época.

10 Trata-se do segundo periódico feminino publicado em Lisboa, de 22 de Fevereiro a 7 de Março de 1822. Era exclusivamente redigido por Almeida Garrett e Luís Francisco Midosi. Conhecem-se sete números (1-7), cada um com dezasseis páginas, de formato rectangular (a =17,8 / l =11,5), produzidos na tipografia Imprensa Liberal.

11 Considera-se ser o terceiro periódico feminino: semanário publicado em Lisboa, de 29 de Novembro a 6 de Dezembro de 1822. Conhecem-se três números (1-3), cada um com quatro páginas, de formato rectangular (a = 25,2 / l = 15,7), produzidos na tipografia J. F. M. de Campos e Régia Tip. Silvana. As três colaboradoras principais assinavam por: Uma Senhora Portuguesa; Semiramis; Uma Outra Anónima. As restantes escondiam a identidade.

12 Cf. s.a., “Introdução”, O Toucador, Lisboa, 1993, p. 27. Excluídas a política e as altas ciências, todo o interesse está nas notícias “da sociedade, do tom, da moda, etc.” (Idem, p. 27).

13 Cf. s.a., “s.t.”, Gazeta das Damas, 1 (Nov.) 1922, s. p. A mesma intencionalidade está subjacente no plano de trabalho que consistia “na sólida instrução de todas as classes do Belo-Sexo sobre os princípios da pura moral. No amor, em que pretendemos inflamar esta maioria da Nação pelas suas novas instituições, para que ela o inspire desde o berço à geração futura” (cf. Idem, s. p.). A instrução e a educação dominavam nos assuntos tratados, fosse para mobilizar os políticos (“As pensionistas do Estado”), fosse para reivindicar (“Educação”) ou para reformar comportamentos (“Dever das mães”).

14 Idem, s. p.

15 A expressão “ética mínima” corresponde exactamente ao título de um livro de Adela Cortina [Ética Mínima. Introducción a la filosofía práctica, Madrid, Tecnos, 1986] e designa o referencial de exigência ética que garante o ideal da dignidade humana como absolutamente valioso e fim incondicionado.

16 No livro de Xosé V. F. Leston, A prensa de mulleres en Galicia (1841-1994), encontra-se a seguinte observação à imprensa de mulheres em Portugal: “Malia a cantidade total de publicacións, case comparable a de España, debemos salientar que practicamente ningunha destas revistas pon en cuestión o modelo dominante acerca do papel social da muller. Neste aspecto esta prensa está mais próxima de galega que de española” (p. 58).

Não cabe neste trabalho, de abordagem incoativa e circunscrita a Portugal, a remissão para situações internacionais. Mas foi proveitosa a leitura do livro de Alison Adburgham (Women in Print. Writing Women and Women’s Magazines from the Restoration to the Accession of Queen Victoria, London, Allen & Unwin, 1972) e de Laurel Brake (Subjugated Knowledges, Journalism, Gender and Literature in the Nineteenth Century, London, Macmillan, 1994), onde merecem destaque quer a análise feita às revistas de mulheres publicadas entre 1880 e 1890, quer os debates da imprensa, quer a relação estabelecida entre mulheres escritoras e jornalistas. Pela razão supra-indicada, resistiu-se à tentação de sumariar o caso brasileiro exposto por Kátia de Carvalho (“As imagens femininas no Rio de Janeiro, anos 20: Um sistema de informação cultural”, Ciência de Informação, vol. 20, 1, 1995), disponível na net, e Nelly Novaes Coelho (“A emancipação da mulher e a imprensa feminina. Século XIX-século X”, Cosmo on line, 1/12/2001). Registe-se a impossibilidade de consultar a dissertação de Maria Fernanda Baptista Bicalho, também brasileira (Bicalho, Maria Fernanda Baptista, O Belo Sexo: A imprensa, identidade feminina no Rio de Janeiro em fins do século XIX e inícios do século XX, Rio de Janeiro, Museu Nacional, 1988, 268 pp. [Dissertação]). Note-se que, apesar de não ter sido consultada, considerou-se que omitir a sua referência invisibilizava injustamente a obra.

17 Cf. Lopes, Ana Maria Costa, Imagens da Mulher na Imprensa Feminina de Oitocentos. Percursos de modernidade, Lisboa, Quimera Editores, 2005.

18 Não são as únicas detentoras de elementos comprovativos, mas para o presente estudo elas são as autoras mais adequadas para o estudo do feminismo português. Em função deste critério, e sem diminuir o mérito de ninguém, não se tomou em consideração a dissertação de licenciatura de Rosemarie Wank-Nolasco Lamas, intitulada O Feminismo Português através da Leitura de Alma Feminina e de Portugal Feminino [Lisboa, Universidade Católica de Lisboa, 1993]. Também se não considerou o livro A Mulher em Textos e Contextos. Um recenseamento bibliográfico tematicamente indexado sobre publicações periódicas portuguesas (1974-1988), de Luís Esteves de Melo Campos [Lisboa, Comissão da Condição Feminina, 1989], pela mesma razão. A justificação serve ainda para o artigo de Liliana da Silva Araújo Simões, “A publicidade nas revistas femininas” [Boletim da Comissão da Condição Feminina, Ano X, n.º 3-4 (Jul./Dez.) 1981, Lisboa, CCF, pp. 107-112].

19 Cf. Lopes, Ana Maria Costa, Imagens da Mulher na Imprensa Feminina de Oitocentos. Percursos de modernidade, Lisboa, Quimera Editores, 2005, p. 361.

20 A Voz Feminina. Jornal semanal, científico, literário e noticioso exclusivamente colaborado por senhoras: dedicado a ilustração das senhoras foi publicado entre 5 de Janeiro de 1868 e 27 de Junho de 1869. Conhecem-se 76 números (1-50: 1868; 51-76: 1869), cada um com quatro páginas, de formato rectangular (a = 42,5; l = 31,5), de periodicidade semanal e produzido na tipografia Voz Feminina, Tip. Luso-Britânica. A Redacção era constituída por Francisca Martins Wood, Guilherme Wood, Guiomar Torrezão e Pinho Almeida.

21 O Progresso. Jornal semanal político, literário e noticioso, continuação de A Voz Feminina. Foi publicado entre 4 de Julho de 1869 e 26 de Dezembro de 1869. Conhecem-se 25 números, cada um com quatro páginas, de formato rectangular (a = 43; l = 31), de periodicidade semanal e produzido na tipografia Luso--Britânica. A Redacção era constituída por Francisca Martins Wood e Guilherme Wood.

22 A Ilustração Feminina. Semanário d’Instrução e recreio dedicado ao sexo feminino e redigido por várias senhoras e cavalheiros foi publicado entre 17 de Agosto de 1868 e 1 de Novembro de 1868. Conhecem-se doze números, cada um com quatro páginas, de formato rectangular (a = 43; l = 31), de periodicidade semanal e produzidos na Tipografia Lisbonense.

23 Cf. Silva Pereira, “Jornais para as damas, Semanal das Musas, Jornal dos Amores ou as Calovriadas de Coimbra”, A Mulher, (8) 1883, p. 63.

24 Cf. José Tengarrinha, História da Imprensa Periódica Portuguesa, Lisboa, Portugália Editora, 1965, p. 134.

25 Cf. Clara Rocha, Revistas Literárias do Século XX em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1985, p. 25.

26 Trata-se de uma definição abrangente tomada para efeitos de trabalho, cuja referência filosófico-jurídica é a declaração de Olympe de Gouges, correctora da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, de 1789 (cf. Giulio de Martino e Marina Bruzzese, Las Filósofas. Las Mujeres Protagonistas en la Historia del Pensamiento, Valência, Ediciones Cátedra, 1996, p. 291). A não-univocidade do feminismo permite usar o termo no plural – feminismos. Assim se contempla um espectro de posicionamentos que vão do liberalismo moderado ao radicalismo defendido, por exemplo, por Betty Friedan (cf. Betty Friedan, The Feminine Mystique, Harmondsworth, Penguin, 1983).

27 Noticiosas eram as manifestações sufragistas promovidas pela inglesa Emmerline Pankhurst (1858- -1938), fundadora da Women’s Social and Political Union, em 1903, que terminavam, incontidamente, com violência, incêndios e destruições.

28 O termo “feminina” tem uma conotação negativa por corresponder à internalização do ideal feminino, um constructo próprio do paradigma patriarcal que ideologicamente combina, tal como Simone de Beauvoir denunciou em O Segundo Sexo, a estrutura subjectiva da mulher e o comportamento social que dela é expectável. Ser feminina neste sentido corresponde à afirmação ou imposição da feminilidade. Feminina pode, ou não, ser solidário ou sinónimo de antifeminismo.

29 A Assembleia Literária. Jornal d’instrução foi publicado em Lisboa entre 4 de Agosto de 1849 e 15 de Abril de 1851, inicialmente em regime semanal e depois quinzenal. Conhecem-se quarenta números (mais dezassete da 2.ª série: 1951), cada um com oito páginas, de formato rectangular (a=25 / h=18), produzidos na Tipografia G. M. Martins, J. B. Morando, Tip. Gratidão, Imp. e Tip. de Alexandrina Amélia de Sales, Tipogafia de Silva, de Lisboa. Ivone Leal assinala o carácter inovador do jornal: “(…) na imprensa do século XIX a expressão ‘periódico feminino’ queria dizer jornal destinado por homens a público feminino e contendo matérias que esses homens entendiam ser as que interessavam ou deviam interessar às mulheres. A partir da publicação de ‘A Assembleia Literária’ aquela expressão amplia-se e altera o seu significado, na exacta medida em que o conteúdo do jornal se torna diferente” (cf. Ivone Leal, Um Século de Periódicos Femininos. Arrolamento de periódicos entre 1807 e 1926, Lisboa, CIDM, 1992, p. 56).

30 Cf. Antónia Luísa Pontes Cabral, 4 de Agosto de 1849, p. 1.

31 Órgão do Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas, Alma Feminina. Jornal de Instrução foi publicado em Lisboa entre Janeiro de 1917 e 15 de Maio de 1946, com regularidade mensal.

32 Idem, p. 1.

33 Cf. Francisca Wood, “Declaração”, A Voz Feminina, 35 (Set.) 1868, p. 1.

34 Cf. Ivone Leal, Um Século de Periódicos Femininos. Arrolamento de periódicos entre 1807 e 1926, Lisboa, CIDM, 1992, p. 71. Francisca Wood também estava convencida disso mesmo: “Um jornal redactado por senhoras é hoje uma novidade na Europa, de cuja iniciativa deveríamo-nos, as portuguesas, ufanar-nos. Mas, segundo todas as aparências, não nos ufanamos” (cf. Francisca Wood, “Editorial”, A Voz Feminina, n.º 13, 1868, s.p.).

35 Cf. Amália Vaz de Carvalho, “Correspondência”, A Voz Feminina, 25 (Set.) 1868, s.p. Resposta de Francisca Wood: “Se assim é, já não falta tudo, tendo uns dito que a redactora desta folha é um homem com bigodes retorcidos, outras que se quer fazer homem” (Idem, s.p.).

36 Cf. Virgínia Dias, “Maria Amália Vaz de Carvalho”, in Zília Osório de Castro e João Esteves, Dicionário no Feminino (Séculos XIX-XX), Lisboa, Livros Horizonte, 2005, p. 581.

37 Quarenta e seis anos mais tarde, escrevia-se em Alma Feminina, Boletim Oficial da Comissão Nacional das Mulheres Portuguesas: “On peut dire de la façon la plus absolue que le manque frappant d’équilibre moral, qu’on remarque dans les sociétés modernes, est la conséquence inévitable de l’absence de l’action consciente de la femme. Et voilà, pourquoi le féminisme, ayant pour but d’élever et de libérer la plus grande partie du genre humain, s’impose efficacement à tous les esprits illustrés. L’isolement auquel la femme a été condamnée et son éloignement de la vie publique a constitué toujours, et constitue, encore, un fort embarras au progrès” (cf. Alma Feminina, Ano 1, n.º 1, 1915, pp. 1-2).

38 Cf. Pires, Daniel, Dicionário da Imprensa Periódica Literária Portuguesa do Século XX (1941-1974), 2 vols., Lisboa, Grifo Limitada, 1999.

39 Cf. Silva Pereira, Jornalismo Português, Lisboa, Typ. Tavares, 1895; Os Jornais Portugueses, Lisboa, Imp. Libanio da Silva, 1898.

40 Vale a pena transcrever a justificação dada por Áurea Paes Falcão no editorial do primeiro número do jornal: “Nunca sonhámos ser outra coisa que não fosse esposa e mãe, mas foi justamente esse mister sublime superior a todos os misteres que Deus, nos seus insondáveis propósitos, não quis conceder-nos…”.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência do documento impresso

Teresa Salvador, « Em torno dos periódicos femininos », Cultura, Vol. 26 | 2009, 95-117.

Referência eletrónica

Teresa Salvador, « Em torno dos periódicos femininos », Cultura [Online], Vol. 26 | 2009, posto online no dia 16 Setembro 2013, consultado a 25 Março 2017. URL : http://cultura.revues.org/425 ; DOI : 10.4000/cultura.425

Topo da página

Autor

Teresa Salvador

Universidade de Évora
Professora auxiliar na Secção de Filosofia da Universidade de Évora e investigadora integrada no CIDEHUS da mesma instituição. Colabora no Cesnova (FCSH/UNL) como coordenadora de Faces de Eva. Em 2008 publicou: “A Educação – Tomada de posição do jovem Antero”, in Dias, J. M. de Barros e Sebastião, Luís (org.), Da Filosofia, da Pedagogia, da Escola, Évora, Universidade de Évora, 2008, pp. 245-262;Memória das ruas. Toponímia educativa eborense”, in Nico, Bravo, Aprendizagens do Interior: Reflexões e fragmentos (org.), Mangualde, Edições Pedago, 2008, pp. 179-219; Entre o Defeito e o Excesso: Da demissão dos pais ao seu protagonismo na escola, Funchal, 2008; “Três metáforas auto-apresentativas: uma maneira peculiar de interpretar a existência”, in Reflexões em Torno de María Zambrano, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 2008, pp. 9-16; “Hélène, a irmã de Simone de Beauvoir. De passagem por Portugal”, in Faces de Eva. Estudos sobre a Mulher, Lisboa, 20 (Dezembro) 2008, pp.157-162; “Luísa Freire. O Japão no Feminino Haiku”, in Faces de Eva. Estudos sobre a Mulher, Lisboa, 20 (Dezembro) 2008, pp. 210-212 (co-dir.); Educação. Temas e Problemas – Educação e diálogo intercultural, Lisboa, Ano 3, n.º 5, 2008 (co-dir. ); Educação. Temas e Problemas – O planeta Terra e a educação, Lisboa, Ano 3, n.º 6, 2008.

Topo da página

Direitos de autor

© Centro de História da Cultura

Topo da página
  • Logo Centro de História d'Aquém e d'Além-Mar
  • Revues.org